Mulheres rurais e o protagonismo no desenvolvimento rural: um estudo no município de Vitorino, Paraná

Palavras-chave: Mulheres, percepção, desenvolvimento rural

Resumo

As mulheres rurais vêm ganhando espaço nos debates e nas formulações das políticas públicas, bem como reconhecimento para o fortalecimento da agricultura familiar e para o desenvolvimento rural sustentável. Nesse sentido, o presente artigo tem como objetivo compreender a percepção sobre o papel e a representatividade das mulheres rurais no município de Vitorino, estado do Paraná. A metodologia adotada para o levantamento dos dados foi qualitativa, por meio de vinte e duas entrevistas semiestruturadas com agricultores familiares do município, conjuntamente com o apoio de uma revisão bibliográfica sobre a temática. De acordo com os resultados apurados, pode ser aferida a existência do êxodo das mulheres jovens para os centros urbanos, consequentemente ocasionando o fenômeno do envelhecimento da população do campo. Em relação à divisão de trabalho, pode ser percebido que as concepções existentes ainda são masculinizadas no que se refere à divisão e hierarquização do trabalho feminino na propriedade. Nesse sentido, apesar de existir um incentivo e mudança na sociedade no que tange às conquistas femininas, ainda é possível encontrar espaços onde existe a separação dos papéis pelo gênero. Assim, torna-se de suma importância repensar meios e alternativas para assegurar a participação efetiva na gestão da propriedade, além de fomentar os cursos e a assistência técnica para que esses atendam às necessidades das mulheres rurais, pois somente assim teremos o desenvolvimento rural em sua totalidade.

Biografia do Autor

Clair Odete Schneider, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional

Pós-Graduanda stricto sensu no Programa de Desenvolvimento Regional (PPGDR) da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). Bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). Especialista em Avaliação Psicológica e Diagnóstico pela Universidade do Oeste de Santa Catarina (UNOESC). Graduada em Psicologia pela Universidade Comunitária da Região de Chapecó (UNOCHAPECÓ). Pesquisadora do grupo “Gênero, Juventude e Cartografias da Diferença” da UTFPR.

Cristiane Maria Tonetto Godoy, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional

Doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Extensão Rural, atualmente bolsista de pós-doutorado no Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UFTPR), campus Pato Branco. Mestre em Extensão Rural pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Graduada em Agronomia pela UFSM. Tem experiência na área de Agronomia, atuando principalmente nos seguintes temas: agricultura familiar, agroecologia, educação ambiental, desenvolvimento rural sustentável e
percepção ambiental, identidades e territórios ambientais.

Josiane Carine Wedig, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional

Doutora pelo Programa de Pós-Graduação de Ciências Sociais em
Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). Realizou doutorado-sanduíche na École des Hautes Études en Sciences Sociales (EHESS), Paris. Mestre pelo Curso de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Licenciada e bacharel em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Professora de Sociologia do Departamento de Ciências Humanas e do Mestrado em Desenvolvimento Regional (PPGDR) da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). É líder do Grupo de Pesquisa: Gênero, Juventude e Cartografias da Diferença (PPGDR/UTFPR).

Thiago de Oliveira Vargas, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Programa de Pós-Graduação em Agronomia

Doutor SWE/CNPq Department of Environmental Studies, University of California at Santa Cruz (2011-2012). Doutor em Fitotecnia (Produção Vegetal) e mestre em Fitotecnia pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). Graduado em Agronomia pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). Professor adjunto da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), campus Pato Branco. Professor permanente dos Programas de Pós-Graduação em Agronomia (PPGAG) e Desenvolvimento Regional (PPGDR) da UTFPR, campus Pato Branco. É membro das Associações Brasileiras de Agroecologia (ABA) e Horticultura (ABH). Tem experiência na área de Agronomia, com ênfase em agroecologia e produção orgânica de plantas, atuando principalmente nos seguintes temas: olericultura, melhoramento genético do tomateiro, desempenho de cultivares no sistema orgânico de produção, adubação verde, fixação biológica de nitrogênio, sistema de plantio direto de hortaliças (SPDH), plantas alimentícias não convencionais (PANCs, hortaliças não convencionais, hortaliças tradicionais), hortaliças nutracêuticas.

