Diretrizes para o planejamento de uma demolição seletiva em edifícios

Palavras-chave: demolição tradicional, demolição seletiva, desconstrução, gestão de resíduos de demolição, reutilização.

Resumo

O objetivo do presente artigo é desenvolver um conjunto de diretrizes que permitam aprimorar o planejamento das atividades de demolição e promover práticas mais sustentáveis no canteiro de obras de demolição. A pesquisa empírica foi realizada através de três estudos de caso, desenvolvendo um diagnóstico do funcionamento das atividades das empresas que praticam a demolição seletiva de pequenas edificações, através de entrevistas, acompanhamento das demolições e da revenda dos materiais. Assim sendo, foi possível verificar a existência de mercados para os materiais e componentes reaproveitados que promovem o desenvolvimento local.

Biografia do Autor

Andreia Sofia Moreira Martins, Universidade Federal de São Carlos
Formou-se em Engenheira Civil no ramo de construções pelo Instituto Superior de Engenharia do Porto, Portugal (2013). Mestrado no Instituto de Arquitectura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (2016). Atualmente é doutoranda em Estruturas e Construção Civil na Universidade Federal de São Carlos, sob a supervisão do Prof. Dr. José Paliari, tendo como tema central da pesquisa a análise ergonômica do trabalho na execução de sistemas de alvenaria. A pesquisa se desenvolve nas seguintes áreas: ergonômia na construção civil, segurança no canteiro de obras, produtividade, tecnologia das construções.
Daniel Costa Reis, Universidade São Paulo
Possui graduação em Engenharia civil (2009) pelo Instituto Superior de Engenharia do Porto, no ramo Tecnologia e Gestão das Construções; mestrado em Arquitetura, Urbanismo e Tecnologia pelo Instituto de Arquitetura e Urbanismo (IAU-USP). Atualmente é doutorando em Engenharia Civil na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP), sob a supervisão do Prof. Dr. Vanderley M. John, tendo como tema central da pesquisa a análise da pegada de resíduos na cadeia produtiva do concreto. A pesquisa se desenvolve nas seguintes áreas: Construção sustentável, análise de fluxos de materiais e métodos simplificados de análise de ciclo de vida com destaque na indústria do concreto.
Márcio Minto Fabricio, Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo
Livre - Docente em Arquitetura, Urbanismo e Tecnologia pela Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo - EESC USP (2008), Doutor em engenharia pela Escola Politécnica da USP (2002), Mestre em Arquitetura e Urbanismo pela EESC USP (1996), Engenheiro Civil pela Universidade Federal de São Carlos (1993). <br>Professor da graduação, mestrado e doutorado do Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (IAU USP). Presidente da Comissão de Pesquisa do IAU USP. <br>Editor do periódico Gestão & Tecnologia de Projetos e membro do conselho editorial da Revista Tecnológica da Universidade Estadual de Maringá e PARC: Pesquisa em Arquitetura e Construção da Universidade Estadual de Campinas. <br> Líder do grupo de pesquisa Arquitetura, Inovação e Tecnologia (Arquitec IAU USP) e colaborador no grupo Qualidade e Desempenho no Ambiente Construído da FAU USP. Atua como assessor ad hoc da FAPESP, CNPq, CAPES e como parecerista dos seguintes periódicos: Architectural Engineering and Design Management; Ambiente Construído; International Journal of Architectural Computing; PARC [pesquisa em arquitetura e construção]; Cadernos do PROARQ (UFRJ); Gestão & Produção; Gestão & Tecnologia de Projetos. <br>Foi Presidente da Comissão de Pós-Graduação do IAU-USP (nov. 2013 - nov. 2015) e Coordenador acadêmico do DINTER IAU-UEM-UEL (2011- Mar. 2016). Respondeu pela Coordenação do Curso de Graduação em Arquitetura e Urbanismo da EESC-USP (10/2003 a 9/2006). <br> Foi Presidente da Associação Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído - ANTAC (10/2012-11/2014) e Diretor de Relações Inter-Institucionais (10/2010 a 10/2012). <br>Coordenador Geral da Rede de pesquisa INOVATEC-FINEP (projeto de pesquisa financiado envolvendo dez instituições brasileiras 2011- maio 2016). <br>Linhas de Atuação e Pesquisa: Tem experiência nas áreas de Arquitetura e construção, com ênfase em Gestão e Tecnologia de Projetos; Projeto Paramétrico; Industrialização da Construção e Sistemas Construtivos Inovadores.

