Sistema Integrado de Inovação Tecnológica Social: Programa de Incubação de Empreendimentos Econômicos Solidários EIT-UFMT

  • Andréa Haruko Arakaki
  • Nicolau Priante Filho
  • Oscar Zalla Sampaio Neto
  • Josiel Maimone de Figueiredo
  • Wilson Luconi
  • Joel Paese
Palavras-chave: Tecnologia social. Economia solidária. Incubação.

Resumo

Este artigo propõe uma forma de institucionalização, nas Universidades brasileiras, do desenvolvimentode Tecnologias Sociais e processos sistêmicos de incubação de empreendimentos econômicos solidários, com basena Lei de Inovação, e também a atuação articulada da Cooperativa COORIMBATÁ e a da Universidade Federal deMato Grosso, que culminou na criação de uma rede de entidades que compõem o Sistema Integrado de InovaçãoTecnológica Social.

Referências

BAGANHA, M. I. A cada Sul o seu Norte: dinâmicas migratórias em Portugal. In: A globalização e as ciências sociais. São Paulo: Cortez, 2002.

BANCO DE TECNOLOGIAS SOCIAIS, 2009. Disponível em: <http://www.fbb.org.br/tecnologiasocial/>. Acesso em: 21 jul. 2011.

CAPRA, F. Ponto de mutação. São Paulo: Cultrix, 1995.

CATTANI, A. (Comp.). La otra economia. Buenos Aires:

Altamira, 2004.

CONGER, S. Social Inventions. Prince Albert, Canada: Saskatchewan Newstart, 1974. Disponível em: . Acesso em: 21 jul. 2011.

ESCRITÓRIO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA (EIT). Disponível em: <http://www.eit.ufmt.br>. Acesso em: 21 set. 2011.

FARAH, M. F. S. Parcerias, novos arranjos institucionais e políticas públicas locais. Revista de Administração Pública, v. 35, n. 1, p. 119-145, 2001.

FARFUS, D.; ROCHA, M. C. de S. Inovações sociais. In: Farfus, D. (Org) e Rocha, M. C. de S. Curitiba: SESI/SENAI/ IEL/UNINDUS, 2007. p. 3-34. (Coleção Inova, II).

FIGUEIREDO, J. M. Consolidação do observatório da inovação tecnológica em Mato Grosso (Edital MEC/ CAPES e MCT/CNPq/FINEP n. 28/2010. Programa Nacional de Pós-Doutorado - PNPD 2010).

FRANÇA FILHO, G. C. de; LAVILLE, J. Economia solidária: a abordagem internacional. Porto Alegre: UFRGS, 2004. FUNDAÇÃO BANCO DO BRASIL. Banco de Tecnologias Sociais. Disponível em: <http://www.fbb.org.br/ tecnologiasocial/>. Acesso em: 4 ago. 2011.

GAIGER, L. I. G. Empreendimentos solidários: uma alternativa para a economia popular? In: ______ (Org.). Formas de combate e de resistência à pobreza. São Leopoldo: UNISINOS, 1996. p. 101-126.

GAIGER, L. I. Emprendimientos económicos solidários. In: CATTANI, A. (Comp.). La otra Economia. Buenos Aires: Altamira, 2004. p. 229-241. INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL. Disponível em: <http://www.itsbrasil.org.br/>. Acesso em: 4 ago. 2011.

LAVILLE, J. (Org.). Economía Social y Solidaria: una visión europea. Buenos Aires: Altamira, 2004.

LEI 10973, de 2 de dezembro de 2004. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ ccivil_03/_ato2004- 2006/2004/Lei/L10.973.htm>. Acesso em: 4 set. 2011.

LÉVESQUE, B. Les entreprises d’économie sociale, plus porteuses d’innovations sociales que les au tres? In: COLLOQUE DU CQRS AU CONGRES DE L’ACFAS, 2001, Montreal, Cahiers du CRISES, v. 0205, 2002.

LUCONI JUNIOR, Wilson. No lixo? Na Arte? um estudo da consciência política dos sujeitos participantes em empreendimentos de economia solidária em Tangará da Serra-MT.

Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, RS, 2011.

MANCE, E. A. A revolução das redes: a colaboração solidária como uma alternativa pós-capitalista à globalização atual. Petrópolis: Vozes, 1999.

NELSON, R. R.; WINTER, S. Uma teoria evolucionária da mudança econômica. Campinas: Unicamp, 2005.

RAZETO, L. Los caminos de la economía de solidaridad. Buenos Aires: LUMENHVMANITAS, 1997.

RODRIGUES, A. L. Modelos de gestão e inovação social em organizações sem fi ns lucrativos: divergências e convergências entre nonprofi t sector e economia social. Organizações & Sociedade, 14(43), p. 111-128, 2007.

ROSEMBERG, N. Por dentro da caixa preta: tecnologia e economia. Campinas: Unicamp, 2006.

SANTOS, B. S. Os processos de globalização. In: A globalização e as ciências sociais. São Paulo: Cortez, 2002.

______. Para um novo senso comum: a ciência, o direito e a política na transição paradigmática. 5. ed., São Paulo: Cortez, 2005. (v. 1).

SCHUMPETER, J. The theories of economic development. Cambridge, M.A: Harvard University, 1934.

SINGER, P.; KRUPPA, S. M. P. Senaes e a economia solidária – democracia e participação ampliando as exigências de novas tecnologias sociais. In: LASSANCE JR. et al. (Org.). Tecnologia social: uma estratégia para o desenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundação Banco do Brasil, 2004. p. 89-101.

SINGER, Paul. Introdução à economia solidária. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2002.

______. Globalização e desemprego. 6. ed. São Paulo: Contexto, 2003.

______. A economia solidária como ato pedagógico. In: Economia solidária e educação de jovens e adultos. Brasília: Inep, 2005.

SWEDBERG, R.; SMELSER, N. J. The handbook of economic sociology. New Jersey: Princeton University, 1994.

TAYLOR, J. B. Introdução à inovação social. Journal of Applied Behavioral Science, v. 6, n. 1, p. 69-77, 1970.

TORRES, M. D. F. Estado, democracia e administração pública no Brasil. Rio de Janeiro: FGV, 2004.

VÁSQUEZ-BARQUERO, A. Desarollo, rede e innovación: lecciones sobre desarrollo endógeno. Madrid: Pirâmide, 1999.

VILLAS-BOAS, R. (Org.). Os canais institucionais da participação popular. Participação popular nos governos locais. Pólis, São Paulo, n. 14, p. 55-62, 1994.

VYGOTSKI, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

Publicado
2016-02-04