O cotidiano em territórios quilombolas de Mato Grosso do Sul, Brasil: do isolamento às múltiplas (re)existências

Palavras-chave: Comunidades quilombolas, Território, Estudos étnico-raciais, Racismo

Resumo

O presente artigo objetiva problematizar elementos que caracterizam o cotidiano de territórios quilombolas localizados em Mato Grosso do Sul, no Centro-Oeste brasileiro. Parte-se da perspectiva de que as comunidades quilombolas representam espaços significativamente estigmatizados, nos quais os sujeitos aquilombados são vítimas de toda a sorte de manifestações de racismo e preconceito, em um arranjo de coisas no qual o Estado não consegue empreender, de modo efetivo, estratégias e políticas públicas que amparem as comunidades quilombolas e as pessoas que nelas residem. Como subterfúgio metodológico, a presente pesquisa valeu-se de uma abordagem qualitativa e crítica, na qual foram realizadas entrevistas e processos de observação participante em sete comunidades quilombolas localizadas em diferentes municípios de Mato Grosso do Sul. Em suma, percebeu-se que os territórios quilombolas são permeados por um cotidiano deveras dual: de um lado, tem-se uma realidade de isolamento e precariedade da vida; de outro, percebe-se um contexto de otimismo por parte dos quilombolas, que empreendem táticas de empoderamento, tentam valorizar a história e cultura do território, além do desejo de desenvolver atividades que dinamizem as comunidades. Sem pretender esgotar a temática, o presente artigo encerra-se conclamando para que as comunidades quilombolas sejam consideradas espaços potenciais e viáveis para a manifestação de formas de vida e de existência que rompem com a lógica homogeneizante e eurocêntrica.

Biografia do Autor

Dyego de Oliveira Arruda, Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (CEFET/RJ)

Estágio de pós-doutorado no programa de pós-graduação em Administração (PPGAD) pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Doutorado em Administração de Organizações pela Universidade de São Paulo (USP). Mestrado em Administração pela UFMS. Graduação em Ciências Econômicas pela UFMS. Atualmente, é professor do quadro permanente do Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (CEFET/RJ), lecionando em cursos de graduação e no programa de pós-graduação (nível mestrado acadêmico) em Relações Étnico-Raciais (PPRER).

Milton Augusto Pasquotto Mariani, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)

Estágio de pós-doutorado pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA/USP). Doutorado em Geografia Humana pela USP. Mestrado em História Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Graduação em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP). Atualmente, é professor do quadro permanente da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), lecionando em cursos de graduação e nos programas de pós-graduação em Administração (PPGAD) e Estudos Fronteiriços (PPGEF).

Gabriel Luis Pereira Nolasco, Universidade Católica Dom Bosco (UCDB)

Aluno de doutorado em Psicologia pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB). Mestrado e graduação em Psicologia pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Atualmente, é integrante do laboratório de Psicologia da Saúde, Políticas da Cognição e da Subjetividade na UCDB.

Dayana de Oliveira Arruda, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)

Aluna de doutorado em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Mestrado em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul(UFMS). Graduação em Ciências Sociais pela UFMS. Atualmente, é integrante do Grupo de Estudos e de Investigação Acadêmica nos Referenciais Foucaultianos (GEIARF) na UFMS.

Referências

ALLEN, Scott Joseph. Identidades em jogo: negros, índios e a arqueologia da Serra da Barriga. In: ALMEIDA, Luiz Sávio; GALINDO, Marcos; ELIAS, Juliana Lopes (Ed.). Índios do Nordeste: temas e problemas 2. Maceió: EDUFAL, 2000. p. 245-76.

ALMEIDA, Mirianne Santos; MESQUITA, Ilka Miglio. Identidade negra, educação e práticas de resistência: uma leitura decolonial num quilombo urbano. Perspectiva – Revista do Centro de Ciências da Educação, Florianópolis, v. 37, n. 2, p. 480-98, 2019. doi: https://doi.org/10.5007/2175-795X.2019.e52939

ALMEIDA, Silvio Luiz de. Racismo estrutural. São Paulo: Editora Pólen, 2019.