Referências

ADDIS, B. Reuso de materiais e elemento de construção. Tradução de Christina Del Posso. São Paulo: Oficina de Textos, 2010.

AKBARNEZHAD, A.; ONG, K. C. G.; CHANDRA, L. R. Economic and environmental assessment of deconstruction strategies using building information modeling. Automation in Construction, Sydney, v. 37, p. 131-44, jan. 2014.

ASSEFA, G.; AMBLER, C. To demolish or not to demolish: Life cycle consideration of repurposing buildings. Sustainable Cities and Society, Alberta, Canada, v. 28, p. 146-53, jan. 2017.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 100004: Resíduos Sólidos - Classificação. Rio de Janeiro, 2004.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 5682: Contratação, Execução e Supervisão de Demolições. Rio de Janeiro, 1977.

BANIAS, G.; ACHILLAS, C.; VLACHOKOSTAS, C.; MOUSSIOPOULOS, N.; TARSENIS, S. Assessing multiple criteria for the optimal location of a construction and demolition waste management facility. Building and Environment, Theassaloniki, Greece, v. 45, n. 10, p. 2317-26, out. 2010.

BRITISH STANDARD INSTITUTE (BSI). BS 6187:2011 - Code of practice for full and partial demolition. London: BSI Standards Publication, 2011.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Norma Regulamentadora 18 - NR 18.5 Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção - Demolição. Brasília: Ministério do Trabalho e Emprego, 2015.

BRASIL. Resolução CONAMA n. 307. estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 2002.

CANADIAN STANDARDS ASSOCIATION (CSA). S350-M1980 - Code of Practice for Safety in Demolition of Structures (Design) (Reaffirmed 2003). Toronto, 2003.

CASTRO, M. F.; MATEUS, R.; BRAGANÇA, L. Práticas sustentáveis de projetos em edifícios hospitalares. Plataforma para a Construção Sustentável. 2012. Disponível em: https://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/21745/4/CINCOS12_Castro_Mateus_Bragan%C3%A7a.pdf

CHEN, X.; LU, W. Identifying factors influencing demolition waste generation in Hong Kong. Journal of Cleaner Production, v. 141, p. 799-811, jan. 2017.

COELHO, A.; BRITO, J. Influence of construction and demolition waste management on the environmental impact of buildings. Waste Management, Lisboa, v. 32, n. 3, p. 532-41, mar. 2012.

COELHO, A.; DE BRITO, J. Economics analysis of conventional versus selective demolition - a case study. Resources, Conservation and Recycling, Lisboa, v. 55, n. 3, p. 382-92, jan. 2011.

DANTATA, N.; TOURAN, A.; WANG, J. An analysis of the cost and duration for deconstruction and demolition of residential buildings in Massachusetts. Resources Conservation & Recycling, v. 44, n. 1, p. 1-15, abr. 2005.

DENHART, H. Deconstructing disaster: economic and environmental impacts of deconstruction in post-Katrina New Orleans. Resources, Conservation and Recycling, Portland, v. 54, n. 3, p. 194-204, jan. 2010.

GUY, B. Building deconstruction assessment tool. CIB Deconstruction and Materials Reuse: Technology, Economic, and Policy, Wellington, New Zealand, p. 125-37, abr. 2001.

GUY, B.; SHELL, S.; ESHERICK, H. Design for deconstruction and materials reuse. Proceedings of the CIB Task Group 39, v. 4, p. 189-209, 2006.