Referências

ALCÂNTARA, Luciana Ruschel de. Idosos rurais: fatores que influenciam trajetórias e acesso a serviços de saúde no município de Santana da Boa Vista/RS. 2009. 156 f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) − Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRS), Porto Alegre, 2009.

AGUIAR, Vilenia Venancio Porto; STROPASOLAS, Vilmar Luiz. As problemáticas de gênero e geração nas comunidades rurais de Santa Catarina. In: SCOTT, Parry; CORDEIRO; Rosineide; MENEZES, Marilda (Org.). Gênero e geração em contextos rurais. Florianópolis: Ed. Mulheres, 2010. p. 159-83.

AUGUSTO, Hélder dos Anjos; RIBEIRO, Eduardo Magalhães. O envelhecimento e as aposentadorias no ambiente rural: um enfoque bibliográfico. Revista Organizações Rurais e Agroindustriais, Lavras, MG, v. 7, n. 2, p. 199-208, 2005.

BATTISTI, Elisa. Redes sociais, identidade e variação linguística. In: FREITAG, Raquel Meister Ko (Org.). Metodologia de coleta e manipulação de dados em sociolinguística. São Paulo: Edgard Blücher, 2014. p. 79-98.

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo: a experiência vivida. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1967.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Tradução Mari Helena Kühner. 11. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

BORDIEU, Pierre. O poder simbólico. 2. ed. Tradução Fernando Tomaz. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998. 322 p.

CAMARANO, Ana Amélia. Mulher idosa: suporte familiar ou agente de mudança? Estudos Avançados, São Paulo, v. 17, n. 49, p. 35-63, set./dez. 2003.

FERREIRA, Brancolina; ALVES, Fábio. Juventude rural: alguns impasses e sua importância para a agricultura. In: CASTRO, Jorge Abrahão de; AQUINO, Luseni Maria Cordeiro de; ANDRADE, Carla Coelho de (Org.). Juventude e políticas sociais no Brasil. Brasília: Ipea, 2009. p. 243-58.

FROEHLICH, José Marcos; RAUBERL, Cassiane da Costa; CARPES, Ricardo Howes; TOEBE, Marcos. Êxodo seletivo, masculinização e envelhecimento da população rural na região central do RS. Ciência Rural, Santa Maria, RS, v. 41, n. 9, p. 1.674-1.680, set. 2011.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GODOY, Cristiane Maria Tonetto. A emergência da identidade ambiental territorial na agricultura familiar nos municípios de Santa Rosa e Novo Machado, RS. 2015. 113f. Tese (Doutorado em Extensão Rural) − Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, 2015.

GÓMEZ, Gregorio Rodríguez; FLORES, Javier Gil.; JIMÉNEZ, Eduardo García. Metodología de la investigación cualitativa. Málaga, Espanha: Ediciones Aljibe, 1996.

HECK, Rita Maria; LANGDON, Esther Jean Matteson. Envelhecimento, relações de gênero e o papel das mulheres na organização da vida em uma comunidade rural. In: MINAYO, Maria Cecilia de Souza; COIMBRA JUNIOR, Carlos Everaldo Alvares. (Org.). Antropologia, saúde e envelhecimento. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2002. p. 129-51.

INSTITUTO PARANAENSE DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL − IPARDES. Índice IPARDES de desempenho municipal: metodologia. Curitiba, 2018.

LLOYD-SHERLOCK, Peter. Viver mais tempo: envelhecimento, desenvolvimento e proteção social. [S.l.]: Livros Zed, 2004.

MAGALHÃES, Reginaldo Sales. A masculinização da produção de leite. Revista de Economia e Sociologia Rural, Brasília, v. 47, n. 1, p. 275-99, jan./mar. 2009.

MENASCHE, Renata; ESCHER, Maria Salete. Gênero e agricultura familiar: cotidiano de vida e trabalho na produção de leite. Curitiba: Comissão Estadual de Mulheres Trabalhadoras Rurais do Paraná, 1996.

NAHAS, Markus Vinicius. Atividade física, saúde e qualidade de vida: conceitos e sugestões para um estilo de vida ativo. Londrina, PR: Midiograf; 2001.

NEVES, André Luis Alves et al. Caracterização dos produtores e dos sistemas de produção de leite no perímetro irrigado de Petrolina/PE. Revista Brasileira de Saúde e Produção Animal, Salvador, BA, v. 12, n. 1, p. 209-23, jan./mar. 2011.

