Turismo rural e agricultura familiar: o caso de Nossa Senhora do Livramento-MT

  • Carlos Alberto Simões de Arruda
  • Silvia Regina Fernandes Vilanova
  • José Franklim Chichorro
Palavras-chave: Desenvolvimento local. Ruralidade. Folclore.

Resumo

Este artigo discute o turismo rural e a agricultura familiar como possibilidades do desenvolvimento local em NossaSenhora do Livramento – MT sugere usar de maneira eficiente e de formas alternativa os recursos ambientais existentesatravés da agricultura orgânica, do artesanato, agregando valores a produtos naturais e a produção existente e organizar osetor. No trabalho foi identificado pouco intercambio de informação entre as duas estratégias, fator que com certezademonstra as reais necessidades de estudo e planejamento que possa aportar e melhor desenvolver o rural distribuindo rendae qualidade de vida das pessoas que ali residem e exercem influência direta na racionalidade do uso dos recursos ambientais.

Referências

ABRAMOWAY, Ricardo. Paradigmas do capitalismo agrário em questão. Campinas: Hucitec/Anpocs/Unicamp, 1992.

ABRAMOVAY, Ricardo. O futuro das regiões rurais. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2003, p. 33. AIDAR, Antonio Carlos Kfouri e PEROSA JUNIOR, Roberto Mario. Espaços e limites da empresa capitalista na agricultura. Revista de Economia Política. São Paulo: v. 1, n. 2, 1981, p. 17-39.

AULICINO, Madalena Pedroso Algumas Implicações da Exploração Turística dos Recursos Naturais. In: RODRIGUES, Adyr Balastreri (org.) Turismo e Meio Ambiente: Reflexões e Propostas. São Paulo: Hucitec, 1997.

BALASTRERI, Adyr Rodrigues. Turismo Eco-rural. In: Almeida, J.; Froehlich, J. M.; Riedl, M. (orgs.). [s.n.], 2000.

BARRETO, Margarita. Turismo e legado cultural: as possibilidades do planejamento. 2.ed.São Paulo: Papirus, 2000.

BRASIL. Ministério do Turismo. Diretrizes para o Desenvolvimento do Turismo Rural. Disponível em: <http://www.mda.gov.br/saf/arquivos/ diretrizes.pdf>. Acesso em: 06 jul. 2007.

BRASIL, Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: . Acesso em: 30 ago. 2007.

CORDEIRO, Ângela; PETERSEN, Paulo e ALMEIDA, Silvio Gomes de. Crise sócio-ambiental e conversão ecológica da agricultura brasileira: subsídios à formulação de diretrizes ambientais para o desenvolvimento agrícola. Mimeo. Rio de Janeiro, 1996. 50 p.

DEL GROSSI, Mauro Eduardo. Evolução das ocupações não-agrícolas no meio rural brasileiro: 1981-1995. Tese de Doutorado. Campinas, IE/Unicamp, 1999. DREW, David. 1986. Processos Interativos Homem – Meio Ambiente. São Paulo, 206 p.

FERREIRA, Jose Carlos Vicente. Mato Grosso e seus municípios. Cuiabá-MT: Editor Buriti, 2001.

LIKERT, Rensis. A technique for the measurement of attitudes. Arch. Psychol, n. 140, p.1-55. 1932.

LÜDKE, Menga & ANDRÉ, Marli. Pesquisa em Educação: Abordagens Qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MAITELLI, G. T. Uma Abordagem Tridimensional de Clima Urbano em Área Tropical Continental: O Exemplo de Cuiabá-MT. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1994.

MANN, Suzan A; DICKINSON, James M. Obstacles of the development of a capitalist agriculture. The Journal of Peasant Studies. Londres, v. 5, n. 4, 1978, p. 466-81.

OLIVEIRA, T.M.V. Escalas de mensuração de atitudes: Thurstone, Osgood, Stapel, Likert, Guttman, Alpert. FECAP, v. 2, n. 2, 2001. Disponível em: . Acesso em: 10 mai. 2007.

PNUD - Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Atlas do Desenvolvimento Humano, PNUD. Brasília, 2000.

SEPLAN – Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral. Perfil Sócio Econômico de Mato Grosso. 2004. Disponível em: <http://www.seplan.mt.gov.br/ arquivos/A_8f8f0bd75702c76a957227 ec37c2f65eperfil socioeconomico %20I.doc> Acesso em: 11 jan. 2008.

SILVA, Dirceu da; BARROS FILHO, Jomar. Ensino de Administração de Empresas: análise de um pré-teste sobre concepções de tecnologia e sociedade de alunos. Revista Álvares Penteado, v. 3, n. 6, p. 119-29. 2001.

TOLEDO, V. M. La diversidad biológica de México. Ciencia y Desarollo, México city, v. XIV, n. 81, p. 17, 1998.

Publicado
2016-02-17