Sociobiodiversidade e alimentação escolar: uma experiência no Litoral Norte do Rio Grande do Sul

Palavras-chave: segurança alimentar e nutricional, sociobiodiversidade, alimentação escolar

Resumo

O Programa Nacional de Alimentação Escolar é uma das mais importantes políticas de Segurança Alimentar e Nutricional no Brasil, viabilizando a oferta de uma alimentação saudável e adequada a todos os estudantes matriculados na rede pública da educação básica e criando mercados para agricultores familiares. Nesse sentido, partindo do entendimento de que a inserção de alimentos que dialoguem com a sustentabilidade e a cultura alimentar na alimentação escolar poderiam desencadear diversos efeitos positivos no contexto local, este artigo busca relatar as ações iniciais de um projeto maior, desenvolvido no município de Mostardas, que perpassa pela temática da alimentação escolar e da sociobiodiversidade, descrevendo as apreensões sobre o valor sociocultural e nutricional de alimentos da sociobiodiversidade, bem como o papel da escola e da alimentação escolar para a comunidade local. Para tal, esta etapa da pesquisa compreendeu duas fases: a primeira consistiu em um momento de interação com os atores locais, no qual se apreenderam histórias, significados e saberes sobre receitas à base de alimentos da sociobiodiversidade, como o feijão-sopinha e o milho-catete; e a segunda abrangeu a realização da análise de composição química centesimal e de fibras dos referidos alimentos. A partir dos relatos dos participantes, pôde-se compreender o valor sociocultural de alimentos e preparações que remontam a sua cultura e a sua história de vida, assim como a importância, conferida pela comunidade à escola e à alimentação escolar, no que tange à formação dos hábitos alimentares dos alunos. Para além das apreensões no plano simbólico, a caracterização química revelou o potencial nutricional do feijão-sopinha e do milho-catete, os quais se mostraram nutricionalmente superiores quando comparados a outros feijões e milho de consumo habitual dos brasileiros.

Biografia do Autor

Vanessa Magnus Hendler, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Mestre em Desenvolvimento Rural pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Graduada em Nutrição pela UFRGS.

Luciana Dias de Oliveira , Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Doutora em Saúde da Criança e do Adolescente pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Professora do Departamento de Nutrição da UFRGS. Coordenadora de Gestão do Centro Colaborador de Alimentação e Nutrição do Escolar (CECANE/UFRGS).

Martine Elisabeth Kienzle Hagen, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Doutora em Ciências Biológicas (Fisiologia) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Professora do Departamento de Nutrição e do Programa de Pós-Graduação em Alimentação, Nutrição e Saúde (PPGANS/UFRGS).

Andrea Mónica Solans, Universidade de Buenos Aires (UBA)

Mestre em Antropologia Social pela Universidade de Buenos Aires (UBA). Professora da Faculdade de Filosofia e Letras da UBA.

Queite Marrone Soares da Silva , Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Doutoranda em Desenvolvimento Rural pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Louise Barbosa Palma, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Acadêmica do Curso de Nutrição da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Vanuska Lima da Silva , Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Doutora em Ciência dos Alimentos pela Universidade de São Paulo (USP). Professora do Departamento de Nutrição da UFRGS e do Programa de Pós-Graduação em Alimentação, Nutrição e Saúde (PPGANS/UFRGS). Centro Colaborador de Alimentação e Nutrição do Escolar (CECANE/UFRGS).

Alessandro de Oliveira Rios , Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Doutor em Ciência de Alimentos pela Universidade Estadual de Campinas. Professor no Departamento de Ciência dos Alimentos da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Laboratório de Compostos Bioativos, Instituto de Ciência e Tecnologia dos Alimentos (ICTA).

Larissa Mont’Alverne Jucá Seabra, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Doutora em Ciências da Saúde pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Professora do Departamento de Nutrição da UFRN.

Eliziane Nicolodi Francescato Ruiz, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Doutora em Desenvolvimento Rural pela UFRGS. Professora do Departamento de Nutrição e do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural (PGDR/UFRGS).

Referências

ALBERGONI, L.; PELAEZ, V. Da revolução verde à agrobiotecnologia: ruptura ou continuidade de paradigmas? Revista de Economia, Curitiba, v. 33, n. 1, p. 31-53, 2007.

