Formação de capital humano com vistas ao desenvolvimento das cidades impactadas pelo Corredor Rodoviário Bioceânico

Palavras-chave: Corredor Bioceânico, desenvolvimento, capital humano, formação profissional

Resumo

O Corredor Rodoviário Bioceânico ligará os oceanos Pacífico ao Atlântico, passando pelo Brasil, Paraguai, Argentina até chegar aos portos do Chile. Tal empreendimento trará para o Estado de Mato Grosso do Sul significativas mudanças econômicas, sociais e ambientais. Por mais que este corredor seja uma rota de integração da América-latina e uma política estratégica, os países envolvidos são enfáticos em reconhecer que não somente será um corredor de passagem de mercadorias, mas sim trará o desenvolvimento a todas as regiões que se encontram no traçado desta rota. As cidades do Estado de Mato Grosso do Sul, onde o corredor terá acesso, com exceção da Capital Campo Grande, são cidades de pequeno porte e que poderão ser impactadas diretamente em diversos setores, como o de infraestrutura, turismo, lazer e hotelaria e gestão de negócios. Haverá necessidade de atendimento a questões laborais que surgirão, requerendo formações e qualificações profissionais para atendimento às novas demandas de trabalho. Assim, este estudo objetiva trazer pontuações sobre o desenvolvimento em suas diversas concepções, como também apontar possibilidades de qualificação profissional em inúmeras áreas que terão que ser priorizadas a curto, médio e longo prazo, para que o Estado de Mato Grosso do Sul consiga desenvolver sua mão de obra local. A partir de pesquisa bibliográfica e documental, concluiu-se que as ofertas de cursos técnicos e formação inicial e continuada para jovens e pessoas em gerais, poderão atender de forma positiva aos municípios de Mato Grosso do Sul por onde passar a Rota Rodoviária Bioceânica, formando e qualificando seu capital humano, com vistas ao desenvolvimento das localidades.

Biografia do Autor

Edilene Maria de Oliveira, Instituto Federal de Mato Grosso do Sul (IFMS)

Possui graduação em Serviço Social - Faculdades Unidas Católica de Mato Grosso (FUCMT) e Administração Pública pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB). Especialista em Administração, Marketing e Comércio Exterior (UCDB), Especialista em Educação de Jovens e Adultos (UNB), Especialista em Gestão de Iniciativas Sociais (UFRJ) e Especialista em Docência pelo Instituto Federal de Mato Grosso do Sul (IFMS). Mestre em Desenvolvimento Local (UCDB). Doutora em Desenvolvimento Local (UCDB). Desde 20111 é Professora de Ensino Técnico e Tecnológico de Administração do Instituto Federal de Mato Grosso do Sul- IFMS.

Arlinda Cantero Dorsa, Universidade Católica Dom Bosco (UCDB)

Cursa Estágio pós-doutoral na Universidade UNISSUAN-RJ, no Mestrado e Doutorado em Desenvolvimento Local. Doutorado em Língua Portuguesa PUC-SP (2006). Mestre em Comunicação e Letras pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (2000). Graduada em Letras com Francês pela então Faculdade Dom Aquino de Filosofia, Ciências e Letras, hoje Universidade Católica Dom Bosco-MS. (1971). Graduada em Pedagogia pela Faculdade de Educação, Ciências e Letras de Urubupungá (1983). Professora titular da Universidade Católica Dom Bosco desde 1998, atuando no curso de Direito. Docente e vice coordenadora do Programa de Mestrado e Doutorado em Local-UCDB-MS. Membro do Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso do Sul. Lider do Grupo de Pesquisa em Patrimônio Cultural, Direito e Diversidades e vice-líder do Grupo GETED/UCDB. Coordena o projeto Rota bioceânica E UNIRILA (Universidades da Rota de Integração Latino Americana): Conhecendo as potencialidades existentes como novos espaços de desenvolvimento e práticas inovadoras- Continuidade e o projeto Governanças migratórias no Brasil: desafios contemporâneos na agenda 2030 ONU.

