Para além da Rota Bioceânica: o artesanato indígena e o potencial do etnoturismo no sudoeste de Mato Grosso do Sul

Palavras-chave: Turismo, Práticas culturais, artesanato, ambiente

Resumo

O objeto deste artigo é a relação entre o artesanato indígena e o potencial etnoturístico no Sudoeste de Mato Grosso do Sul. Com a implantação da Rota Bioceânica, a propaganda governamental vem prometendo que esse corredor econômico irá estimular o turismo, daí o objetivo de sondar o potencial do etnoturismo na referida região, que sofrerá diretamente grande impacto em decorrência desse megaempreendimento. O referencial teórico-metodológico parte do pressuposto básico de que as produções humanas decorrem, necessariamente, do trabalho, daí a necessidade de tratá-las como relações sociais. Portanto, o objeto de investigação só ganha compreensão dentro dos marcos mais gerais da sociedade capitalista, expressos por categorias como capital, trabalho, força de trabalho, mercado, mercadoria, entre outras. Em relação à metodologia, o levantamento de dados empíricos buscou fontes primárias de natureza documental e imagética, em especial fotografias. Também foram recuperadas observações sistemáticas em situação de trabalho, realizadas tanto em postos de produção quanto de comercialização de artefatos indígenas. Ainda foram levantadas fontes secundárias pertinentes ao objeto, tais como catálogos, artigos científicos, dissertações de mestrado, teses de doutorado, livros e capítulos de livros. Para viabilizar o etnoturismo, a conclusão geral é a de que haja investimento num conjunto de iniciativas, pleiteado de forma integrada e contínua dentro de projeto de natureza permanente. Nesse conjunto, se fazem urgentes o aprimoramento dos artefatos étnicos; a recuperação e manutenção sistemática de estradas que dão acesso às terras indígenas, bem como a restauração, recuperação e adaptação de edificações já disponíveis nas aldeias visando adequá-las à oferta de serviços e produtos aos turistas.

Biografia do Autor

Gilberto Luiz Alves, Universidade Anhanguera Uniderp (UNIDERP)

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1969), mestrado em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (1981), doutorado (1991) e estudos de pós-doutorado em Educação (1998) pela Universidade Estadual de Campinas. Professor da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (1973-1998). Desde 2008 é professor pesquisador da Universidade Anhanguera-Uniderp.

Fábio Luciano Violin, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP)

Doutor em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional pela Universidade Anhanguera Uniderp (2016). Mestre em Estratégias e Organizações pela Universidade Federal do Paraná (2002). Especialista em Planejamento e Gerenciamento Estratégico pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (1998). Graduado em Administração de Empresas pelo Centro Universitário da Grande Dourados (1996). Professor assistente doutor na Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - Unesp no câmpus de Rosana.

Maristela Benites, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)

Possui graduação em Ciências Biológicas, Licenciatura Plena e Bacharelado, pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2000) e mestrado em Ecologia e Conservação pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2002). Atualmente é pesquisadora e educadora ambiental no Instituto Mamede de Pesquisa Ambiental e Ecoturismo e doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Referências

ALVES, Gilberto Luiz. Arte, Artesanato e Desenvolvimento Regional: Temas Sul-mato-grossenses. Campo Grande, MS: Editora UFMS, 2014.

ALVES, Gilberto Luiz. A Casa Comercial e o Capital Financeiro em Mato Grosso: 1870-1929. Campo Grande, MS: Editora UNIDERP, 2005.

ALVES, Gilberto Luiz. O Comércio de Produtos Artesanais e o Turismo em Corumbá, Mato Grosso do Sul: 1970-2014. Espacios, Venezuela, v. 37, n. 36, 2016.

ALVES, Gilberto Luiz. Do “Lixo” ao “Luxo”: o Artesanato em Osso no Município de Jardim, Mato Grosso do Sul. Espacios, Venezuela, v. 38, n. 12, 2017.

ALVES, Gilberto Luiz. O Pensamento Burguês no Seminário de Olinda: 1800-1836. 2.ed. Campo Grande, MS: Editora UFMS; Campinas, SP: Autores Associado, 2001.

ALVES, Gilberto Luiz. Utensílio, Objeto de Arte e Mercadoria: a Cerâmica Indígena em Mato Grosso do Sul. In: ALVES, Gilberto Luiz (org.). Temas Indígenas Sul-mato-grossenses. Curitiba, PR: Appris, 2020, p. 9-35.

