Compartimentação geoambiental no complexo de Campo Maior, PI: uma área de tensão ecológica

  • José Sidiney Barros
  • Antônio Alberto Jorge Farias Castro
Palavras-chave: Ecótono, lateritização, microrrelevos.

Resumo

A região pesquisada, localizada numa área de tensão ecológica, foi submetida a estudos decompartimentação geoambiental de suas unidades, segundo pressupostos da teoria geossistêmica. A vegetação, emmanchas ou capões, configura tipos fisionômicos com contatos abruptos ou gradacionais, instalados em solossubmetidos a processos de lateritização e ferralitização. Foram analisadas relações entre solo, vegetação, estrutura,florística e diversidade em oito parcelas de 20m x 50m, registrando-se 4 434 indivíduos arbustivo-arbóreos.

Referências

ALMEIDA, Fernando Flávio Marques. Diferenciação tectônica da plataforma brasileira. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE GEOLOGIA, 23., Salvador, 1969. Anais. Salvador, SBG. P.29-46. BEARD, John Stanley. The savanna vegetation of northern tropical America. Ecological monographs, v.23, 1953.

BERTRAND, Georges. Paisagem e Geografia Física Global: esboço metodológico. Cadernos de Ciências da Terra (13), São Paulo, IG/USP, 1971.

CASTRO, Antônio Alberto Jorge Farias; MARTINS, Fernando Roberto; FERNANDES, Afrânio. The wood y flora of cerrado vegetation in the state of Piauí, northeastern Brazil. Edinburgh Journal of Botany, Edinburg, v.55, n.3, p. 455-72, 1998.

CPRM. Programa de Levantamentos Geológicos Básicos do Brasil. Carta Hidrogeológica. Folha SB 23XB – Caxias. 2000.

EITEN, George. The cerrado vegetation of Brazil. Botanical review. 33(2) 201-341.1972.

FARIAS, Ruth Raquel Soares; CASTRO, Antônio Alberto Jorge Farias. Fitossociologia de trechos da vegetação do Complexo de Campo Maior, Campo Maior, PI, Brasil. In: Acta bot. bras. 18(4): 951-965. 2004

GUERRA, Antonio José Teixeira; CUNHA, Sandra Baptista da. Geomorfologia e meio ambiente/Antônio José Teixeira e Sandra Baptista da Cunha (Org.). 4. ed. – Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

IBGE. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia. Mapa de unidades de relevo do Brasil. Esc. 1:5.000.000. 1993. IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Macrozoneamento Geoambiental da Bacia Hidrográfica do Parnaíba. Rio de Janeiro: IBGE, 1996. 111p. (Série Estudos e Pesquisas em Geociências, 4). NIMER, Edmon. Clima. In: IBGE. Geografia do Brasil; v.2, p. 151-187, Rio de Janeiro, 1990.

RADAMBRASIL. Ministério das Minas e Energia. Projeto RADAM, 1978.

RAMBALDI, Denise Marçal; OLIVEIRA, Daniela América Suárez de. Fragmentação de ecossistemas: causas, efeitos sobre a biodiversidade e recomendações de políticas públicas./ Denise Marçal Rambaldi, Daniela América Suárez de Oliveira (Orgs.). Brasília: MMA/ SBF, 2003.

RATTER, James Alexander; DARGIE, T. C. D. An analysis of the floristic composition of 26 cerrado areas in Brazil. Edinburgh Journal of Botany. v.49, p. 235-250, 1992.

ROSS, Jurandyr. L. Sanches. O registro cartográfico dos fatos geomorfológicos e a questão da taxonomia do relevo. Revista do Departamento de Geografia, 6 FFLCH-USP, São Paulo, 17-29p. 1992.

SARMIENTO, Guillermo; MONASTERIO, Maximina. Ecologia de las sabanas de America Tropical. Analisis macroecológica de los llanos de Calabozo, Venezuela. Cuadernos Geográficos nº 4. 126p. 1971.

SOTCHAVA, Victor Borissovitch. O Estudo dos Geossistemas. In: Métodos em Questão nº 16, São Paulo, IG/USP, 1977.

TRICART, Jean; KIEWITDEJONGE, Conrad. Ecogeography and rural management. Harlowl: Longman Scientific, 1992.

VELLOSO, Agnes. L.; SAMPAIO, EVERARDO, V. S. B.; PAREYN, Frans. G. C. Ecorregiões: propostas para o bioma caatinga; resultados do seminário de planejamento ecorregional da caatinga. Recife, TNC/APNE, 75p. 2001.

Publicado
2016-02-22
Seção
Artigos