Bruno Matos de Farias, Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM)

Doutorando em Desenvolvimento Local (Ciências Ambientais), Mestre em Desenvolvimento Local pelo Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM). Possui Graduação em Arquitetura e Urbanismo e Especialização em Docência OnLine: Tutoria em EAD pelo Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM). Professor Auxiliar na Universidade Estácio de Sá (UNESA) no Curso de Arquitetura e Urbanismo e Engenharia Civil. Coordenador e Professor Auxiliar no Centro Universitário Gama e Souza (UNIGAMA) no Curso de Arquitetura e Urbanismo e Engenharia Ambiental e Sanitária.

Maria Geralda Miranda, Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM)

Possui graduação em Comunicação Social (Jornalismo) pela FACHA e em Letras Clássicas e Vernáculas pela FEUC. Doutora em Estudos Culturais pela UFF. Pós-doutorado em Políticas Públicas e Formação Humana pela UERJ, em Narrativas Visuais pela Universidade Clássica de Lisboa e em Estudos Culturais Africanos pela UFRJ. Foi coordenadora do programa de Pós-Graduação Desenvolvimento Local da UNISUAM, entre 2011 e 2016. Desenvolve estudos no âmbito do Desenvolvimento sustentável, da Educação ambiental, da cultura e da Educação.

Referências

ALMEIDA, E. P.; PEREIRA, R. S. Críticas à teoria do capital humano: uma contribuição à análise de políticas públicas em educação. Revista de Educação Pública, Cuiabá, v. 9, n. 15, p. 53-70, jun. 2000.

ÁVILA, Vicente Fideles. Pressupostos para formação educacional em desenvolvimento local. Interações, Campo Grande, MS, v. 1, n. 1, p. 63-76, 2000. Disponible en: http://www.interacoes.ucdb.br/article/view/616/640. Acceso el: 30 abril 2018

BAQUERO, Marcello; CREMONESE, Dejalma (Org.). Desenvolvimento regional, capital social e democracia local. Ijuí: Unijuí, 2008.

BARROS, Pedro Silva; PADULA, Raphael; SEVERO, Luciano Wexell; SAMURIO, Sofía Escobar; JULIA, Souza Borba Gonçalves. Corredor Bioceânico de Mato Grosso do Sul ao pacífico: produção e comércio na rota de integração sul-americana. Campo Grande: UEMS; Brasília, DF: Ipea, 2020.

BRASIL. Ministerio de Educación. Departamento de Educación Profesional y Tecnológica. Guía Pronatec. Brasília-DF, 2016. Disponible en: https://map.mec.gov.br/projects/parceiros-demandantes-e-ofertantes-da-bolsa-formacao/wiki/Guia_FIC_-_4%C2% AA_Edi% C3% A7% C3% A3o. Acceso el: 27 mayo 2021.

BRASIL. Ministerio de Educación Departamento de Formación Profesional y Tecnológica. Catálogo de Cursos Técnicos – CNCT. 4. ed. Brasília-DF: MEC, 2021. Disponible en: http://cnct.mec.gov.br/cnct-api/catalogopdf. Acceso el: 27 mayo 2021.

BRASIL. Programa de las Naciones Unidas para el Desarrollo. Desarrollo humano e IDH. Brasília-DF: PNUD, 2019. Disponible en: http://www.br.undp.org/content/brazil/pt/home/idh0.html. Acceso el: 12 jun. 2021.

BENITES, Súzan. Rota Bioceânica tem potencial para movimentar R$ 1,5 bilhão em Mato Grosso do Sul. Correio do Estado, Campo Grande, MS, 21 nov. 2020. Disponible en: https://correiodoestado.com.br/economia/rota-bioceanica-tem-potencial-para-movimentar-r-15-bilhao/379613. Acceso el: 13 mayo 2021.

BORGES Graziela Scopel; BERNARTT, Maria de Lourdes. Educação e desenvolvimento local. Mexico Documents, 2011. Disponible en: https://vdocuments.mx/educacao-e-desenvolvimento-local.html. Acceso el: 12 jul. 2021.

