A pesquisa em turismo no Corredor Rodoviário Bioceânico: contribuições e desafios para construção de territórios sustentáveis

Palavras-chave: abordagem da pesquisa em turismo, territórios turísticos sustentáveis, governança multinível, Rota de integração latino-americana

Resumo

O objetivo deste estudo foi avaliar as contribuições de pesquisas e documentos produzidos sobre o turismo, entre 2017-2019, a respeito da área sob influência do Corredor Rodoviário Bioceânico no trecho Campo Grande-Porto Murtinho, Brasil, na construção de territórios turísticos sustentáveis. Trata-se de uma pesquisa de natureza bibliográfica e documental, associada ao levantamento de trabalhos científicos produzidos por quatro universidades regionais (UEMS, UCDB, UFMS e Uniderp-Anhanguera), Instituto Mamede de Pesquisa Ambiental e Ecoturismo e Instituto de Sustentabilidade Arara Azul, além de documentos da Fundação de Turismo de Mato Grosso do Sul (FUNDTUR). Foram identificados 44 trabalhos científicos, originários de pesquisas acadêmicas, abordando o turismo no território de influência imediata do Corredor Rodoviário Bioceânico, além de publicações e pesquisas realizadas por institutos de pesquisa na área de ecoturismo e turismo científico e iniciativas do governo para o fortalecimento das Instâncias de Governanças Regionais (IGRs). Ainda que relevante a apreciação da natureza dos conteúdos até então trabalhados, verificou-se necessidade estratégica de um trabalho articulado em rede, desde a escala local até a multinacional. Além do papel integrador que esta atividade pode exercer na construção de um território latino-americano, é preciso enfrentar os desafios para um turismo sustentável, mais equitativo e inclusivo, num respeito às culturas locais, regionais e nacionais.

Biografia do Autor

Simone Batista Mamede, Instituto Mamede de Pesquisa Ambiental e Ecoturismo

Doutora em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional pela Universidade Para o Desenvolvimento do Estado e Região do Pantanal - Uniderp (2019). Mestrado em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional (2004). Especialista em Ecoturismo e Educação Ambiental pela Universidade Federal de Lavras - UFLA (2002). Possui graduação em Ciências Biológicas pela Uniderp (1996), graduação em Gestão de Turismo pela Universidade Estácio de Sá (2018) e bacharelado em Turismo pela Universidade do Sul de Santa Catarina - UNISUL (2020). Atualmente é socio-diretora da microempresa Instituto Mamede de Pesquisa Ambiental.

Maristela Benites, Universidade Federal do Mato Grosso Sul (UFMS)

Possui graduação em Ciências Biológicas, Licenciatura Plena e Bacharelado, pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2000) e mestrado em Ecologia e Conservação pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2002). Atualmente é pesquisadora e educadora ambiental no Instituto Mamede de Pesquisa Ambiental e Ecoturismo e doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Cleonice Alexandre Le Bourlegat , Universidade Católica Dom Bosco (UCDB)

Doutora em Geografia (Desenvolvimento Regional) pela UNESP-Presidente Prudente. Mestre em Geografia (Geografia Humana-Urbana) pela Universidade de São Paulo. Graduação em Geografia pela UNESP. Diretora Acadêmica no Brasil e docente do Master Internacional Erasmus Mundus oferecido pelo consórcio entre Universidade de Pádua/ Itália, Universidade Sorbonne Paris, Universidade de Leuven / Bélgica e UCDB / Brasil. Professora convidada e bolsista da União Europeia na Universidade Paris  Pantheon-Sorbonne. Docente no Mestrado em Desenvolvimento Local e Assessora de Relações Internacionais da Universidade Católica Dom Bosco. Pesquisadora da Rede de Pesquisa em Sistemas Produtivos e Inovativos Locais (REDESIST-UFRJ). 

