Comunidade Remanescente de Quilombo, desigualdade e política pública: reflexões sobre um <em>‘caso particular do possível’</em> das mulheres quilombolas em uma comunidade na região norte-rio-grandense

  • Marcela Fernanda da Paz de Souza Professora do Curso de Comunicação Social - Jornalismo na Universidade Estadual de Minas Gerais - Unidade Administrativa Frutal. Consultora de Pesquisa e Metodologia e pesquisadora. Pós-doutora em Estudos Urbanos e Regionais (PNPD/Capes-UFRN). Doutora em Ciências Sociais (UFJF). Doutorado sanduíche em Sociologia no Instituto de Ciências Sociais de Lisboa (PDSE/Capes). Bacharel em Comunicação Social (BIC-BCCG/ UFJF) Esta pesquisa contou com o financiamento da bolsa PNPD/Capes e do Programa de Pós-graduação em Estudos Urbanos e Regionais (UFRN). http://orcid.org/0000-0001-7437-5436
  • Wagner Luiz Alves da Silva Docente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte. http://orcid.org/0000-0002-8873-3991
  • Luzimar Pereira da Costa Consultora ambiental e pesquisadora. http://orcid.org/0000-0003-1386-9314
Palavras-chave: quilombo, desigualdade, mulher.

Resumo

As Comunidades Remanescentes de Quilombo permanecem, em sua maioria, com altas taxas de desigualdade, com a submissão das mulheres às distintas formas de opressão. Demarca-se como campo de estudo, a Comunidade Quilombola Negros do Riacho. O desenho da pesquisa abrange a revisão bibliográfica, o mapeamento socioambiental do território e a aplicação de questionário. O resultado indica a ausência da atuação governamental, do investimento público e uma restrita capacidade reivindicatória da associação comunitária.

Biografia do Autor

Marcela Fernanda da Paz de Souza, Professora do Curso de Comunicação Social - Jornalismo na Universidade Estadual de Minas Gerais - Unidade Administrativa Frutal. Consultora de Pesquisa e Metodologia e pesquisadora. Pós-doutora em Estudos Urbanos e Regionais (PNPD/Capes-UFRN). Doutora em Ciências Sociais (UFJF). Doutorado sanduíche em Sociologia no Instituto de Ciências Sociais de Lisboa (PDSE/Capes). Bacharel em Comunicação Social (BIC-BCCG/ UFJF) Esta pesquisa contou com o financiamento da bolsa PNPD/Capes e do Programa de Pós-graduação em Estudos Urbanos e Regionais (UFRN).
Pós-doutora em Estudos Urbanos e Regionais na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), bolsista PNPD - linha Estado e Políticas Públicas. Doutora em Ciências Sociais pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais/Linha Políticas Públicas e Desigualdade Social na Universidade Federal de Juiz de Fora (PPGCSO/UFJF). Realizou doutorado sanduíche em Sociologia no Instituto de Ciências Humanas, na Universidade Clássica de Lisboa, com a bolsa Capes/PDSE. Mestre em Ciências Sociais/Linha Políticas Públicas e Desigualdade Sociais (PPGCSO/UFJF). Especialista em Planejamento e Gestão Social (360h)/UFJF. Aperfeiçoamento em Gestão Pública para Gênero e Raça (300h)/UFMG. Aperfeiçoamento em Estatística SPSS/150h. Bacharel em Comunicação Social pela UFJF. Pesquisa as áreas de Gênero, raça e grupos étnicos; Desigualdades; Comunicação pública e desigualdade. Tem experiência em pesquisa de campo, com distintos focos de pesquisa: comunicação sindical, sindicato, recepção de telejornais, comunicação comunitária, associações de catadores de resíduos, ambulantes, território e habitação, pesquisa-ação em área litorânea, trabalhadoras informais em Lisboa. Experiência em survey, entrevista em profundidade e grupo focal. Realizou diversos cursos de métodos. Pesquisa Sociologia do Trabalho e Desigualdades.
Wagner Luiz Alves da Silva, Docente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte.
Possui graduação em Geografia - Bacharelado (2004.2) e Licenciatura Plena (2007.2); Especialização em Gestão Ambiental Urbana e Mestrado em Estudos Urbanos e Regionais (2007), todos pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2015). Atualmente é docente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte. Tem experiência na área de Geografia, com ênfase em Meio Ambiente, atuando principalmente nos seguintes temas: Políticas Públicas ambientais, Gestão Ambiental, Educação Ambiental e Resíduos Sólidos.
Luzimar Pereira da Costa, Consultora ambiental e pesquisadora.
Atualmente, é mestra em Desenvolvimento e Meio Ambiente pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte.Possui graduação nos curso de Licenciatura Plena em Geografia pelo Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia do RN (IFRN) e Tecnologia em Meio Ambiente pelo Centro Federal de Educação Tecnológica do Rio Grande do Norte (2004). Em nível médio possui o título de Técnica em Controle Ambiental pela Escola Técnica Federal do Rio Grande do Norte e Técnica em Geoprocessamento (Arcgis desktop 1,2 e 3) pela Imagem: esri oficial destribuidor. Tem experiência na área de Saneamento Ambiental, Geoprocessamento, Banco de dados, Planejamento Ambiental e Ensino de Geografia, Educação Ambiental, atuando principalmente nos seguintes temas: resíduos sólidos, zoneamento ambiental, cartografia, educação ambiental, confecção de mapas digitais, elaboração de banco de dados e gráficos, logotipos, cadastros.

