Processo de (des)territorialidade em uma comunidade rural na Bahia

Palavras-chave: desenraizamento, identidade, território.

Resumo

A globalização do meio rural ocorre paralelamente ao processo de desterritorialização, gradativo, intenso e generalizado, despertando reflexões sobre os temas identidade e território. Este estudo visa descrever como uma empresa fumageira influenciou na perda de identidade sociocultural da Comunidade Rural de Laranjeiras, Muritiba (BA), mediante processos de desterritorialização. Os dados foram coletados e descritos a partir da observação aberta, com uso de entrevista não estruturada, marcada por conversas informais. A presença da empresa desencadeou intenso processo de “des-pertencimento”/desenraizamento familiar, provocando perda de identidade sociocultural e costumes, além da consequente redução de espaço físico da comunidade. Foi destacada a crescente insalubridade local pelo aumento de materiais particulados, intenso tráfego de veículos e o odor característico de insumos químicos na monocultura do fumo. Ainda assim, a comunidade parece acreditar que a indústria é “um mal necessário”, pois oferece emprego à maioria da comunidade. Verificou-se, também, o êxodo dos jovens, que se deslocaram em busca de melhores salários e enfrentaram o processo de desenraizamento. Outra problemática vivenciada pela comunidade é o aparecimento de doenças atribuídas ao uso indiscriminado de agrotóxicos na lavoura do fumo, por ação da empresa. É possível concluir que a comunidade em questão vivencia desenraizamento e desterritorialização sociocultural e econômica, associados à expropriação de direitos e costumes tradicionais, inseridos no processo de globalização do meio rural.

Biografia do Autor

Divaney Mamédio, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB)

Doutor em Zootecnia pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), Paraná, Brasil.

Jesus Manuel Delgado Mendez, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB)

Docente do Centro de Ciências Agrárias, Ambientais e Biológicas, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia.Tutor do Programa de Educação Tutorial Conexões de Saberes Socioambientais.

Renato de Almeida, , Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB)

Doutor em Oceanografia pela Universidade de São Paulo (USP). Docente do Centro de Ciências Agrárias, Ambientais e Biológicas, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB).

Simone Barequeiro de Santana, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB)

Graduanda em Tecnologia de Gestão em Cooperativas, Centro de Ciências Agrárias, Ambientais e Biológicas na Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB).

Referências

ABRAMOVAY, R. Para uma teoria dos estudos territoriais. In: MANZANAL, M.; NEIMAN, G.; LATTUADA, M. (Ed.). Desarrollo rural: organizaciones, instituciones y territorios. 1. ed. Ediciones Ciccus: Buenos Aires, 2006.

ALBAGLI, S. Território e territorialidade. In: LAGES, V.; BRAGA, C.; MORELLI, G. (Orgs.). Territórios em movimento: cultura e identidade como estratégia de inserção competitiva. 1. ed. Rio de Janeiro: Relume Damará/Brasília: SEBRAE, 2004.

ALMEIDA, E. A.; ZIMMERMANN, M. H.; GONÇALVES, C. S.; GRDEN, C. R. B.; MACIEL, M. A. S.; BAIL, L.; ITO, C. A. S. Agrotóxicos e o risco à saúde entre fumicultores. Publicatio UEPG: Ciências Biológicas e da Saúde, Ponta Grossa, v. 17, n. 2, p. 133-9, jul./dez. 2012.

ANDRADE, M. A.; POY, C. D.; TEIXEIRA, M. C. Formas de utilização e percepção de risco do uso de agrotóxicos por agricultores na comunidade laranjeiras, município de Muritiba-BA. In: SEABRA, G. (Org.). Congresso Nacional de Educação Ambiental e do Encontro Nordestino de Biogeografia: educação e cooperação pela água para a conservação da biodiversidade. 3. ed. João Pessoa: Editora da UFPB, 2013.

