Empreendedorismo étnico e de autoemprego em um olhar para as comunidades de imigrantes

Palavras-chave: empreendedorismo, empreendedorismo étnico, autoemprego, imigrantes

Resumo

Este artigo tem como objetivo refletir a concepção de empreendedorismo étnico, quando esse se manifesta diante de desafios enfrentados por populações imigrantes recém-chegadas, como condição de autoemprego. Para isso, levantou-se um arcabouço teórico para a abordagem dos conceitos de empreendedor, suas concepções, motivações e atributos pessoais necessários, como também das motivações de necessidade e oportunidade que despertam a atividade empreendedora. Abordaram-se também os conceitos de etnia, etnicidade e formação da identidade como fator importante nas ações empreendedoras dos imigrantes. Posteriormente, sugerem-se pesquisas mais aprofundas nas comunidades de imigrantes a fim de identificar características que influenciem na atividade empreendedora, seja ela por necessidade em situações de vulnerabilidade, seja ela por oportunidade.

Biografia do Autor

Laura Aparecida Santos Gomes, Universidade Católica Dom Bosco

Doutoranda (Bolsista CAPES) e mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Local em Contexto de Territorialidade, pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB). Administradora.

Cleonice Alexandre Le Bourlegat, Universidade Católica Dom Bosco UCDB

Doutora em Geografia (Desenvolvimento Regional) pela
Universidade Estadual Paulista (UNESP), Presidente Prudente. Mestre em Geografia (Geografia
Humana-Urbana) pela Universidade de São Paulo (USP). Graduada em Geografia pela UNESP.
Docente e pesquisadora no Mestrado e Doutorado em Desenvolvimento Local na Universidade
Católica Dom Bosco (UCDB). Diretora acadêmica e docente do Master Internacional Erasmus Mundus (STeDe), oferecido pelo consórcio entre a Universidade de Pádua/Itália, Universidade Sorbonne Paris 1, Universidade de Leuven/Bélgica e UCDB/Brasil. Tem exercido a função de professora bolsista da União Europeia na Universidade Paris 1 Panthéon-Sorbonne desde 2013. Pesquisadora da Rede de Pesquisa em Sistemas Produtivos e Inovativos Locais (RedeSist-UFRJ) e integrante do Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso do Sul (titular). Diretora do Conselho Científico e de Ética do Programa Economia Solidária Sustentável na América do Sul (ESSAS). 

Referências

BARTH, F. Os grupos étnicos e suas fronteiras. In: O guru, o iniciador e outras variações antropológicas. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria, 2000.

BURCHELL, B.; DEAKIN, S.; HONEY, S. The employment status of individuals in non-standard employment. Londres: British Departament of Trade and Industry, 1999.

CANTILLON, R. Essai sur la nature du commerce en général. [S.l.]: Routledge, 1955.

CASTILLO-PALACIO, M.; BATISTA-CANINO, R.; ZUÑIGA-COLLAZOS, A. The relationship between culture and entrepreneurship: from cultural dimensions of GLOBE Project. Revista Espacios, v. 38, n. 34, p. 12-25, 2017.

COHEN, A. The lesson of ethnicity. In: COHEN, A. Urban ethnicity. Londres: Tavistock, 1974.

CUCHE, Denys. O conceito de cultura nas ciências sociais. Tradução de Viviane Ribeiro. 2 ed. Bauru: EDUSC, 2002.

DOLABELA, F. Pedagogia empreendedora. São Paulo: Cultura, 2003.

DOLABELA, F. Oficina do empreendedor: a metodologia de ensino que ajuda a transformar conhecimento em riqueza. São Paulo: Cultura, 1999.

DORNELAS, J. C. A. Empreendedorismo: transformando ideias em negócios. Rio de Janeiro: Elsevier, 2001.

DRUCKER, P. F. Inovação e espírito empreendedor. São Paulo: Pioneira, 1987.

FILLION, L. J. O planejamento do seu sistema de aprendizagem empresarial: identifique uma visão e avalie o seu sistema de relações. RAE – Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 63-71, jul./set. 1991.

FILLION, L. J. The strategy of successful entrepreneurs in small business: vision, relationships and anticipatory learning. 1988. Thesis (Ph.D.) − University of Lancaster Great Britain (UMI 8919064), Lancaster, 1988. 2v.

FREGETTO, E. Immigrant and ethnic entrepreneurship: a U.S. perspective. In: WELSCH, H. P. (Ed.). Entrepreneurship: the way ahead. New York: Routledge, 2004. p. 253-68.

FREIRE, J. O auto-emprego: alguns comentários sobre os dados recentes. Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, Portugal, n. 40, p. 137-51, 1994.

GLAZER, N.; MOYNIHAN, D. P.; SCHELLING, C. S. Ethnicity: theory and experience. Cambridge: Harvard University, 1975.

GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR (GEM). Empreendedorismo no Brasil. Curitiba: IBQP, 2011. Disponível em: http://ibqp.org.br/wp-content/uploads/2016/10/Empreendedorismo-no-Brasil-2011.pdf. Acesso em: 5 mar. 2018.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: Dp&A, 2006.

HISRICH, R. D.; PETERS, M. P. Empreendedorismo. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2004.

