Retornos para educação no Brasil: enfoque nas regiões Sul e Nordeste para o ano de 2017

Palavras-chave: capital humano, renda, retorno da escolaridade

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar os efeitos da educação nos rendimentos dos indivíduos residentes no Brasil e, de forma específica, os das regiões Sul e Nordeste. As estimativas são realizadas a partir da base de dados da PNAD contínua para o ano de 2017, utilizando-se da equação de rendimentos proposta por Mincer (1974) e do procedimento de Heckman (1979) para corrigir o viés de seleção. Utiliza-se também o método de Trostel (2004) para o cálculo dos retornos da escolaridade tanto do Brasil quanto das regiões Sul e Nordeste. Como resultado principal, o modelo teórico e suas estimativas indicam que, em todas as regiões analisadas, o capital humano apresenta retornos crescentes, sendo estes cada vez maiores à medida que o indivíduo alcança graus mais elevados de educação, apontando que no Brasil pessoas com 4 anos de estudo têm retornos de 2,9% em seus salários; já com 15 anos de estudo, os retornos são de 33,2%. No Sul e Nordeste, os valores são, respectivamente, de 1,8% e 2,7% para 4 anos e 26,3% e 33,2% para 15 anos de estudo, apontando retornos maiores para a região Nordeste. Portanto os resultados sugerem que é de fundamental importância se delinearem políticas que incentivem a conclusão de níveis mais elevados de educação, a fim de se aumentar a renda dos trabalhadores.

Biografia do Autor

Tatiana Borges da Silva, Universidade Estadual de Maringá (UEM)

Mestranda em Teoria Econômica na Universidade Estadual de Maringá (UEM). Pós-graduanda em Docência no Ensino Superior pelo Centro Universitário de Maringá (Unicesumar). Graduada em Ciências Econômicas pela UEM. Professora Mediadora na Unicesumar..

Kézia de Lucas Bondezan, Universidade Estadual de Maringá (UEM)

Doutora em Economia pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), com Doutorado Sanduíche na Universidade do Minho, em Portugal. Mestre e graduada em Economia pela UEM. Professora adjunta na Universidade Estadual de Maringá (UEM).

Miriã de Sousa Lucas, Universidade Estadual de Maringá (UEM)

Doutoranda em Ciências Econômicas (área de concentração: Teoria Econômica) na Universidade Estadual de Maringá (UEM). Mestre e Graduada em Ciências Econômicas pela UEM. Pós-graduanda em Docência no Ensino Superior: Tecnologias Educacionais e Inovação pelo Centro Universitário de Maringá (UNICESUMAR). Técnica Bancária na Caixa Econômica Federal.

Referências

AALI-BUJARI, A.; VENEGAS-MARTÍNEZ, F.; GARCÍA-SANTILLÁN, A. Schooling Levels and Wage Gains in Mexico. Economics & Sociology, Cidade, v. 12, n. 4, p. 74-331, 2019.

BECKER, G. Human capital. New York: The National Bureau of Economic Research, 1964.

BLAUG, M. The Methodology of Economics: or how economist explain. New York: Cambridge University Press, 1992.

DIAS, J.; MONTEIRO, W. D. F.; DIAS, M. H. A.; RUSSO, L. X. Função de capital humano dos estados brasileiros: retornos crescentes ou decrescentes da educação? Pesquisa e Planejamento Econômico – PPE, Brasília, v. 43, n. 2, p. 333-79, ago. 2013.

DEPKEN, C.; CHISENI, C.; ITA, E. Returns to Education in South Africa: evidence from the National Income Dynamics Study. Zagreb International Review of Economics & Business, Zagreb, v. 22, n. 1, p. 1-12, 2019.

FOCHEZATTO, A.; PELEGRINI, T.; HOECKEL, P. H. O.; TOMKOWSKI, F. G. Desenvolvimento socioeconômico regional: cidades, crescimento e especialização produtiva. Criciúma: EDIPUCRS, 2019.

HECKMAN, J. Sample selection bias as a specification error. Econometrica, New Haven, v. 47, n. 1, p. 153-61, 1979.

HECKMAN, J.; TOBIAS, J. L.; VYTLACILL, E. Simple estimators for treatment parameters in a latent variable framework with an application to estimating the returns to schooling. NBER Working Paper, 7950, 2000.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA [IBGE]. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua – PNAD Contínua 2017. Brasília, DF, 2017. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/multidominio/condicoes-de-vida-desigualdade-e-pobreza/17270-pnad-continua.html?=&t=downloads. Acesso em: 25 out. 2019.

KELNIAR, V. C.; LOPES, J. L.; PONTILI, R. M. A teoria do capital humano: revisitando conceitos. In: ENCONTRO DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA, 8., 21 a 25 de outubro de 2013, Campo Mourão. Anais [...]. Campo Mourão: Unespar, 2013.

MARSHALL, A. Principles of Economics. 8. ed. London: Mac Millan. 1890. [1920].

MINCER, J. Schooling, experience, and earnings. Human Behavior & Social Institutions. New York / London: National Bureau of Economic Research, 1974.

NAKABASHI, L.; ASSAHIDE, L. Estimando o retorno da escolaridade dos jovens por classe de renda: 1997-2012. Pesquisa e Planejamento Econômico – PPE, Brasília, v. 47, n. 3, p. 137-83, dez. 2017.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO (OCDE). The well-being of nations: the role of human and social capital. Education and Skills., Paris: OCDE, 2001.

PONCHIROLLI, O. O capital humano como elemento estratégico na economia da sociedade do conhecimento sob a perspectiva da teoria do agir comunicativo. Revista FAE, Curitiba, v. 5, n. 1, p. 29-42. 2002.

PSACHAROPOULOS, G.; PATRINOS, H. A. Returns to investment in education: a decennial review of the global literature. The World Ban, 2018.

RESENDE, M.; WYLLIE, R. Retornos para educação no Brasil: evidências empíricas adicionais. Economia Aplicada, Ribeirão Preto, v. 10, n. 3, p. 349-65, 2006.

SACHSIDA, A.; LOUREIRO, P. R. A.; MENDONÇA, M. J. C. D. Um estudo sobre retorno em escolaridade no Brasil. Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, v. 58, n. 2, p. 249-65, 2004.

SCHULTZ, T. W. Investment in human capital. American Economic Review, Pittsburgh, n. 51, p. 1-17, 1961.

SMITH, A. A riqueza das nações: investigação sobre sua natureza e suas causas. 3. ed. Tradução de Luiz João Baraúna. São Paulo: Nova Cultural, 1988. 250 p. V. I e II.

SULIANO, D. C.; SIQUEIRA, M. L. Retornos da educação no Brasil em âmbito regional considerando um ambiente de menor desigualdade. Economia Aplicada, Ribeirão Preto, v. 16, n. 1, p. 137-65, 2012.

TROSTEL, P. Returns to scale in producing human capital from schooling. Oxford University Press, Oxónia, v. 56, p. 461-84, 2004.

WANG, F.; WU, H. Returns to education in rural and urban China: an empirical study. Asian Journal of Social Science Studies, Singapore, v. 3, n. 4, p. 18-28, 2018.

Publicado
2022-04-28
Como Citar
Silva, T. B. da, Bondezan, K. de L., & Lucas, M. de S. (2022). Retornos para educação no Brasil: enfoque nas regiões Sul e Nordeste para o ano de 2017. Interações (Campo Grande), 23(1), 67-83. https://doi.org/10.20435/inter.v23i1.3052