ASSOCIATION OF OFICIAL ANALYTICAL COLLABORATION INTERNATIONAL [AOAC INTERNATIONAL]. International. Official methods of analysis of AOAC international. 16. ed. Gaithersburg, MD, USA: Association of Analytical Communities, 1997.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento; Ministério do Meio Ambiente. Portaria Interministerial MAPA/MMA n. 10, de 21 de julho de 2021. Institui lista de espécies nativas da sociobiodiversidade de valor alimentício, para fins de comercialização in natura ou de seus produtos derivados. Diário Oficial da União, Brasília-DF, 22 jul. 2021.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Portaria n. 141, de 8 de janeiro de 2019. Determina os preços mínimos para os produtos extrativos da safra 2019. Diário Oficial da União, Brasília-DF, 10 jan. 2019.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Portaria Interministerial n. 284, de 30 de maio de 2018. Institui a lista de espécies da sociobiodiversidade, para fins de comercialização in natura ou de seus produtos derivados, no âmbito das operações realizadas pelo Programa de Aquisição de Alimentos – PAA. Diário Oficial da União, Brasília-DF, 10 jul. 2018a.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Biodiversidade. Biodiversidade Brasileira: sabores e aromas. Brasília-DF: Ministério do Meio Ambiente, 2018b.

BRASIL. Ministério da Educação. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Boas práticas de agricultura familiar para a alimentação escolar. Brasília-DF: FNDE, 2017a.

BRASIL. Ministério da Educação. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Manual para aplicação dos testes de aceitabilidade no Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). 2. ed. Brasília-DF: FNDE, 2017b.

BRASIL. Ministério da Educação. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Cartilha Nacional da Alimentação Escolar. Brasília-DF: FNDE, 2014a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para população brasileira. 2. ed. Brasília-DF: Ministério da Saúde, 2014b.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei n. 11.947, de 16 de junho de 2009. Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar e do Programa Dinheiro Direto na Escola aos alunos da educação básica; altera as Leis n. 10.880, de 9 de junho de 2004, 11.273, de 6 de fevereiro de 2006, 11.507, de 20 de julho de 2007; revoga dispositivos da Medida Provisória n. 2.178-36, de 24 de agosto de 2001, e a Lei n. 8.913, de 12 de julho de 1994; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 16 jun. 2009a.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Agrário; Ministério do Meio Ambiente; Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Plano nacional de promoção das cadeias de produtos da sociobiodiversidade. Brasília, DF, 2009b.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Biodiversidade e Florestas. Agrobiodiversidade e Diversidade Cultural. Brasília-DF: Ministério do Meio Ambiente, 2006. (Série Biodiversidade, v. 20).

CARVALHO, A. S.; OLIVEIRA E SILVA, D. Perspectivas de segurança alimentar e nutricional no quilombo de Tijuaçu, Brasil: a produção da agricultura familiar para a alimentação escolar. Interface: Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, v. 18, n. 50, p. 69-83, 2014.

CARVALHO, H. H.; JONG, E. V.; BELLÓ, R. M.; SOUZA, R. B.; TERRA, M. F. Alimentos: métodos físicos e químicos da análise. Porto Alegre: UFRGS, 2002.

CASAGRANDE, A. Dinâmicas ambientais e produção do conhecimento intergeracional nas comunidades da Lagoa do Bacupari e de remanescente de quilombo da Casca no litoral do Rio Grande do Sul. 2012. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Rural) – Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS, 2012.

COELHO-DE-SOUZA, G. Verbetes agrobiodiversidade, agroecologia, agrofloresta, etnoconservação, gestão da biodiversidade, sociobiodiversidade. In: MEDEIROS, M. F. T.; ALBUQUERQUE, U. P. (Org.). Dicionário Brasileiro de Etnobiologia e Etnoecologia. Recife: NUPEEA, 2012. p. 18-64.

CONTRERAS, J. Patrimônio e globalização: o caso das culturas alimentares. In.: CANESQUI, A. M; GARCIA, R. W. D. (Org.). Antropologia e nutrição: um diálogo possível. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2005. p. 129-45.

GABRIEL, C. G.; COSTA, L. C. F.; CALVO, M. C. M.; VASCONCELOS, F. A. G. Planejamento de cardápios para escolas públicas municipais: reflexão e ilustração deste processo em duas capitais brasileiras. Revista de Nutrição, Campinas, v. 25, n. 3, p. 363-72, 2012.

GIRARDI, M. W.; FABRI, R. K.; BIANCHINI, V. U.; MARTINELLI, S. S.; CAVALLI, S. B. Oferta de preparações culinárias e alimentos regionais e da sociobiodiversidade na alimentação escolar: um estudo na Região Sul do Brasil. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, v. 25, n. 3, p. 29-44, 2018.

JOHNS, T.; EYZAGUIRRE, P. B. Linking biodiversity, diet and health in policy and practice. Proceedings of the Nutrition Society, Cambrigde, v. 65, n. 2, p. 182-89, 2006.

LOBO, J. C. Entre gingas e cantigas: etnografia da performance do Ensaio de Pagamento de Promessa Quicumbi entre os morenos de Tavares. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.

