Imigração e cidades: uma cartografia da arena pública de apoio aos imigrantes e refugiados em Florianópolis

Palavras-chave: Imigração, Ecossistema de Inovação Social, Arenas Públicas, Ação Pública, Cidades.

Resumo

A imigração humana é um processo mundial e histórico e que vem se intensificando nos últimos anos, especialmente com o fenômeno global dos refugiados. Inserindo-se nessa temática mais ampla, este artigo busca discutir como a ação pública diante da imigração vem ocorrendo no âmbito das cidades brasileiras, a partir de um estudo conduzido na cidade de Florianópolis. Tendo por fundamento a sociologia contemporânea dos problemas públicos, de base pragmatista, busca-se compreender como se configura a arena pública que se mobiliza em torno desse problema público no quadro do Ecossistema de Inovação Social da cidade. Como resultado, foi possível, a partir da consideração da historicidade do problema público (escala macro), cartografar as iniciativas de inovação social que atuam junto aos imigrantes/refugiados na cidade (escala meso) e observar as atividades de duas iniciativas que atuam nessa arena pública, buscando levantar seus alcances e limites em termos de influência na ação pública da cidade.

 

Biografia do Autor

Anderson Luís do Espírito Santo, Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc)

Doutorando em Administração na Universidade do Estado de Santa Catarina, Centro de Ciências da Administração e Socioeconômicas (Udesc-Esag). Mestre em Estudos Fronteiriços. Graduado em Administração na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Professor do curso de Administração na UFMS, Campus do Pantanal. Pesquisador do Observatório de Inovação Social de Florianópolis.

Carolina Andion, Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc)

Pós-doutora em Economia Social pelo Instituto Universitário de Pesquisa em Economia Social, Cooperativa e Empreendedorismo (Iudescoop) pela Universidade de Valência na Espanha. Doutora em Ciências Humanas pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestre em Administração pela Escola de Hautes Études Commerciales de Montréal (HEC). Professora associada do departamento de Administração Pública do Centro de Ciências da Administração e Socioeconômicas (Esag) da Universidade Estadual de Santa Catarina (Udesc). Pesquisadora do Observatório de Inovação Social de Florianópolis.

Referências

ALTO COMISIONADO DE LAS NACIONES UNIDAS PARA LOS REFUGIADOS (ACNUR). Tendencias Globales: desplazamiento forzado en 2017. UNHCR/ACNUR. Disponível em: https://bit.ly/2tdyc0p. Acesso em: 2 ago. 2018.

ALTO COMISIONADO DE LAS NACIONES UNIDAS PARA LOS REFUGIADOS (ACNUR). Definição de refugiados. UNHCR/ACNUR, 2016. Disponível em: https://bit.ly/2HrcY6Q. Acesso em: 28 nov. 2017.

ANDION, C.; ALPERSTEDT, G.; GRAEFF, J. Ecossistema de inovação social, sustentabilidade e experimentação democrática: um estudo em Florianópolis. Revista de Administração Pública, v. 54, n. 1, p. 181-200, 2020.

ANDION, C.; RONCONI, L; MORAES, R.; GONSALVES, A.; SERAFIM, L. Sociedade civil e inovação social na esfera pública: uma perspectiva pragmatista. Revista de Administração Pública, São Paulo, v. 3, n. 5, p. 369-87, 2017a.

ANDION. C. ALPERSTEDT, G.; GRAEFF, J. Ecossistemas de inovação social e sua incidência nas arenas públicas da cidade: um estudo na cidade de Florianópolis, Brasil. Anais Laemos, Buenos Aires, 2017b.

ANGENENDT, S. L'Europe et le monde en 2020: essai de prospective franco-allemande. Paris: Septentrion, 2011.

ARAÚJO, A. Reve de Brezil: a inserção de um grupo de imigrantes haitianos em Santo André, São Paulo-Brasil. 2015. 120 p. Dissertação (Mestrado em Ciências Humanas e Sociais) − Universidade Federal do ABC (Ufabc), Santo André, SP, 2015.

BARTHE, Y. (Org.). Sociologia Pragmática: guia do usuário. Sociologias. Porto Alegre, v. 18, n. 41, p. 84-129, jan./abr 2016.

