Rota de Integração Latino-Americana e o estado de Mato Grosso do Sul: caracterização produtiva, ameaças e possibilidades de fomento

Palavras-chave: integração produtiva, desenvolvimento regional, políticas públicas, Rota de Integração Latino Americana (RILA).

Resumo

A Rota de Integração Latino Americana (RILA) corresponde à materialização de um desejo antigo de integrar os povos da América do Sul. Tal caminho interligará importantes municípios do Brasil, Paraguai, Argentina e Chile. No Estado do Mato Grosso do Sul, ela ligará importantes municípios, trazendo oportunidades e ameaças. O objetivo do estudo foi analisar a estrutura produtiva dos municípios sul mato-grossenses que serão afetados diretamente pelo trajeto da RILA para melhor entender esse processo. Para tanto, utilizou-se análise exploratória dos dados espaciais (AEDE) e o Quociente Locacional Espacial (QLs) dos empregos setoriais dos municípios do Estado. Os resultados apontam uma desigualdade espacial nos setores produtivos, delimitando “ilhas setoriais”. No setor industrial, a região nordeste e o entorno da capital, Campo Grande, se destacam. A região nordeste do Estado também se destaca no setor da Construção Civil e, conjuntamente com a parte centro-norte do MS, no setor agropecuário. No setor do comércio, se destaca a região sul do MS, com proximidade do Paraguai. Já no setor de serviços é verificada uma concentração relativa na capital e no extremo sul do Estado. Conclui-se com a urgência de políticas públicas que ampliem as oportunidades e mitiguem as ameaças da integração gestada pela rota.

Biografia do Autor

Mateus Boldrine Abrita, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)

Possui graduação UFMS (2010), mestrado UEM (2012) e Doutorado UFRGS (2018) em Economia. Atualmente é professor efetivo da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, atuando nos cursos de Geografia Licenciatura e Bacharelado. Assessor de relações interinstitucionais e projetos estratégicos na UEMS, atual coordenador do Centro de Estudos de Fronteira General Padilha - CMO/UEMS e do Laboratório de eficiência e inovação na Gestão de Mato Grosso do Sul (LAB-GEIMS). Vice-líder do grupo de pesquisa GEFRONTTER - Grupo de Estudos em Fronteira, Turismo e Território e pesquisador do Grupo Macroeconomia Estruturalista do Desenvolvimento ambos registrados no Diretório de Grupos de Pesquisa do CNPq.

Daniel Amorim Souza Centurião, West Virginia University (WVU)

Economista, graduado em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul e mestre em Ciências Econômicas pela UNIOESTE - Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Doutorando em Economia pela West Virginia University - EUA. Principais áreas de pesquisa são economia regional, planejamento regional, desenvolvimento regional e políticas públicas.

Angelo Rondina Neto, Universidade Estadual de Londrina (UEL)

Doutor em economia pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) (2018), com período sanduíche na Bryant University (EUA) (2017), Mestre em economia pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) (2013) e Bacharel em ciências econômicas pela Universidade Estadual de Londrina (UEL) (2010). Atualmente é Professor Adjunto do Departamento de Economia da Universidade Estadual de Londrina (UEL).

Rafaella Stradiotto Vignandi, Universidade Federal de Rondonópolis (UFR)

É professora de Ciências Econômicas na Universidade Federal de Rondonópolis (MT) e Pós-Doutoranda em Economia na Universidade de São Paulo (FEA-USP), Pesquisadora Associada do Programa de Pós-Graduação em Gestão e Tecnologia Ambiental (PPGTA/UFR/UFMT) e Pesquisadora Visitante da Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul (UEMS). Doutora em Economia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) - Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional (CEDEPLAR).

Referências

ABRITA, M. B.; SILVA, W. G. A ciência e a tecnologia como possibilidades de desenvolvimento tecnológico da região centro oeste do Brasil. Boletim Goiano de Geografia, Goiânia, v. 39, p. 1-24, 2019.

ANSELIN, L. Interactive techniques and axploratory spatial data analysis. In: LONGLEY, P. A.; GOODCHILD, M. F.; MAGUIRE, D. J. Geographic information system: principles, techniques, management and applications. Nova York: John Wiley, 1998. p. 251-64.

