A importância do estudo dos impactos sociais junto às comunidades locais dos territórios que integram o Corredor Rodoviário Bioceânico

Palavras-chave: impactos sociais, território e comunidades locais, Corredor Bioceânico.

Resumo

Este artigo visa apresentar a constituição do Grupo de Trabalho “Impactos Sociais” vinculado à Rede Universitária da Rota do Corredor Bioceânico Porto Murtinho - Portos do Norte, Chile. O objetivo da criação desse grupo é o desenvolvimento de um programa de pesquisa e extensão com a finalidade de investigar, diagnosticar as realidades locais, identificar situações de vulnerabilidade e risco sociais vivenciados pelas populações que residem ao longo do território do Corredor Bioceânico Brasil – Paraguai - Argentina e Chile, com a intenção de propor o desenvolvimento de estratégias de enfrentamento dos problemas identificados, a fim de melhorar as condições de vida dessas comunidades. O GT estruturou-se em seis eixos de abordagem com formação de equipes distintas. O recorte geográfico de atuação dos pesquisadores brasileiros será o entorno do percurso que compreende Campo Grande e Porto Murtinho até o limite fronteiriço entre Brasil e Paraguai. A etapa inicial das pesquisas prevê a realização de um diagnóstico das comunidades locais atingidas pela construção do Corredor Bioceânico. Espera-se com o desenvolvimento dos trabalhos contribuir com as políticas públicas voltadas às temáticas de direitos humanos e processos de exclusão social.

Biografia do Autor

Luciane Pinho Almeida, Universidade Católica Dom Bosco
Graduação em Serviço Social e Pedagogia, Mestrado e Doutorado em Serviço Social UNESP, Professora da Pós-Graduação Stricto Sensu em Psicologia da Universidade Católica Dom Bosco.
Léia Lacerda Teixeira, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul – UEMS

Possui Graduação em Psicologia pela Universidade Católica Dom Bosco (1995), Mestrado em Psicologia pela Universidade Católica Dom Bosco (2003), Mestrado em História pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2004) e Doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo (2009). É professora  adjunta da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul no Curso de Pedagogia e no Programa de Mestrado Profissional em Educação.

Kátia Cristina Nascimento Figueira, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul – UEMS
Possui graduação em História - Faculdades Unidas Católicas de Mato Grosso (1987), mestrado em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (1997) e doutorado em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (2011). Atualmente é professora adjunta da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul nos cursos de graduação em Pedagogia e pós-graduação Stricto Sensu Mestrado Profissional em Educação.

Referências

ALBUQUERQUE, José Lindomar. Conflito e integração nas fronteiras dos “brasiguaios”. Caderno CRH, Salvador, v. 23, n. 60, p. 579-90, 2010.

BITTAR, Marisa. Sonho e realidade: vinte e um anos da divisão de Mato Grosso. Multitemas – Periódico das comunidades departamentais da UCDB, Campo Grande, n. 15, p. 93-124, out. 1999.

BRASIL. Decreto n. 6040, de 7 de fevereiro de 2007. Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6040.htm. Acesso em: 20 maio 2019.

CANDAU, Vera Maria Ferrão. A configuração de uma educação em direitos humanos. In: SILVEIRA, Rosa Maria Godoy; DIAS, Adelaide Alves; FERREIRA, Lúcia de Fátima Guerra; FEITOSA, Maria Luíza Pereira de Alencar Mayer; ZENAIDE, Maria de Nazaré Tavares (Org.). Educação em direitos humanos: fundamentos teórico-metodológicos. João Pessoa: Editora universitária, 2007, p. 399-412.

HAESBAERT, R. Dos múltiplos territórios à multiterritorialidade. In: I SEMINÁRIO NACIONAL SOBRE MÚLTIPLAS TERRITORIALIDADES, 1., Porto Alegre, 2004. Anais [...]. Porto Alegre: Programa de Pós-graduação em Geografia da UFRGS, 2004. Disponível em: http://www.uff.br/observatoriojovem/sites/default/files/documentos/CONFERENCE_Rogerio_HAESBAERT.pdf. Acesso em: 20 maio 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Demográfico 2010 de Ponta Porã. Rio de Janeiro: IBGE, 2011. Disponível em: http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=500660&search=mato-grosso-do-sul. Acesso em: 20 abr. 2013.

IAMAMOTO, Marilda Villela. Trabalho e indivíduo social: um estudo sobre a condição operária na agroindustria canavieira paulista. São Paulo: Cortez, 2001.

MACIEL, Léia Teixeira Lacerda. Corpos, culturas e alteridade em fronteiras: educação escolar e prevenção das Doenças Sexualmente Transmissíveis e da Aids entre indígenas da Reserva Kadiwéu, Mato Grosso do Sul – Brasil. 2009. Orientadora: Maria Cecília Cortez Christiano de Souza. 224 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP, 2009.

MARTINS, José de Souza. O tempo da fronteira. Retorno à controvérsia sobre o tempo histórico da frente de expansão e da frente pioneira. Tempo Social, São Paulo, v. 8, n. 1, p. 25-70, maio 1996. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/ts/article/view/86141/88825. Acesso em: 20 maio 2019.

MENESES, Antônio Vaz de; RODRIGUES, Francilene dos Santos. A construção de uma cultura de fronteira no espaço transfronteiriço do Brasil e da Guiana. Textos & Debates, Boa Vista, n. 27, v. 1, p. 53-66, jan./jun. 2015.

NASCIMENTO, Valdir Aragão do. Sobre a fronteira: alguns conceitos e aportes. In: Gustavo Villela Lima da Costa, Vanessa dos Santos Bodstein Bivar (Org.). As fronteiras em perspectiva interdisciplinar. Campo Grande: Ed. UFMS, 2013.

OLIVEIRA, Márcio Gimene de. A fronteira Brasil-Paraguai: principais fatores de tensão do período colonial até a atualidade. Orientadora: Marília Steinberger. Dissertação (Mestrado em Geografia), UNB, Brasília, 2008.

PAULO NETTO, José. Marxismo Impenitente: contribuição à história das ideias marxistas. São Paulo: Cortez, 2004.

RIBEIRO, Darcy. Kadiwéu: ensaios etnológicos sobre o saber, o azar e a beleza. Petrópolis: Vozes, 1980.

SILVA, Giovani José da. A construção física, social e simbólica da reserva indígena Kadiwéu (1899-1984): memória, identidade e história. Orientador: Gilson Rodolfo Martins. 2004. 114 f. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, MS, 2004.

SIQUEIRA JR., Jaime G. Esse campo custou o sangue dos nossos avós: a construção do tempo e espaço Kadiwéu. Orientador: Dominique Tilkin Gallois. 1993. 290 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, 1993.

SPINK, Mary Jane; SPINK, Peter (Org.). Práticas cotidianas e a naturalização da desigualdade: uma semana de notícias nos jornais. São Paulo: Cortez, 2006.

WEINGARTNER, Alisolete A. S. Movimento divisionista em Mato Grosso do Sul (1889-1930). Porto Alegre: Ed. Est, 1995.

Publicado
2019-07-30