Referências

ANDRADE FILHO, E.; GUEDES, C; CRUZ, M. S. F.; ARAÚJO, A. C. S. Breve diagnóstico situacional da Comunidade "Negros do Riacho". Currais Novos, 2011. Disponível em: http://epitacioandradefilho.blogspot.com.br/2012/06/negros-do-riacho.html. Acesso em: 30 set. 2015.

ARRUTI, J. M. Políticas públicas para quilombos: terra, saúde e educação. In: PAULA, M.; HERINGER, R. (Org.). Caminhos convergentes: Estado e sociedade na superação das desigualdades raciais no Brasil. Rio de Janeiro: Fundação Heinrich Boll/ActionAid, 2009. p. 75-110.

ASSUNÇÃO, L. C. Os negros do Riacho: estratégias de sobrevivência e identidade social. Natal: UFRN/ CCHLA, 1994.

ATO DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS TRANSITÓRIOS. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/conadc/1988/constituicao.adct-1988-5-outubro-1988-322234-normaatualizada-pl.pdf. Acesso em: 12 set. 2015.

BEZERRA, A. S. As Associações Comunitárias de Quilombos: políticas públicas e participação política. In: CONGRESSO PORTUGUÊS DE SOCIOLOGIA 40 ANOS DE DEMOCRACIA(S): PROGRESSOS, CONTRADIÇÕES E PROSPETIVAS, 8., 2014, Évora. Anais [...]. Disponível em: https://associacaoportuguesasociologia.pt/viii_congresso/VIII_ACTAS/VIII_COM0386.pdf. Acesso em: 26 out. 2015.

BOURDIEU, P. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Campinas, SP: Papirus, 1996.

BRASIL. Decreto n. 6.261, de 20 de novembro de 2007. Dispõe sobre a gestão integrada para o desenvolvimento da Agenda Social Quilombola no âmbito do Programa Brasil Quilombola, e dá outras providências Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2007/Decreto/D6261.htm. Acesso em: 12 set. 2014.

CARTILHA DOS POVOS E DAS COMUNIDADES TRADICIONAIS. Coordenadoria de Inclusão e Mobilização Sociais (CIMOS). Ministério Público de Minas Gerais, 2013. Disponível em: http://www.caa.org.br/media/publicacoes/PUBLICACAO_ESPECIAL_DIREITOS_DOS_POVOS_E_COMUNIDADES_TRADICIONAIS_oibAP6o.pdf. Acesso em: 10 out. 2015.

CASHMORE, E. Dicionário de relações étnicas e raciais. São Paulo: Selo Negro/Summus, 2000.

CHAGAS, M. A política do reconhecimento dos “remanescentes das comunidades dos quilombos”. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 7, n. 15, p. 209-35, 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ha/v7n15/v7n15a09.pdf. Acesso em: 14 dez. 2015.

COMMISSION ON SOCIAL DETERMINANTS OF HEALTH (CSDH). A Conceptual Framework for Action on the Social Determinants of Health. Discussion paper for the Commission on Social Determinants of Health. DRAFT, 2007. Disponível em: http://www.who.int/social_determinants/resources/csdh_framework_action_05_07.pdf. Acesso em: 13 jul. 2012.

DIAS, Reinaldo. Introdução à Sociologia. 2ª Ed. São Paulo: Pearson, 2013.

FERNANDES, B. M. Sobre a tipologia de territórios. In: SAQUET, M. A.; SPOSITO, E. S. (Org.). Territórios e territorialidades: teorias, processos e conflitos. São Paulo: Expressão Popular/UNESP,2009. p. 197-216.