HOFSTEDE, G. Culture’s consequences: comparing values, behaviors, institutions, and organizations across nations. 2. ed.). Thousand Oaks: Sage Publications, 2001.

JONES, T.; McEVOY, D. Ethnic enterprise, the popular image. In: CURRAN, J.; STANWORTH, J.; WATKINS, D. (Ed.). The survival of the small firm. Aldershot: Gower, 1986.

JULIEN, P.-A. Empreendedorismo regional e economia do conhecimento. São Paulo: Saraiva, 2010.

KLOOSTERMAN, R.; VAN DER LEUN, J.; RATH, J. Mixed embeddedness: (in)formal economic activities and immigrant businesses in the Netherlands. International Journal of Urban and Regional Research, v. 23, n. 2, p. 253-67, jun. 1999.

MAFFESOLI, M. Elogio da razão sensível. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998.

MASUREL, E.; NIJKAMP, P.; VINDIGNI, G. Breeding places for ethnic entrepreneurs: a comparative marketing approach. Entrepreneurship & Regional Development, n. 16, p. 77-86, 2004.

MCCLELLAND, D. C. A sociedade competitiva: realização e progresso social. Tradução de Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura, 1972.

NWANKWO, S. Characterisation of black african entrepreneurship in the UK: a pilot study. Journal of Small Business and Entreprise Development, v. 12, n. 1, p. 120-37, 2005.

PAMPLONA, J. B. Erguendo-se pelos próprios cabelos: autoemprego e reestruturação produtiva no Brasil. São Paulo: Germinal: FAPESP, 2001.

PARKER, S. C. The economics of self-employment and entrepreneurship. Cambridge: Cambridge University. Press, 2004.

PERULLI, A. Economically dependent / quasi-subordinate (parasubordinate) employment: legal, social and economic aspects. Paris: European Commission, Committee for Employment and Social Affairs, 2003.

PHINNEY, J. S. Ethnic identity: development and contextual perspectives. In: CONGRESSO CULTURE & DIVERSITY IN PSYCHOLOGY AND EDUCATION, 2004. Disponível em: http://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/download?doi=10.1.1.477.1331&rep=rep1&type=pdf . Acesso em: 22 jul. 2018.

PHINNEY, J. S. Ethnic identity in adolescence and adulthood. Psychological Bulletin, n. 108, p. 499-514, 1990.

PHINNEY, J. S.; HORENKZIK, G.; LIEBKIND, K.; VEDDER, P. Ethnic identity, immigration, and well-being: an interactional perspective. Journal of Social Issues, v. 57, n. 3, p. 493-510, set. 2002.

POUTIGNAT, P.; STREIFF-FERNART, J. Teorias da etnicidade seguidos de grupos étnicos e suas fronteiras de Fredrick Barth. Tradução Elcio Fernandes. São Paulo: Unesp, 1998

RAZIN, O.; COLLINS, S. M. Real exchange-rate misalignments and growth. In: RAZIN, A.; SADKA, E. (Ed.). The economics of globalization: policy perspectives from public economics. Cambridge: Cambridge University Press, 1999.

REYNOLDS, P. D. Understanding business creation: serendipity and scope in two decades of business creation studies. Small Business Economics, v. 24, n. 4, p. 359-64, 2005.

SAY, Jean Baptiste. Tratado de economia política. Prefácio de Georges Tapinos. São Paulo: Abril Cultural, 1983. (Coleção Os Economistas).

SCHUMPETER, J. O fenômeno fundamental do desenvolvimento econômico. In: SCHUMPETER, J. A Teoria do Desenvolvimento Econômico. Rio de Janeiro: Nova Cultural, 1985.

SILVA, T. T. A produção social da identidade e da diferença. In: SILVA, T. T. (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 3. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000. p. 73-102.

VOLERY, Thierry. Ethnic entrepreneurship: a theoretical framework. In: DANA, L.-P. (Ed.). Handbook of research on ethnic minority entrepreneurship: a co-evolutionary view on resource management. Cheltenham, UK: Edward Elgar Publishing, 2007. p. 30-41.

WALDINGER, R. The making of an immigrant niche. International Migration Review, v. 28, n. 1, p. 3-28, 1994.

WALDINGER, R.; ALDRICH, H.; WARD, R. Opportunities, group characteristics and strategies. In: WALDINGER, R.; ALDRICH, H.; WARD, R. (Ed.). Ethnic entrepreneurs: immigrant business in industrial societies. London: Sage, 1990. p. 13-48.

WALDINGER, R.; MCEVOY, D.; ALDRICH, H. Spatial dimensions of opportunity structures. In: WALDINGER, R.; ALDRICH, H.; WARD, R. (Ed.). Ethnic entrepreneurs: immigrant business in industrial societies. London: Sage, 1990. p. 106-30.

WEBER, M. A ética protestante e o espírito do capitalismo. São Paulo: Martin Claret, 2002.

WEBER, M. Classe, status e partido. In: VELHO, O. et al. (Org.). Estrutura de classes e estratificação social. 9. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1981. p. 61-83.

ZEN, A. C.; FRACASSO, E. M. Quem é o empreendedor? As implicações de três revoluções tecnológicas na construção do termo empreendedor. Revista de Administração Mackenzie, São Paulo, v. 9, n. 8, p. 135-50, nov./dez. 2008.

Publicado
2020-01-30