Referências

ASATO, T. A.; GONÇALVES, D. F.; WILKE, E. P. Perspectivas do Corredor Bioceânico para o Desenvolvimento Local no estado de MS: o caso de Porto Murtinho. Interações, Campo Grande, MS, v. 20, n. especial, p. 141-57, 2019.

BENI, M. C.; MOESCH, M. Do discurso da ciência do turismo para a ciência do turismo. Revista Turismo & Desenvolvimento, [s.l.], n. 25, p. 9-30, 2016.

BENITES, M.; MAMEDE, S.; CENTENO, C. V.; ALVES, G. L. Porto Murtinho, Mato Grosso do Sul, y la Carretera Bioceánica: caminos posibles para la sostenibilidad socioambiental. Interações, Campo Grande, MS, v. 20, n. especial, p. 267-84, 2019.

CASTRO, J. C. P. Turismo como instrumento dinamizador do Corredor Rodoviário Bioceânico. Interações, Campo Grande, MS, v. 20, n. especial, p. 19-29, 2019.

CARAYANNIS, E.; RAKHMATULLIN, R. As hélices de inovação quádrupla / quíntupla e as estratégias de especialização inteligente para um crescimento sustentável e inclusivo na Europa e além. Journal of the Knowledge Economy, [s,l.], v. 5, n. 2, p. 212-39, jun. 2014.

CEBALLOS-LASCURÁIN, H. Tourism, ecotourism and protected areas: the state of nature-based tourism around the world and guidelines for its development. Gland, Suiça: IUCN, 1996.

CONSTANTINO, M.; DORSA, A. C.; ARAGÃO, J. C. M. D.; MENDES, D. R. F. Fluxos turísticos entre os países do Corredor Bioceânico. Interações, Campo Grande, MS, v. 20, n. especial, p. 57-67, 2019.

DIAS, R. C.; SEIXAS, P. C. Regional models of sustainability governance: an analysis of the first integrated strategies for territorial development in Portugal. Revista Portuguesa de Estudos Regionais, Angra do Heroísmo, Portugal, n. 48, p. 5-16, 2017.

FAZITO, M. Turismo crítico. In: SEMINÁRIO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM TURISMO, 9., São Paulo. Anais [...]. São Paulo: Universidade Anhembi Morumbi, 2012.

HANAI, F. Y.; ESPÍNDOLA, E. L. G. Indicadores de sustentabilidade: conceitos, tipologias e aplicação ao contexto do desenvolvimento turístico local. Environmental & Social Management Journal/Revista de Gestão Social e Ambiental, São Paulo, v. 5, n. 3, p. 135-49, 2011.

HOLEC, N.; BRUNET-JOLIVALD, G. De la gouvernance des économies à celle des territoires: note de synthèse sur la gouvernance. Paris: Centre de Documentation de L’urbanisme, 2000.

JIMÉNEZ, C. C. Turismo Sostenible: una revisión conceptual aplicada. El periplo sustentable, Toluca, México, n. 11, p. 5-21, 2006.

LAYRARGUES, P. P. A função social do ecoturismo. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 30, n. 1, p. 38-45, 2004.

LEAL, S. R. Pesquisa em turismo no Brasil: uma revolução silenciosa? Turismo e Sociedade, Curitiba, v. 4, n. 1, p. 144-7, 2011.

LE BOURLEGAT, C. A. L. Eixos de integração e desenvolvimento, rota de integração latino-americana e turismo: território de Mato Grosso do Sul e franjas fronteiriças. Interações, Campo Grande, MS, v. 20, n. especial, p. 107-23, 2019.

LEFF, E. Ecologia, capital e cultura: a territorialização da racionalidade ambiental. São Paulo: Vozes, 2009.

LUNAS, M. C. F. S; EICHENBERG, F. O.; LE BOURLEGAT, C. A. L. Desafios do planejamento turístico do corredor bioceânico: indicadores de desenvolvimento sustentável do turismo. Desenvolvimento, fronteiras e cidadania, Ponta Porã, v. 3. n. 2, p. 154-72, 2019.

