Organização espacial em comunidades camponesas de Santo Antônio de Leverger-MT

  • Hérica Clair Garcêz Nabuco
  • Rodrigo Aleixo Brito de Azevedo
  • Maria Cristina de Figueiredo Albuquerque
  • José Carlos Leite
  • Carla Cella
Palavras-chave: Comunidade Sangradouro. Comunidade São Sebastião. Campesinato.

Resumo

Este artigo investiga a percepção e a forma de organização espacial em duas comunidades camponesaslocalizadas no estado de Mato Grosso. A partir da memória oral, da história de ocupação e domínio territorial dessascomunidades, verificou-se que, de modo geral, a organização espacial dessas comunidades resulta da influência detrês elementos: da relação de parentesco; da influência das instituições sociais na comunidade e da presença ouausência dos aspectos naturais.

Referências

ADDISON, E. E. A percepção ambiental da população do município de Florianópolis em relação à cidade .151f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Centro Tecnológico, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis-SC, 2003.

AGUIAR, M. V. de A. El aporte del conocimento local para el desarrolo rural: Un estúdio de caso sobre el uso de la biodiversidad em dos comunidades campesinas tradicionales del Estado de Mato Grosso-Brasil. 744f. Tese (Doutorado em Agroecologia, Campesinato e História) - Universidade de Córdoba, Instituto de Sociologia e Estudos Campesinos, Córdoba - Espanha, 2006.

ALTIERI, M. A. ¿Por que estudiar la agricultura tradicional? Revista Agroecología y Desarrollo, Chile, v. 1, n. 1. p. 16-24, 1991.

ALVES, H. S. Percepção dos agricultores em relação ao solo e seu uso, em comunidades tradicionais, da região da Morraria, Cáceres, MT. 390f. Dissertação (Mestrado em Agricultura Tropical) - Universidade Federal de Mato Grosso, Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, Cuiabá-MT, 2004.

AZEVEDO, R. A. B. de. Indicadores agronômicos em unidades de produção de agricultura familiar. 306f. Tese (Doutorado em Fitotecnia) - Universidade Federal de Viçosa, Departamento de Fitotecnia – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa-MG, 2001.

BASTOS, R. Áreas de uso comum por agricultores tradicionais de comunidades da região de Morraria, Cáceres-MT. 139f. Dissertação (Mestrado em Agricultura Tropical) - Universidade Federal de Mato Grosso, Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, Cuiabá- MT, 2004.

BOMBARDI, Larissa Mies. O bairro rural como identidade territorial: a especificidade da abordagem do campesinato na geografia. AGRÁRIA, n. 1, p. 55-95, 2004.

CANDIDO, A. Os parceiros do Rio Bonito: estudo sobre o caipira paulista e a transformação dos seus meios de vida. 34 ed. São Paulo: Duas Cidades, 2001. 217p.

CLAVAL, P. O Território na transição da pós-modernidade. Revista Geographia, Niterói-RJ, n.2, p.7-26, 1999.

COSTA, M. C da. Condicionantes de procedimentos técnicos de agricultores tradicionais de três comunidades da região de Morraria, Cáceres, MT. 2004, 139f. Dissertação (Mestrado em Agricultura Tropical) - Universidade Federal de Mato Grosso, Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, Cuiabá, 2004.

EMPAER. Levantamento de informações e avaliação diagnóstica da comunidade de Sangradouro. Trabalho Técnico, 2004.

GODOY, D. P. dos S. Estrutura e função dos quintais de unidades de produção das comunidades Nossa Senhora da Guia e Santana, Cáceres-MT. 111f. Dissertação (Mestrado em Agricultura Tropical) - Universidade Federal de Mato Grosso, Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, Cuiabá, 2004.

LAMARCHE, H. (Coord). A agricultura familiar, 2.ed. Campinas: Editora da Unicamp, v. 1, 1997.

LITTLE, P. E. Territórios sociais e povos tradicionais no Brasil: por uma antropologia da territorialidade. Disponível em: . Acesso em: 18 maio 2006.

MENDES, R. R. Manejo e uso da vegetação nativa por agricultores tradicionais da comunidade de Santana, região da Morraria, Cáceres -MT. 104f. Dissertação (Mestrado em Agricultura Tropical) - Universidade Federal de Mato Grosso, Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, Cuiabá, 2005.

METTRICK, H. Development oriented research in agriculture: an ICRA textbook. Wageningen: ICRA (The International Centre for Development Oriented research in Agriculture), 1993, 291 p.

MIKKELSEN, B. Methods for development work and research: a guide for practitioners. New Delhi: Sage, 1995, 296 p.

OLIVEIRA, R. C. de. Uso e manejo de recursos nos arredores das residências de camponeses: estudo de caso na região de Morraria. 166f. Dissertação (Mestrado em Agricultura Tropical) - Universidade Federal de Mato Grosso, Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, Cuiabá- MT, 2006.

QUEIROZ, M. I. P. de. O campesinato brasileiro: ensaios sobre civilização e grupos rústicos no Brasil. 2 ed. Petrópolis: Vozes, 1973, 242p.

RAMOS, A. de A. Estratégias de ocupação do espaço e uso de recursos naturais em unidades de produção da comunidade de Santana, Cáceres-MT. 212f. Dissertação (Mestrado em Agricultura Tropical) -Universidade Federal de Mato Grosso, Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, Cuiabá- MT, 2006.

SHANIN, T. Defining peasants: essays concerning rural societies, expolary economies, and learning from them in the contemporany world. Oxford: British Library. 1990. 340p.

SCHNEIDER, S. Teoria Social, agricultura familiar e pluriatividade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 18 n. 51, 2003. SILVA, P. J.; ALMEIDA, M. G. Territorialidade e desterritorialidade: os assentamentos rurais e a reterritorialidade do campesinato no espaço agrário do Cerrado mineiro. V CONGRESSO DE CIÊNCIAS HUMANAS LETRAS ARTES. Disponível em: . Acesso em: 19 maio 2006.

SOUZA, J. M. L. O território: sobre espaço e poder, autonomia e desenvolvimento. In: Geografia – conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand do Brasil. 1995. p. 77- 116.

TOLEDO, V. M. What is ethnoecology? Origin, scope and implications of a rising discipline. Etnoecológica, v. 1, n. 1, 1991. p. 5-21.

VIEIRA, S. N. A unidade de manejo chacra em comunidades agrícolas tradicionais da Morraria em Cáceres, MT. 99f. Dissertação (Mestrado em Agricultura Tropical) - Universidade Federal de Mato Grosso, Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, Cuiabá- MT, 2006.

WOLF, E. Sociedades camponesas. Rio de Janeiro: ZAHAR, 1976, 152p.

WOORTMANN, E. F. e WOORTMANN, K. O trabalho na terra: a lógica e a simbólica da lavoura camponesa. Brasília: Ed. UnB, 1997, 192 p.

Publicado
2016-02-16