Extensão rural e desenvolvimento com sustentabilidade cultural: o Ponto de Cultura no Sertão Pernambucano (Brasil)

  • Camila Loureiro
  • Angelo Brás F. Callou
Palavras-chave: extensão rural, desenvolvimento local, sustentabilidade cultural.

Resumo

Analisa-se no presente artigo as contribuições do Projeto Estação da Cultura: o Ponto de Cultura no SertãoPernambucano, selecionado pelo Programa Cultura Viva, do Governo Federal para o desenvolvimento local de Arcoverde,em Pernambuco. Especificamente, pretende-se observar as possibilidades de “sustentabilidade cultural”, a partir daimplantação da Estação da Cultura nesta cidade. Neste trabalho, ressalta-se a importância de centralizar asustentabilidade cultural como premissa para o desenvolvimento local, vislumbrando nas pessoas dessas comunidadescomo principais atores nesse processo.

Referências

MINC, Estação da Cultura: o Ponto de Cultura no Sertão Pernambucano. Arcoverde, 2004.

AYALA, M.; AYALA, M.I.N. Cultura popular no Brasil São Paulo: Ática, 1995.

BENJAMIN, Roberto. Folkcomunicação na sociedade contemporânea Porto Alegre: Comissão Gaúcha do Folclore, 2004.

BRASIL, Ministério da Cultura. Programa Nacional de Educação, Cultura e Cidadania – Cultura Viva. Brasília- DF, 2004.

CALLOU, Angelo Brás Fernandes. Estratégias de comunicação em contextos populares: implicações contemporâneas no desenvolvimento local sustentávelc In: CIMADEVILLA, G. (Comp.). Comunicação, tecnologia e desenvolvimento: debates atuais. Rio Cuarto: Córdoba, 2004.

CANCLINI, Néstor García. As culturas populares no capitalismo. São Paulo: Brasiliense, 1983.

______. Reconstruir políticas de inclusão na América latina. In: COELHO, T. (org.). Políticas culturais para o desenvolvimento: uma base de dados para cultura. Brasília: UNESCO Brasil, 2003.

FRANCO, Augusto de. Porque precisamos de desenvolvimento local integrado e sustentável. 2.ed. Brasília-DF: Instituto de Política ,1998.

JARA, Carlos Julio. A sustentabilidade do desenvolvimento local. Brasília-DF: IICA: Recife: Seplan, 1998.

______. A dimensão intangível do desenvolvimento sustentável. Brasília: IICA, 2001.

MARTÍN-BARBERO, Jesús. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro: UFRJ, 1997.

MARTINELL, Alfons. Cultura e cidade: uma aliança para o desenvolvimento. A experiência da Espanha. In: COELHO, T. (org.). Políticas culturais para o desenvolvimento: uma base de dados para cultura. Brasília-DF: UNESCO Brasil, 2003.

SACHS, Ignacy. Ecodesenvolvimento: ecologia e desenvolvimento 1972 -1992. In: MAIMON, Dália (org.). Ecologia e desenvolvimento. Rio de Janeiro: APED, 1992.

SANTOS, Boaventura de Sousa (org.). A globalização e as ciências sociais. São Paulo: Cortez, 2002.

TAUK SANTOS, Maria Salett. Comunicação rural – velho objeto, nova abordagem, mediação, reconversão cultural, desenvolvimento local. In: LOPES, M.L.V. de; FRAU-MEIGS; TAUK SANTOS, M.S. (orgs.). Comunicação e informação: identidades sem fronteiras. São Paulo: Intercom; Recife: Bargaço, 2000.

TAUK SANTOS, Maria Salett; CALLOU, Angelo Brás Fernandes. Desafios comunicação rural em tempo de desenvolvimento local. Revista Signo, João Pessoa, ano 2, n. 3, set. 1995.

Publicado
2016-02-18
Seção
Artigos