O consumo e as estratégias de caça utilizadas pelas populações tradicionais da Reserva Extrativista Chico Mendes

  • Conselho de Redação Revista Interações
Palavras-chave: Caça de subsistência, reserva extrativista, tabu alimentar.

Resumo

A caça de subsistência e as estratégias usadas nas caçadas pelos extrativistas são informações valiosas quecontribuem para a definição de medidas a serem implementadas para o manejo comunitário do recurso fauna,inserido em um processo de auto-gestão. O presente estudo buscou caracterizar o uso da caça de subsistência dealgumas espécies de mamíferos e aves com 54 famílias extrativistas, relacionando a obtenção de fonte de proteínaanimal e a influência de tabus, crenças e costumes, entre outros parâmetros, sendo realizado em 10 seringais daReserva Extrativista Chico Mendes, Município de Xapuri, no Estado do Acre.

Referências

BALÉE, William. The Persistence of Ka’apor Culture. 1984. Ph.D. dissertation. Columbia University. Ann Arbor: Microfilms International.

BODMER R. E. et al. Primates and Ungulates: a comparison in susceptibility to hunting. In: Primate Conservation, 9:79-83, 1988.

BODMER, R. E. & AYRES, J. M. Sustainable Development and Species Diversity in Amazonian Forest. In: Species 16: 22-24, 1991.

BODMER, R.E. Managing wildlife with local communities in the Peruvian Amazon: the case of the Reserva Comunal Tamshyacu-Tahuayo. In: Natural Connections: perspectives, in community-based conservation, 1994.

BODMER, R.E. & J.W. Penn Jr. Manejo da vida silvestre em comunidades na Amazônia In: Manejo e Conservação de Vida Silvestre no Brasil. Brasília-DF: CNPq/Belém- PA: Sociedade Civil Mamirauá, 1997.

CALOURO, A. M. A Caça de subsistência: sustentabilidade e padrões de uso entre seringueiros ribeirinhos e não-ribeirinhos do estado do Acre. 1995. 82p. Dissertação (Mestrado) – Universidade de Brasília, Brasília. CASTELO, C.E.F. Avaliação econômica de produção familiar na Reserva Extrativista Chico Mendes no Estado do Acre. Porto Velho-RO: UNIR. In: Zoneamento Ecológico Econômico do Acre, 1999.

CASTRO, E. V. Sociedades Indígenas e Natureza na Amazônia. In: Tempo e Presença, Rio de Janeiro: Koinonia, n.216, ano 14, 1992.

CHAGNON N. & HAMES, R. Protein deficiency and tribal warfare in Amazônia: New data. In: Science. 203 (4383): 910013, 1979.

DOUGLAS, M. Pureza e perigo. São Paulo: Perspectiva, 1966.

GOVERNO DO ESTADO DO ACRE. Programa Estadual de Zoneamento Ecológico Econômico do Estado do Acre. Rio Branco: SECTMA, 2000. vol. 1 Ache of eastern Paraguay. In: Adaptative Responses of native Amazonians. New York: Academic Press, 139- 188, 1983.

HUNGERFORD H. e VOLK T. Changing learner behavior through environmental education. Journal of Environmental Education, 21(3):8-21, 1990.

IOZZI, L.A. What research says to educator: Environmental Education and the affective domain. Journal of Environmental Education, 20(3): 3-9, 1989.

IUCN. Red List of Threatened Animals. Washington, DC. International Union for Conservation of Nature and Natural Resources, 1995, 448 p.

LATHRAP, D. W. “The ‘hunting’ economies of the tropical forest zone of South America: an attempt at historical perspective”. In: LEE, R. B. & DE VORE, I. (orgs.). Man the Hunter. Chicago: Aldine Publishing Company, 1968. p. 23-9.

LEACH, E. Aspectos antropológicos da linguagem: categorias animais e insulto verbal. In: DA MATTA (org). Leach. São Paulo: Ática, 1983. (Coleção Grandes Cientistas Sociais).

LEEUWENBERG, F. Manejo de fauna cinegética na Reserva Indígena Xavante de Pimentel Barbosa, Mato Grosso. In: Manejo e Conservação de Vida Silvestre no Brasil. Brasília: CNPq/Belém-PA, 1997. p.233-238.

MARTINS, E. S. A caça de subsistência de extrativistas na Amazônia: sustentabilidade, Biodiversidade e extinção de espécies. 1992. 116p. Dissertação (Mestrado em Ecologia) – Universidade de Brasília, Brasília. MCDONALD, David R. Food Taboos: A Primitive Environmental Protection Agency (South America). Anthropos 72:734-748, 1977.