BBC BRASIL. Total de mortos do Haiti chega a 230 mil e supera o do tsunami de 2004. 2010. Disponível em: https://bbc.in/2VOpqGx. Acesso em: 2 ago. 2018.

BIGNETTI, L. P. As inovações sociais: uma incursão por ideias, tendências e focos de pesquisa. Ciências Sociais Unisinos. Porto Alegre, v. 46, n. 1, p. 3-14, 2011.

BOLTANSKI, L.; THÉVENOT, L. A Sociologia da capacidade crítica. European Journal of Social Theory. Nova Delhi, v. 2, n. 3, p. 359-77, 1999.

BRASIL. Lei 13.445/2017. Lei da Migração. Brasília-DF, 2017. Disponível em: https://bit.ly/2Ebnqxf. Acesso em: 10 jan. 2018.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília-DF, 1988. Disponível em: https://bit.ly/2zxwfNc. Acesso em: 30 nov. 2017.

CEFAÏ, D. Públicos, problemas públicos e arenas públicas. O que nos ensina o pragmatismo. (Parte I). Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, v. 36, n. 1, p. 187-213, 2017a.

CEFAÏ, D. Públicos, problemas públicos e arenas públicas. O que nos ensina o pragmatismo. (Parte II) Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, v. 36, n. 2, p. 129-42, 2017b.

CEFAÏ, D. Grande exclusão e urgência social: cuidar dos moradores de rua de Paris. Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 3, n. 2, p. 265-86, 2013.

DEWEY, J. The public and its problems. Chicago: Swallow Press, 1927.

FERREIRA, L. C. Após 13 anos, missão no Haiti comandada pelo Brasil se aproxima do fim. Agência Brasil, Brasília, maio 2017. Disponível em: https://bit.ly/2qBFk61. Acesso em: 2 ago. 2018.

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS. Diretoria de Análise de Políticas Públicas. Imigração e desenvolvimento. Rio de Janeiro: FGV-DAPP, 2018. Disponível em: https://bit.ly/2gaqXNH. Acesso em: 2 ago. 2018.

FONTAN, J. M. ; KLEIN, J. L ; TREMBLAY, D. G. Social innovation at the territorial level: from Path Dependency to 17 Path Building. In: DREWE, P.; KLEIN, J-L; HULSBERGEN, E. The challenge of social innovation in urban revitalization. Amsterdam: DSP, 2008.

GUSFIELD, J. The culture of public problems: drinking-driving and the symbolic order. Chicago: The University of Chicago Press, 1981.

HOWALDT, J.; SCHWARZ, M. Social innovation: concepts, research fields, and international trends. Dortmund, 2010. Disponível em: https://bit.ly/2VOh7e5. Acesso em: 10 dez. 2018.

IBGE. Florianópolis. Disponível em: https://bit.ly/2AoQONV. Acesso em: 3 mar. 2019.

JORNAL A HORA DE SC. Senegaleses protestam e pedem legalização de suas atividades como ambulantes em Floripa. 2017. Disponível em: https://bit.ly/2HqDw8d. Acesso em: 6 mar. 2019.

JORNALISTAS LIVRES (2019). Prisão abusiva de imigrante africano faz do centro de Florianópolis praça de guerra. Disponível em: https://bit.ly/2VOILaL. Acesso em: 6 mar. 2019.

JORNAL NDMAIS. Após atender 5,4 mil imigrantes, Centro de Referência fechará as portas em Santa Catarina. 2019. Disponível em: https://bit.ly/2GtW9qA. Acesso em: 20 jan. 2020.

KALETKA, C. et al. Peeling the Onion: exploration of the layers of Social Innovation Ecosystems: modelling a context sensitive perspective on driving and hindering factors for SI. European Public Social & Social Innovation Review, v. 1, n. 2, p. 83-93, 2016.

KLEIN, J.-L. ; HARRISSON, D. L’innovation sociale. Québec: Presses de l’Université du Québec, 2007.

KLEIN, J-L. ; JETTE, C. ; CHAMPAGNE, C. ; ROY, M.; CAMUS, A. La transformation sociale par l´innovation sociale. Québec: Presses de l´Université du Québec, 2016.

