Proposta investigativa sobre os impactos educativos e sociais da Rota Bioceânica no território indígena Kadiwéu em Porto Murtinho, Brasil

Palavras-chave: educação escolar indígena, cultura indígena, Corredor Rodoviário Bioceânico, indígenas

Resumo

Este artigo visa apresentar a organização das etapas da pesquisa interinstitucional “Os Impactos Sociais da Rota Bioceânica nos Territórios Indígenas Kadiwéu e Ayoreos, Brasil/Paraguai”, vinculada ao eixo Populações Indígenas e Vulnerabilidades Sociais do grupo de trabalho Impactos Sociais, desenvolvido em parceria com as Universidades da Rota de Integração Latino-Americana (UniRILA). Para tanto, apresenta a contextualização geográfica e histórica da proposta, bem como aspectos gerais dos povos originários Kadiwéu, Kinikinau e Terena que residem na Reserva Kadiwéu, conhecida como Campo dos Índios, em Porto Murtinho, em Mato Grosso do Sul, Brasil. Em tempos de pandemia da Covid-19, os dados revelam que o roteiro do diagnóstico adaptado a partir do documento utilizado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira/INEP para o Censo Escolar pode identificar as concepções desses povos originários sobre os impactos educativos, sociais, culturais e econômicos diante da construção do Corredor Rodoviário Bioceânico que passará pelo Brasil, Paraguai, Argentina e Chile.

Biografia do Autor

Beatriz dos Santos Landa, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)

Possui graduação em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1992), mestrado em História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1995) e doutorado em História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2005). Pós-doutorado em Educação pela Universidade Católica Dom Bosco/UCDB(2019). Atualmente é professora adjunta da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul. Professora do Programa de Mestrado Profissional em Ensino de História / PROFHistória da UEMS e do Programa de Mestrado em Antropologia Social da UFGD. Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação, Gênero, Raça e Etnia (GEPEGRE/CNPq/UEMS), Coordenadora e membro do Centro de Estudos, Pesquisa e Extensão em Educação, Gênero, Raça e Etnia (CEPEGRE/UEMS). Vice-coordenadora do Programa Rede de Saberes na UEMS financiado pela Fundação Ford, e coordenadora da Ação Saberes Indígenas na Escola na UEMS, financiada pelo MEC/FNDE.

Kátia Cristina Nascimento Figueira, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)

Possui graduação em História - Faculdades Unidas Católicas de Mato Grosso (1987), mestrado em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (1997), doutorado em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (2011) e pós-doutorado em Educação também na UFSCar (2020) . Atualmente é professora adjunta da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul nos cursos de graduação em Pedagogia e pós-graduação Stricto Sensu Mestrado Profissional em Educação. É membro dos grupos de pesquisa História, Sociedade e Educação no Brasil - HISTEDBR UFSCar e Educação, Cultura e Diversidade da UEMS vinculado a Rede de Pesquisa Internacional para a América Latina, Europa e Caribe - ALEC.

Léia Teixeira Lacerda, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)

Possui Graduação em Psicologia pela Universidade Católica Dom Bosco (1995), Mestrado em Psicologia pela Universidade Católica Dom Bosco (2003), Mestrado em História pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2004) e Doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo (2009). Atuou na Coordenadoria dos Cursos Normal Superior e Normal Superior Indígena no período de 2002 a 2005 e no Curso de Pedagogia da Unidade Universitária de Campo Grande da UEMS, no período de 2009 a 2018. Atualmente é Coordenadora do Centro de Pesquisa, Ensino e Extensão Educação, Linguagem, Memória e Identidade/CELMI e professora adjunta da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul no Curso de Pedagogia e no Programa de Mestrado Profissional em Educação. Editora da Revista Brasileira de Educação, Cultura e Linguagem. Líder do Grupo de Pesquisa: Educação, Cultura e Diversidade, vinculado à Rede de Pesquisa Internacional para América Latina, Europa e Caribe/Rede ALEC.

Referências

ALMEIDA, L. P., TEIXEIRA, L. L., FIGUEIRA, K. C. N. A importância do estudo dos impactos sociais junto às comunidades locais dos territórios que integram o Corredor Rodoviário Bioceânico. Interações, Campo Grande, 20, número especial, 285-296, 2019.

