São os Arranjos Produtivos Locais apoiados capazes de afetar a renda dos municípios do estado do Rio Grande do Sul?

  • Andre Carraro Universidade Federal de Pelotas Programa de Pós-Graduação em Organizações e Mercados (PPGOM)
  • Diogo Sá Carvalho Fatec -Senac
  • Pery Francisco Shkida UNIOESTE/Toledo-PR
Palavras-chave: Arranjos Produtivos Locais, estimação de diferenças em diferenças, Avaliação de Políticas Públicas.

Resumo

Este artigo avaliou o impacto dos incentivos públicos aos Arranjos Produtivos Locais - APLs sobre o PIB per capita dos municípios do Rio Grande do Sul. Após a identificação dos APLs, aplicou-se a metodologia de MQO e de Estimação de Diferenças em Diferenças para captar o efeito do apoio ao APL sobre o PIB per capita. Na análise de APLs selecionados, apenas o APL de máquinas e implementos agrícolas apresentou impacto positivo sobre o PIB per capita com significância estatística.

Biografia do Autor

Andre Carraro, Universidade Federal de Pelotas Programa de Pós-Graduação em Organizações e Mercados (PPGOM)
Departamento de Economia

Referências

AMARAL FILHO, J. do. Sistemas e Arranjos Produtivos Locais. Planejamento e Políticas Públicas, n. 36, p. 171-212, jan./jun. 2011.

BANCO CENTRAL DO BRASIL (BCB). Estrutura Produtiva e Desempenho Recente da Economia Gaúcha. Boletim Regional do Banco Central do Brasil, julho 2011.

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL (BNDES). Arranjos produtivos locais e desenvolvimento regional. Análise do mapeamento e das políticas para Arranjos Produtivos Locais no Brasil. Seminários, outubro de 2004.

BOURLEGAT, Cleonice Alexandre Le. Princípios de organização e desempenho de um modelo econômico agroindustrial emergente no centro-oeste: o caso do arranjo produtivo local da fécula de mandioca. In: LASTRES, Helena M. M.; CASSIOLATO, José E. (Org.). Estratégias para o desenvolvimento: um enfoque sobre arranjos produtivos locais do Norte, Nordeste e Centro-oeste brasileiros. Rio de Janeiro: E-papers, 2006.

BRITTO, J.; STALLIVIERI, F. Inovação, cooperação e aprendizado no setor de software no Brasil: análise exploratória baseada no conceito de Arranjos Produtivos Locais (APLs). Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 19, n. 2 (39), p. 315-358, ago. 2010.

CARVALHO, F. D.; SANTANA, A. C. de; MENDES, F. A. T. Análise de Cluster da indústria de móveis de madeira do Pará. Novos Cadernos do NAEA, v. 9, n. 2, dez. 2006.

CHATTERJI, A.; GLAESER, E. L.; KERR, W. R. Clusters of entrepreneurship and innovation. National Bureau of Economic Research, Working Paper n. 19013, 2013.

COSTA, O. de M. E. da. Arranjos Produtivos Locais. APL's como estratégia de desenvolvimento: uma abordagem teórica. Fortaleza: Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE), 2011.

COSTA, F. de A.; ANDRADE, W. D. C. de; SILVA, F. C. F. da. O arranjo produtivo de frutas na região polarizada por Belém do Pará. In: LASTRES, H. M. M.; CASSIOLATO, J. E. (Org.). Estratégias para o desenvolvimento: um enfoque sobre arranjos produtivos locais do Norte, Nordeste e Centro-oeste brasileiros. Rio de Janeiro: E-papers, 2006. 288p.

DELGADO, M.; PORTER, E. M.; STERN, S. Clusters, convergence, and economic performance. National Bureau of Economic Research, Working Paper n. 18250, 2012.

DIAS, N. C. Arranjos produtivos locais como estratégia de desenvolvimento. Desenvolvimento em Questão, Ijuí, RS, ano 9, n. 17, jan./jun. 2011.

FALCK, O.; HEBLICH, S.; KIPAR, S. Industrial innovation: direct evidence from a cluster-oriented policy. Regional Science and Urban Economics, n. 40, p. 574-582, 2010.

FUNDAÇÃO INSTITUTO POLO AVANÇADO DE SAÚDE (FIPASE). APL EMHO - Equipamentos Médicos, Hospitalares e Odontológicos. [s/d]. Disponível em: <http://fipase.com.br/>. Acesso em: 18 nov. 2013.

HASHINO, T.; OTSUKA, K. Cluster-based industrial development in contemporary developing countries and modern Japanese economic history. Journal of The Japanese and International Economies, n. 30, p. 19-32, 2013.

INSTITUTO PARANAENSE DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL (IPARDES); UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ (UNIOESTE); SECRETARIA DE ESTADO DO PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO GERAL. APL de produção de máquinas e equipamentos para a agricultura, avicultura e obtenção de produtos animais: estudo de caso. Curitiba: IPARDES, 2006. 36p.

