Lutando e ressignificando o rural em campo – notas epistemológicas

  • Walter Marschner
Palavras-chave: Desenvolvimento rural. Diversidade. Educação do campo.

Resumo

A educação do campo é caudatária de um amplo processo de ressignifi cação do rural – como espaço socialhisto ricamente subalternizado - em campo, como um espaço pedagógico. Também se reconfi guram, a partir desteespaço em disputa, matrizes epistemológicas. O presente artigo propõe-se, por um lado, entender como se reconstruiusociologicamente o “espaço rural” em “campo”, tirando algumas consequências teóricas desse percurso e, por outrolado, elencar alguns aspectos que evidenciam essa reordenação epistêmica. A partir dessas evidências aponta-separa a necessidade da educação do campo assumir-se como uma construção de conhecimento na diversidade.

Referências

ABRAÃO, José Carlos. O educador a caminho da roça: notas introdutórias para uma conceituação de educação rural. Campo Grande: Imprensa Universitária. 1986.

ARROYO, e FERNANDES, B. M. A educação básica e o movimento social do campo. Articulação nacional por uma educação básica’ do campo. São Paulo, 1999.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001.

BECK, Ulrich. Risikogesellschaft. Auf dem Weg in eine andere Moderne. Frankfurt/M.: Suhrkamp, 1986.

BRASIL, Ministério do Desenvolvimento Agrário/SAF/ CONDRAF. Referências para um programa territorial de desenvolvimento sustentável. Brasília: DGF, Junho, 2003.

BÜTTEL, Frederick et al. The sociologv of the agriculture. London: Grenwood Press. 1990.

CALDART, Roseli S. Elementos para a construção de um projeto político e pedagógico da Educação do Campo. In: MOLINA M. e AZEVEDO DE JESUS, Sônia M. S. Contribuições para construção de um projeto de educação do campo. Brasília, Articulação Nacional Ed. Campo, 2005.

______. Pedagogia do Movimento Sem Terra: escola é mais do que escola. Petrópolis. Rio de Janeiro, Vozes, 2000.

CAMPANHOLA, Clayton; GRAZIANO DA SILVA, José. (Org.). O novo rural brasileiro: uma análise nacional e regional. Jaguariúna: EMBRAPA e UNICAMP, 2000.

(v.1)

CASTELLS, Manuel. O poder da identidade. A era da Informação: economia, sociedade e cultura. 3. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2002. (v. 2.)

DUARTE, Valdir. Escolas públicas no campo: problemática e perspectivas. Francisco Beltrão: Ed. Grafi t, 2003.

ELIADE, Mircea. Das Heilige und das Profane. Vom Wesen dês Religiösen. Hamburg: Rowohlt, 1981

FERNANDES, Bernardo Mançano. Questão agrária, pesquisa e MST. São Paulo: Editora Cortês, 2001.

FREYRE, Gilberto. Casa-grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal.

Rio de Janeiro: Editora Record, 1996. FREIRE, Paulo. Extensão ou comunicação? 3.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

GIDDENS, Anthony. A vida em uma sociedade pós-tradicional. In: GIDDENS, Anthony; BECK, Ulrich; LASH, Scott. Modernização refl exiva: política, tradição e estética na ordem social moderna. São Paulo: Editora Unesp, 1995. p. 73ss.

GEDHINI, Cecilia M. et al. A mística do girassol. Porto Barreiro: Grafi t, 2000.

HEREDIA, Beatriz et al. Análise dos impactos regionais da reforma agrária no Brasil. Estudos Sociedade eAgricultura, Brasilia, n. 15, 2002.

HOLANDA, Sérgio B. Raízes do Brasil. 26.ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

IANNI, Octavio. A sociedade global. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1997.

JAMESON, Fredric. Pós-modernismo: A lógica cultural do capitalismo tardio. São Paulo: Ática, 1997

LAPLANTINE, François; TRINDADE, Liana. O que é imaginário. São Paulo: Brasiliense, 1997.

LEFEBVRE, Henri. A cidade do capital. 2.ed. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 2001.

