Discursos do desenvolvimento: (in) visibilidade do social, modernidade e progresso em Imperatriz, MA

Palavras-chave: saberes tradicionais, modernidade, desenvolvimento, progresso.

Resumo

Partindo da análise sobre os discursos produzidos a respeito da implementação da “moderna” multinacional Suzano Papel e Celulose, no município de Imperatriz, MA, a pesquisa discorre sobre os processos de invisibilização do “outro” nos discursos relacionados ao “desenvolvimento”. Para tanto, nos valemos das contribuições de autores como Escobar (2005; 2007), Castro-Gómez (2005), Pinto e Mignolo (2015) e outros que nos auxiliam a pensar a tensão entre os conhecimentos tradicionais e a modernidade industrial, e refletir sobre como importantes atores sociais e instituições se posicionam a respeito dos projetos econômicos na Amazônia Maranhense.

Biografia do Autor

Vanda Maria Leite Pantoja, UFMA
Professora adjunta da Universidade Federal do Maranhão, Campus II, Doutora em Antropologia, Universidade Federal do Pará - UFPA, Mestre em Antropologia, UFPA, Bacharel e Licenciada em Geografia, UFPA. Líder do Núcleo de Pesquisa sobre Religião e Religiosidade da Universidade Federal do Maranhão. Membro do grupo de pesquisa "Simbolismo, Religião e Saúde" do Departamento de Antropologia da Universidade Federal do Pará e Núcleo de Estudos Sociedade e Cultura na Amazônia Oriental ? NESCAO. Atua nos seguintes temas de pesquisa: Catolicismo Popular, Pentecostalismo, Território e Desenvolvimento.
Jesus Marmanillo Pereira, UFMA
Doutor em Sociologia pelo Programa de Pós-graduação em Sociologia da Universidade Federal da Paraíba (PPGS-UFPB). Mestre em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Maranhão (PPGCSOC-UFMA). Graduado (Bacharelado e Licenciatura) em Ciências Sociais (2008) e História (2007) pela mesma instituição. Possui também licenciatura em Geografia pela Universidade Estadual do Maranhão (2008). Atualmente é professor assistente da Universidade Federal do Maranhão (CCSST-Imperatriz), coordenador do Laboratório de Estudos e Pesquisa sobre Cidades e imagens (LAEPCI), membro do Laboratório de Estudos e Pesquisa em Políticas Públicas e Trabalho (LAEPT-UFPB) e do Grupo de Pesquisa em Antropologia Visual e da Imagem (VISAGEM-UFPA). Tem experiência na área de Antropologia Visual, História Social, Sociologia Política, Sociologia Urbana, atuando principalmente em temas relacionados à etnografias visuais, movimentos sociais e identidades coletivas, populações estigmatizadas na cidade e violência urbana.

Referências

BARROS, Antonio Teixeira de. A visibilidade ambiental em perspectiva sociológica: estudo comparado Brasil-Portugal. Sociologias, Porto Alegre, RS, v. 15, n. 33, p. 318-45, ago. 2013.

CASTRO-GOMEZ, Santiago. Ciências Sociais, violência epistêmica e o problema da “invenção do outro”. In: LANDER, Edgardo (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina: Clacso, set. 2005. p. 133-68. (Col. SurSur).

COSTA, José Luís da Silva. Terra de bravura e utopia: Vila Conceição I e II, o primeiro assentamento da região tocantina. 1. ed. Imperatriz, MA: Ética, 2013. v. 1. 148p

ESCOBAR, Arturo. La invención del Tercer Mundo. Cosntrucción y deconstrucción del dessarollo. Caracas, Venezuela: El Perro y Larana, 2007.

ESCOBAR, Arturo. O lugar da natureza e a natureza do lugar: globalização ou pós-desenvolvimento? In: LANDER, Edgardo (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina: Clacso, set. 2005. p. 133-68. (Col. SurSur)

FIEMA. Plano estratégico de desenvolvimento industrial do Maranhão. 2009. Disponível em: https://www.fiema.org.br/uploads/revista/6330/MxlkzuXMhbpFZihAGiO4yBtZ6KdYCGpn.pdf

FRANKLIN, Adalberto. Apontamentos e fontes para a História Econômica de Imperatriz. Imperatriz, MA: Ética, 2008.

FRANKLIN, Adalberto. Breve história de Imperatriz. Imperatriz, MA: Ética, 2005.

IBGE. População – Imperatriz, MA. 2018. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ma/imperatriz/panorama.

MATOS, Marcos Fabio Belo; SOUSA, Letícia Holanda de. O papel do progresso: uma análise da presença da fábrica Suzano de Papel e Celulose em O Progresso. 2016. Disponível em: http://docplayer.com.br/48638958-O-papel-do-progresso-uma-analise-da-presenca-da-fabrica-suzano-de-papel-e-celulose-em-o-progresso-1.html

PINTO, Júlio Roberto de Souza; MIGNOLO, Walter. A modernidade é de fato universal? Reemergência, desocidentalizaçãoe opção decolonial. Civitas, Porto Alegre, RS, v. 15, n. 3, p. 381-402, jul./set. 2015.

SANTOS, Raimundo Lima dos. O projeto Grande Carajás e seus reflexos para as quebradeiras de coco de imperatriz – MA. 2009. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, 2009.

STCP ENGENHARIA DE PROJETOS. Relatório de Impacto Ambiental – Rima da área de implantação do projeto florestal da Suzano, na região de Porto Franco, estado do Maranhão. Curitiba, jan. 2010.

Publicado
2019-03-21