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. O conceito histórico de desenvolvimento econômico. Trabalho originalmente preparado para curso de Desenvolvimento Econômico na Fundação Getúlio Vargas. Versão de 2 de março de 2006. Disponible en: http://bresserpereira.org.br/papers/2006/06.7-conceitohistoricodesenvolvimento.pdf. Acceso el: 23 jul.2021.

BROSTOLIN, Marta Regina. Educação e desenvolvimento: uma parceria necessária na construção da emancipação sociocultural das populações indígenas. Revista Tellus, Campo Grande, MS, año 7, n. 12, p. 103-14, abr. 2007. Disponible en: http://www.tellus.ucdb.br/index.php/tellus/article/viewFile/132/138. Acceso el: 10 jul. 2021.

BRUM, Argemiro Jacob. O desenvolvimento econômico brasileiro. 30. ed. Petrópolis: Vozes; Ijuí: Unijuí, 2013.

CASTRO, João Carlos Parkinson. Turismo como instrumento dinamizador do Corredor Rodoviário Bioceânico. Interações, Campo Grande, v. 20, n. especial, 2019. Disponible en: https://interacoesucdb.emnuvens.com.br/interacoes/article/view/2419. Acceso el: 2 marzo 2021.

CONSTANTINO, M.; DORSA, A. C.; ARAGÃO, J. C. M.; MENDES, D. R. F. Fluxos turísticos entre os países do Corredor Bioceânico. Interações, Campo Grande, MS, v. 20(especial), p. 57-67, 2019. Disponible en: https://doi.org/10.20435/inter.v20iespecial. Acceso el: 2 mayo 2021.

DICIO-ONLINE. Dicionário on-line da língua portuguesas. Desenvolvimento. Disponible en: https://www.dicio.com.br/desenvolvimento. Acceso el: 3 jul. 2021.

FUNDAÇÃO NACIONAL DA QUALIDADE [FNQ]. História da FNQ: há três décadas dedicada à excelência da gestão. FNQ, São Paulo, 2020. Disponible en: https://fnq.org.br/sobre-a-fnq/. Acceso el: 2 mayo 2021.

INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. Cursos. 2021. Disponible en: https://ifrs.edu.br/cursos/. Acceso el: 20 jun. 2021.

KELNIAR, V. C.; LOPES, J. L.; PONTILI, R. M. A Teoria do Capital Humano: revisitando conceitos. In: ENCONTRO DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA, 8., 21 a 25 oct. Campo Mourão, PR. Anais [...]. Campo Mourão: UNESPAR/NUPEM, 2013. Disponible en http://www.fecilcam.br/nupem/anais_viii_epct/PDF/TRABALHOS-COMPLETO/Anais-CSA/ECONOMICAS/05-Vckelniartrabalhocompleto.pdf . Acceso el: 13 mayo 2021.

KLIKSBERG, B. Capital social y cultura, claves esenciales del desarrollo. Revista de la CEPAL, Santiago de Chile, n. 69, 1999.

MANFREDI, Sílvia Maria. Educação profissional no Brasil. São Paulo: Cortez, 2002.

MATO GROSSO DO SUL (Estado). Investimentos do Estado em logística em Murtinho avançam fronteira agrícola no Sudoeste. Portal del Gobierno de Mato Grosso do Sul (15/02/21) 2021a Disponible en: http://www.ms.gov.br/investimentos-do-estado-em-logistica-em-murtinho-avancam-fronteira-agricola-no-sudoeste/. Acceso el 3 de jun.2021.

MATO GROSSO DO SUL. Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar. Implantação da Rota Bioceânica é projeto estratégico nacional, afirma secretario. SEMAGRO, Campo Grande, MS, 24 agosto 20. Disponible en: https://www.semagro.ms.gov.br/implantacao-da-rota-bioceanica-e-projeto-estrategico-nacional-afirma-secretario/. Acceso el: 10 mayo 2021.