MACIEL, M. E. Identidade cultural e alimentação. In.: CANESQUI, A. M; GARCIA, R. W. D. (Org.). Antropologia e nutrição: um diálogo possível. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2005. p. 49-55.

MATTA, R. El patrimonio culinario peruano ante Unesco: alguns reflexiones de gastro-política. desiguALdades.net – Research Network on Interdependent Inequalities in Latin America, Berlin, n. 28, p. 1-45, 2012. [Working Paper Series].

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 10. ed. São Paulo: HUCITEC, 2007.

MINEIRO, S. K.; TRICHES, R. M. O papel do ambiente escolar na cultura alimentar Kaingang: o caso da Terra Indígena Rio das Cobras, PR. Interações, Campo Grande, MS, v. 19, n. 4, p. 757-71, 2018.

MONTEIRO, C. M.; CANNON, G.; MOUBARAC, J. C.; LEVY, R. B.; LOUZADA, M. L. C.; JAIME, P. C. The UN Decade of Nutrition, the NOVA food classification and the trouble with ultra-processing. Public Health Nutrition, Cambrigde, v. 21, n. 1., p. 5-17, 2017.

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM ALIMENTAÇÃO [NEPA]. Universidade Estadual de Campinas [UNICAMP]. Tabela Brasileira de Composição de Alimentos [TACO]. 4. ed. rev. e ampl. Campinas: UNICAMP, 2011.

PELEGRINI, F. F. A. Percepção ambiental da comunidade de Mostardas na importância e conservação do Parque Nacional da Lagoa do Peixe, 2012. RS. Tese (Mestrado em Biologia) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos [UNISINOS], São Leopoldo, RS, 2012.

PHILIPPI, S. T. Pirâmide dos alimentos: fundamentos básicos da nutrição. 2. ed. São Paulo: Manole, 2014.

POPKIN, B. M. Nutrition, agriculture and the global food system in low and middle income countries. Food Policy, [s.l.], v. 47, n. 1, p. 91-96, 2014.

PROSKY, L.; ASP, N. G.; SCHWEIZER, T. F.; DEVRIES, J. M.; FURDA, I. Determination of total dietary fiber in foods and food products: collaborative study. Journal of the Association of Official Analytical Chemists, Rockville, v. 71, n. 5, p. 1017-23, 1988.

RAMOS, J. D. D. Identidade quilombola: mobilização política e manifestações culturais em Beco dos Coloidianos, Rio Grande do Sul. 2011. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul [UFRGS], Porto Alegre, RS, 2011.

RAMOS, M. O.; CRUZ, F. T.; SOUZA, G. C.; KUBO, R. R. Cadeias de produtos da sociobiodiversidade no sul do Brasil: valorização de frutas nativas da Mata Atlântica no contexto do trabalho com agroecologia. Amazônica: Revista de Antropologia, [on-line], Belém, v. 9, n. 1, p. 98-131, 2017. Disponível em: https://periodicos.ufpa.br/index.php/amazonica/article/view/5485. Acesso em: 19 out. 2021.

RIBEIRO, H. I.; JAIME, P. C.; VENTURA, D. Alimentação e sustentabilidade. Estudo Avançados, São Paulo, v. 31, n. 89, p. 185-98, 2017.

SANTILLI, J. Agrobiodiversidade e direito dos agricultores. São Paulo: Editora Peirópolis, 2009.

SOUSA, A. A.; SILVA, A. P. F.; AZEVEDO, E.; RAMOS, M. O. Cardápios e sustentabilidade: ensaio sobre as diretrizes do Programa Nacional de Alimentação Escolar. Revista de Nutrição, Campinas, v. 28, n. 2, p. 217-29, 2015.

TRICHES, R. M.; SCHNEIDER, S. Alimentação escolar e agricultura familiar: reconectando o consumo à produção. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 19, n. 4, p. 933-45, 2010.

TURPIN, M. E. A alimentação escolar como fator de desenvolvimento local por meio do apoio aos agricultores familiares. Revista de Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, v. 16, n. 2, p. 20-42, 2009.

VANINI, M. Uso de plantas medicinais em um território quilombola do município de Mostardas – Rio Grande do Sul. 2010. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) – Universidade Federal de Pelotas [UFPel], Pelotas, RS, 2010.

Publicado
2021-11-03
Como Citar
Magnus Hendler, V., Oliveira , L. D. de, Hagen, M. E. K., Solans, A. M., Silva , Q. M. S. da, Barbosa Palma, L., Silva , V. L. da, Rios , A. de O., Seabra, L. M. J., & Ruiz, E. N. F. (2021). Sociobiodiversidade e alimentação escolar: uma experiência no Litoral Norte do Rio Grande do Sul. Interações (Campo Grande), 22(3), 1033-1050. https://doi.org/10.20435/inter.v22i3.3217