HÖGLMEIER, K.; WEBER-BLASCHKE, G.; RICHTER, K. Potentials for cascading of recovered wood from building deconstruction – a case study for south-east Germany. Resources, Conservation and Recycling, Munchen, Germany, v. 117, p. 304-14, fev. 2017.

MARINHO, J. L. A.; SILVA, J. D. Gerenciamento dos resíduos da construção e demolição: diretrizes para o crescimento sustentável da construção civil na região metropolitana do Cariri Cearense. E-Tech: Tecnologias para Competitividade Industrial, Florianópolis, v. 5, n. 1, p. 102-19, 2012.

NEW ZEALAND DEMOLITION AND ASBESTOS ASSOCIATION (NZDAA). Best practice guidelines for demolition in New Zealand. Work Safe New Zealand, 2013.

OCCUPATIONAL SAFETY AND HEALTH ADMINISTRATION (OSHA). 29 CFR 1926 - Subpart t – Whether the demolition standard applies to moving a residential structure. USA, 2016.

PAIVA, P. A.; RIBEIRO, M. S. A reciclagem na construção civil: como economia de custos. REA. Revista Eletrônica de Administração, Franca, SP, v. 4, n. 1, p. 1-15, 2005.

ROCHA, C. A percepção sobre o conceito de desmontagem das edificações e o emprego dos materiais de demolição. In: ENCONTRO NACIONAL, 4., e ENCONTRO LATINO-AMERICANO SOBRE EDIFICAÇÕES E COMUNIDADES SUSTENTÁVEIS, 2., 2007. p. 189-97. Disponível em: http://docplayer.com.br/78272065-A-percepcao-sobre-o-conceito-de-desmontagem-das-edificacoes-e-o-emprego-de-materiais-de-demolicao.html

ROCHA, C. G.; SATTLER, M. A. A discussion on the reuse of building components in Brazil: an analysis of major social, economical and legal factors. Resources, Conservation and Recycling, v. 54, n. 2, p. 104-12, dez. 2009.

ROUSSAT, N.; DUJET, C.; MÉHU, J. Choosing a sustainable demolition waste management strategy using multicriteria decision analysis. Waste Management, Lion, v. 29, n. 1, p. 12-20, jan. 2009.

SAFE WORK AUSTRALIA. Demolition Work - Code of Practice. Australia, fev. 2016.

SAGHAFI, M. D.; TESHNIZI, Z. A. H. Building deconstruction and material recovery in Iran: an analysis of major determinants. Procedia Engineering, v. 21, p. 853-63, 2011.

SCHULTMANN, F.; SUNKE, N. Energy-oriented deconstruction recovery planning. Building Research & Information, v. 35, n. 6, p. 602-15, set. 2007.

STANDARDS AUSTRALIA INTERNATIONAL (SAI). AS 2601:2001 - The demolition of structures. Sidney, Austrália, 2001.

TESSARO, A. B.; SÁ, J. S.; SCREMIN, L. B. Quantificação e classificação dos resíduos procedentes da construção civil e demolição no município de Pelotas, RS. Ambiente Construído, Porto Alegre, RS, v. 12, n. 2, p. 121-30, abr./jun. 2012.

THOMSEN, A.; SCHULTMANN, F.; KOHLER, N. Deconstruction, demolition and destruction. Building Research & Information, v. 39, n. 4, p. 327-32, ago. 2011.

VEFAGO, L. H. M.; AVELLANEDA, J. Recycling concepts and the index of recyclability for building materials. Resources, Conservation and Recycling, Barcelona, Spain, v. 72, p. 127-35, abr. 2013.

WEBSTER, M. D.; COSTELLO, D. T. Designing structural systems for deconstruction: how to extend a new building´s useful life and prevent it from going to waste whem the end finally comes. Greenbuild Conference, Atlanta, GA, nov. 2005.

Publicado
2019-07-05