Nossa Senhora do Pantanal: da oração à canção

Palavras-chave: Nossa Senhora do Pantanal, música sul-mato-grossense, cultura

Resumo

O presente texto tem por objetivo apresentar como a história de Nossa Senhora do Pantanal fez-se ecoar da localidade pantaneira para a música da cantora e compositora Alzira E. Como fundamentos teóricos, calcamo-nos nas pesquisas de Béra e Lamy (2015), Bernardi e Castilho (2016), Couto (2009), Dal Farra (2014), Espíndola (2017), Lotman (1998; 2000), Mesquita (2015), Murgel (2005), Nogueira (1990; 2002), Pinto (2006), Rosa e Duncan (2009), Rosendahl (2005), entre outros. Como aporte metodológico, apresentaremos uma breve compreensão do aparecimento da santa no contexto pantaneiro e analisaremos, também, a letra da canção composta por Orlando Antunes e musicada por Alzira E. Das discussões e resultados obtidos, encontramos na religiosidade e na cultura pantaneira um objeto singular: o compromisso com a gente e com a terra, presentes no cotidiano dos povos do Pantanal.

Biografia do Autor

Alan Silus, Centro Universitário da Grande Dourados (UNIGRAN)

Doutorando em Letras (Estudos Literários) na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Mestre em Letras pela Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS). Graduado em Letras pela Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal (UNIDERP), e em Pedagogia pelo Centro Universitário da Grande Dourados (UNIGRAN).

Maria Leda Pinto, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)

Doutora em Letras (Filologia e Língua Portuguesa) pela Universidade de São Paulo (USP). Mestra em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Graduada em Letras pela Faculdade Dom de Aquino de Filosofia Ciências e Letras (atual UCDB). Professora Sênior da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), Campo Grande, atuando nos Programas de Pós-Graduação Mestrado Acadêmico em Letras (PPGLETRAS) e Mestrado Profissional em Letras em Rede (PROFLETRAS). Pesquisadora e vice-líder do Núcleo de Estudos Bakhtinianos (NEBA) da UEMS, Campo Grande.

Referências

ARQUIDIOCESE DE CUIABÁ. Nossa Senhora Imaculada Conceição do Pantanal. Cuiabá, 2012. Disponível em: https://bit.ly/2Wl7lNw. Acesso em: 10 out. 2019.

BÉRA, M.; LAMY, Y. Sociologia da cultura. Tradução de Fernando Kolleritz. São Paulo: SESC, 2015.

BERNARDI, C. J.; CASTILHO, M. A. A Religiosidade como elemento do desenvolvimento humano. Interações, Campo Grande, MS, v. 17, n. 4, p. 745-56, out./dez. 2016.

CHIZZOTTI, A. História de vida. In: CHIZZOTTI, A. Pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2006.

COUTO, A. M. Q. Tendências estético-políticas nas artes pantaneiras: uma leitura ecocrítica. In: MENEGAZZO, M. A.; BANDUCCI JÚNIOR, Á. Travessias e limites: escritos sobre o regional. Campo Grande, MS: UFMS, 2009.

DAL FARRA, D. Manifestações culturais e religiosas em MS. Campo Grande: Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul, 2014.

ESPÍNDOLA, A. cantora transforma prece para Nossa Senhora do Pantanal em música. Folha de São Paulo, São Paulo, 2017. Disponível em: https://goo.gl/rjC51E. Acesso em: 10 out. 2019.

ESPÍNDOLA, A. Nossa Senhora do Pantanal. In: Pantanal 2000. Campo Grande: Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul, c2000. 1 CD. Faixa 4 (2min52seg).

GAZETA CORUMBAENSE. Nossa Senhora do Pantanal: o primeiro milagre? Corumbá, 25 de setembro de 2001. Disponível em: https://bit.ly/36cAAqp. Acesso em: 15 out. 2019.

LOTMAN, I. La Semiosfera II: semiótica de la cultura, del texto, de la conducta y del espacio. Valência: Ediciones Catedra, 1998.

LOTMAN, I. La Semiosfera III: semiótica de las artes y de la cultura. Valência: Ediciones Catedra, 2000.

MESQUITA, F. A. A veneração aos santos no catolicismo popular brasileiro: uma aproximação histórico-teológica. Revista Eletrônica Espaço Teológico (REVELETEO), São Paulo, v. 9, n. 15, p. 155-74, jan./jul. 2015. Disponível em: http://revistas.pucsp.br/index.php/reveleteo. Acesso em: 20 mar. 2021.

MURGEL, A. C. A. T. Alice Ruiz, Alzira Espíndola, Tetê Espíndola e Ná Ozzetti: produção musical feminina na Vanguarda Paulista. 2005. 262 f. Dissertação (Mestrado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2005. Disponível em: https://goo.gl/fiDL9q. Acesso em: 10 jul. 2018.

NOGUEIRA, A. X. O que é Pantanal. São Paulo: Brasiliense, 1990.

NOGUEIRA, A. X. Pantanal: homem e cultura. Campo Grande: UFMS, 2002.

NOGUEIRA, A. X.; ISQUERDO, A. N. Língua e ambiente no contexto pantaneiro: a propósito do vocabulário. In: MENEGAZZO, M. A; BANDUCCI JÚNIOR, Á. Travessias e Limites: escritos sobre o regional. Campo Grande: UFMS, 2009.

PINTO, M. L. Discurso e cotidiano: histórias de vida em depoimentos de pantaneiros. 2006. 246 f. Tese (Doutorado em Letras – Filologia e Língua Portuguesa) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, 2006.

PORTAL MATO GROSSO. Gabriel Vandoni de Barros, 14 abr. 2008. Disponível em: https://bit.ly/3LgJO8u. Acesso em: 10 out. 2019.

ROSA, M. G. S.; DUNCAN, I. A música em Mato Grosso do Sul: histórias de vida. Campo Grande, MS: Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul, 2009.

ROSENDAHL, Z. Território e territorialidade: uma perspectiva geográfica para o estudo da religião. In: ENCONTRO DE GEÓGRAFOS DA AMÉRICA LATINA, 10, 2005, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: USP, 2005, p. 12928-42.

Publicado
2022-04-28
Como Citar
Silus, A., & Leda Pinto, M. (2022). Nossa Senhora do Pantanal: da oração à canção. Interações (Campo Grande), 23(1), 5-17. https://doi.org/10.20435/inter.v23i1.3252