BORTONE, F. A. S.; LUDWIG, M. P.; XAVIER, K. D. Contradições da modernidade no processo de des/re/territorialização do lugar: o caso dos atingidos pela construção da Hidrelétrica Candonga. Revista ELO – Diálogos em Extensão, Viçosa, v. 5, n. 2, p. 1-12, out. 2016.

BOSI, E. Cultura e desenraizamento. In: BOSI, A. (Org.). Cultura brasileira: temas e situações. 4. ed. São Paulo: Ática, 1999.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Agrário. Referências para a gestão social de territórios rurais. Brasília-DF: MDA, 2005. Disponível em: http://sge.mda.gov.br/bibli/documentos/tree/doc_216-28-11-2012-11-38-397290.pdf. Acesso em: 10 fev. 2018.

DANNA, M. F.; MATOS, M. A. Apreendendo a observar. 2. ed. São Paulo: Edicon, 2006.

DUARTE, D. A.; LUZIO, C. A. (Des) territorialidade: caminhos percorridos por trabalhadores sujeitos ao processo migratório interno e sua relação subjetiva com o trabalho. In: BATISTA, R. L. (Org). Anais do VI Seminário do Trabalho: trabalho, economia e educação. 1. ed. Marília: Ed. Grafica Massoni, 2008.

FREITAS, A. F. Por uma abordagem relacional do desenvolvimento territorial rural. Revista de Economia e Sociologia Rural, Piracicaba, v. 54, n. 4, p. 667-90, out./dez. 2016.

GIANNETTI, E. Trópicos utópicos. 1. ed. São Paulo: Cia. das Letras, 2016.

HAESBAERT, R. O Mito da Desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. 6. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011.

HAESBAERT, R. Território e multiterritorialidade: um debate. GEOgraphia, Niterói, v. 9, n. 17, p. 19-46, 2007.

HAESBAERT, R. O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004a.

HAESBAERT, R. Des-caminhos e perspectivas do território. In: RIBAS, A. D.; SPOSITO, E. S.; SAQUET, M. A. (Org.). Território e desenvolvimento: diferentes abordagens. Francisco Beltrão: Unioeste, 2004b.

IANNI, O. A sociedade global. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1993.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Estimativas da população residente no Brasil e unidades da federação com data de referência em 1º de julho de 2017. Rio de Janeiro: IBGE, 2017. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/informacoes-por-cidade-e-estado.html?t=destaques&c=2922300. Acesso em: 5 dez. 2018.

KAPLAN, C. Deterritorializations: the rewriting of home and exile in Western Feminist discourse. In: JANMOHAMMED, A.; LLOYD, D (Ed.). The nature and context of minority discours. Nova York; Oxford: Oxford University Press, 1990.

MENEGHELA, S. N.; VICTORAB, C. G.; FARIAC, N. M. X.; CARVALHOD, L. A.; FALKE, J. W. Características epidemiológicas do suicídio no Rio Grande do Sul. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 38, n. 6, p. 804-10, maio 2004.

MORAES, A. C. R.; COSTA, W. M. Geografia crítica: a valorização do espaço. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 1984.

OLIVEIRA, A. M. C. V. S. Processos de desterritorialização e filiação ao lugar: o caso da Aldeia da Luz. 2011. 171p. Dissertação (Mestrado em Geografia Humana, Planeamento e Territórios Saudáveis) – Universidade de Coimbra, Coimbra, PT, 2011.

PAGÈS, M., BONETTI, M.; GAULEJAC, V. O poder das organizações. 1. ed. São Paulo: Atlas, 1987.

PIGNATTI, M. G. No caminho da proteção ambiental: ações para a saúde humana e ambiente na população campesina do Pantanal Mato-Grossense, Brasil. Cadernos Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 23, n. 4, p. 453-9, out. 2015.

PIMBERT, M. P.; PRETTY, J. N. Parques, comunidades e profissionais: incluindo “participação” no manejo de áreas protegidas. In: DIEGUES, A. C. (Org.). Etnoconservação: novos rumos para a proteção da natureza nos trópicos. 2. ed. São Paulo: UCITEC, 2000.