KIRSCHBAUM, C.; CARVALHO, L. F. N.; BRITO, L. A. L.; BINDER, M. P.; VASCONCELOS, F. C. de. Os desafios do cluster vitivinícola da serra gaúcha. In: SERIO, L. C. Di (Org.). Clusters empresariais no Brasil: casos selecionados. São Paulo: Saraiva, 2007.

MARTIN, P; MAYER, T; MAYNERIS, F. Public support to clusters: a firm level study of French “Local Productive Systems”. Regional Science and Urban Economics, n. 41, p. 108-123, 2011.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR (MDIC). Arranjos Produtivos Locais. 2000. Disponível em: <http://www.mdic.gov.br//sitio/interna/interna.php?area=2&menu=300>. Acesso em: 6 nov. 2013.

NISHIMURA, J.; OKAMURO, H. Subsidy and networking: the effects of direct and indirect support programs of the cluster policy. Research Policy, n. 41, p. 714-727, 2011.

NORONHA, E.; TURCHI, L. Política industrial e ambiente institucional na análise de arranjos produtivos locais. Texto para discussão 1076. Brasília: IPEA, 2005.

POSSAS, M. L. Concorrência schumpeteriana. In: KUPFER, David; HASENCLEVER, Lia (Org.). Economia industrial: fundamentos teóricos e práticos no Brasil. Rio de Janeiro: Campus, 2002.

______. Concorrência e competitividade: notas sobre estratégia e dinâmica seletiva na economia capitalista. São Paulo: Hucitet, 1999.

RIBEIRO, K. A.; NASCIMENTO, D. C.; CASSUNDE JUNIOR, N. F.; MORATO, J. A. Q. Arranjo produtivo local (APL) como estratégia de potencializar as fronteiras mercadológicas do apicultor no perímetro de irrigação Senador Nilo Coelho em Petrolina-PE. Revista Gestão, Finanças e Contabilidade, v. 3, n. 2, maio/ago. 2013.

RIO GRANDE DO SUL [Governo do Estado do]. Assembleia Legislativa. Decreto n. 48.936 de 20 de março de 2012. Sistema Legis. Disponível em: <http://www.al.rs.gov.br/legislativo/Legisla%C3%A7%C3%A3oEstadual.aspx>. Acesso em: 11 nov. 2013.

______. Assembleia Legislativa. Lei n. 13.839 de 5 de dezembro de 2011. Sistema Legis. Disponível em: <http://www.al.rs.gov.br/legislativo/Legisla%C3%A7%C3%A3oEstadual.aspx>. Acesso em: 11 nov. 2013.

SCHERER, F.; ROSS, D. Industrial market structure and economic performance. Boston: Houghton Mifflin, 1990.

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO E PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO DO RIO GRANDE DO SUL (SDPI). Plano de Implantação da Política Industrial: Desenvolvimento Econômico do RS. 2013. Disponível em: <http://www.sdpi.rs.gov.br/>. Acesso em: 12 nov. 2013.

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (SEBRAE). Cara brasileira: a brasilidade nos negócios – um caminho para o made in Brazil. Brasília: Sebrae Nacional, 2002.

SUZIGAN, W.; FURTADO, J.; GARCIA, R.; SAMPAIO, S. Clusters ou Sistemas Locais de Produção: mapeamento, tipologia e sugestões de políticas. Revista de Economia Política, v. 24, n. 2, out./dez. 2004.

TATSCH, A. L.; PASSOS, M. C. Políticas para promoção de arranjos produtivos e inovativos locais no Rio Grande do Sul: os casos dos arranjos de máquinas e implementos agrícolas e de móveis. In: CASSIOLATO, J. E.; LASTRES, H. M. M.; STALLIVIERI, F. (Org.). Arranjos produtivos locais: uma alternativa para o desenvolvimento. Rio de Janeiro: E-papers, 2008. (Volume 2: Experiência de política).

TIROLE, J. The theory of industrial organization. Cambridge (Mass): MIT Press, 1988.

VIAN, C. E. de F.; ANDRADE JÚNIOR, A. M.; BARICELO, L. G.; SILVA, R. P. Origens, evolução e tendências da indústria de máquinas agrícolas. Revista de Economia e Sociologia Rural, Piracicaba, SP, v. 51, n. 4, p. 719-744, out./dez. 2013.

WOOLDRIDGE, J. Introdução à Econometria: uma abordagem moderna. São Paulo: Cengage Learning, 2006.

ZANIN, V.; COSTA, R. M. da; FEIX, R. D. As aglomerações industriais do Rio Grande do Sul: identificação e seleção. Estudo de Aglomerações Industriais e Agroindustriais no RS. Porto Alegre: FEE, 2013.

Publicado
2016-12-18