Implicações do Programa de Formação-Ação em Escolas Criativas na prática pedagógica de uma escola do campo

Palavras-chave: Escola do campo, formação docente, transdisciplinaridade, ecoformação.

Resumo

As escolas do campo apresentam características peculiares, requisitando práticas pedagógicas que se aproximem do perfil dos estudantes e considerem a realidade das comunidades em que se inserem. A fim de priorizar essa perspectiva, este estudo teve como objetivo avaliar o potencial de uma ação extensionista, constituída por um programa de formação-ação, para a transformação da prática pedagógica e para o atendimento das necessidades formativas dos docentes de uma escola do campo de Santa Catarina. A formação foi acompanhada por uma pesquisa-ação, e a coleta de dados foi realizada por meio de dois questionários aplicados aos oito docentes que atuavam na escola. Os resultados indicam que a iniciativa contribuiu para redimensionar o planejamento e para estimular o trabalho colaborativo, a articulação do conteúdo curricular com a realidade do campo, o comprometimento e o interesse dos estudantes, a ampliação de diálogos fundamentados na teoria, a criatividade individual e coletiva e o protagonismo dos estudantes.

Biografia do Autor

Aline Lima da Rocha Almeida, Escola Municipal de Educação Básica (EMEB) Rodolfo Nickel

Mestre em Educação Básica pela Universidade Alto Vale do Rio do Peixe (UNIARP). Coordenadora Pedagógica na Rede Municipal de Ensino de Caçador.

Marlene Zwierewicz, Universidade Alto Vale do Rido do Peixe (UNIARP)

Doutora em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e Doutora em Educação pela Universidade de Jaén (UJA) – Espanha. Coordenadora do Programa de Pós-Graduação de Ensino em Educação Básica (PPGEB) − Mestrado Profissional da Universidade Alto Vale do Rio do Peixe (UNIARP). Coordenadora, junto com Saturnino de la Torre da Red Internacional de Escuelas Creativas (RIEC).

Referências

ABREU, T. R. As políticas sociais no neoliberalismo: expressões da luta de classes. In: JORNADA INTERNACIONAL EM POLÍTICAS PÚBLICAS, 8., 2017, São Luís. Anais [...]. São Luís: Universidade Federal do Maranhão, 2017, p. 1-5.

ASSOCIAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DO ALTO VALE DO RIO DO PEIXE (AMARP). Diretriz Curricular da Educação Infantil. Videira: Secretaria Municipal de Educação, 2016. Disponível em: https://static.fecam.net.br/uploads/834/arquivos/1708164_Diretriz_Curricular_Educacao_Infantil____AMARP.pdf. Acesso em: 20 fev. 2018.

ARANHA, M. L. A. História da educação e da pedagogia: geral e Brasil. 3. ed. rev. e ampl. São Paulo: Moderna, 2006.

BOURDIEU, P. A miséria do mundo. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular: educação é a base. Brasília: MEC, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_publicacao.pdf. Acesso em: 12 ago. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Matrizes da Prova Brasil e do SAEB. Brasília-DF: MEC, 2008. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/prova-brasil/matrizes-da-prova-brasil-e-do-saeb. Acesso em: 2 set. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Educação do Campo: diferenças mudando paradigmas. Brasília-DF: MEC, 2007. (Cadernos Secad2).

CARDOSO, J. P. et al. Psychosocial work-related factors and musculoskeletal pain among schoolteachers. Cadernos de Saúde Pública, n. 27, v. 8, p. 1498-506, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2011000800005. Acesso em: 27 nov. 2018.

GATTI, B. A.; BARRETO, E. S.; ANDRÉ, M. E. D. A. Políticas docentes no Brasil: um estado da arte. Brasília: UNESCO, 2011.

GONZÁLEZ VELASCO, J. M. Pensamiento religado: ligar para religar. La Paz: Prisa, 2018.

MAGNO, M. S. M. et al. Análise dos sintomas osteomusculares de professores do ensino fundamental em Matinhos (PR). Fisioterapia em Movimento, Curitiba, v. 4, n. 25, p. 785-94, 2012.

MORAES, M. C. Complexidade e educação: em busca de novos fundamentos teóricos e metodológicos. In: TORRE, S.; ZWIEREWICZ, M.; FURLANETTO, E. C. (Org.). Formação docente e pesquisa transdisciplinar: criar e inovar com outra consciência. Blumenau: Nova Letra, 2011. p. 17-46.

MORIN, E. Ensinar a viver: manifesto para mudar a educação. Tradução de Edgard de Assis Carvalho e Mariza Perassi Bosco. Porto Alegre: Sulina, 2015.

MORIN, E. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Tradução de Eloá Jacobina. 16. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009.