RAHNEMA, M. Participation. In: SACHS, W. (Ed). The Development Dictionary. 2. ed. Londres: Zed Books Ltda., 1992.

SACK, R. D. Human territoriality: its theory and history. Cambridge: Cambridge University Press, 1986.

SANTOS, A. V.; SILVA, M. A. S. Avaliação de características habitacionais de domicílios rurais em recortes territoriais sergipanos. Revista de Economia e Sociologia Rural, Piracicaba, v. 54, n. 1, p. 109-30, jan./mar. 2016.

SANTOS, D. M.; TEIXEIRA, M. C.; MENDEZ, J. M. D.; PUGAS, A. S. Tipologias biofílicas na percepção sobre a caça em uma comunidade rural do recôncavo da Bahia: subsídios à Educação Ambiental para conservação da biodiversidade. Revista Brasileira de Educação Ambiental, São Paulo, v. 10, n. 2, p. 25-35, jun. 2015.

SANTOS, M. A natureza do espaço: espaço e tempo – razão e emoção. 3. ed. São Paulo: Hucitec, 1999.

SCHNEIDER, S.; TARTARUGA, I. G. P. Território e abordagem territorial: das referências cognitivas aos aportes aplicados à análise dos processos sociais rurais. Revista Raízes, Campina Grande, v. 23, n. 1 e 2, p. 99-116, jan./dez. 2004.

SCHOENHALS, M.; FOLLADOR, C. A. F.; SILVA, C. Análise dos impactos da fumicultura sobre o meio ambiente, à saúde dos fumicultores e iniciativa de gestão ambiental na indústria do tabaco. Engenharia Ambiental: Pesquisa e Tecnologia, Espírito Santo do Pinhal, v. 6, n. 2, p. 16-37, maio/ago. 2009.

SILVA, S. P. A abordagem territorial no planejamento de políticas públicas e os desafios para uma nova relação entre estado e sociedade no Brasil. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, São Paulo, v. 17, n. 60, p. 148-168, jan./jun. 2012.

SOJA, E. W. The political organization of space. 1. ed. Washington: Association of American Geographers, 1971.

TEIXEIRA, O. A.; MELO, R. L.; FRANÇA, V. L. A. A experiência de territorialização para o planejamento regional em Sergipe. Economia Política do Desenvolvimento, Maceió, v. 14, n. 12, p. 91-128, set./dez. 2011.

TUAN, Y. F. Espaço e Lugar: a perspectiva da experiência. São Paulo: DIFEL, 1983.

TUAN, Y. F. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. Ed. São Paulo: DIFEL, 1980.

VARGAS, M. A.; OLIVEIRA, B. F. Estratégias de diversificação em áreas de cultivo de tabaco no Vale do Rio Pardo: uma análise comparativa. Revista de Economia e Sociologia Rural, Piracicaba, v. 50, n. 1, p. 157-74, jan./mar. 2012.

VARGAS, M. A.; CAMPOS, R. R. Crop substitution and diversification strategies: empirical evidence from selected brazilian municipalities. Washington, DC: The World Bank, 2005. Disponível em: http://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/download?doi=10.1.1.529.6787&rep=rep1&type=pdf. Acesso em: 5 fev. 2018.

VIANNA, H. M. Pesquisa em educação: a observação. 5. ed. Brasília: Líber Livro Editora, 2007.

WEIL, S. A. O enraizamento. 1. ed. Bauru: EDUSC, 2001.

Publicado
2021-06-02
Como Citar
Mamédio, D., Delgado Mendez, J. M., de Almeida, R., & Barequeiro de Santana, S. (2021). Processo de (des)territorialidade em uma comunidade rural na Bahia. Interações (Campo Grande), 22(1), 67-82. https://doi.org/10.20435/inter.v22i1.2347