ANSELIN, L. Local Indicators of Spatial Association – LISA. Geographical Analysis, Ohio, v. 27, n. 2, p. 93-115, 1995.

ASATO, T. A.; MARQUES, H. R.; BUZARQUIS, R. M.; BORGES, P. P. Perspectivas da economia criativa e do desenvolvimento local no Corredor Bioceânico. Interações, Campo Grande, v. 20, número especial, p. 193-210, 2019.

AUDRETSCH, D. Agglomeration and the location of innovative activity. Oxford Review of Economic Policy, Oxford, v. 14, n. 2, p. 18-29, 1998.

BAPTISTA, R.; SWANN, P. Do firms in clusters innovate more? Research Policy, v. 27, n. 5, p. 525–40, 1998.

BRASIL. Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. Comex Stat, [s.d.]. Portal para acesso gratuito às estatísticas de comércio exterior do Brasil. Available at: http://comexstat.mdic.gov.br/pt/home. Access on: 7 Dec. 2021

CASSIOLATO, J. E.; SZAPIRO, M. Arranjos e sistemas produtivos inovativos locais no Brasil. Rio de Janeiro: Instituto de Economia da UFRJ, 2002.

CASTELLS, M. The rise of the network society. Oxford: Wiley-Blackwell, 1996.

CASTRO, J. C. P. Turismo como instrumento dinamizador do Corredor Rodoviário Bioceânico. Interações, Campo Grande, v. 20, número especial, p. 19-29, 2019.

CAVALCANTE, L. R. M. T. Produção teórica em economia regional: uma proposta de sistematização. Revista Brasileira de Estudos Regionais e Urbanos, Curitiba, v. 2, n. 1, p. 9-32, 2008.

CHESNAIS, F. A. A globalização e o curso do capitalismo de fim-de-século. Economia e Sociedade, Campinas, v. 4, n. 2, p. 1-30, 1995.

CONSELHO SUL-AMERICANO DE INFRAESTRUTURA E PLANEJAMENTO [COSIPLAN]. Historia. IRSA, [s.l.], 2018. Available at: http://www.iirsa.org/Page/Detail?menuItemId=121. Access on: 15 Mar. 2020.

CONSTANTINO, M.; DORSA, A. C.; BOSON, D. S.; MENDES, D. R. Caracterização econômica dos municípios sul-mato-grossenses no Corredor Bioceânico. Interações, Campo Grande, v. 20, número especial, p. 179-92, 2019.

EHRNBERG, E.; JACOBSSON, S. Technological discontinuities and incumbents performance: an analytical framework. In: EDQUIST, C. Systems of Innovation: technologies, instituitions and organizations. Londres: Pinter, 1997.

ENRIGHT, M.; FFOWCS-WILLIAMS, I. Local partnership, clusters and SME globalisation. Paris: OECD, 2001. (Workshop paper).

FELDMAN, M. Location and innovation: the new economic geography of innovation, spillovers, and agglomeration. In: CLARK, G. L.; FELDMAN, M. P.; GERTLER, M. S. (Ed.). Oxford Handbook of Economic Geography. Oxford: Oxford University Press, 2000. p. 373-94.

FERREIRA, M.; CASTILHO, M. A.; OLIVEIRA, E. M. Brasil, Paraguai, Argentina e Chile/Rota Bioceânica: relações culturais no território vivido. Interações, Campo Grande, v. 20, número especial, p. 69-89, 2019.

FUJITA, M.; KRUGMAN, P.; VENABLES, A. J. The spatial economy: cities, regions and international trade. Cambridge: Massachussetts Institute of Technology, 2000.

GARRETSEN, H.; MCCANN, P.; MARTIN, R.; TYLER, P. The future of regional policy. Cambridge Journal of Regions, Economy and Society, Oxford, v. 6, n. 2, p. 179-86, 2013.

GLAESER, E. L.; KALLAL, H. D.; SCHINKMANN, J. A.; SHLEIFER, A. Growth in cities. Journal of Political Economy, Chicago, v. 100, n. 6, p. 1126-52, 1992.

