A interatividade étnica e cultural nas fronteiras entre Brasil, Paraguai e Bolívia e o discurso religioso

  • Jerri Marin
Palavras-chave: Fronteiras, Identidades, Igreja Católica.

Resumo

Esse trabalho apresenta uma reflexão sobre as trocas e intercâmbios culturais no sul de Mato Grosso, regiãofronteiriça entre Brasil, Paraguai e Bolívia. Como ponto de passagem, de convivência e de troca de experiências, olugar é marcado pela heterogeneidade. A Igreja Católica, para criar fronteiras geográficas, políticas, religiosas eculturais, preocupou-se em integrar a região e forjar uma homogeneidade cultural e religiosa. Contudo, a fronteiratornou-se o espaço da transgressão, de perigo iminente e de negação da catolicidade que se pretendia implantar ereafirmar.

Referências

ARAÚJO, José Carlos. Igreja Católica no Brasil: um estudo de mentalidade ideológica. São Paulo: Paulinas, 1982.

BARROS, Abílio L. Gente pantaneira: (crônicas de sua história). Rio de Janeiro: Lacerda Editores, 1998.

CHAVES, Orlando. Visita pastoral de S. Excia. Revma. D. Orlando Chaves à paróquia de Ponta Porã e Amambái. Eco Diocesano, jan./fev. 1951, p. 8-9.

CORDELLIER, Serge (Coord.). Nações e nacionalismos. Trad. Miguel Serras Pereira. Lisboa: Dom Quixote,1998.

CORRÊA, Francisco de Aquino. Imperialismo e protestantismo: conferência realizada em Cuiabá, no dia 12 de abril de 1926. Cuiabá: Escolas Profissionaes Salesianas, 1926.

LA PROBLEMATICA pastoral em Bolivia. La Paz, 1987. (mimeo)

LIVRO Tombo da Paróquia de São José de Ponta Porã.

MARIN, Jérri Roberto. O acontecer e “desacontecer” da romanização na fronteira do Brasil com o Paraguai e Bolívia. 2000. Tese (Doutorado) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Assis, 2000.

Publicado
2016-02-26
Seção
Artigos