AMOR-PEIXE: Modelo de Desenvolvimento Sustentável. Brasília, DF: WWF-Brasil, 2011.

ARTESANATO: um negócio genuinamente brasileiro. SEBRAE: s.l., v. 1, n. 1, 2008. (Edição comemorativa 10 anos)

BARROS, Manoel de. Livro de Pré-Coisas. Rio de Janeiro: Philobiblion; [Campo Grande], Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul, 1985.

BENITES, Maristela; MAMEDE, Simone; CENTENO, Carla Villamaina; ALVES, Gilberto Luiz. Porto Murtinho, Mato Grosso do Sul, e o Corredor Bioceânico: Caminhos Possíveis para a Sustentabilidade Socioambiental. Interações, Campo Grande, MS, v. 20, n. especial, p. 267-284, 2019.

BOM DIA MS. Estiagem Afeta Navegação da Hidrovia do Rio Paraguai. globoplay.globo.com/v/8788007/ 19.ago.2020. Acesso em 24.mai.2021.

BOGGIANI, Guido. Os Caduveo. São Paulo, SP: Livraria Martins Editôra, 1945.

CANAZILLES, Karolinne Sotomayor Azambuja. A Produção e a Comercialização do Artesanato Kinikinau em Mato Grosso do Sul. Campo Grande, MS: Universidade Anhanguera-Uniderp, 2013. 98 p. (Dissertação de mestrado)

CANAZILLES, Karolinne Sotomayor Azambuja; ALVES, Gilberto Luiz; MATIAS, Rosemary. Comercialização do Artesanato Kinikinau na Cidade Ecoturística de Bonito, Mato Grosso do Sul, Brasil. Pasos Revista de Turismo e Patrimonio Cultural, v. 13, n. 5, p. 1171-1182, 2015

CENTENO, Carla Villamaina. Educação e Trabalho na Fronteira de Mato Grosso: Estudo Histórico sobre o Trabalhador Ervateiro (1870-1930). Campo Grande, MS: Editora UFMS, 2008. (Série Fontes Novas)

CENTRO Referencial de Artesanato de Mato Grosso do Sul. Campo Grande, MS: Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul, 2008. (Catálogo)

CHAVES, Francelina Albuquerque. A Produção da Cerâmica Terena da Aldeia Cachoeirinha em Miranda, MS. Campo Grande, MS: Universidade Anhanguera-Uniderp, 2015. 94 p. (Dissertação de Mestrado)

CHAVES, Francelina Albuquerque; ALVES, Gilberto Luiz; MATIAS, Rosemary. A Produção da Cerâmica Terena na Aldeia Cachoeirinha em Miranda, MS. Rev. Ens. Educ. Cienc. Human. Londrina, PR, v. 10, n. 1, p. 73-80, 2019.

CORRÊA, Valmir Batista; CORRÊA, Lúcia Salsa. Charqueadas: uma Alternativa na Economia Pecuária do Sul de Mato Grosso: 1880-1930/40. Albuquerque: revista de História, Campo Grande, MS, v. 2, n. 3, p. 43-67, jan./jun. 2010+.

CORRÊA, Valmir Batista; CORRÊA, Lúcia Salsa. O Dilema da Produção de Tanino na Fronteira Brasil-Paraguai. Albuquerque: revista de História, Campo Grande, MS, v. 1, n. 1, p. 55-75, jan./jun. 2009.

ECOA. Rota Bioceânica: o que é e seus Impactos Diretos e Indiretos. In https://ecoa.org.br/rota-bioceanica-o-que-e-e-seus-impactos-diretos-e-indiretos/ 6.fev.2020. Acesso em 21.abr.2021.

GP NEWS. Gazeta do Pantanal. Centro de Referência da Cultura Terena foi Abandonado pelo Poder Público. gazetadopantanal.com/2018/04/centro-de-referencia-da-cultura-terena-foi-abandonado-pelo-poder-publico/ Miranda, 17.abr.2018. Acesso em 01.jun.2021.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Porto Murtinho. Disponível em https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ms/porto-murtinho/panorama. 2018. Acesso em 18.jun.2021.

KOMIYAMA, Cristiane Benevides Pinto. A Comercialização de Artesanato Cerâmico Kadiwéu em Campo Grande, MS. Campo Grande, MS: Universidade Anhanguera-Uniderp, 2015. 57 p. (Dissertação de mestrado).

LEVI-STRAUSS, Claude. Tristes Trópicos. Trad. de Wilson Martins. São Paulo, SP: Editôra Anhembi, 1957.

