Construção social de mercados: a produção orgânica nos assentamentos do Rio Grande do Sul, Brasil

  • Ezequiel Redin Universidade Federal de Santa Maria
Palavras-chave: Extensão rural. Mercados alternativos. Segurança alimentar.

Resumo

O objetivo é analisar a inserção no mercado pelas famílias assentadas na região metropolitana de Porto Alegre no Rio Grande do Sul, usando como objeto a experiência do arroz orgânico. A produção do arroz orgânico trouxe a oportunidade do retorno do camponês ao mercado com estratégias diferenciadas, apoiando-se na agregação de valor por um produto constituído de características organolépticas e funcionais relevantes, aliado a preocupações ambientais e sociais.

Referências

ABRAMOVAY, R. Entre Deus e o diabo: mercado e interação humana nas ciências sociais. Tempo Social, São Paulo, v. 16, n. 2, p. 35-64, 2004.

BOURDIEU, P. O campo econômico. Política & Sociedade, v. 4, n. 6, p. 15-57, abr. 2005.

BRASIL. Lei nº 10.831. Dispõe sobre a agricultura orgânica e dá outras providências. Brasília: Congresso Nacional, 2003.

______. Lei nº 11.346. Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (SISAN). Brasília: Congresso Nacional, 2006.

______. Lei nº 12.188. Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (PNATER). Brasília: Congresso Nacional, 2010.

CODRON, J. M.; SIRIEX, L.; REARDON, T. Social and environmental attri- butes of food products in an emerging mass market: challenges of signaling and consumer perception, with European illustrations. Agriculture and Human Values, Szczecin, Poland, v. 23, p. 283-297, 2006.

Comunello, F. J. Produto orgânico de produção agroecológica: a sensibilidade jurídica dos produtores agroecológicos. Extensão Rural, Santa Maria, RS, v. 20, n. 1, p. 69-80, 2013.

COOPERATIVA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS EM ÁREAS DE REFORMA AGRÁRIA - COPTEC. Planejamento Estratégico de Desenvolvimento do Assentamento Filhos de Sepé – PA Viamão/RS, 2009. Disponível em: <http://www.coptec.org.br/Relatorios/PAC%20Viamao/acoes/Diagn%F3stico%20da%20Produ%E7%E3o%20Agropecu%E1ria_%20PAC%20Viam%E3o%20%5BModo%20de%20Compatibilidade%5D.pdf>. Acesso em: 9 nov. 2011.

Ferreira, F. F. A formação e organização do grupo gestor do arroz orgânico nos assentamentos de reforma agrária no RS. Monografia (Especialização em Agricultura Familiar Camponesa e Educação do Campo) – Programa de Pós-Graduação em Extensão Rural, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, 2011.

FLIGSTEIN, N. The transformation of corporate control. Cambridge: Harvard University Press, 1990.

FONSECA, M. F. A. C. A Institucionalização do Mercado de Orgânicos no Mundo e no Brasil: uma interpretação. 2005. Tese (Doutorado em Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade) – Programa de Pós-Graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005.

GÓMEZ, C. A, C.; BOUCHER, F.; REQUIER-DESJARDINS, D. ¿Cómo <<activar>> los sistemas agroalimentarios localizado en América Latina? Un análisis comparativo. Revista Agroalimentaria, n. 22, p. 17-27, ene./jun. 2006.

Goodman, D. Rural Europe Redux? Reflections on Alternative Agro-Food Networks and Paradigm Change. Sociologia Ruralis, v. 44, n.1, p. 3-16, january 2004.

______. The “Turn Quality” and Alternative Food Pratices: Reflections and Agenda. Journal of Rural Studies, v. 19, Issue 1, January de 2003.

GRANOVETTER, M. S. Economic action and social structure: the problem of embeddedness. American Journal of Sociology, Chicago, v. 91, n. 3, p. 481-510, 1985. Disponível em: <http://www.journals.uchicago.edu/AJS/> Acesso em: 18 ago. 2011.

______. La fuerza de los vínculos débiles. Traduzido por Mª Ángeles García Verdasco. American Journal of Sociology, Chicago, v. 78, n. 6. p. 1360-1380, 1973. Tradução de: The strength of weak ties. Disponível em: <http://www.redcimas.org/archivos/analisis_de_redes/la_fuerza_de_los_vinculos_debiles.pdf>. Acesso em: 20 abr. 2012.

GUIVANT, J. S. Os supermercados na oferta de alimentos orgânicos: apelando ao estilo de vida ego-trip. Ambiente & Sociedade, Campinas, Unicamp, v. VI, n. 2, p. 63-82, 2003.

Holloway, L.; Kneafsey, M.; Venn, L.; Cox, R.; Dowler, E.; Tuomainen, H. Possible Food Economies: a Methodological Framework for Exploring Food Production-Consumption Relationships. Sociologia Ruralis, v. 47, n.1, p. 1-19, january 2007.

INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA - INCRA. Assessoria Técnica, Social e Ambiental (ATES). 2003. Disponível em: <http://www.incra.gov.br/portal/arquivos/projetos_programas/0005502027.pdf>. Acesso em: 17 out. 2011.

LÉVESQUE, B. Economia plural e desenvolvimento territorial na perspectiva do desenvolvimento sustentável: elementos teóricos de sociologia econômica e de socioeconomia. Política & Sociedade, Florianópolis, SC, n. 14, p. 107-144, abr. 2009.

LOCKIE, S. ‘The Invisible Mouth’: Mobilizing ‘the Consumer’ in Food Production-Consumption Networks. Agro-Food Networks and Food Politics – Theme I – Theorizing Food Production-Consumption, University of California, Santa Cruz, nov./dec. 2001.

MALUF, R. S. Mercados agroalimentares e a agricultura familiar no Brasil: agregação de valor, cadeias integradas e circuitos regionais. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 25, n. 1, p. 299-322, abr. 2004.

MOMESSO, C. M. V.; ROEL, A. R.; FAVARO, S. P. Levantamento do potencial de comercialização de produtos orgânicos para o estado de Mato Grosso do Sul. Interações, Campo Grande, MS, v. 10, n. 1, p. 55-62, jan./jun. 2009.

MORAGUES-FAUS, A. M.; SONNINO, R. Embedding quality in the Agro-food System: the dynamics and implications of place-making strategies in the olive oil sector of Alto Palancia, Spain. Sociologia Ruralis, v. 52, p. 215-234, Apr. 2012.

Muchnik, J. Identidad territorial y calidad de los alimentos: procesos de calificación y competencias de los consumidores. Agroalimentaria, Venezuela, n. 22. p. 89-98, ene./jun. 2006.

MUCHNIK, J.; SAUTIER, D. Proposition d’action thématique programmée: systèmes agroalimentaires localisés et construction de territoires. Montpellier: CIRAD, 1998.

Murdoch, J. Weaving the Seamless Web: a consideration of network analysis and its potential application to the rural economy. Working Paper, 3, CRE, University of Newcastle Upon Tyne. Feb. 1994.

NIEDERLE, P. A. Políticas de valor nos mercados alimentares: movimentos sociais econômicos e a reconstrução das trajetórias sociais dos alimentos agroecológicos. Século XXI - Revista de Ciências Sociais, Santa Maria, RS, v. 4, n. 1, p.162-189, jan./jun. 2014.

Pecqueur, B. A guinada territorial da economia global. Política & Sociedade, Florianópolis, SC, v. 8, n. 14, p. 79-105, abr. 2009.

PINHEIRO, A. C. A.; CARVALHO, M. L. S. Economia e política agrícolas. Lisboa-Portugal: Edições Silabo, 2003.

Radomsky, G. F. W. Práticas de certificação participativa na agricultura ecológica: rede, selos e processos de inovação. Revista IDeAS, Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, p. 133-164, jan./jun. 2009.

REARDON, T.; BERDEGUÉ, J. La rápida expansión de los supermercados en América Latina: desafíos y oportunidades para el desarrollo. Estudos Sociedade e Agricultura, Rio de Janeiro, n. 21, p. 5-41, 2003.

REDIN, E.; SILVEIRA, P. R. C. A condição camponesa revisitada: transformações e permanências. Revista Isegoria, Viçosa, MG, v. 01, n. 01, p. 01-28, mar./ago. 2011.

Sonnino, R.; Marsden, T. Beyond the divide: rethinking relationships between alternative and conventional food networks in Europe. Journal of Economic Geogrphy, v. 6, n. 1, p. 181-199, 2006.

SPAARGAREN, G.; GUIVANT, J. S.; OOSTERVEER, P. Shopping for green food in globalizing supermarkets: sustainability at the consumption junction. In: PRETTY, Jules et al. (Org.). The Sage Handbook on Environment and Society. London: Sage, 2007. p. 411-428.

SWEDBERG, R. Sociologia econômica: hoje e amanhã. Tempo Social - Revista de Sociologia da USP, São Paulo, v. 16, n. 2, p. 7-34, 2004.

WILKINSON, J. A contribuição da teoria francesa das convenções para os estudos agroalimentares – algumas considerações iniciais. Ensaios FEE, Porto Alegre, RS, v. 20, n. 2, p. 64-80, 1999.

______. Mercosul e produção familiar: abordagens teóricas e estratégias alternativas. Estudos Sociedade e Agricultura, Rio de Janeiro, n. 8, 1997.

______. Sociologia econômica, a teoria das convenções e o fortalecimento dos mercados. Ensaios FEE, Porto Alegre, RS, v. 23, n. 2, 2002. Disponível em: <http://revistas.fee.tche.br/index.php/ensaios/article/viewFile/2042/2424>. Acesso em: 20 out. 2011.

Publicado
2015-11-13