NOBRE, Miriam. Relações de gênero e agricultura familiar. In: NOBRE, Miriam; SILIPRANDI, Emma; QUINTELA, Sandra; MENASCHE, Renata (Org.). Gênero e agricultura familiar. São Paulo: SOF, 1998. Disponível em: http://www.enfoc.org.br/system/arquivos/documentos/11/f1207relaes-de-genero-eagricultura-familiar---miriam-nobre.pdf. Acesso em: out. 2018.

OLIVEIRA, Lívia de. Percepção ambiental. In: SANTOS, Douglas Gomes dos; NUCCI, João Carlos (Org.). Paisagens geográficas: um tributo a Felisberto Cavalheiro. Campo Mourão, PR: Editora da FECILCAM, 2009. p. 153-63.

PASCHOAL, Sérgio Marcio Pacheco. Qualidade de vida do idoso: elaboração de um instrumento que privilegia sua opinião. 2000. 252 p. Dissertação (Mestrado em Medicina) − Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000.

PAULILO, Maria Ignez Silveira. Trabalho familiar: uma categoria esquecida de análise. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 12, n. 1, p. 229-52, jan./abr. 2004.

PAULILO, Maria Ignez Silveira; GRANDI, Alessandra Bueno de; SILVA, Marineide Maria. Mulher e a atividade leiteira: a dupla face da exclusão. In: PAULILO, Maria Ignez Silveira. Mulheres rurais: quatro décadas de diálogo. Florianópolis: Editora da UFSC, 2016. p. 15-70.

RIBEIRO, Jaime Moreira; SOUZA Francislê Neri de; LOBÃO, Catarina. Saturação da análise na investigação qualitativa: quando parar de recolher dados? Revista Pesquisa Qualitativa, São Paulo, v. 6, n. 10, p. III-VII, abr. 2018.

SALGADO, Carmen Delia Sánchez. Mulher idosa: a feminização da velhice. Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento, Porto Alegre, v. 4, p. 7-19, 2002.

SCHMITZ, Aline Motter; SANTOS, Roseli Alves dos. A divisão sexual do trabalho na agricultura familiar. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL FAZENDO GÊNERO, 10., 2013, Florianópolis. Anais [...]. Disponível em:

http://www.fg2013.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/20/1371853408_ARQUIVO_TextoFazendogenero10.pdf. Acesso em: nov. 2018.

SCHWENGBER, Maria Simone Vione; PINHEIRO, Naíra Leticia Giongo Mandes. A tríade de lazer de mulheres camponesas do meio rural de Jóia (RS): atividades religiosas, rede de vizinhança e festas comunitárias. Gênero, Niterói, RJ, v. 15, n. 1, p. 69-80, 2014.

SILVA, Gabriela Bernardes; MENDES, Paula Pontes Estevane. As relações de gênero na agricultura familiar: a comunidade Ribeirão no município de Catalão (GO). In: NEVES, Adriana Freitas; FERREIRA, Idelvone Mendes; PAULA, Maria Helena de; ANJOS, Petrus Henrique Ribeiro dos (Org.). Coletânea interdisciplinar em pesquisa, pós-graduação e inovação. 1. ed. São Paulo: Edgard Blücher, 2015. v. 1, p. 229-40.

SILVA, Carolina Braz de Castilho; SCHNEIDER, Sérgio. Gênero, trabalho rural e pluriatividade. In: SCOTT, Parry; CORDEIRO, Rosineide; MENEZES, Marilda (Org.). Gênero e geração em contextos rurais. Florianópolis: Ed. Mulheres, 2010. p. 183-207.

SORJ, Bila. O trabalho doméstico e de cuidados: novos desafios para a igualdade de gênero no Brasil. In: SILVEIRA, Maria Lucia da; TITO, Neuza. Trabalho doméstico e de cuidados: por outro paradigma de sustentabilidade da vida humana (Org.). São Paulo: Sempre Viva Organização Feminista, 2008. p. 77-89.

STROPASOLAS, Valmir Luiz. O valor (do) casamento na agricultura familiar. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 12, n. 1, p. 253-67, jan./abr. 2004.

TURATO, Egberto Ribeiro. Tratado da metodologia da pesquisa clínico-qualitativa: construção teóricoepistemológica, discussão comparada e aplicação nas áreas da saúde e humanas. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

Publicado
2020-06-04