Mobilidade de camponeses entre assentamentos de reforma agrária: territorialidades em cheque no desenvolvimento local da Transamazônica, Pará, Brasil

  • Ione Vieira dos Santos Universidade Federal do Pará
  • Noemi Miyasaka Porro Universidade Federal do Pará
  • Roberto Porro Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA)
Palavras-chave: Conservação ambiental. Mobilidade espacial. Territorialização.

Resumo

O artigo trata do papel da mobilidade espacial de famílias camponesas entre assentamentos da chamada reforma agrária no desenvolvimento local da região Transamazônica, Estado do Pará. A análise das práticas e narrativas de sujeitos locais no contexto de políticas públicas fundiárias e ambientais evidencia que essa execução vigente não se coaduna com os processos de territorialização concebidos pelos chamados beneficiários de reforma agrária.

Referências

ALMEIDA, Alfredo W. B. Biologismos, geografismos e dualismos: notas para uma leitura crítica de esquemas interpretativos da Amazônia que dominam a vida intelectual. In:______. Antropologia dos Archivos da Amazônia. Rio de Janeiro: Casa 8/Fundação Universidade do Amazonas, 2008a. p. 15-126.

______. Processos de territorialização. In: ______. Terra de quilombo, terras indígenas, “babaçuais livre”, “castanhais do povo”, faixinais e fundos de pasto: terras tradicionalmente ocupadas. 2. ed. Manaus, AM: PGSCA, UFAM, 2008b. 192 p.

CHAYANOV, Alexander V. Sobre a Teoria dos sistemas econômicos não capitalistas. In: SILVA, J. G.; STOLCKE, V. A questão agrária. São Paulo: Brasiliense, [Original 1929], 1981. p. 133-163.

GARCIA Jr, Afrânio R. Terra de trabalho. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA - INCRA. Relatório Circunstanciado de Vistorias da Supervisão Ocupacional no PDS Anapu I (SM0067000), elaborado pela área técnica do Incra em Santarém em 4 de agosto de 2010.

______. Campanha contra a venda de lotes da reforma agrária começa a ser veiculada neste domingo (27/11). 2011. Disponível em: <http://www.incra.gov.br/index.php/noticias-sala-de-imprensa/noticias/11563-campanha-contra-a-venda-de-lotes-da-reforma-agraria-comeca-a-ser-veiculada-neste-domingo-2711>. Acesso em: 10 maio 2012).

KEARNEY, Michael. Reconceptualizing the Peasantry: Anthropology in Global Perspective. Boulder: Westview Press, 1996.

LOPES, José S. L. A “ambientalização dos conflitos sociais”. In: ______. A ambientalização dos conflitos sociais. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2004. p. 17-38.

LUDEWIGS, Thomas et al. Agrarian Structure and Land-cover Change Along the Lifespan of Three Colonization Areas in the Brazilian Amazon. World Development, v. 37, n. 8, p. 1348-1359, ago. 2009.

PACHECO, Pablo et al. Acesso à terra e meios de vida: examinando suas interações em três locais no Estado do Pará. Belém, PA: CIFOR/LAET/ARCA, 2009.

MARTINS, José S. O cativeiro da terra. São Paulo: Ed. Ciências Humanas, 1979.

______. Fronteiras: a degradação do outro nos confins do humano. São Paulo: Hucitec, 1997.

SHANIN, Teodor. A definição de camponês: conceituações e desconceituações – o velho e o novo em uma discussão marxista. Revista NERA, Presidente Prudente, SP, ano 8, n. 7, p. 1-21, jul./dez. 2005. [Original: A definição de camponês: conceituações e desconceituações. Novos Estudos Cebrap, São Paulo, n. 26, p. 43-80, 1980].

VELHO, Otávio G.Capitalismo autoritário e campesinato. São Paulo: DIFEL, 1976.

______. "O cativeiro da besta-fera". In: VELHO, O. G. Besta fera: recriação do mundo. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1995. p. 13-44.

WOLF, Eric. Sociedades camponesas. Tradução de Oswaldo C. C. da Silva. 2. ed. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1976.

Publicado
2015-11-13