Identificação de clusters industriais: um estudo quantitativo no estado de Santa Catarina

Palavras-chave: cluster industrial, Santa Catarina, quociente locacional, participação relativa, emprego

Resumo

Entender o funcionamento da dinâmica produtiva de uma região possibilita aumentar a eficiência e a competitividade, visto que empresas que atuam em clusters apresentam relevante papel no desenvolvimento econômico local e regional. Assim, torna-se importante identificar os clusters presentes em uma economia, visto a possibilidade de entender o perfil produtivo de determinada região. O objetivo principal deste trabalho é identificar a existência de clusters industriais na economia catarinense, evidenciando aspectos relacionados à dinâmica produtiva do estado. Com a utilização de dados, relativos ao ano de 2017, extraídos da Relação Anual de Atividades Econômicas (RAIS), de acordo com a Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE), procedeu-se de acordo com a metodologia de Britto e Albuquerque (2002), considerando os critérios de especialização, participação e densidade. Foram encontrados clusters em algumas regiões do estado catarinense, contudo a região considerada mais industrializada concentrou maior número de clusters. Os resultados indicam também que os clusters são formados, majoritariamente, por micro e pequenas empresas. Quanto a sua tipologia, os clusters identificados apresentam aspectos que os caracterizam como “informais”, podendo também ser “organizados”. 

Biografia do Autor

Sérgio Begnini, Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS)

Doutorado em Administração pela Universidade do Oeste de Santa Catarina (UNOESC). Mestrado em Gestão e Desenvolvimento Regional pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE). Especialização em Educação Integral pela Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS). Bacharelado em Administração pela Faculdade Concórdia (FACC) Atualmente, exerce o cargo de administrador na UFFS e é professor na UNOESC. É membro do grupo de pesquisa Competitividade Organizacional na UNOESC.

Carlos Eduardo Carvalho, Universidade do Oeste de Santa Catarina (UNOESC)

Doutorado em Administração e Turismo pela Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI). Mestrado em Administração pela Fundação Universidade Regional de Blumenau (FURB). Especialização em Processamento de Dados pela Universidade do Contestado (UNC). Graduação em Administração pela UNC. Atualmente é vice-reitor na Universidade do Oeste de Santa Catarina (UNOESC) em Chapecó. Atua como docente no doutorado acadêmico em Administração e no mestrado profissional em Administração na UNOESC.

Referências

ALDERETE, M. V.; BACIC, M. J. The impact of brazilian clusters on local development: a propensity score matching approach. Interações, Campo Grande, v. 21, n. 1, p. 173-94, 2020.

ALTEMBURG, T.; MEYER-STAMER, J. How to promote clusters: policy experiences from Latin America. World Development, Amsterdã, v. 27, n. 9, p. 1693-713, 1999.

AMIN, A. Industrial Districts. In: SHEPPARD, E.; BARNES, T. J. (Org.). A companion to economic geography. Oxford: Blackwell Publishing, 2003. p. 149-68.

ANDRADE, G. A. Dinâmica competitiva das micro e pequenas empresas no cluster industrial têxtil-vestuário do Vale do Itajaí-SC. 2002. 141 f. Dissertação (Mestrado em Economia) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, 2002.

ANDRIANI, P. et al. Challenging clusters: the prospects and pitfalls of clustering for innovation and economic development. London: Advanced Institute of Management Research, 2005.

ANTUNES-FERREIRA, C.; SANTOS-NATÁRIO, M.; MARTINS-BRAGA, A. Análise e avaliação ao funcionamento dos clusters em Portugal reconhecidos pelo QREN. Economía Sociedad y Territorio, Toluca, v. 18, n. 57, p. 585-620, 2018.

AZIZ, K. A.; NORHASHIM, M. Cluster-based policy making: assessing performance and sustaining competitiveness. Review of Policy Research, [s.l.], v. 25, n. 4, p. 349-75, 2008.

BERGMAN, E.; FESER, E. Industrial and regional clusters: concepts and comparative applications. Michigan: WVU Research Repository, 1999. Disponível em: http://www.rri.wvu.edu/WebBook/Bergman-Feser/contents.htm. Acesso em: 2 mar. 2019.

BERKECZ-KOVÁCS, L. New trends in the development of hungarian clusters: the case of the Southern Great Plain region. Regional Statistics, Budapest, v. 8, n. 1, p. 78-95, 2018.

BITTENCOURT, P. F.; CAMPOS, R. R. Diversificação de estruturas industriais localizadas: um estudo de caso para o estado de Santa Catarina. Revista de Economia, Curitiba, v. 35, n. 2, p. 33-59, 2009.

BRAUNERHJELM, P.; CARLSSON, B. Industry clusters in Ohio and Sweden, 1975-1995. Small Business Economics, New York, v. 12, n. 4, p. 279-93, 1999.

BRESCHI, S. Knowledge spillovers and local innovation systems: a critical survey. Industrial and Corporate Change, Oxônia, v. 10, n. 4, p. 975-1005, 2001.