MARQUES, Leila Roque Ribeiro; ALVES, Gilberto Luiz. A Produção de Artesanato Guarani no Município de Dourados, Mato Grosso do Sul. Espaço Ameríndio. Porto Alegre, RS, v. 13, n. 1, p. 198-216, jan./jun. 2019.

MATO GROSSO DO SUL. Sem Investimentos, Hidrovia entra em Colapso com Seca e Reduz Exportações. www.ms.gov.br/sem-investimentos-hidrovia-entra-em-colapso-com-a-seca-e-reduz-exportações/ 18.ago.2020. Acesso em 24.mai.2021.

MERCANTE, Mercedes Abid; SANTOS, Eva Teixeira dos; RODRIGUES, Silvio Carlos. Paisagens do Pantanal Sul-Mato-Grossense: Condicionantes e Mudanças. In ALVES, Gilberto Luiz; MERCANTE, Mercedes Abid; FAVERO, Silvio (orgs.). Pantanal Sul-Mato-Grossense: Ameaças e Propostas. Campinas, SP: Autores Associados; São Paulo: Universidade Anhanguera-Uniderp, 2012, p. 103-124.

NOGUEIRA, E. M. N.; FERKO, G. P. S.; COSTA-NETO, C. P. L.; FALCÃO, M. T.; RODRIGUES, R. M. Etnoturismo e Etnoecologia: Possibilidades para o Desenvolvimento Sustentável em Comunidades Indígenas. Revista Brasileira de Ecoturismo, São Paulo, v. 6, n. 4, p. 121-140, 2013.

OLIVEIRA, Roberto Cardoso de. Do Índio ao Bugre: o Processo de Assimilação dos Terêna. Prefácio de Darcy Ribeiro. Rio de Janeiro, RJ: Francisco Alves, 1976.

OLIVEIRA, Roberto Cardoso de. Urbanização e Tribalismo: a Integração dos Índios Terêna numa Sociedade de Classes. Rio de Janeiro, RJ: Zahar Editores, 1968.

PELLEGRINI, Fabio (org.). Vozes do Artesanato. Campo Grande, MS: Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul, 2011.

PIRES, Marco Aurélio Perroni. O Shopping China no Desenvolvimento Socioeconômico de Ponta Porã e Pedro Juan Caballero/PY. Campo Grande, MS: Universidade Anhanguera-Uniderp, 2017. 86 p. (Tese de Doutorado).

PORTAL VGV. Rota Bioceanica: Conheça os Detalhes do Corredor, 27.jun.2020. In Youtube.compwatch?v=crz6sxotHn8. Acesso em 25.abr.2021.

RIBEIRO, Berta G. Dicionário de Artesanato Indígena. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1988.

RIBEIRO, Berta G. Artesanato Indígena: para que, para quem? In: RIBEIRO, B. G; ALVIM, M. R. B.; HEYE, A. M.; VIVES, V. de; D’ÁVILA, J. S.; TEIXEIRA, D. L. M. O Artesão Tradicional e seu Papel na Sociedade Contemporânea. Rio de Janeiro, RJ: FUNARTE/Instituto Nacional do Folclore, 1983. p. 11-28.

RIBEIRO, Darcy. Kadiwéu: Ensaios Etnológicos sobre o Saber, o Azar e a Beleza. 2. ed. Petrópolis: RJ: Vozes, 1980.

SBT MS. De Olho na Rota Bioceânica já tem Empresário Investindo Alto em Porto Murtinho. 13.fev.2021. In Youtube.com/watch?v=4B05RaNM6zc Acesso em 25/04/2021.

TEDESCO, Giselda Paula; ALVES, Gilberto Luiz. Toro Candil: Tradição de uma Fronteira Ambivalente. Interações, Campo Grande, MS, v. 19, n. 1, p. 29-42, jan./mar. 2018.

VIOLIN, Fabio Luciano; ALVES, Gilberto Luiz. Da Pesca ao Natural: Trajetória do Turismo em Mato Grosso do Sul (1970-2015). Sustentabilidade em Debate, Brasília, DF, v. 8, n. 2, p. 130-146, ago. 2017.

Publicado
2021-12-14
Como Citar
Luiz Alves, G., Luciano Violin, F., & Benites, M. (2021). Para além da Rota Bioceânica: o artesanato indígena e o potencial do etnoturismo no sudoeste de Mato Grosso do Sul. Interações (Campo Grande), 22(4), 1335-1352. https://doi.org/10.20435/inter.v22i4.3417