NICOLESCU, B. Transdisciplinariedad: pasado, presente y futuro. In: MARTINEZ, A. C.; GALVANI, P. (Org.). Transdisciplinariedad y formación universitária: teorías y prácticas emergentes. Puerto Vallarta: CEUArkos, 2014. p. 45-90.

NICOLESCU, B. O Manifesto da transdisciplinaridade. Tradução de Lucia Pereira de Souza. 3. ed. São Paulo: TRIOM, 2005.

NÓVOA, A. Formação de professores e trabalho pedagógico. Lisboa: Educa, 2002.

NÓVOA, A. Professor se forma na escola. Nova Escola, São Paulo, maio 2001. Disponível em: https://novaescola.org.br/conteudo/179/entrevista-formacao-antonio-novoa. Acesso em: 20 maio 2017.

NÓVOA, A. et al. (Org.). Formação de professores e profissão docente. Tradução de Graça Cunha, Cândida Hespanha, Conceição Afonso e José António Souza Tavares. Lisboa: Dom Quixote, 1992.

RIBEIRO, O. C.; MORAES, M. C. Criatividade em uma perspectiva transdisciplinar: rompendo crenças, mitos e concepções. Brasília: Liber Livro, 2014.

SANTOS, A. Complexidade e transdisciplinaridade em educação: cinco princípios para resgatar o elo perdido. In: SANTOS, A.; SOMMERMANN, A. (Org.). Complexidade e transdisciplinaridade: em busca da totalidade perdida. Porto Alegre: Sulina, 2009. p. 15-38.

SANTOS, A. O que é transdisciplinaridade. Rural Semanal, Rio de Janeiro, v. 28, n. 31, ago. 2005. Disponível em: http://www.ufrrj.br/leptrans/arquivos/O_QUE_e_TRANSDISCIPLINARIDADE.pdf. Acesso em: 15 mar. 2018.

SILVA, A. T. R. Ecoformação: reflexões para uma pedagogia ambiental, a partir de Rousseau, Morin e Pineau. Desenvolvimento e Meio Ambiente, Curitiba, n. 18, p. 95-104, jul./dez. 2008.

SILVA, D. Globalização, europeização e educação de adultos: reflexões sobre o programa novas oportunidades em Portugal. Revista Pedagógica, v. 32, n. 16, p. 141-68, 2014. Disponível em: https://bell.unochapeco.edu.br/revistas/index.php/pedagogica/article/view/2727/1551. Acesso em: 17 jun. 2018.

TORRE, S. Movimento de Escolas Criativas: fazendo parte da história de formação e transformação. In: ZWIEREWICZ, M. Criatividade e inovação no Ensino Superior: experiências latino-americanas e europeias em foco. Blumenau: Nova Letra, 2013. p. 139-62.

TORRE, S. Projeto Inovar com outra consciência: transdisciplinaridade na sala de aula universitária. In: ZWIEREWICZ, M.; TORRE, S. (Org.). Uma escola para o século XXI: escolas criativas e resiliência na educação. Florianópolis: Insular, 2009. p. 193-206.

TORRE, S.; ZWIEREWICZ, M. Projetos criativos ecoformadores. In: ZWIEREWICZ, M.; TORRE, S. (Org.). Uma escola para o século XXI: escolas criativas e resiliência na educação. Florianópolis: Insular, 2009. p. 153-76.

UNIVERSIDADE ALTO VALE DO RIO DO PEIXE (UNIARP). Programa de Mestrado Profissional em Educação Básica. Caçador, 2018. Disponível em: https://www.uniarp.edu.br/home/ensino/mestrado/mestrado-profissional-educacao-basica/. Acesso em: 5 jan. 2018.

UNIVERSIDADE DE BORÅS. Objectives and Visions. Borås: Universidade de Borås 2012.

ZWIEREWICZ, M. Programa de Formação-Ação em Escolas Criativas: matizes da pedagogia ecossistêmica na formação de docentes da Educação Básica. In: DITTRICH, M. G. et al. (Org.). Políticas Públicas na contemporaneidade: olhares cartográficos temáticos. Itajaí: Univali, 2017. p. 217-31.

ZWIEREWICZ, M. et al. Escolas Criativas: experiências transformadoras potencializadas na interação do Ensino Superior com a Educação Básica. Polyphonía, Goiânia, v. 27, n. 1, jan./jun. 2016.

ZWIEREWICZ, M. et al. Pedagogia ecossistêmica, transdisciplinaridade e ecoformação na gestão da Educação Básica: uma iniciativa da Secretaria de Educação de Paulo Lopes. In: SEMINÁRIO DA REDE INTERNACIONAL DE ESCOLAS CRIATIVAS – EDUCAÇÃO TRANSDISCIPLINAR: EMERGEM ESCOLAS CRIATIVAS E TRANSFORMADORAS, 3., 2017, Palmas. Anais […]. Palmas: Universidade Federal do Tocantins, 2017. p. 1846-56.

Publicado
2021-06-02