BRITTO, J.; ALBUQUERQUE, E. M. Clusters industriais na economia brasileira: uma análise exploratória a partir de dados da RAIS. Estudos Econômicos, São Paulo, v. 32, n. 1, p. 71-102, 2002.

CAMPOS, R. R.; NICOLAU, J. A.; CÁRIO, S. A. F. Cluster e capacitação tecnológica: a experiência na indústria cerâmica de revestimento de Santa Catarina. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 21, n. 1, p. 144-61, 2000.

CHAIN, C. P. Abordagem geoestatística para identificação de potenciais clusters industriais. 2018. 99 f. Tese (Doutorado em Administração) – Universidade Federal de Lavras, Lavras, MG, 2018.

CONNELL, J.; VOOLA, R. Knowledge integration and competitiveness: a longitudinal study of an industry cluster. Journal of Knowledge Management, Sydney, v. 17, n. 2, p. 208-25, 2013.

CROCCO, M.; GALINARI, R.; SANTOS, F.; LEMOS, M. B.; SIMÕES, R. Metodologia de identificação de aglomerações produtivas locais. Nova Economia, Belo Horizonte, v. 16, n. 2, p. 211-41, 2006.

CROCCO, M.; SANTOS, F.; SIMÕES, R.; HORÁCIO, F. Industrialização descentralizada - sistemas produtivos locais: o arranjo produtivo calçadista de Nova Serrana (MG). Parcerias Estratégicas, Brasília, v. 8, n. 17, p. 55-134, 2003.

FINGLETON, B.; IGLIORI, D.; MOORE, B. Custer dynamic: new evidence and projections for computing services in great britain. Journal of Regional Science, [s.l.], v. 45, n. 2, p. 283-311, 2005.

GEROLAMO, M. C.; CARPINETTI, L. C. R.; FLESCHUTZ, T.; SELIGER, G.. Clusters e redes de cooperação de pequenas e médias empresas: observatório europeu, caso alemão e contribuições ao caso brasileiro. Gestão & Produção, São Carlos, v. 15, n. 2, p. 351-65, 2008.

GIULIANI, E. Cluster absorptive capacity: why do some clusters forge ahead and others lag behind? European Urban and Regional Studies, [s.l.], v. 12, n. 3, p. 269-88, 2005.

GLAESER, E.; KALLAL, H. D.; SCHEINKMAN, J. A.; SHLEIFER, A. Growth in cities. The Journal of Political Economy, Chicago, v. 100, n. 6, p. 1126-52, 1992.

HILL, E. W.; BRENNAN, J. F. A methodology for identifying the drivers of industrial clusters: the foundation of regional competitive advantage. Economic Development Quarterly, Cleveland, v. 14, n. 1, p. 65-96, 2000.

IBGE. Comissão Nacional de Classificação. IBGE, Rio de Janeiro, [s.d.] Disponível em: https://cnae.ibge.gov.br/?view=secao&tipo=cnae&versaosubclasse=10&versaoclasse=7&secao=C. Acesso em: 21 dez. 2019.

IGLIONI, D. C. Economia dos clusters industriais e desenvolvimento. São Paulo: FAPESP, 2001.

JAFFE, A. B.; TRAJTENBERG, M.; HENDERSON, R. Geographic localization of knowledge spillovers as evidenced by patent citations. The Quarterly Journal of Economics, Massachusetts, v. 108, n. 3, p. 577-98, 1993.

JOÃO, S. L.; OLIVARES, G. L. Análise dos aglomerados produtivos nos municípios de Angra dos Reis, Campos e Petrópolis no estado do Rio de Janeiro. Revista Ibero-Americana de Estratégia, São Paulo, v. 13, n. 4, p. 122-35, 2014.

LARENTIS, F.; GIOVANELLA, R.; CISLAGHI, T. Sustentabilidade em clusters: proposição de um modelo conceitual. Revista Ibero-Americana de Estratégia, São Paulo, v. 12, n. 3, p. 212-41, 2013.

LINS, H. N. Florianópolis, cluster turístico? Revista Turismo em Análise, São Paulo, v. 11, n. 2, p. 55-70, 2000.

MARSHALL, A. Principles of economics. New York: Macmillan Publishers Limited, 2013.

MEYER-STAMER, J. Path dependence in regional development: persistence and change in three industrial cluster in Santa Catarina, Brazil. World Development, [s.l.], v. 26, n. 8, p. 1495-511, 1998.

MOSSIG, I.; SCHIEBER, L. Driving forces of cluster evolution – growth and lock-in of two german packaging machinery clusters. European Urban and Regional Studies, [s.l.], v. 23, n. 4, p. 594-611, 2016.

MYTELKA, L.; FARINELLI, F. Local clusters, innovation systems and sustained competitiveness. Rio de Janeiro: UNU/INTECH, 2000.

