Trajetória de variedades locais cultivadas em roças de agricultores camponeses do Bairro da Serra – Iporanga, SP

  • Helionora da Silva Alves
  • Rodrigo Aleixo Brito de Azevedo
  • Maria Cristina de Figueiredo Albuquerque
Palavras-chave: Etnovariedade. Conservação. Vale do Ribeira

Resumo

Esse trabalho verifi cou a trajetória tecnológica das variedades locais conhecidas no Bairro da Serra -Iporanga, SP. Identifi cando a diversidade de variedades cultivadas nas roças dos agricultores para compreendero circuito local das sementes. A partir conhecimento do agricultor, por meio de entrevistas semi-estruturadas eabertas. Os dados foram analisados por análises descritivas, análise fatorial de componentes principais e pesoponderado. Existem etnovariedades de amendoim, arroz, feijão e milho cultivadas nas roças, a conservação in situé realizada pelos próprios agricultores, por meio do sistema informal – troca de sementes e compra com vizinhosou moradores da própria região.

Referências

ABREU, L.; CANSI, E.; JURIATTI, C. Avaliação do rendimento socioeconômico de variedades crioulas e híbridos comerciais de milho na microrregião de Chapecó. Revista Brasileira de Agroecologia, v. 2, n. 1, p. 1230-3, 2007.

ALBUQUERQUE, U. P. La importancia de los estudios etnobiológicos para establecimiento de estrategias de manejo y conservación en las fl orestas tropicales. Biotemas, Santa Catarina, v. 12, n. 1, p. 31-47, 1999.

ALBUQUERQUE, U. P.; ANDRADE, L. H. C. Conhecimento botânico tradicional e conservação em uma área de caatinga no estado de Pernambuco. Acta Botanica Brasilica, v. 16, n. 3, p. 273-85, 2002.

AMOROZO, M. C. M. Management and conservation of Manihot esculenta Crantz germplasm by traditional farmers in Santo Antonio do Leverger, Mato Grosso State, Brazil. Etnoecológica, v. 4, n. 6, p. 69-83, 2000.

AZEVEDO, R. A. B. de Indicadores agronômicos em unidades de produção de agricultura familiar. 201. 306f. Tese (Doutorado em Fitotecnia) − Centro de Ciências Agrárias, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, 2001.

BECKER, H. S. Métodos de pesquisa em ciências sociais. 4. ed. São Paulo: Hucitec, 1999. 178p.

BELLON, M. R. The dynamics of crop infraspecifi c diversity: a conceptual framework at the farmer level. Economic Botany, v. 50, n. 1, p. 26-39, 1996.

BERLIN, B. Ethnobiological classification: principles of categorization of plants and animals in traditional societies. Princeton: Princeton University Press, 1992. 300p.

BERNARDI, J. V. E.; FOWLER, H. G.; LANDIM, P M B. Um estudo de impacto ambiental utilizando análises estatísticas espacial e multivariada. Holos e Environment, v. 1, n. 2, p. 162-72, 2001.

BOSTER, J. S. A comparison of diversity of Jivaroan garden with that of tropical forest. Human Ecology, v. 11, n. 1, 1983.

BROOK, R. K.; MCLACHLAN, S. M. Trends and prospects for local knowledge in ecological and conservation research and monitoring. Biodiversity and Conservation. p. 1-12, 2008.

CATÃO, H. C. R. M. et al. Qualidade sanitária de sementes de milho crioulo (Zea mays L.) produzidas no município de Porteirinha-MG. Revista Brasileira de Agroecologia, v. 2, n. 2, p. 253-6, 2007.

CLEVELAND D. A.; SOLERI, D.; SMITH, S. E. Do folk crop varieties have a role in sustainable agriculture? Bio-Science, v. 44, n. 11, p. 740-51, 1994.

CUNNINGHAM, A. B. Applied Ethnobotany: people, wild plant use and conservation. London: Earthscan, 2001. 300p.

DEAN, W. A ferro e fogo: a história e a devastação da Mata Atlântica brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 1996. 484p.

DESCOLA, P. La nature domestique: symbolisme et praxis dans l’écologie des Achuar. Paris: Ed. de la Maison des Sciences de l’Homme, 1986. DOMINGUEZ, O. C. E. Sistema informal de sementes: causas, conseqüências e alternativas. Pelotas: Ed. Universitária/ UFPel, 2000. 207p.

