Etnobotânica: um instrumento para valorização e identifi cação de potenciais de proteção do conhecimento tradicional

  • Joyce Alves Rocha Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro; Universidade do Estado do Rio de Janeiro
  • Odara Horta Boscolo Universidade Federal Fluminense
  • Lucia Regina Rangel de Moraes Valente Fernandes Instituto Nacional da Propriedade Industrial
Palavras-chave: Etnobotânica. Indicação geográfica. Comunidades tradicionais.

Resumo

Objetivou-se apontar estudos etnobotânicos como instrumentos de valorização e identificação de potenciais de proteção do conhecimento tradicional, ao se aproximarem das Indicações Geográficas (IGs), visando favorecer o desenvolvimento local baseado em novas soluções socioambientais. Investigou-se uma comunidade rural do Rio de Janeiro/Brasil, situada em UC de Mata Atlântica. Urge que tal aproximação seja promovida para que traga benefícios econômicos locais e subsidie políticas públicas.

 

Referências

ALBUQUERQUE, Ulysses P.; LUCENA, Reinaldo F. P. Can apparency affect the use of plants by local people in tropical forests? Interciência, n. 30, p. 506-510, 2005.

ALCORN, Jane B. The scope and aims of ethnobotany in a developing world. In: SCHULTES, R. E.; REIS, S. V. (Ed.). Ethnobotany: evolution of a discipline. Cambridge: Timber Press, 1995.

ALEXIADES, Miguel N. Ethnobotany in the Third Millennium: expectations and unresolved issues. Delpinoa, n. 45, p. 15-28, 2003.

AMOROZO, Maria C. M.; GÉLY, A. Uso de plantas medicinais por caboclos do baixo Amazonas, Bacarena, PA, Brasil. Boletim do Museu Paranaense Emilio Goeldi, Ser. Bot., Belém, PA, v. 4, n. 1, p. 47-131, 1988.

BAHT, P. I. The Role of Collective Bodies in Protection of Intellectual Property Rights in India, Journal of Intellectual Property Rights, v. 14, n. 3, p.214-225, 2009.

BEGOSSI, Alpina. Caiçaras, caboclos and natural resources: rules and scale patterns. In: Ambiente & Sociedade, São Paulo, v. 5 n. 2, 1999.

BOSCOLO, Odara H. Estudos Etnobotânicos na Comunidades de Galdinópolis e Rio Bonito, Nova Friburgo, RJ. 2011. Tese (Doutorado em Botânica) – Programa de Pós-Graduação em Botânica, Museu Nacional/Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.

BRASIL. Lei 9.279, de 14 de maio de 1996. Regula direitos e obrigações relativos à Propriedade Industrial. 1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9279.htm>. Acesso em: 10 fev. 2013.

CASTELA, R. A inserção da propriedade intelectual na nova ordem econômica. In: SEMINÁRIO NACIONAL DA PROPRIEDADE INTELECTUAL, 22. Rio de Janeiro: INPI, 2002.

CASTILHO, Maria A.; ARENHARDT, Mauro M.; Le BOURLEGAT, Cleonice A. Cultura e identidade: os desafios para o desenvolvimento local no assentamento Aroeira, Chapadão do Sul, MS. Interações, Campo Grande, MS, v. 10, n. 2, p. 159-169, jul./dez. 2009.

CHAMBOREDON, Jan C. La naturalisation. de la campagne: une autre maniére de cultiver lês simples. In: CADORET, A. Protection de la nature: histoire et idéologie. Paris: L. Harmmatan, 1985.

CONTI, Bruna R.; ANTUNES, Diogo C. Conflitos na gestão do Parque Nacional da Serra da Bocaina: entraves ao desenvolvimento local na vila de Trindade (Paraty, RJ). Interações, Campo Grande, MS, v. 13, n. 2, p. 213-223, jul./dez. 2012.

DIEGUES, Antônio C. S. O mito moderno da natureza intocada. São Paulo: Hucitec, 2001.

FONTANA, Alessandra. Ao redor da natureza: investigando a percepção ambiental dos moradores do entorno da Estação Biológica de Santa Lucia, Santa Teresa, ES. 2004. Dissertação (Mestrado em Psicologia de Comunidades e Ecologia Social) – Programa estudos interdisciplinares em Comunidades e Ecologia Social EICOS, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2004.

