A trajetória de um grupo de trabalho interinstitucional para a promoção da equidade em saúde na gestão municipal

Palavras-chave: Sistema Único de Saúde, equidade, política pública, discriminação social, educação permanente

Resumo

O Sistema Único de Saúde (SUS) brasileiro tem como um dos princípios a equidade, sendo que, em 2013, a fim de promover ações em saúde para efetivá-lo, o Ministério da Saúde (MS) criou a Política de Promoção da Equidade em Saúde. Entretanto criar essa política pública não garante sua aplicabilidade no cotidiano da assistência à saúde, sendo necessário reorganizar os processos de trabalho por meio da educação permanente dos profissionais da saúde para o enfrentamento das discriminações em cada realidade e envolvendo os diversos atores sociais. O presente artigo busca retraçar a trajetória do Grupo de Trabalho Interinstitucional Municipal (GTI-M) para a promoção da equidade em saúde na gestão de Cachoeirinha, município localizado no Rio Grande do Sul (RS). Para tanto, um relato de experiência foi feito por meio da análise documental dessa trajetória, no período de 2015 a 2019. Obteve-se que o GTI-M de Cachoerinha, RS, proporcionou iniciativas estratégicas no processo de trabalho nos serviços de saúde, visando à promoção da equidade para a população de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais (LGBT), negros e imigrantes, contribuindo para a aplicabilidade da política proposta pelo MS.

Biografia do Autor

Sabrina Pontes Buziquia, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS)

Mestra em Bioética pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR). Especialista em Gestão em Saúde Pública pela Universidade Estácio de Sá (UNESA). Graduada em Fisioterapia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Atualmente é bolsista de doutorado em Saúde Coletiva na Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS).

Gisele Cristina Tertuliano, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS)

Doutora em Saúde Coletiva pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). Mestra em Saúde Coletiva pela Universidade Luterana do Brasil (ULBRA). Especialista em Cuidado domiciliar e Saúde Comunitária pela Universidade Luterana do Brasil (ULBRA). Graduada em Enfermagem e Ciências Sociais pela Universidade Luterana do Brasil (ULBRA). Atualmente é docente no curso de Enfermagem no Centro Universitário Complexo de Ensino Superior de Cachoeirinha (CESUCA). Enfermeira no serviço de Vigilância Epidemiológica da Secretaria Municipal de Saúde de Cachoeirinha, Rio Grande do Sul.

Jardel Fischer Loeck, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS)

Doutor e Mestre em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Graduado em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Atualmente é bolsista de pós-doutorado em Saúde Coletiva da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS).

Referências

BACKSTROM, Bárbara; CARVALHO, Amélia; INGLÊS, Urbana. Imigração e saúde: o gabinete de saúde do CNAI enquanto observatório para o estudo das condições de acesso dos imigrantes aos serviços de saúde. Revista Migrações, Lisboa, n. 4, p. 161-89, 2009.

BARATA, Rita Barradas. Como e por que as desigualdades sociais fazem mal à saúde. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2009.

BARROS, Fernando Passos Cupertino; SOUSA, Maria Fátima. Equidade: seus conceitos, significações e implicações para o SUS. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 25, n. 1, p. 9-18, 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra: uma política para o SUS. Brasília-DF: Ministério da Saúde, 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política nacional de saúde integral da população negra: uma política para o SUS. Brasília-DF: Ministério da Saúde, 2013a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Políticas de promoção da equidade em saúde. Brasília-DF: Ministério da Saúde, 2013b.

BRASIL. Portaria n. 2.761, de 19 de novembro de 2013. Institui a política nacional de educação popular em saúde no âmbito do sistema único de saúde (PNEPSSUS). Brasília-DF: Ministério da Saúde, 2013c.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Grupo de trabalho de Humanização. Brasília-DF: Ministério da Saúde, 2008.

BRASIL. Portaria n. 198/GM/MS, de 13 de fevereiro de 2004. Institui a política nacional de educação permanente em saúde como estratégia do sistema único de saúde para a formação e o desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras providências. Diário Oficial da União, 13 fev. 2004.