ACÇOLINI, G.; MOURA, N. Os Terena em Mato Grosso do Sul. In: CHAMORRO, G.; COMBÈS, I. (Org.). Povos Indígenas em Mato Grosso do Sul: história, cultura e transformações sociais. Dourados: UFGD, 2015. p. 249-66. Disponible en:

https://files.ufgd.edu.br/arquivos/arquivos/78/EDITORA/catalogo/povos_indigenas_em_mato_grosso_do_sul.pdf. Acceso el: 6 mayo 2021.

ALBUQUERQUE, J. L. Conflito e integração nas fronteiras dos “brasiguaios”. Caderno CRH, Salvador, v. 23, n. 60, p. 579-90, 2010.

BITTENCOURT, C. M.; LADEIRA, M. E. A história do povo Terena. Brasília, DF: USP; MEC, 2000.

CHAMORRO, G.; COMBOS, I. Povos Indígenas em Mato Grosso do Sul: história, cultura e transformações sociais. Dourados: UFGD, 2015. Disponible en: https://files.ufgd.edu.br/arquivos/arquivos/78/EDITORA/catalogo/povos_indigenas_em_mato_grosso_do_sul.pdf. Acceso el: 6 mayo 2021.

IBGE. Censo demográfico 2000/2010. IBGE, Brasília, DF, 2010. Disponible en: http://censo2010.ibge.gov.br/. Acceso el: 24 jun. 2021.

FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO [FUNAI]. Funai, 2010. Disponible en: https://www.gov.br/funai/pt-br. Acceso el: 24 jun. 2021.

LACERDA, L. T. Corpos indígenas, cultura e alteridade Kadiwéu em fronteiras. Curitiba: Editorial CRV, 2021. v. 1.

MARTINS, J. S. Exclusão e a nova desigualdade. São Paulo: Paulus, 1997.

MENESES, A. V.; RODRIGUES, F. S. A construção de uma cultura de fronteira no espaço transfronteiriço do Brasil e da Guiana. Textos & Debates, Boa Vista, v. 1, n. 27, p. 53-66, 2015.

PECHINCHA, M. T. S. Histórias de admirar: mito, rito e história Kadiwéu. 1994. 202 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade de Brasília, Brasília, DF, 1994.

RIBEIRO, D. Os índios e a civilização. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1980.

SILVA, G. J. Protagonismos indígenas em Mato Grosso (do Sul): memórias, narrativas e ritual Kadiwéu sobre a guerra (sem fim) do Paraguai. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais, Rio Grande, v. 10, n. 20, p. 136-57, 2018.

SILVA, G. J. Indígenas Kadiwéu na história e no ensino de História (1997-2004): uma radical experiência de alteridade. In: ENCONTRO ESTADUAL DE HISTÓRIA DA ANPUH-SP, 22., 1-4 set. 2014, Santos. Anais [...]. Santos: Unisantos, 2014. Disponible en: http://www.encontro2014.sp.anpuh.org/resources/anais/29/1406682057_ARQUIVO_Textocompleto-AnpuhSP2014.pdf. Acceso el: 6 mayo 2021.

SILVA, G. J.; SOUZA, J. L. Verbete Kinikinau. Povos Indígenas no Brasil, [s.l.], 2004 Disponible en: http://pib.socioambiental.org/pt/povo/Kinikinau. Acceso el: 7 jul. 2021.

SILVA, G. J.; SOUZA, J. L. O despertar da fênix: a educação escolar como espaço de afirmação da identidade étnica Kinikinau em MS. Sociedade e Cultura, Goiânia, v. 6, n. 2, p. 199-208, 2003.

SOUZA, Rosaldo de Albuquerque. Sustentabilidade e processos de reconstrução identitária entre o povo indígena Kinikinau (Koinukunôen) em Mato Grosso do Sul. 2012. 61 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Sustentável) – Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2012.

Publicado
2021-12-14
Como Citar
dos Santos Landa, B., Figueira, K. C. N., & Lacerda, L. T. (2021). Proposta investigativa sobre os impactos educativos e sociais da Rota Bioceânica no território indígena Kadiwéu em Porto Murtinho, Brasil. Interações (Campo Grande), 22(4), 1213-1225. https://doi.org/10.20435/inter.v22i4.3453