ARRUDA, Dyego de Oliveira; GONÇALVES, Juliano Pessanha. Limites e possibilidades no desenvolvimento de estratégias de turismo de base comunitária em um território quilombola. Interações, Campo Grande, v. 21, n. 1, p. 107-23, 2020. doi: http://dx.doi.org/10.20435/inter.v21i1.1968

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BRASIL. Decreto n. 4.887, de 20 de novembro de 2003. Regulamenta o procedimento para identificação, reconhecimento, delimitação, demarcação e titulação das terras ocupadas por remanescentes das comunidades dos quilombos. Brasília-DF, 2003. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2003/D4887.htm. Acesso em: 27 jan. 2020.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

FIGUEIREDO, André Vieira. Subalternidade e políticas da diferença no Brasil: o caso das comunidades remanescentes de quilombo. Revista Latino-Americana de Direitos Humanos, Belém, v. 6, n. 2, p. 65-78, 2015. doi: http://dx.doi.org/10.18542/hendu.v6i2.3877

FUNARI, Pedro Paulo Abreu; CARVALHO, Aline. O patrimônio em uma perspectiva crítica: o caso do quilombo dos Palmares. Revista Diálogos, Maringá, v. 9, n. 1, p. 33-47, 2005. doi: https://doi.org/10.4025/dialogos.v9i1.41416

FUNARI, Pedro Paulo Abreu. Heterogeneidade e conflito na interpretação do quilombo dos Palmares. Revista de História Regional, Ponta Grossa, v. 6, n. 1, p. 11-38, 2001.

GOHN, Maria da Glória. Empoderamento e participação da comunidade em políticas sociais. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 13, n. 2, p. 20-31, 2004. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902004000200003

HOOKS, Bell. E eu não sou uma mulher? Mulheres negras e feminismo. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2019.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Editora Cobogó, 2019.

LEITE, Ilka Boaventura. Humanidades insurgentes: conflitos e criminalização dos quilombos. In: ALMEIDA, Alfredo Wagner Berno et al. (Org.). Territórios quilombolas e conflitos. Manaus: UEA Edições, 2010. p. 17-40.

MBEMBE, Achille. Crítica da razão negra. 3. ed. São Paulo: N-1 Edições, 2018.

MOREIRA, Adilson José. Racismo recreativo. São Paulo: Editora Pólen, 2019.

MOUTINHO-DA-COSTA, Lara. Territorialidade e racismo ambiental: elementos para se pensar a educação ambiental crítica em unidades de conservação. Pesquisa em Educação Ambiental, Francisco Beltrão, v. 6, n. 1, p. 101-22, 2011. doi: https://doi.org/10.11606/issn.2177-580X.v6i1p101-122

MUNANGA, Kabengele. Origem e histórico do quilombo na África. Revista USP, São Paulo, v. 8, n. 28, p. 56-63, 1996. doi: https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i28p56-63

NASCIMENTO, Abdias. O quilombismo: documentos de uma militância Pan-Africanista. 3. ed. Rio de Janeiro: Ipeafro, 2019.

RANGEL, Tauã. Racismo ambiental às comunidades quilombolas. Revista Interdisciplinar de Direitos Humanos, Bauru, v. 4, n. 2, p. 129-41, 2016.

RIBEIRO, Djamila. Lugar de fala. São Paulo: Editora Pólen, 2019.

SCHMITT, Alessandra; TURATTI, Maria Cecília; CARVALHO, Maria. A atualização do conceito de quilombo: identidade e território nas definições teóricas. Ambiente & Sociedade, São Paulo, v. 5, n. 10, p. 1-6, 2002. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-753X2002000100008

SILVA, Lays Helena Paes. Ambiente e justiça: sobre a utilidade do conceito de racismo ambiental no contexto brasileiro. E-Cadernos CES, Coimbra, v. 17, n. 1, p. 85-111, 2012. doi: https://doi.org/10.4000/eces.1123

SOUZAS, Raquel. Liberdade, violência, racismo e discriminação: narrativas de mulheres negras e quilombolas da mesorregião Centro-Sul da Bahia/Brasil. Revista da ABPN, v. 7, n. 16, p. 89-102, 2015.

URQUIZA, Antonio; SANTOS, Lourival. Regularização fundiária de comunidades quilombolas em Mato Grosso do Sul. Revista Brasileira de Políticas Públicas, Brasília, v. 7, n. 2, p. 231-47, 2017. doi: http://dx.doi.org/10.5102/rbpp.v7i2.4753

VALENTIM, Renata; TRINDADE, Zeidi Araújo. Modernidade e comunidades tradicionais: memória, identidade e transmissão em território quilombola. Psicologia Política, São Paulo, v. 11, n. 22, p. 295-308, 2011.

WALSH, Catherine. Interculturalidade e decolonialidade do poder: um pensamento e posicionamento “outro” a partir da diferença colonial. Revista Eletrônica da Faculdade de Direito da UFPel, Pelotas, v. 5, n. 1, p. 6-39, 2019. doi: http://dx.doi.org/10.15210/rfdp.v5i1.15002

Publicado
2021-09-15
Como Citar
Arruda, D. de O., Mariani, M. A. P., Nolasco, G. L. P., & Arruda, D. de O. (2021). O cotidiano em territórios quilombolas de Mato Grosso do Sul, Brasil: do isolamento às múltiplas (re)existências. Interações (Campo Grande), 22(2), 563-582. https://doi.org/10.20435/inter.v22i2.2943