“Povos indígenas no Piauí: se escondeu para resistir e apareceu para existir!” : trajetória dos grupos indígenas da etnia Tabajara no Piauí

Palavras-chave: povos indígenas, Tabajara, memória, ação política, indianidade

Resumo

Nas últimas quatro décadas, no Brasil, um maior número de grupos indígenas passou a se autodeclarar e a reivindicar o reconhecimento de sua condição étnica e de seus direitos constitucionais, em um fenômeno nomeado de processo de indianização e/ou de fortalecimento da indianidade. No Piauí, destacamos os grupos da etnia Tabajara que se organizam por meio de associações indígenas, inaugurando um novo capítulo na história indígena piauiense, visto que, por muito tempo, a presença indígena no estado foi invisibilizada, silenciada e negada. Nesse bojo, o presente estudo buscou conhecer as condições sócio-históricas que contribuíram para o processo de indianização dos grupos indígenas da etnia Tabajara no Piauí. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, com base nos estudos sobre produção de sentido no cotidiano. O estudo foi realizado nos municípios de Piripiri, PI, e Lagoa de São Francisco, PI, com 20 lideranças, mediante os seguintes recursos metodológicos: observação no cotidiano, conversa no cotidiano e entrevista semiestruturada. Em suma, observamos que, diante dos escombros do passado, os Tabajara buscam escrever sua história do presente, a partir do resgate histórico de suas raízes indígenas e da ação de mediadores, evocando e (re) significando fatos e acontecimentos que lhe são significativos e que fortalecem suas indianidades e sua ação política.

Palavras-chave: povos indígenas; memória; ação política; indianização.

Biografia do Autor

Brisana Índio Brasil de Macêdo Silva, Universidade Federal do Ceará (UFC)

Doutoranda em Psicologia na Universidade Federal do Ceará (UFC). Mestre e graduada em Psicologia pela Universidade Federal do Piauí (UFPI). Professora Substituta em Psicologia na Universidade Federal do Delta do Parnaíba (UFDPar), Parnaíba, Piauí.

João Paulo Macedo, Universidade Federal do Ceará (UFC)

Doutor e mestre e em Psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Graduado em Psicologia pela Faculdade Santo Agostinho. Docente dos Programas de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Delta do Parnaíba (UFDPar), Parnaíba, Piauí, e da Universidade Federal do Ceará (UFC), Fortaleza, Ceará. Bolsista de Produtividade do CNPq.

Referências

ARAÚJO, I. X.; SOUSA; V. S.; SOUZA, R. S. S.; LEITE, J. L.; ANDRADE, T. M.; SANTOS, R. L. A. Processo de emergência étnica: povo indígena Tabajara da Paraíba. In: CONGRESSO NORTE NORDESTE DE PESQUISA E INOVAÇÃO, 8., 2018. Anais [...]. Palmas: CONNEPI, 2012. p. 1-8.

ARRUTI, J. M. A. Mocambo: antropologia e história do processo de formação quilombola. Bauru: EDUSC, 2006.

BAPTISTA, G. Etno-história indígena piauiense. Teresina: EDUFPI, 1994.

CEARÁ (Estado). Secretaria do Desenvolvimento Agrário. Projeto de Desenvolvimento Rural Sustentável do Estado do Ceará – Projeto São José IV – marco conceitual dos Povos Indígenas (Versão Final). Fortaleza: SDA, 2019. Disponível em: https://www.sda.ce.gov.br/wp-content/uploads/sites/60/2019/02/MARCO-CONCEITUAL-DOS-POVOS-INDI%CC%81GENAS-1.pdf. Acesso em: 17 maio 2020.

CHAVES, J. O índio no solo piauiense. Teresina: Série Histórica, 1953.

DIAS, C. M. M.; SANTOS, P. S. História dos índios do Piauí. Teresina: EDUFPI, 2016.

HAMPATÉ BÂ, A. A tradição viva. In: KI-ZERBO, J. História geral da África: I – metodologia e pré-história da África. 2. ed. Brasília: UNESCO, 2010. p. 167-212.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2004.

KÓS, C. V. N. M. Etnias, fluxos e fronteiras: processo de emergência étnica dos Kariri no Piauí. 2015. 162 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Centro de Ciências Humanas e Letras, Universidade Federal do Piauí, Teresina, PI, 2015.

LIMA, C. L. S. Etnicidade indígena no contexto urbano: uma etnografia sobre os Kalabaça, Kariri, Potiguara, Tabajara e Tupinambá de Crateús. 2010. 272 f. Tese. (Doutorado em Antropologia) – Departamento de Sociologia e Antropologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, 2010.

MACHADO, P. As trilhas da morte. In: DIAS, C. M. M.; SANTOS, P. S. História dos índios do Piauí. 2. ed. Teresina: EDUFPI, 2016. p. 385-404.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento. 11. ed. São Paulo: Hucitec, 2008.

MONTEIRO, J. M. Prefácio. In: ARRUTI, J. M. Mocambo: antropologia e história do processo de formação quilombola. Bauru: EDUSC, 2006. p. 19-23.

MOTT, L. R. B. Piauí colonial: população, economia e sociedade. Teresina: Projeto Petrônio Portela, 1985.

NUNES, O. Os índios fervilhavam como formigas às margens dos rios e vales do Piauí. In: NUNES, O. Pesquisa para a história do Piauí. Rio de Janeiro: Artenova, 1975. V. 1.

OLIVEIRA, J. P. F. Uma etnologia dos “índios misturados’? Situação colonial, territorialização e fluxos culturais. Mana, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 47-77, 1998. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-93131998000100003

PIAUÍ (Estado). Secretaria do Planejamento do Estado do Piauí. Marco da Política para Povos Indígenas. Teresina: SEPLAN, 2018. Disponível em: http://www.seplan.pi.gov.br/marco.pdf. Acesso em: 17 maio 2020.

PORTO ALEGRE, M. S. Comissão das Borboletas: a ciência do Império entre o Ceará e a Corte (1856-1867). Fortaleza: Museu do Ceará, 2003.

POUTIGNAT, P.; STREIFF-FENART, J. Teorias da etnicidade. 1. ed. São Paulo: Fundação Editora UNESP, 1998.

SANTOS, C. J. F.; SANTOS, V. R. Decolonialidades indígenas. In: COSTA, F. A. C.; MESQUITA, M. R. (Org.). Psicologia política no Brasil e enfrentamentos a processos antidemocráticos. Maceió: Edufal, 2019. p. 231-43.

SPINK, M. J.; BRIGAGÃO, J.; NASCIMENTO, V.; CORDEIRO, M. (Org.). A produção de informação na pesquisa social – compartilhando ferramentas. Rio de Janeiro: Centro Edelstein, 2014.

VALLE, C. G. Apresentação – etnicidade e mediação como política e cultura. In: VALLE, C. G. (Org.). Etnicidade e mediação. São Paulo: Annablume Editora, 2015. p. 13- 61.

Publicado
2022-04-28
Como Citar
Silva, B. Índio B. de M., & Macedo, J. P. (2022). “Povos indígenas no Piauí: se escondeu para resistir e apareceu para existir!” : trajetória dos grupos indígenas da etnia Tabajara no Piauí. Interações (Campo Grande), 23(1), 51-65. https://doi.org/10.20435/inter.v23i1.3080