GLASMEIER, A. Economic geography in practice: local economic development policy. In: CLARK, G. L.; FELDMAN, M.; GERTLER, M. Oxford handbook of economic geography. Oxford: Oxford University Press, 2000. p. 559-79.

HADDAD, P. R. Economia regional: teorias e métodos de análise. Fortaleza: Banco do Nordeste 1985.

ITAIPU. Dia histórico: Itaipu dá a largada à construção de mais uma ponte Brasil-Paraguai, agora no MS. Itaipu Binacional, [s.l.], 2020. Available at: https://www.itaipu.gov.br/sala-de-imprensa/noticia/dia-historico-itaipu-da-largada-construcao-de-mais-uma-ponte-brasil-paragua. Access on: 14 Apr. 2020.

IAMMARINO, S.; MCCANN, P. The structure and evolution of industrial clusters: transactions, technology and knowledge spillovers. Research Policy, [s.l.], v. 35, n. 7, p. 1018-36. Available at: https://econpapers.repec.org/article/eeerespol/v_3a35_3ay_3a2006_3ai_3a7_3ap_3a1018-1036.htm. Access on: 29 Nov. 2021.

SEMAGRO -MS. Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar – IBGE, SEMAGRO ,CONAC - Série histórica PIB – MS . 2002 – 2016.

KEEBLE, D.; WILKINSON, F. (Ed.). High-technology clusters, networking and collective learning in Europe. Aldershot: Ashgate, 2000.

KRUGMAN, P. Development, geography an economic theory. Massachussetts: MIT Press, 1998.

MAILLAT, D. Milieux innovateurs et dynamique territoriale. In: RALLET, A.; TORRE, A. Économie Industrielle et Économie Spatiale. Paris: Economica, 1995. p. 211-32.

MARKUSEN, A. Áreas de atração de investimentos em um espaço econômico cambiante: uma tipologia de distritos industriais. Nova Economia, Belo Horizonte, v. 5, n. 2, p. 9-44, dez. 1995.

MARSHALL, A. Principles of Economics. São Paulo: Nova Cultural Ltda, 1890.

ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT [OECD]. Promoting growth in all regions. Paris: OECD, 2012.

ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT [OECD]. OECD Regional Outlook 2011: building resilient regions for stronger recovery. Paris: OECD, 2011a.

ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT [OECD]. Regions at a Glance 2011. Paris: OECD, 2011b.

PEREIRA, A. P. C.; ABRITA, M. B.; FONSECA, R. O. C. Circulação, desenvolvimento econômico e ordenamento territorial: elementos teóricos para análises de pesquisas sobre a Rota de Integração Latino Americana. Confins, São Paulo, n. 50, [n.p.], 2021.

PORTER, M. E. Clusters and the new economics of competition. Harvard Business Review, Brighton, v. 76, n. 6, p. 77-90, nov./dec. 1998.

PORTER, M. E. The competitive advantage of nations. New York: Free Press, 1990.

PORTER, M. E. Competitive Strategy: techniques for analyzing industries and competitors. New York: The Free Press, 1980.

SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, PRODUÇÃO E AGRICULTURA FAMILIAR [SEMAGRO]. Série histórica PIB-MS 2002-2016. Campo Grande: SEMAGRO, [s.d.].

SORENSON, O. Social networks and industrial geography. Journal of Evolutionary Economics, New York, v. 13, n. 5, p. 513-27, 2003.

STROPER, M. Desenvolvimento territorial na economia global do aprendizado: o desafio dos países em desenvolvimento. In: RIBEIRO, L. C. Q.; SANTOS JUNIOR, O. A. D. (Org.). Globalização, fragmentação e reforma urbana: o futuro das cidades brasileiras na crise. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1994.

Publicado
2021-12-14
Como Citar
Boldrine Abrita, M., Amorim Souza Centurião, D., Rondina Neto, A., & Vignandi, R. S. (2021). Rota de Integração Latino-Americana e o estado de Mato Grosso do Sul: caracterização produtiva, ameaças e possibilidades de fomento. Interações (Campo Grande), 22(4), 1093-1111. https://doi.org/10.20435/inter.v22i4.3168