Produtividade da cana-de-açúcar em Mato Grosso do Sul e Goiás: uma análise a partir da Visão Baseada em Recursos

Palavras-chave: desempenho agrícola, perfil do produtor, estratégia

Resumo

Baseado na teoria da Visão Baseada em Recursos (VBR), este trabalho analisou como os recursos internos das propriedades rurais de cana-de-açúcar nos estados de Mato Grosso do Sul e Goiás influenciam seu desempenho agrícola. Foi um estudo aplicado de caráter exploratório, envolvendo uma pesquisa de campo com 148 produtores rurais. A análise quantitativa revelou diferenças entre os padrões de produção de cana-de-açúcar nas duas regiões de estudo.

Biografia do Autor

Roberto Bernardo, Universidade Federal de São Carlos - UFSCar

Doutor em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Mestre em Agronegócio e Desenvolvimento pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). Engenheiro Mecânico graduado pela UNESP de Ilha Solteira.

Wagner Luiz Lourenzani, Universidade Estadual Paulista - UNESP

Estágio Pós-Doutoral em Geografia na Kansas State University. Doutor em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Mestre em Ciência e Tecnologia de Alimentos pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). Graduado em Engenharia de Alimentos pela UFV. Livre-Docente em Análise de Sistemas Agroindustriais pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). Professor associado da Faculdade de Ciências e Engenharia da UNESP. Docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Agronegócio e Desenvolvimento (PGAD). Pesquisador do Centro de Pesquisa em Administração e Agronegócio (CEPEAGRO/UNESP).

Eduardo Guilherme Satolo, Universidade Estadual Paulista - UNESP

Pós-doutor pelo Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção e Sistemas Computacionais (MESC-ICT) da Universidade Federal Fluminense (UFF). Doutor, mestre e graduado em Engenharia de Produção pela Universidade Metodista de Piracicaba (UNIMEP). Livre-docente em Administração da Produção pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). Professor associado da Faculdade de Ciências e Engenharia da UNESP. Docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Agronegócio e Desenvolvimento (PGAD). Pesquisador do Centro de Pesquisa em Administração e Agronegócio (CEPEAGRO/UNESP).

Marcellus Marques Caldas, Kansas State University - KSU

Estágio Pós-Doutoral na Harvard University. Doutor em Economia Aplicada pela Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” da Universidade de São Paulo (ESALQ/USP) e em Geografia pela Michigan State University (MSU). Mestre em Economia Aplicada pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). Graduado em Economia pela Pontifícia Universidade Católica (PUC). Professor titular do Departamento de Geografia da Kansas State University e diretor do International Research and Faculty Collaboration in the Office of International Programs (OIP).

Referências

BARNEY, J. Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, v. 17, n. 1, p. 99-120, 1991.

BOEHLJE, M. Structural changes in the agricultural industries: how do we measure, analyze and understand them? American Journal of Agricultural Economics, v. 81, n. 5, p. 1028-41, 1999.

CARVALHO, D. M.; PREVOT, F.; MACHADO, J. A. D. O uso da teoria da visão baseada em recursos em propriedades rurais: uma revisão sistemática da literatura. Revista de Administração, São Paulo, v. 49, n. 3, p. 506-18, jul./set. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-21072014000300006. Acesso em: 13 fev. 2020.

CASTRO, S. S.; ABDALA, K.; SILVA, A. A.; BÔRGES, V. M. S. A expansão da cana-de-açúcar no Cerrado e no Estado de Goiás: elementos para uma análise espacial do processo. Boletim Goiano de Geografia, Goiânia, v. 30, n. 1, p. 171-91, jan./jun. 2010. Disponível em: https://repositorio.bc.ufg.br/xmlui/handle/ri/1444?show=full. Acesso em: 13 fev. 2020.

DEMATTÊ, J. L. I. Variedades de cana estão devendo. Idea News - Cana & Indústria, Ribeirão Preto, SP, v. 11, n. 141, p. 16-24, 2012.

DEMATTÊ, J. A. M.; DEMATTÊ, J. L. I.; ALVES, E. R.; BARBOSA, R. N.; MORELLI, J. L. Precision agriculture for sugarcane management: a strategy applied for brazilian conditions. Acta Scientiarum Agronomy, Maringá, PR, v. 36, n. 1, p. 111-7, jan./mar. 2014. DOI: http://dx.doi.org/10.4025/actasciagron.v36i1.17664

DIERICKX, I.; COOL, K. Asset stock accumulation and sustainability of competitive advantage. Management Science, v. 35, n. 12, p. 1504-11, 1989.