MAMEDE, S.; BENITES, M.; ALHO, C. J. R. Ciência cidadã e sua contribuição na proteção e conservação da biodiversidade na reserva da biosfera do Pantanal. RevBEA, São Paulo, v. 12, n. 4, p. 153-64, 2017.

MAMEDE, S.; BENITES. M.; ESQUIVEL, A.; CLAY, R.; MERIGHI, G. D. L.; ALHO, C. J. R. Turismo de observação de aves no Chaco: oportunidades e desafios ao Corredor Bioceânico, segmento Brasil/Paraguai. Interações, Campo Grande, MS, v. 20, n. especial, 159-77, 2019.

MAMEDE, S.; BENITES, M. Identificação e mapeamento de hotspots para observação de aves: indicadores socioambientais e roteirização turística em Campo Grande, MS. Revista Brasileira de Ecoturismo, São Paulo, v. 13, n. 2, p. 409-34, 2020.

MAMEDE, S.; BENITES, M. Por que Campo Grande é a capital brasileira do turismo de observação de aves e propostas para o fortalecimento da cultura local em relação a esta prática. Atualidades Ornitológicas, Ivaiporã, v. 201, p. 8-15, 2018.

MELO, A. Desafios para o Corredor Bioceânico e suas potencialidades turísticas: a questão da livre circulação de pessoas. Orientador: José Roberto da Silva Lunas. 2018. Monografia (Graduação em Turismo) – Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul (UEMS), Dourados, MS, 2018.

MELO, M. R. S.; SOUZA, C. C.; GUEDES, N. M. R. Contribución del Ecoturismo a la Conservación del Guacamayo Rojo (Arara-Vermelha) en una Reserva de Brasil. Estudios y Perspectivas en Turismo, Buenos Aires, v. 27, p. 158-77, 2018.

MESQUITA, W. S. Crítica ao conceito de desenvolvimento sustentável no turismo. Caderno Virtual de Turismo, Rio de Janeiro, v. 6, n. 3. p. 81-9. 2006.

MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina, 2005.

OLIVEIRA, E; MANSO, J. R. P. Turismo sustentável: utopia ou realidade? Tékhne - Revista de Estudos Politécnicos, Porto, n. 14, p. 235-53, 2010.

CABRERA, F. OLIVEIRA MORETI. Implementação da Rota Bioceânica no estado de Mato Grosso do Sul: uma análise sobre a dinâmica econômica e suas implicações. Revista Eletrônica da Associação dos Geógrafos Brasileiros, Seção Três Lagoas, v. 1, n. 31, p. 346-71, 1 jun. 2020.

ORGANIZACIÓN MUNDIAL DE TURISMO. Indicadores de desarrollo sostenible para los destinos turísticos: guía práctica. Madrid: OMT, 2005.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE TURISMO. Guia de desenvolvimento do turismo sustentável. Tradução de Sandra Netz. Porto Alegre: Bookman, 2003.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE TURISMO. Desenvolvimento de Turismo Sustentável: manual para organizadores locais. Brasília: Embratur, 1998.

RUSCHMANN, D. Turismo e planejamento sustentável a proteção do meio ambiente. Campinas: Papirus, 1997.

SILVA-MELO, M. R.; MELO, G. A. P.; GUEDES, N. M. R. Turismo Sustentável: alternativa para o desenvolvimento da APA Baia Negra, Pantanal de Mato Grosso do Sul. Revista Brasileira de Ecoturismo (RBEcotur), v. 12, n. 5, 2019.

Publicado
2021-12-14
Como Citar
Mamede, S. B., Benites, M., & Le Bourlegat , C. A. (2021). A pesquisa em turismo no Corredor Rodoviário Bioceânico: contribuições e desafios para construção de territórios sustentáveis. Interações (Campo Grande), 22(4), 1271-1285. https://doi.org/10.20435/inter.v22i4.3424