GADGIL, M.; BERKES, F.; FOLKE, C. Indigenous Knowledge for Biodiversity Conservation. Ambio, v. 22, p. 119-23, 1993.

HANAZAKI, N.; GOMES, M. B.; GIRALDI, M.;

MOURA, E. A.; GABDOLFO, E. S. Conservação biológica e valorização sócio-cultural: explorando algumas conexões entre a biodiversidade e a sociodiversidade. In:

NODA, S. R. et al. ENCONTRO DE ETNOBIOLOGIA E ETNOECOLOGIA DA REGIÃO NORTE, 2. e SEMINÁ- RIO DE CIÊNCIAS DO AMBIENTE NA AMAZÔNIA, 2. Anais... 2008.

MANLY, B. F. J. Multivariate statistical methods: a primer. London: Chapman and Hall, 1986.

MARTINS, P.S. Biodiversity and agriculture: patterns of domestication of Brazilian native plant species. Anais da Academia Brasileira de Ciências, v. 66, p. 219-26, 1995.

MYERS, N.; MITTLERMEIER, R. A.; MITTLERMEIER, C. G.; FONSECA, G. A. B.; KENT, J. Biodiversity hotspots for conservation priorities. Nature, v. 403, p. 853-8, 2000.

PERONI, N. Taxonomia folk e diversidade intraespecífi ca de mandioca (Manihot esculenta Crantz) em roças de agricultura tradicional em áreas de Mata Atlântica do sul do estado de São Paulo. 1998. 196f. Dissertação (Mestrado em Agronomia) − Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.

PERONI, N. Agricultura de pescadores. In: BEGOSSI, A. (Ed.). Ecologia humana de pescadores da Mata Atlântica. São Paulo: Hucitec, 2004. Cap. 2.

PERONI, N.; MARTINS, P. S. Diversidade inter e intraespecífica de espécies cultivadas e manutenção de germplama in situ por agricultores tradicionais em áreas de Mata Atlântica. In: SIMPÓSIO DE ETNOBIOLOGIA E ETNOECOLOGIA, 1. Resumos... Feira de Santana: UFFS, 1996. 79p.

PESTANA, M. H.; GAGEIRO, J. N. Análises de dados para Ciências Sociais: a complementaridade do SPSS. 2. ed. Lisboa: Edições Sílabo, 2000. 569p.

PLOTKIN M. J. The importance of ethnobotany for tropical forest conservation. In: SCHULTES, R. E.; REIS, S. V. (Eds.). Ethnobotany: evolution of a discipline. Portland: Dioscorides Press, 1995. p. 147-56.

REIS, E. Estatística multivariada aplicada. Lisboa: Edições Silabo, 2001. 343p.

SALICK, J.; CELLINESE N.; KNAPP, S. Indigenous diversity of cassava: generation, maintainance, use and loss among Amuesha, Peruvian upper amazon. Economic Botany, v. 51, p. 6-19, 1997.

SALICK, J. Toward an integration of evolutionary ecology and economic botany: personal perspective on plant/people interations. Annals of the Missouri Botanical Garden, v. 82, p. 25-33, 1995.

SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE (SMA). Planos de manejo das Unidades de Conservação: Parque Estadual da Serra do Mar – Núcleo Santa Virginia – Plano de Gestão Ambiental – fase 1. São Paulo: SMA, 1998. 242p. SHIVA, V. Future of our seeds, future of our farmers. Ne w Delhi: Research Foundation for Science, Technology and Natural Resources Policy, 1996. 35p.

SOLERI, D.; SMITH, S. E. Morphological and phenological comparisons of two Hopi maize varieties conserved in situ and ex situ. Economic Botany, v. 49, n. 1, p. 56-77, 1995.

VAN DORP, M.; RULKENS, T.; MASYITAH, S.; FAHRI, H. Collecting landraces of soybean, maize, cassava and sweet potato in Indonesia and studying the associated local knowledge. FAO/IBPGR. Plant Genetic Resources Newsletter, v. 93, p. 45-48, 1993.

WOOD, D.; LENNÉ, J. M. The conservation of agrobiodiversity on-farm: questioning the emerging paradigm. Biodiversity and Conservation, v. 6, p. 109-29, 1997.

YING, L. G.; LIU C. A. A model for objective weighting for EIA. Environmental Monitoring and Assentament, v. 36, p. 169-82, 1995.

Publicado
2016-02-12