NETO, J. A. Redes de cooperação produtiva e clusters regionais. São Paulo: Atlas, 2000.

OLIVARES, G. P.; DACOL, P. R. T. Avaliação da contribuição de aglomerados produtivos para o desenvolvimento local no estado do Rio de Janeiro. Production, São Paulo, v. 24, n. 4, p. 833-46, 2014.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO [OCDE]. Boosting innovation: the cluster approach. 1. ed. Paris: OCDE Publishing, 1999.

OSINSKI, M.; PEREIRA, M. F; ROMAN, D. J; NETO MORAIS, S. Competitividade e clusters catarinenses. Reuna, Belo Horizonte, v. 19, n. 3, p. 65-88, 2014.

PIEKARSKI, A. E. T.; TORKOMIAN, A. L. V. Identificação de clusters industriais: uma análise de métodos quantitativos. Gerpros, Bauru, v. 1, n. 1, p. 40-50, 2005.

PORTER, M. E. Cluster and competition. In: PORTER, M. E. (Ed.). On competition. 11. ed. Boston: Harvard Business School Publisching, 2008. p. 308-412.

PORTER, M. E. Clusters and the new economics of competition. Massachusetts: Harvard Business Review, 1998, p. 77-90.

PORTER, M. E. The competitive advantage of nations. New York: Free Press, 1990.

REZENDE, A. C.; CAMPOLINA, B.; PAIXÃO, A. N. DA. Clusterização e localização da indústria de transformação no Brasil entre 1994 e 2009. Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, v. 43, n. 4, p. 27-50, 2012.

RISSETE, C. R.; MACEDO, M. M.; MEINERS, W. E. M. A. Identificação e tipologia de clusters da região metropolitana de Curitiba. In: ENCONTRO DE ECONOMIA PARANAENSE, 2., 02/out. a 04/out., Maringá. Anais [...]. Maringá: UEM/UEL/UEPG/UNIOESTE/IPARDES, 2003.

ROELANDT, T. J. A.; HETOG, P. Cluster analysis and cluster-based policy making in OECD countries: an introduction to the theme. In: OCDE. Boosting innovation: the cluster approach. 1. ed. Paris: OCDE Publishing, 1999. p. 9-23.

ROSA, H. R. Indústria e desenvolvimento regional: o caso do polo industrial de calçados de São João Batista/SC. Revista Geografia e Pesquisa, São Paulo, v. 9, n. 1, p. 51-60, 2015.

SCHMITZ, H. Collective efficiency and increasing returns. Cambridge Journal of Economics, Cambridge, v. 23, n. 4, p. 465-83, 1999.

SCUR, G.; GARCIA, R. The impact of actors, networks and institutions in the cluster’s evolution: the case of the Brazilian ceramic tile industry. Competitiveness Review, [s.l.] v. 29, n. 3, p. 267-86, 2019.

SUZIGAN, W.; FURTADO, J.; GARCIA, R.; SAMPAIO, S. Clusters ou sistemas locais de produção: mapeamento, tipologia e sugestões de políticas. Revista de Economia Política, São Paulo, v. 24, n. 4, p. 543-62, 2004.

TADDEO, R.; SIMBOLI, A.; IOPPOLO, G.; MORGANTE, A. Industrial symbiosis, networking and innovation: the potential role of innovation poles. Sustainability, Basel, v. 9, n. 2, p. 169-186, 2017.

UNITED NATIONS CONFERENCE ON TRADE AND DEVELOPMENT [UNCTAD]. Promoting and sustaining SMEs clusters and networks for development. Geneva: United Nations, 1998.

VERSCHOORE, J. R.; BALESTRIN, A. Fatores relevantes para o estabelecimento de redes de cooperação entre empresas do Rio Grande do Sul. Revista de Administração Contemporânea, Maringá, v. 12, n. 4, p. 1043-69, 2008.

VIANNA, S. L. G.; HOFFMANN, V. E. Classificaçõo dos municípios catarinenses com base nos indicadores para a formação de um cluster de turismo cultural. Caderno Virtual de Turismo, Rio de Janeiro, v. 9, n. 2, p. 1-16, 2009.

WALUSZEWSKI, A. A competing or co-operating cluster or seven decades of combinatory resources? What’s behind a prospering biotech valley? Scandinavian Journal of Management, [s.l.], v. 20, n. 1-2, p. 125-50, 2004.

YUSUF, Y. Y.; MUSA, A.; DAUDA, M.; EL-BERISHY, N.; KOVVURI, D.; ABUBAKAR, T. A study of the diffusion of agility and cluster competitiveness in the oil and gas supply chains. International Journal of Production Economics, München, v. 147, n. 1, p. 498-513, 2014.

Publicado
2021-09-15
Como Citar
Begnini, S., & Eduardo Carvalho, C. (2021). Identificação de clusters industriais: um estudo quantitativo no estado de Santa Catarina. Interações (Campo Grande), 22(2), 489-512. https://doi.org/10.20435/inter.v22i2.3206