MARSCHNER, Walter. Die Kämpfe um MutterErde. Eine empirisch-qualitative Untersuchung über soziale Konflikte landloser Campesinos in Südbrasilien unter besonderer Berücksichtigung raum- und Handlungssoziologischer Kategorien. 2005. Tese (Doutorado em Filosofia) - Faculdade de Ciências Sociais da Universidade de Hamburgo. Hamburgo, 2006. Disponível em: .

MARTINS, José de Souza. Reforma agrária: O impossível diálogo sobre a historia possível. Tempo Social. Revista de Sociologia da USP, São Paulo, v. 11, 2000.

MOLINA, Mônica; FERNANDES, Bernardo M. O Campo da Educação do Campo. In: MOLINA M.; AZEVEDO DE JESUS, Sônia M. S. Contribuições para construção de um projeto de educação do campo. Brasília: Articulação Nacional; Ed. Campo, 2005.

MUNARIM, Antônio. Elementos para uma Política Pública de Educação do Campo. In: MOLINA. Mônica C. (Org). Educação do campo e pesquisa. Questões para reflexão. Brasília: MDA, 2006.

QUEIROZ, Maria I. Do rural e do urbano no Brasil. In: SZMRECSÁNYI, T.; QUEDA, O. (Orgs.). Vida rural e mudança social. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1979.

REMY, Jean. Sociologie urbaine et rurale: l’espace et l’agir. Paris, L’Harmattan, 1998.

SANTOS, Milton. Por uma outra globalização: do pensamento único a consciência universal. 9. ed., Rio de Janeiro: Editora Record, 2002.

SARACENO, Elena. O conceito de ruralidade: problemas de definição em escala européia. Disponível em: <http://www.eco.unicamp.br/nea/rurbano/textos/ downlo/textos>. Acesso em: fev. 2005.SAUER. Sérgio. Terra e modernidade: a dimensão do espaço na aventura da luta pela terra. 2002. Tese (Doutorado em sociologia) – Universidade de Brasília (UnB), Brasilia, 2002.

______. A luta pela terra e a construção de heterotopias. Caminhos: Revista do Mestrado em Ciências da Religião da Universidade Católica de Goiás, Goiânia: Editora da UCG, v. 1, n. 1, 2003, p. 87ss.

SCHNEIDER, Sérgio. Da Crise da sociologia rural ã emergência da sociologia da agricultura: Reflexões a partir da sociologia norte-americana. Cadernos de ciência e tecnologia, Brasília, UNB, v. 14, n. 2, 1997.

SEPULVEDA, Sérgio. Desenvolvimento sustentável microregional. Métodos para planejamento local. Brasília, IICA, 2005.

SIQUEIRA, Deis; OSORIO, Rafael. O conceito de rural. In: GIARRACA, Norma (Org.): Una nueva ruralidad en américa latina? Buenos Aires: CLACSO. Disponível em: <http://www-.clacso.org/wwwclacso/es_panol/ html/libros/rural/rural_html>. Acesso em: Fev. 2005.

THIOLLENT, Michel. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez. 1986.

TÖNNIES, Ferdinand. Gemeinschaft und gesellschaft: grundbegriffe der reinen Soziologie. 3. ed., Darmstadt: Wissenschaftliche Buchgesellschaft, 1991.

VEIGA, José Eli. O Brasil rural ainda não encontrou seu eixo de desenvolvimento. Revista Estudos Avançados. Brasília, Ministério do Desenvolvimento Agrário, v. 15, n. 43, p. 101ss, 2001.

______. Cidades imaginárias. São Paulo: Editora Autores Associados, 2002.

VON ONÇAY, Solange T.; ALBA, Rogéria P. DRS. Disciplina de desenvolvimento rural sustentável. Para além da disciplina e do rural. Francisco Beltrão: Grafi t, 2007.

WANDERLEY, Maria N. B. A emergência de uma nova ruralidade nas sociedades modernas avançadas - o “rural” como espaço singular e ator coletivo. Estudos Sociedade e Agricultura, Pernambuco: UFPB, 2000.

WOORTMANN, Ellen; WOORTMANN, Klaas. O trabalho da terra: A lógica e a simbólica da lavoura camponesa. Brasília: Editora da UnB, 1997.

Publicado
2016-02-15