MAX-NEEF, Mandref. Desenvolvimento à escala humana: concepção, aplicação e reflexões posteriores. Blumenau: EDIFURB, 2012.

MAX-NEEF, Manfred. O economista chileno Manfred Max-Neef contrapõe crescimento econômico e qualidade de vida. Entrevista el 17 abr. 2007. Disponible en: http://www.parceirosvoluntarios.org.br/o-economista-chileno-manfred-max-neef-contrapoe-crescimento-economico-e-qualidade-de-vida/. Acceso el: 3 de abr. 2018.

MICHAELIS. Diccionario on-line de la lengua portuguesa. Desenvolvimento. 2019. Disponible en: http://michaelis.uol.com.br. Acceso el: 3 de febrero. 2019.

MILANI, Carlos. Teorias do capital social e desenvolvimento local: lições a partir da experiência de Pintadas, Bahia, Brasil. Revista O&S, Salvador, v. 11, edición especial, p. 95-113, 2004. Disponible en: https://portalseer.ufba.br/index.php/revistaoes/article/view/12637/8906. Acceso el: 8 agosto 2018.

MINCER, Jacob. Investment in human capital and personal income distribution. Journal of Political Economy, Chicago, v. 66, n. 4, p. 281-302, 1958.

MORIN, Edgar. O Método III – o conhecimento do conhecimento. Porto Alegre: Sulina, 2015

OLIVEIRA, Edilene Maria. A educação a distância do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul: perspectivas para o desenvolvimento local. 2013. 128 f. Tesis (Máster en Desarrollo Local) – Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS, 2013.

OLIVEIRA, Gilson Batista. Uma discussão sobre o conceito de desenvolvimento. Revista FAE, Curitiba, v. 5, n. 2, p. 37-48, 2002. Disponible en: https://revistafae.fae.edu/revistafae/article/view/477. Acceso el: 20 enero 2021.

REZENDE, Maria José. As noções de desenvolvimento social como base para a abordagem do desenvolvimento humano presente no Relatório do Desenvolvimento Humano (RDH) de 1990. Revista Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 34, n. 1, p. 91-122, 2013. Disponible en: https://revistas.fee.tche.br/index.php/ensaios/article/download/2535/3151. Acceso el: 1º mayo 2021.

SEN, Amarthya. Memória Roda Vida. Entrevistada por. São Paulo: Entrevista concedida a M. Teixeira, Programa Roda Vida de TV Cultura, Fundación Padre Anchieta - Centro São Paulo de Radio y TV Educativas, em 22 enero 2001. Disponible en: http://www.rodaviva.fapesp. br/materia_busca/32/SEN% 2C% 20A./entrevistados/amartya_sen_2001.htm. Acceso el: 6 de abril. 2021.

SEN, Amarthya. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Cia das Letras, 2010.

SOUZA, Nali de Jesús. Desenvolvimento econômico. 5. ed. reimpr. São Paulo: Atlas, 2007.

SCHULTZ, Theodore William. O valor econômico da educação. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1964.

VASCONCELLOS, Marco Antonio; GARCIA, Manuel Enriquez. Fundamentos de economia. São Paulo: Saraiva, 1998.

VIEGAS, A. Com rota bioceânica e três novos portos, cidade de MS deve se transformar em ‘hub logístico’ do país. G1 MS, Campo Grande, MS, 20 jul. 2019. Disponible en https://g1.globo.com/ms/mato-grosso-do-sul/noticia/2019/07/20/com-rota-bioceanica-e-tres-novos-portos-cidade-de-ms-deve-se-transformar-em-hub-logistico-do-pais.ghtml. Acceso el: 3 abr. 2021.

Publicado
2021-12-14
Como Citar
de Oliveira, E. M., Cantero Dorsa, A., Matos de Farias, B., & Miranda, M. G. (2021). Formação de capital humano com vistas ao desenvolvimento das cidades impactadas pelo Corredor Rodoviário Bioceânico. Interações (Campo Grande), 22(4), 1113-1131. https://doi.org/10.20435/inter.v22i4.3443