FIDELIS, L. M.; BERGAMASCO, S. M. P. Quilombos e a agroecologia: a agricultura tradicional como estratégia de resistência da comunidade quilombola João Surá. Revista Eletrônica da Associação dos Geógrafos Brasileiros, Três Lagoas, MS, n. 18, p. 112-41, nov. 2013. Disponível em: http://seer.ufms.br/index.php/RevAGB/article/view/401. Acesso em: 20 nov. 2015.

FIGUEIREDO SANTOS, J. A. Classe social e desigualdade de saúde no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 26, n. 75, p. 27-55, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-69092011000100002&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 12 jun. 2012.

GIDDENS, A. Sociologia. São Paulo: Artmed, 2005.

GUIA DO PROGRAMA BRASIL QUILOMBOLA. Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República. Brasília, 2013. Disponível em: http://www.seppir.gov.br/portal-antigo/arquivos-pdf/guia-pbq. Acesso em: 13 out. 2016.

HERNÁNDEZ, C. O. Reconhecimento e autonomia: o impacto do Pronaf-Mulher para as mulheres agricultoras. In: PARRY, S.; CORDEIRO, R.; MENEZES, M. (Org.). Gênero e geração em contextos rurais. Florianópolis: Ed. Mulheres, 2010. p. 95-120. Disponível em: https://www.ufpe.br/documents/1016303/1020379/genero+e+gera_o+em+contextos+rurais.pdf/171b01b8-2ded-48dc-9639-8e7e34c7bbcc.

LEITE, I. B. Os quilombos no Brasil: questões conceituais e normativas. Etnográfica, Portugal, v. 4, n. 2, p. 333-54, 2000. Disponível em: http://ceas.iscte.pt/etnografica/docs/vol_04/N2/Vol_iv_N2_333-354.pdf. Acesso em: 15 set. 2015.

LÉO NETO, N. A. Mulheres que ousam lutar: a construção da identidade como mulher quilombola. In: ENCONTRO DA REDE FEMINISTA DE ESTUDOS SOBRE A MULHER E RELAÇÕES DE GÊNERO, 17., 2012, João Pessoa, PB. Anais [...]. João Pessoa, PB, 2012. Disponível em: http://docplayer.com.br/51497061-Mulheres-que-ousam-lutar-a-construcao-da-identidade-como-mulher-quilombola-1.html. Acesso em: 25 set. 2015.

LIMA, M. B. Identidade étnico/racial no Brasil: uma reflexão teórico-metodológica. Revista Fórum Identidades, ano 2, v. 3, p. 33-46, jan./jun. 2008. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/forumidentidades/article/view/1742/1533. Acesso em: 20 out. 2015.

LINK, B.; PHELAN, J. Social conditions as fundamental causes of disease. Journal of Health and Social Behavior. Extra Issue, p. 80-94, 1995. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/pdf/2626958.pdf. Acesso em: 29 jun. 2018.

MEDEIROS, R. M. V. Território, espaço de identidade. In: SAQUET, M. A.; SPOSITO, E. S. (Org.). Territórios e territorialidades: teorias, processos e conflitos. São Paulo: Expressão Popular/UNESP, 2008. p. 217-228.

MONTEIRO, K. S. As mulheres quilombolas na Paraíba: terra, trabalho e território. 2013. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2013. Disponível em: http://www.geociencias.ufpb.br/posgrad/dissertacoes/karoline_monteiro.pdf. Acesso em: 15 nov. 2015.

NEGREIROS, A. M. Negros do Riacho: quem é este povo? 2001. Monografia (Graduação em Comunicação Social) –Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2001.

O’DWYER, E. C. Os quilombos e a prática profissional dos antropólogos. In: O’DWYER, E. C. (Org.). Quilombos: identidade étnica e territorialidade. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2002. p. 13-42.

OLIVEIRA, B. J. C. Comunidade Negros do Riacho/RN: condições socioeconômicas e o avanço da anemia falciforme. 2012. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Serviço Social) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2012. Disponível em: https://monografias.ufrn.br/jspui/handle/1/304. Acesso em: 10 set. 2015.

PARÉ, M. L.; OLIVEIRA, L. P.; VELLOSO, A. D’A. A educação para quilombolas: experiências de São Miguel dos Pretos em Restinga Seca (RS) e da Comunidade Kalunga do Engenho II (GO). Cadernos Cedes, Campinas, SP, v. 27, n. 72, p. 215-32, maio/ago. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ccedes/v27n72/a07v2772.pdf . Acesso em: 27 nov. 2015.