GATINOIS, Antoine. Denominaciones de origem pra vinos, bebidas espirituosas y otros productos, uma tradición presente en el um bral del siglo XI. In: SEMINARIO SOBRE DENOMINACIONES DE ORIGEN. Anais... Espanha, 1999.

FUNDAÇÃO INSTITUTO ESTADUAL DE FLORESTAS – IEF. Disponível em: <http://www.ief.mg.gov.br/>. Acesso em: 10 ago. 2013.

LIMA, Pedro G. C.; SILVA, Regina O.; COELHO-FERREIRA, Márlia R.; PEREIRA, Jorge L. G. Agrobiodiversidade e etnoconhecimento na Gleba Nova Olinda I, Pará: interações sociais e compartilhamento de germoplasma da mandioca (Manihot esculenta Crantz, Euphorbiaceae). Boletim do Museu Paranaense Emilio Goeldi, Ser. Hum., Belém, PA, v. 8, n. 2, p. 419-433, 2013.

LOCATELLI, Liliana. Indicações geográficas: a proteção jurídica sob a perspectiva do desenvolvimento Econômico. Curitiba: Juruá, 2008.

MARQUES, José G. W. O olhar (des)multiplicado: o papel do interdisciplinar e do qualitativo na pesquisa Etnobiológica e Etnoecológica. In: AMOROZO, M. C.; MING, L. C.; SILVA, S. M. P. (Ed.). Métodos de coleta e análise de dados em etnobiologia, etnoecologia e disciplinas correlatas. Rio Claro, SP: Sociedade Brasileira de Etnobiologia e Etnoecologia, 2002.

MATHIEU, Nicole; JOLLIVET, Marcel. Du rural à l.environnement: la question de la nature aujourd´hui. Paris: L. Harmmatan, 1989.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/index.php?ido=conteudo.monta&idEstrutura=85&idConteudo=4403>. Acesso em: 13 jul. 2013.

MORSELLO, Carla. Áreas protegidas públicas e privadas: seleção e manejo. São Paulo: Annablume, 2001.

OLIVEIRA, Flavia C.; ALBUQUERQUE, Ulysses P.; FONSECA-KRUEL, Viviane S.; HANAZAKI, Natalia. Avanços nas pesquisas etnobotânicas no Brasil. Acta Botanica Brasilica, Feira de Santana, BA, v. 23, n. 2, p. 590-605, 2009.

PL MATA ATLÂNTICA. Plano de Lei da Mata Atlântica. 2010. Disponível em: <www.sosma.org.br/observatorio/plmataatlantica.html>. Acesso em: 21 jun. 2013.

PNUMA. CBD/WG-ABS/1/4. Disponível em: <http://www.biodiv.org>. Acesso em: 1 nov. 2010.

REZENDE-SILVA, Simone; BURGOS, Rosalina; MARIANO, Neusa F. Territorialidade quilombola nas florestas atlânticas: uma concepção integradora de território a partir da memória. Revista Geográfica de América Central, Costa Rica, número especial EGAL, 2011.

REZENDE-SILVA, Simone. Comunidades quilombolas e a política ambiental e territorial na mata atlântica. Geografia em Questão, Cascavel, PR, v. 5, n. 1, p. 47-65, 2012.

RÍOS, Francisco T. Complejidad Territorial y Sustentabilidad: Notas para una Epistemología de Los Estudios Territoriales. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, RS, n. 25, p. 105-115, 2006.

SÁNCHEZ, Minerva C. Defining environmental management units based upon integrated socio-economic and biophysical indicators at the Pacific coast of México. Interciencia, v. 35, n. 1, 2010.

SANTILLI, Juliana. Os “novos” direitos socioambientais. Revista Direito e Justiça - Reflexões Sociojurídicas, Santo Ângelo, RS, n. 9, p. 6-18, 2006.

SANTOS, Boaventura S. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. Critical Review of Social Sciences, n. 78, p. 3-46, 2007.

TUXILL, John; NABHAN, Gary P. Plantas, comunidades y áreas protegidas: una guía para El manejo in situ. Pueblos y plantas. Manual de conservacion. Montevidéu: Editora Nordan Comunidad, 2001.

Publicado
2015-11-13