MEDEIROS, M. F. S. T. Instrumentos educativos: estratégia de educação ambiental para o manejo sustentável da fauna silvestre por populações tradicionais em Reserva Extrativista. In: Educação ambiental: caminhos trilhados no Brasil. Brasília: IPÊ, 1997. p. 157-169.

MORAN, E. F. A ecologia humana das populações da Amazônia. Petrópolis: Vozes, 1990.

PÁDUA, Maria T. Jorge. Sistema brasileiro unidades de conservação: de onde viemos e para onde vamos? In: IAP (Instituto Ambiental do Paraná) & UNILIVRE (Universidade Livre do Meio Ambiente) (eds.): Anais do Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação. 15 a 23 de novembro de 1997. Vol. I: Conferências, palestras, resumos, relatórios, workshops e moções aprovadas. Curitiba (IAP / UNILIVRE), p. 214-236, 1997.

PERES, C. A. Effects of hunting on western Amazonian primates communities. Biological Conservation, 54: 47- 59 p., 1990.

______. Population status of white-lipped Tayassu peccari and collared peccaries T. tajacu in hunted and unhunted amazonian forests. Biological Conservation, 77: 115-123 p., 1996.

PORTO-GONÇALVES, C. W. Os (des)caminhos do meio ambiente. São Paulo: Contexto, 1996.

POSEY, D. A. Etnobiologia: teoria e prática. In: RIBEIRO, D. (ed.). Suma etnológica brasileira. Petrópolis: Vozes/ Finep, 1987. vol. 1., p. 15-25.

______. Os povos tradicionais e a conservação da biodiversidade. In: Uma estratégia Latino-Americana para a Amazônia. São Paulo: Unesp, 1996.

RAMSEY, R. & H. HUNGERFORD. So... you want to teach issues? In: Contemporary Education, 60(3): 137-142, 1989.

REBELO, G. & GALLATI, U. Manejo de fauna em Reservas Extrativistas. Rio Branco: Poronga, 1995.

REBORATTI, C. & SCHIMINK, M. Poblacion, biodiversidad y uso de la tierra en Argentina In: Abordagens interdisciplinares para a conservação da biodiversidade e dinâmica do uso da terra no novo mundo. [S.l.]: Universidade Federal de Minas Gerais/University of Florida/ Conservation International do Brasil, 1995.

REDFORD, K.H. A Floresta Vazia. In: C. VALLARESPÁDUA & BODMER, R.E. (Eds.). Manejo e conservação de vida silvestre no Brasil. Belém: MCT/CNPq/Sociedade Civil Mamirauá, 1997. p. 1-22.

REDFORD, K. H. The Empty Forest. BioScience, 42(6): 412-422, 1992.

REDFORD, K. H. & ROBINSON, J.G. The Game of Choice: Patterns of Indian and Colonist Hunting in the Neotropics. In: American Anthropologist, 89(3) : 650- 667, 1987.

ROSS, E. B. “Food Taboos, Diet, and Hunting Strategy: the adaptation to animals in Amazon cultural ecology”. Current Anthropology. 19 (1): 1 - 36, 1978.

RUEDA, R. P. Evolução histórica do extrativismo. In: Reservas Extrativistas, União Mundial para a Conservação – UICN, 1995.

SAHLINS, M. Cultura e razão prática. Rio de Janeiro: Zahar, 1990.

SETZ, E.Z.F. Estratégias de forrageio em populações indígenas de florestas neotropicais. Belém: Museu Emílio Goeldi, 1989. (Coleção Eduardo Galvão).

STAPP, W. Historical setting of Environmental Education. In: Environmental Education: Strategies Toward a livable future. Beverly Hills: Sage Publications, 1974.

SWAM, J. Some human objectives for Environmental Education. In: Environmental Education: Strategies Toward a livable future. Beverly Hills: Sage Publications, 1974.

UICN. Reservas Extrativistas. MURRIETA, J.R. & RUEDA, R.P. (ed.). Gland, Suíça e Cambridge, Reino Unido, 1995.

VICKERS, W. T. The faunal components of low land South American hunting kills. Interciencia, Caracas, 9: 366-376, 1984.

______. Hunting Yields and Game Composition Over Ten Years in an Amazon Indian Territory. In: ROBINSON, J.G.; REDFORD, K.H. (editors). Neotropical Wildlife Use and Conservation, 1991.

VON ROOSMALEN, M.G.M. Fruits of the guianan flora. Utrecht: Institute of Systematic Botany, Utrecht University, 1985

Publicado
2016-02-22
Seção
Artigos