Ribeirinhos e recursos vegetais: a etnobotânica em Rondonópolis, Mato Grosso, Brasil

  • Maria Corette Pasa
  • Gabriela de Ávila
Palavras-chave: Etnobotânica. Recursos vegetais. Conservação.

Resumo

Através da etnobotânica, o trabalho mostrou o conhecimento dos moradores locais quanto ao uso dosrecursos vegetais nas hortas, quintais e matas de galeria do rio Arareau em Rondonópolis, MT. A metodologia se deuatravés de entrevistas semiestruturadas e não-estruturadas. Os resultados apontaram a etnocategoria medicinalsobre as demais. Relevância na interação das pessoas de saber local com o ambiente. A subsistência no local nãoproporciona impacto ambiental e favorece a conservação dos ecossistemas locais.

Referências

ALBUQUERQUE, Ulysses. P. Introdução à etnobotânica. 2. ed. Rio de Janeiro: Interciência, 2005.

ALMEIDA, Cecilia F. C. B. R.; ALBUQUERQUE, Ulysses. P. Uso e conservação de plantas e animais medicinais no estado de Pernambuco (Nordeste do Brasil): um estudo de caso. Interciência, v. 27, n. 6, p. 277-285, jun. 2002.

AMOROZO, Maria Cristina. de M.; GELY, Antonio. Uso de plantas medicinais por caboclos do Baixo Amazonas. Barcarena, PA, Brasil. Bol. Mus. Pará Emílio Goeldi, Sér.Bot. 4, p. 47-131, 1988.

BEGOSSI, Alpina. Resiliência e populações neotradicionais: os caiçaras (Mata Atlântica) e os caboclos (Amazônia, Brasil). In: DIEGUES, Antonio Carlos; MOREIRA, André de Castro (Orgs.). Espaços e recursos 205-231.

CABALLERO, Javier. Floristic varation in modern Maya homegardens: ethnobiological implications. In: GÓMEZ-POMPA, A. (ed.). Homegardens of the Maya area. [S.l.]: West View Press, 1979. (In Press).

COUTINHO, Leopoldo M. O conceito de cerrado. Revista Brasileira de Botânica, (1), p. 17 -23, 1978.

DIEGUES, Antonio C. O mito moderno da natureza intocada. 3. ed. São Paulo: HUCITEC, 2001.

FRIEDMAN, John. A Preliminary classification of the Healing Potential of Medicinal Plants, Base don a Rational Analysis of Ethnopharmacological Field Survey Among Bedouins in the Negev Desert, Israel. Journal of Ethnopharmacology, v. 16, p. 275-287, 1986.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

GUARIM NETO, Germano. Plantas medicinais do estado do Mato Grosso. Brasília: ABEAS/UFMT, 1996.

LÉVÊQUE, Chistian. A biodiversidade. Bauru, SP: EDUSC, 1999.

MEIHY, José C. S. B. Manual de história oral. São Paulo: Loyola, 1996.

MINAYO, Maria C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec; Rio de Janeiro: Abrasco, 1994.

MOTA, Clarice N.; ALBUQUERQUE, Ulysses P. (Org.). As muitas faces da Jurema: de espécie botânica à divindade afro-indígena. Recife: Bagaço, 2002.

PASA, Maria C. Um olhar etnobotânico sobre as comunidades do Bambá. Cuiabá, MT: Entrelinhas, 2007.

______. Etnobiologia de uma comunidade Ribeirinha no Alto da Bacia do Rio Aricá Açu, Cuiabá, Mato Grosso, Brasil. 2004. Tese (Doutorado em Ecologia e Recursos Naturais) – Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos-SP, 2004.

______. A utilização dos recursos vegetais no Vale do Aricá, Mato Grosso: um estudo etnoecológico. 1999. Dissertação (Mestrado em Ecologia e Conservação da Biodiversidade) – Instituto de Biociências, Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 1999.

PASA, Maria C.; GUARIM-NETO, Germano. Plantas medicinais no Vale do Aricá, município de Cuiabá, estado de Mato Grosso, Brasil. Biodiversidade, 1(4), p. 10-27, 2006 ______. Garrafadas medicinais de plantas de Mato Grosso (I): Anemopaegma arvense (Vell.) Stellf. e A. glaucum Mart. Ex DC. Biodiversidade, 1(4), p. 28-38, 2005.

______. Talisia subalbens (Martius) Radlkofer (Sapindaceae): Espécie endêmica do cerrado de Mato Grosso. Biodiversidade 1(3), p. 42 – 48. 2004.

PASA, Maria C.; SOARES, João J.; GUARIM-NETO, Germano. Estudo etnobotânico na comunidade de Conceição-Açu (alto da bacia do rio Aricá-Açu, MT, Brasil). Acta Botanica Brasílica, São Paulo, v. 19, n. 2, p. 195-207, 2005.

POSEY, Darrel A. Interpretando e utilizando a “realidade” dos conceitos indígenas: o que é preciso aprender dos nativos? In: DIEGUES, Antonio Carlos; MOREIRA, André de Castro (Orgs.). Espaços e recursos naturais de uso comum. São Paulo: NUPAUB, 2001.

PRIMACK, Roberto P.; RODRIGUES, Everaldo. Biologia da conservação. Londrina: Midiograf, 2001.

RAPPAPORT, Roy A. Natureza, cultura e antropologia ecológica. In: SHAPIRO, H. L. Homem, cultura e sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 1982. p. 251-282.

REZENDE, Alba V. Cerrado: Matas de galeria. In: RIBEIRO, J. F. (Ed.). Importância das matas de galeria: manutenção e recuperação. Planaltina: EMBRAPACPAC, 1998. p. 3-16.

RIBEIRO, José F. (Ed.). Cerrado: matas de galeria. Planaltina: Embrapa – CPAC, 1998.

SETTE, Denise M.; TARIFA, João R. Clima e ambiente urbano tropical: o caso de Rondonópolis-MT. In: Revista INTERGEO, (1), p. 26-35, 2001.

SILVA-ALMEIDA, Maria de F.; AMOROZO, Maria. C. M. Medicina popular no distrito de Ferraz, município de Rio Claro, estado de São Paulo. Brazilian Journal of Ecology, Rio Claro-SP, n. 2, p. 36-46, 1998.

VIERTLER, Renate B. Estudos de ecologia cultural em grupos tribais amazônicos: perspectivas. In: NEVES, W. A. Biologia e ecologia humana da Amazônia: avaliação e perspectivas. Belém, PA: SCT/PA CNPq – Museu Paraense Emílio Goeldi, 1989. (Coleção Eduardo Galvão).

______. Seminário de etnobiologia e etnoecologia do Sudeste. In: AMOROZO et al. (Ed.). Métodos antropológicos como ferramenta para estudos em etnobiologia e etnoecologia. Rio Claro, SP: SBEE, 2002. p. 11-29.

XAVIER, Fernando. F. Conhecimento ecológico tradicional e recursos vegetais em Nossa Senhora da Guia, Cuiabá, Mato Grosso. 2005. Dissertação (Mestrado em Ecologia e Conservação da Biodiversidade) – Instituto de Biociências, Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2005.

Publicado
2016-02-15