PROGRAMA BRASIL QUILOMBOLA. Monitoramento, 2016. Disponível em: http://monitoramento.seppir.gov.br/SEPPIR/PR. Acesso em: 5 jan. 2013.

POUTIGNAT, P.; STREIFF-FENART, J. Teorias da etnicidade. Seguido de grupos étnicos e suas fronteiras de Frederik Barth. São Paulo: UNESP, 1998.

RAFFESTIN, C. A produção das estruturas territoriais e sua representação. In: SAQUET, M. A.; SPOSITO, E. S. (Org.). Territórios e territorialidades: teorias, processos e conflitos. São Paulo: Expressão Popular/UNESP, 2008. p. 17-36.

REMMERS, G. G. A agricultura tradicional y agricultura ecológica: vecinos distantes. Agricultura y Sociedad, n. 66, p. 201-20, enero/marzo 1993. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=82907&orden=106684&info=link. Acesso em: 20 set. 2015.

SCHMITT, A.; TURATTI, M. C. M.; CARVALHO, M. C. P. A atualização do conceito de quilombo: identidade e território nas definições teóricas. Ambiente & Sociedade, Campinas, SP, n. 10, p. 129-36, jan./jun. 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-753x2002000100008. Acesso em: 15 set. 2015.

SCOTT, P.; RODRIGUES, A. C.; SARAIVA, J. C. Onde mal se ouvem os gritos de socorro: notas sobre a violência contra a mulher em contextos rural. In: PARRY, S.; CORDEIRO, R.; MENEZES, M. (Org.). Gênero e geração em contextos rurais. Florianópolis: Ed. Mulheres, 2010. p. 63-94.

SILVA, J. T. O riacho e as eras. Memória, identidade e território em uma comunidade rural negra no Seridó Potiguar. 2009. Dissertação (Mestrado em História Social) – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2009. Disponível em: www.repositorio.ufc.br/bitstream/riufc/2896/1/2009_dis_jtsilva.pdf. Acesso em: 20 ago. 2018.

SILVA, R. A.; MENEZES-SANTOS, J. A. Ser mulher nas comunidades quilombolas: vivências relacionadas à família e ao trabalho. In: SEMINÁRIO ENLAÇANDO SEXUALIDADES, 4., Salvador, 2015. Anais [...]. Salvador: UNEB, 2015. Disponível em: http://www.uneb.br/enlacandosexualidades/files/2015/07/Comunica%C3%A7%C3%A3oRoseaneAmorim.pdf. Acesso em: 20 jan. 2016.

SHIRAISHI NETO, J. Os quilombos como novos sujeitos de Direito: processo de reconhecimento e impasses. Cadernos UNDB: estudos jurídicos interdisciplinares, v. 04, p. 203- 223, 2014. Disponível em: https://diamantina.cedeplar.ufmg.br/portal/download/diamantina-2016/259-440-1-RV_2016_10_09_00_58_43_345.pdf. Acesso em: 26 out. 2019.

SOUZA, P. B.; ARAÚJO, K. A. A mulher quilombola: da invisibilidade à necessidade por novas perspectivas sociais e econômicas. In: ESTEVES, J. T.; ALBINO, J. L.; FALCÃO, P. R. L. (Org.). Direitos, gênero e movimentos sociais II. Florianópolis: CONPEDI, 2014. p.163-182. Disponível em: http://publicadireito.com.br/publicacao/ufpb/livro.php?gt=234. Acesso em: 12 out. 2019.

SOUZA, B. O. Movimento Quilombola: reflexões sobre seus aspectos político-organizativos e identitários. In: REUNIÃO BRASILEIRA DE ANTROPOLOGIA, 26., jun. 2002, Porto Seguro, BA. Disponível em: http://www.aba.abant.org.br/conteudo/ANAIS/CD_Virtual_26_RBA/grupos_de_trabalho/trabalhos/GT%2002/barbara%20oliveira%20souza.pdf. Acesso em: 10 dez. 2015.

SOUZA, C. L. F.; ANTUNES, L. B.; NUNES, H. L. Mulheres quilombolas e educação. Identidade!, São Leopoldo, RS, v. 18, n. 3, ed. esp., p. 382-6, dez. 2013. Disponível em: http://periodicos.est.edu.br/index.php/identidade/article/viewFile/1186/1148. Acesso em: 27 nov. 2015.

WRIGHT, E. O. Logics of class analysis. In: CONLEY, D.; LAREAU, A. (Org.). Social class: how does it work? [S.l.]: Russell Sage Foundation, 2008. p. 329-49.

Publicado
2019-11-05