Estratégias de desenvolvimento e a expansão das capacidades em um grupo produtivo de mulheres rurais assentadas

  • Valdemar João Wesz Junior Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA)
Palavras-chave: Grupo produtivo. Desenvolvimento local. Assentamento rural.

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar como o acesso a diferentes atores e ativos possibilita a geração de capacidades que permitem criar trajetórias sustentáveis de reprodução socioeconômica e melhoria das condições de vida. O caso averiguado é o Grupo Pé-da-Serra, constituído por mulheres do Assentamento Santa Lúcia (Bonito, Estado do Mato Grosso do Sul, Brasil), onde as assentadas trabalham com a agregação de valor dos produtos do cerrado. A partir da aplicação de entrevistas semiestruturadas, este artigo aponta que o Grupo Pé-da-Serra proporcionou maior empoderamento e autonomia às integrantes, além do crescimento da renda familiar.

 

Referências

BASSO, D. Desenvolvimento local e estratégias de reprodução das famílias rurais: abordagens sobre o desenvolvimento rural na região noroeste do Rio Grande do Sul. 2004. Tese (Doutorado em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade) – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), Rio de Janeiro.

BEBBINGTON, A. Capitals and capabilities: a framework for analyzing peasant viability, rural livelihoods and poverty. World Development, v. 27, n. 12, p. 2021-2044, 1999.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente dos Recursos Hídricos e da Amazônia Legal. Plano de Conservação da Bacia do Alto Paraguai (Pantanal): análise integrada e prognóstico da Bacia do Alto Paraguai. Brasília, 1997.

BRUNO, R. et. al. Perfil dos grupos produtivos de mulheres em áreas de reforma agrária situadas em territórios da cidadania. Relatório de Pesquisa REDES/IICA-MDA-NEAD. Rio de Janeiro, 2010. (mimeo.).

CHAMBERS, R.; CONWAY, G. R. Sustainable Rural Livelihoods: practical concepts for the 21st century. Brighton, England: Institute of Development Studies, 1991.

DAGNINO, E. Sociedade civil, espaços públicos e a construção democrática no Brasil: limites e possibilidades. In: DAGNINO, E. (Org.). Sociedade civil e espaços públicos no Brasil. São Paulo: Paz e Terra, 2002. p. 279-301.

DELGADO, N. G. Desenvolvimento local e extensão rural e pesqueira: reflexões metodológicas. Estudos sociedade e agricultura, n. 16, p. 62-73, 2001.

______. Extensão e desenvolvimento local: em busca da construção de um diálogo, Desenvolvimento em Questão, n. 1, p. 229-237, 2003.

ELLIS, F. Rural livelihoods and diversity in developing countries. Oxford (UK): Oxford University Press, 2000.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. SIDRA. 2010. Disponível em: <http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/>. Acesso em: abr. 2011.

INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO E EXTENSÃO RURAL DE MATO GROSSO DO SUL – IDATERRA. Plano de Desenvolvimento Sustentável: Projeto de Assentamento Santa Lúcia. Bonito, MS, 2001.

INSTITUTO HSBC SOLIDARIEDADE. Conhecendo o Instituto. [s./d.]. Disponível em: <http://www.porummundomaisfeliz.org.br>. Acesso: maio 2011.

LONG, N.; PLOEG, J. D. van der. Heterogeneity, actor and structure: towards a reconstitution of the concept of structure. In: BOOTH, D. (Ed.). Rethinking social development: theory, research and practice. Harlow: Longman, 1994. p. 62-90.

MILANO, S. M. Z. Diagnóstico Socioeconômico do entorno do Parque Nacional da Serra da Bodoquena. Bonito, MS: [s.n.], 2002.

MILANO, S. M. et. al. Perfil das mulheres no Assentamento Santa Lúcia. Bonito, MS: [s.n.], 2005.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO – MDA. Pronaf. [s./d.]. Disponível em: <http://www.mda.gov.br>. Acesso em: abr. 2011.

NIEDERLE, P. A.; GRISA, C. Diversificação dos meios de vida e acesso a atores e ativos: uma abordagem sobre a dinâmica de desenvolvimento local da agricultura familiar. Cuadernos de Desarrollo Rural, Bogotá, n. 61, p. 11-35, 2008.

OFFE, C. A atual transição histórica e algumas opções básicas para as instituições da sociedade. In: BRESSER PEREIRA, L. C.; WILHEIM, J.; SOLA, L. (Org.). Sociedade e Estado em transformação. São Paulo/Brasília: Editora Unesp/Enap, 1999. p. 119-145.

OLIVEIRA, F. de. Aproximações ao enigma: que quer dizer desenvolvimento local? São Paulo: Instituto Polis, 2001.

PEÑAFIEL, A. P. P. Modos de vida e heterogeneidade das estratégias de produtores familiares de pêssego da região de Pelotas. 2006. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Rural) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS.

PERONDI, M. A. Diversificação dos meios de vida e mercantilização da agricultura familiar. 2007. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Rural) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS.

PLOEG, J. D. van der. Camponeses e impérios alimentares: lutas por autonomia e sustentabilidade na era da globalização. Porto Alegre, RS: UFRGS, 2008.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO – PNUD. Edital de convocação de projetos. 2008. Disponível em: <www.ispn.org.br/edital2008-2009.doc>. Acesso: maio 2011.

PRADO, B. A. A perspectiva dos modos de vida entre narrativas do desenvolvimento. CONGRESSO INTERNACIONAL DA ASSOCIAÇÃO LATINO-AMERICANA DE SOCIOLOGIA – ALAS, 28. Anais... Recife, 2011.

ROMANO, J. O. Empoderamento: enfrentemos primeiro a questão do poder para combater juntos a pobreza. In: ROMANO, J. O.; ANTUNES, M. (Org.). Empoderamento e direitos no combate à pobreza. Rio de Janeiro: ActionAid Brasil, 2002. p. 9-20.

SEN, A. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia de Bolso, 2010.

WILKINSON, J. Mercados, redes e valores. Porto Alegre, RS: Editora da UFRGS, 2008.

Publicado
2015-11-23