LASCOUMES, P.; LE GALÈS, P. Sociologia da Ação Pública. Maceió: Edufal, 2012.

LEVESQUE, B. Économie sociale et solidaire et entrepreneur social: vers quels nouveaux écosystèmes? Reveue Interventions économiques. Quebec, n. 54, p. 1-45, 2016.

MASSEY, D. S.; KOUAOUCI, A.; PELLEGRINO, A.; ARANGO, J.; HUGO, G. Worlds in Motion: understanding international migration at the end of the millennium. Oxford: Oxford University Press, 1998.

MCPHEARSON, T.; ANDERSON, E.; ELMQVIST, T.; FRANTZESKAKI, N. Resilience of and through urban ecosystem services. [S.l.]: Ecosystem Services, 2014. Disponível em: https://bit.ly/2MAkhNg. Acesso em: 20 ago. 2019.

MEHMOOD, A. Institutional forms of social innovation. International Journal of Innovation and Sustainable Development, Glasgow, v. 10, n. 3, p. 300-11, 2016.

MOULAERT, F. ; MARTINELLI , F.; GONZALEZ, S.; SWYNGEDOUW, E. Introduction: social innovation and governance in European cities − urban development between path dependency and radical innovation. European Urban and Regional Studies, London, v. 14, n. 3, p. 195-209, 2007.

NICHOLS, A.; SIMON, J.; GABRIEL, M.; WHELAN, C. New frontiers in social innovation research. London: Open, 2015.

OLIVEIRA, M. A. M. O imigrante e as Fronteiras: armadilhas interpretativas. In: COSTA, E.; OLIVEIRA, M. Seminários de Estudos Fronteiriços. Campo Grande, MS: Ed. UFMS, 2009.

PHILLIPS, W.; LEE, H.; GHOBADIAN, A. Social Innovation and Social Entrepreneurship: a systematic review. Group & Organization Management, v. 40, n. 3, p. 1-10, 2014.

SAINT-DENIS, A. L’innovation sociale au service des réfugiés. Bruxelas: AEIDL, 2017. Disponível em: https://bit.ly/31RIt3S. Acesso em: 15 ago. 2019.

SANTO, A. L. O uso de fotografias e vídeos em pesquisa qualitativa: em busca de um novo olhar sobre os territórios fronteiriços. ADM.MADE, São Paulo, v. 22, n. 2, p. 3-34, 2018.

SAYAD, A. The Suffering of the Immigrant. Cambridge: Polity Press, 2004.

SINCLAIR, S.; BAGLIONE, S. Introduction: social innovation and social policy. Social Policy and Society, v. 13, n. 3, p. 409-410, 2015.

SPAUTZ, D. Santa Catarina tem 5,7 mil imigrantes no cadastro de programas sociais. NSC Total, [S.l.], jun. 2019. Disponível em: https://bit.ly/2ZomHRh. Acesso em: 15 set. 2019.

TAYLOR, J. Introducing Social Innovation. The Journal of Applied Behavioral Science. USA, v. 6, n. 6, p. 69-77, 1970.

TEPSIE. Building the social innovation ecosystem in Europe. Portugal: The Young Foundation, 2014.

THOMÉ, L; DIOGO, M. Paraíso para os haitianos, Santa Catarina vê crescer o número de imigrantes em busca de trabalho. Portal Nd+, Florianópolis, abr. 2014. Disponível em: https://bit.ly/2Wk3ov2. Acesso em: 1º ago. 2019.

THOMÉ, L. Haitianos: os imigrantes do século 21 em Santa Catarina. Portal Nd+, Florianópolis, maio 2015. Disponível em: https://bit.ly/2DYgVQ8. Acesso em: 15 set. 2018.

VETRANO, N. O papel do Estado e das organizações sociais na preservação dos Direitos Humanos do trabalhador migrante. In: PRADO, E. P.; COELHO, R. (Org.) Migrações e Trabalho. Brasília: Ministério Público do Trabalho, 2015.

WOLFRAM, M.; FRANTZESKAKI, N. Cities and systemic change for sustainability: prevailing epistemologies and an emerging research agenda. Sustainability, Switzerland, v. 8, n. 144, p. 1-18, 2016.

Publicado
2020-10-30