BRASIL. Lei n. 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília-DF, 19 set. 1990. p. 18055-9.

CECCIM, Ricardo Burg. Educação permanente em saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface, Botucatu, v. 9, n. 16, p. 161-68, 2005.

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ASSESSORAMENTO POPULAR [CEAP]. O SUS e a efetivação do direto humano à saúde. Passo Fundo: Saluz, 2017. 127 p.

DUARTE, Cristina Maria Rabelais. Equidade na legislação: um princípio do sistema de saúde brasileiro? Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 5, n. 2, p. 443-63. 2000.

ESCOREL, Sarah. Equidade em saúde. In: PEREIRA, I. B.; LIMA J. C. F. Dicionário da educação profissional em saúde. Rio de Janeiro: Escola Politécnica em Saúde Joaquim Venâncio, 2008. Disponível em: http://www.sites.epsjv.fiocruz.br/dicionario/verbetes/equsau.html. Acesso em: 3 maio 2019.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projeto de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

GRUPO DE RESISTÊNCIA ASA BRANCA [GRAB]. Equidade e saúde da população LGBT: guia SUS. Fortaleza: GRAB, 2017. Disponível em: http://grab.org.br/new/index.php?option=com_content&view=article&id=258&catid=32&Itemid=44. Acesso em: 28 abr. 2019.

JOINT UNITED NATIONS PROGRAMME ON HIV/AIDS [UNAIDS]. Zero discriminação. Brasília-DF: UNAIDS, 2017. Disponível em: https://unaids.org.br/2017/03/conheca_zerodiscriminacao/. Acesso em: 3 maio 2018.

MASSIGNAM, Fernando Mendes; BASTOS, João Luiz Dornelles; NEDEL, Fúlvio Borges. Discriminação e saúde: um problema de acesso. Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, v. 24, n. 3, p. 541-44, jul./set. 2015.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 8. ed. São Paulo: Hucitec; Rio de Janeiro: Abrasco, 2004.

PARKER, Reginald; AGGLETON, Peter. Estigma, discriminação e aids. Rio de Janeiro: ABIA, 2001. (Coleção ABIA: cidadania e direitos, n. 1).

POLIT, Denise F.; HUNGLER, Bernadette P. Fundamentos de pesquisa em enfermagem. 3. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

RAMOS, Maria da Conceição Pereira. Globalização e multiculturalismo. Revista Eletrônica Inter-Legere, Natal, n. 13, p. 75-101, 2013.

SIQUEIRA, Sandra Aparecida Venâncio; HOLLANDA, Eliane; MOTTA José Inácio Jardim. Políticas de promoção de equidade em saúde para grupos vulneráveis: o papel do Ministério da Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 22, n. 5, p. 1397-406, 2017.

SOUTO, Kátia Maria Barreto; SENA, Ana Gabriela Nascimento; PEREIRA, Vinícius Oliveira de Moura; SANTOS, Lia Maria dos. Estado e políticas de equidade em saúde: democracia participativa? Saúde Debate, Rio de Janeiro, v. 40, n. especial, p. 49-62, 2016.

TURATO, Egberto Ribeiro. Tratado da metodologia da pesquisa clínico-qualitativa: construção teórico-epistemológica, discussão comparada e aplicação nas áreas da saúde e humanas. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2003.

TURNER, Bryan. Equality. London: New York; Ellis Horwood Limited: Tavistock Publications, 1986.

WERNECK, Jurema. Racismo institucional e saúde da população negra. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 25, n. 3, p. 535-49, 2016.

Publicado
2021-11-03
Como Citar
Buziquia, S. P., Tertuliano, G. C., & Fischer Loeck, J. (2021). A trajetória de um grupo de trabalho interinstitucional para a promoção da equidade em saúde na gestão municipal. Interações (Campo Grande), 22(3), 1001-1012. https://doi.org/10.20435/inter.v22i3.2993