Rota Bioceânica: uma abordagem baseada em indicadores econômicos de 2016 a 2019

Palavras-chave: Corredor Bioceânico, Rota de Integração Latino-Americana, Porto Murtinho, Brasil-Paraguai, UniRila

Resumo

A Rota de Integração Latino Americana, perpassa o Corredor Bioceânico, também chamado de rota rodoviária com a intenção de conectar o Oceano Atlântico ao Oceano Pacífico passando por países como o Brasil, Paraguai, Argentina e Chile. Neste contexto, o presente artigo teve como objetivo analisar os dados econômicos do trecho Brasil-Paraguai com enfoque na cidade de Porto Murtinho. Enfatiza-se que este trabalho se relaciona ao projeto de pesquisa Corredor Rodoviário Bioceânico e Rede de universidades da Rota de Integração Latino Americana (UniRila): A análise verificou os fluxos de importações e exportações num cenário macroeconômico que traduziu em perspectivas do corredor, apresentando desafios a frente como: taxas de tributação entre países, redução do protecionismo, corrupção, integração das universidades e câmbio. Para Porto Murtinho e Carmelo Peralta, a expectativa é que com o crescimento do fluxo logístico e as exportações, a renda per capita aumente e alavanque melhorias sociais nos municípios.

Biografia do Autor

Felipe Figueiredo Fernandes Brite, Universidade Católica Dom Bosco (UCDB)

Graduando em Direito pela Universidade Católica Dom Bosco - MS. Pesquisador de Iniciação Científica - PIBIC - UCDB. Integrante do grupo de pesquisa em Patrimônio Cultural, Direito e Diversidade desde 2017. Pesquisador na área de Direito e Desenvolvimento Local, na área de Direito Internacional e Direito Econômico.

Michel Constantino, Universidade Católica Dom Bosco (UCDB)

Doutor em Economia pela Universidade Católica de Brasília (UCB), Cientista de Dados - Mestre em Desenvolvimento Local (UCDB) e Administrador. Professor nos Programas de Doutorado em Ciências Ambientais e Sustentabilidade Agropecuária e em Desenvolvimento Local. Pesquisador da área de Políticas Públicas, Economia e Econometria (Métodos Quantitativos). Pesquisador Visitante do Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada - IPEA-Brasília/DF. Academic Board Members: Journal of Cleaner Production (Elsevier). Editor associado da Economic Analysis of Law Review. Líder do Grupo de Pesquisa CNPq - Science With R | Coordenador do PEIEX - Programa de Exportação do Governo Federal (APEX). Pós doutorando em Políticas Públicas na FGV/EPPG - DF. Coordenador do Doutorado e Mestrado em Desenvolvimento Local. 

Arlinda Cantero Dorsa, Universidade Católica Dom Bosco (UCDB)

Cursa Estágio pós-doutoral na Universidade UNISSUAN-RJ, no Mestrado e Doutorado em Desenvolvimento Local. Doutorado em Língua Portuguesa ? PUC-SP (2006). Mestre em Comunicação e Letras pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (2000). Graduada em Letras com Francês pela então Faculdade Dom Aquino de Filosofia, Ciências e Letras, hoje Universidade Católica Dom Bosco-MS. (1971). Graduada em Pedagogia pela Faculdade de Educação, Ciências e Letras de Urubupungá (1983). Professora titular da Universidade Católica Dom Bosco desde 1998, atuando no curso de Direito. Docente e vice-coordenadora do Programa de Mestrado e Doutorado em Local-UCDB-MS. Membro do Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso do Sul. Lider do Grupo de Pesquisa em Patrimônio Cultural , Direito e Diversidades e vice-líder do Grupo GETED/UCDB. Coordena o projeto Rota bioceânica E UNIRILA (Universidades da Rota de Integração Latino Americana): Conhecendo as potencialidades existentes como novos espaços de desenvolvimento e práticas inovadoras- Continuidade e o projeto Governanças migratórias no Brasil: desafios contemporâneos na agenda 2030 - ONU.

Referências

BRASIL. Decreto-Lei n. 857, de 11 de setembro de 1969. Consolida e altera a legislação sôbre moeda de pagamento de obrigações exequíveis no Brasil. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 11 sept. 1969. Disponible en: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del0857.htm. Acceso el: 14 abr. 2021.

CAMPOS, Luana; FARIA, Alcides. Rota Bioceânica – o que é e seus impactos diretos e indiretos. ECOA, Campo Grande, 2020. Disponible en: https://ecoa.org.br/rota-bioceanica-o-que-e-e-seus-impactos-diretos-e-indiretos/. Acceso el: 12 ene. 2021.

HUERTA DE SOTO, Jesús. A escola austríaca. 2. ed. Tradução de André Azevedo Alves. São Paulo: Instituto Ludwig von Mises Brasil, 2010.

IORIO, Ubiratan. Ação, tempo e conhecimento: a escola austríaca. 2. ed. São Paulo: LVM Editora, 2011.

MISES, Ludwig Von. Ação humana: um tratado de Economia. Campinas: Vide, 2015.

ROTHBARD, Murray N. O que o governo faz com o nosso dinheiro. Traducción de Leandro Augusto Gomes Roque. 3. ed. São Paulo: Instituto Ludwig Von Mises Brasil, 2013.

SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, PRODUÇÃO E AGRICULTURA FAMILIAR [SEMAGRO]. Contas regionais relatórios do PIB. SEMAGRO, Campo Grande, [s.d.]. Disponible en: http://www.semagro.ms.gov.br/contas-regionais-relatorios-do-pib. Acceso el: 12 ago. 2021.

THE OBSERVATORY OF ECONOMIC COMPLEXITY [OEC]. OEC, 2019. The best way to explore trade data. Disponible en: https://oec.world. Acceso el: 12 ago. 2021.

Publicado
2021-12-14
Como Citar
Figueiredo Fernandes Brite, F., Constantino, M., & Cantero Dorsa, A. (2021). Rota Bioceânica: uma abordagem baseada em indicadores econômicos de 2016 a 2019. Interações (Campo Grande), 22(4), 1077-1092. https://doi.org/10.20435/inter.v22i4.3449