GILIO, L.; MORAES, M. A. F. D. Sugarcane industry’s socioeconomic impact in São Paulo, Brazil: a spatial dynamic panel approach. Energy Economics, v. 58, p. 27-37, ago. 2016. DOI: https://doi.org/10.1016/j.eneco.2016.06.005

GRANCO, G.; CALDAS, M. M.; BERGTOLD, J. S.; SANT’ANNA, A. C. Exploring the policy and social factors fueling the expansion and shift of sugarcane production in the Brazilian Cerrado. GeoJournal, v. 82, n. 1, p. 63-80, ago. 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.1007/s10708-015-9666-y

GRANDE, J. New venture creation in the farm sector: critical resources and capabilities. Journal of Rural Studies, v. 27, n. 2, p. 220-33, abr. 2011. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jrurstud.2011.02.003

HAIR JR., J. F.; BABIN, B.; MONEY, A. H.; SAMOEUL, P. Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. Porto Alegre: Bookman, 2005.

HENNESSY, D. A. On monoculture and the structure of crop rotations. American Journal of Agricultural Economics, v. 88, n. 4, p. 900-14, nov. 2006. DOI: http://www.jstor.org/stable/4123535

IBGE. Censo Agropecuário 2006. Disponível em: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pecua/default.asp?z=t&o=24&i=P. Acesso em: jul. 2016.

IBGE. Tabela 1612 - Área plantada, área colhida, quantidade produzida, rendimento médio e valor da produção das lavouras temporárias. [s.d.]. Disponível em: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/tabela/listabl.asp?c=1612&z=p&o=24. Acesso em: nov. 2017.

KELLERMAN, A. Agricultural location theory 1: basic models. Environment and Planning A: Economy and Space, v. 21, n. 10, p. 1381-96, out. 1989. DOI: https://doi.org/10.1068/a211381

KING, R. P.; BOEHLJE, M.; COOK, M. L.; SONKA, S. T. Agribusiness economics and management. American Journal of Agricultural Economics, v. 92, n. 2, p. 554-70, abr. 2010. DOI: https://doi.org/10.1093/ajae/aaq009

LAY, M. C. D.; REIS, A. T. D. L. Análise quantitativa na área de estudos ambiente-comportamento. Ambiente construído: Revista da Associação Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 5, n. 2, p. 21-36, abr./jun. 2005.

MANN, M. L.; KAUFMANN, R. K.; BAUER, D. M.; GOPAL, S.; NOMACK. M.; WOMACK, J. Y.; SOARES-FILHO, B. S. Pasture conversion and competitive cattle rents in the Amazon. Ecological economics, v. 97, p. 182-90, jan. 2014. DOI: https://doi.org/10.1016/j.ecolecon.2013.11.014

MEURER, A. P. S.; SHIKIDA, P. F. A.; VIAN, C. E. F. Análise da agroindústria canavieira nos estados do Centro-Oeste do Brasil a partir da Matriz de Capacidades Tecnológicas. Revista de Economia e Sociologia Rural, Brasília, v. 53, n. 1, p. 159-78, jan./mar. 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1234-56781806-9479005301009

NYKO, D.; VALENTE, M. S.; MILANEZ, A. Y.; TANAKA, A. K. R.; RODRIGUES, A. V. P. A evolução das tecnologias agrícolas do setor sucroenergético: estagnação passageira ou crise estrutural? BNDES Setorial, n. 37, p. 399-442, 2013. Disponível em: https://web.bndes.gov.br/bib/jspui/bitstream/1408/1503/2/A%20mar37_10_A%20evolu%c3%a7%c3%a3o%20das%20tecnologias%20agr%c3%adcolas%20do%20setor_P.pdf. Acesso em: 13 fev. 2020.

O’KELLY, M.; BRYAN, D. Agricultural location theory: von Thunen’s contribution to economic geography. Progress in Human Geography, v. 20, n. 4, p. 457-75, 1996. DOI: https://doi.org/10.1177/030913259602000402

PETERAF, M. A. The cornerstones of competitive advantage: a resource based view. Strategic Management Journal, v. 14, n. 3, p. 179-91, mar. 1993.

PRIEM, R. L.; BUTLER, J. E. Tautology in the resource-based view and the implications of externally determined resource value: further comments. Academy of Management Review, v. 26, n. 1, p. 57-66, jan. 2001. DOI: http://www.jstor.org/stable/259394

SIRMON, D. G.; HITT, M. A., IRELAND, R. D. Managing firm resources in dynamic environments to create value: looking inside the black box. Academy of Management Review, v. 32, n. 1, p. 273-92, jan. 2007. DOI: http://www.jstor.org/stable/20159292

STRACHMAN, E.; PUPIN, G. M. The Brazilian sugar and alcohol sector: evolution, production chain and innovations. Cepal Review, Santiago, Chile, n. 103, p. 179-198, 2011.

WERNERFELT, B. A resource‐based view of the firm. Strategic Management Journal, v. 5, n. 2, p. 171-80, abr./jun. 1984. DOI: https://doi.org/10.1002/smj.4250050207

Publicado
2019-05-08