Colonialidade do poder: a formação do eurocentrismo como padrão de poder mundial por meio da colonização da América

Palavras-chave: colonialidade, eurocentrismo, América Latina

Resumo

Parte-se da compreensão de que a tradição da cultura política e jurídica na América Latina é reflexo de um processo histórico de colonialidade, exploração, dependência e exclusão de múltiplos segmentos societários. Assim, realiza-se um estudo partindo dos três aspectos que possibilitaram a dominação do norte sobre os países do sul global: eurocentrismo, como matriz cultural; colonialismo, como matriz institucional; e capitalismo, como matriz econômica. Passa-se pela compreensão da formação da modernidade, com base no eurocentrismo e no processo de colonização do continente. Em seguida, analisa-se o novo padrão de poder. E, por fim, busca-se abordar a dependência econômica como produto da colonialidade. Desta forma, o objetivo do presente trabalho é compreender o que tem sido chamado de colonialidade do poder, enquanto produto da invasão ibérica do continente americano. Para tanto, utilizar-se-á, como método, o materialismo histórico e dialético para auxiliar na verificação das contradições fundamentais e secundárias na América Latina e na diferenciação das várias etapas de desenvolvimento dessas contradições e fenômenos. Referências bibliográficas serão utilizadas como instrumento de pesquisa, destacando-se os textos de Aníbal Quijano, Enrique Dussel e Walter Mignolo, com atenção àqueles relativos à colonialidade do poder.

Biografia do Autor

Fernando Joaquim Ferreira Maia, Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Doutor e mestre em Direito pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), especialista em Direito Processual Civil pela UFPE. Professor associado do Centro de Ciências Jurídicas da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Ciências Jurídicas (PPGCJ/UFPB).

Mayara Helenna Verissimo de Farias, Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Mestre em Ciências Jurídicas pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Jurídicas (PPGCJ) da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), na área de Direito Econômico. Advogada.

Referências

BAGÚ, Sérgio. Economía de la sociedad colonial: ensayo de historia comparada de America Latina. Madrid: Akal, 1977.

CORONIL, Fernando. Natureza do pós-colonialismo: do eurocentrismo ao globocentrismo. In: LANDER, Edgardo (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais – perspectivas latino-americanas. Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina: Clacso, 2005. p. 50-62.

DUSSEL, Enrique. 20 teses de política. Buenos Aires: Clacso, 2007.

DUSSEL, Enrique. Europa, modernidade e eurocentrismo. In: LANDER, Edgardo (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais – perspectivas latino-americanas. Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina: Clacso, 2005.

DUSSEL, Enrique. Oito ensaios sobre cultura latino-americana e libertação. São Paulo: Paulinas, 1997.

DUSSEL, Enrique. 1492: o encobrimento do outro: a origem do mito da modernidade. Petrópolis, RJ: Vozes, 1993.

DUSSEL, Enrique. ¿Descubrimiento o invasión de América? Visión histórico-teológica. Concilium Revista Internacional de Teología, [S. l.], n. 20 (separata), p. 481-8, nov. 1988.

GALEANO, Eduardo. As veias abertas da América Latina. Tradução de Galeno de Freitas. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985. v. 12. Título original: Las venas abiertas de America Latina.

LANDER, Edgardo. Ciências Sociais: saberes coloniais e eurocêntricos. In: LANDER, Edgardo (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais – perspectivas latino-americanas. Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina: Clacso, 2005.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MARIÁTEGUI, José Carlos. Sete ensaios de interpretação da realidade peruana. 2. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

MARINI, Ruy Mauro. Dialética da dependência. In: SADER, Emir. Dialética da dependência. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

MARX, Karl. O 18 Brumário de Luís Bonaparte. In: MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Textos. São Paulo: Edições Sociais, 1978, p. 199-285.

MIGNOLO, Walter. La idea de América Latina: la herida colonial y la opción decolonial. Barcelona: Editorial Gedisa Blackwell Publishing, 2007.

O’GORMAN, Edmundo. La invención de América. México: Universidad Autónoma de México, 1958.

POLITZER, Georges. Princípios elementares de Filosofia. 2018. Disponível em: http://www.dorl.pcp.pt/images/SocialismoCientifico/politzer.pdf. Acesso em: 25 fev. 2018.

PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter. Apresentação. In: LANDER, Edgardo (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais – perspectivas latino-americanas. Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina: Clacso, 2005. p. 3-5.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais – perspectivas latino-americanas. Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina: Clacso, 2005a. p. 107-30.

QUIJANO, Anibal. Dom Quixote e os moinhos de vento na América Latina. Estudos Avançados, São Paulo, v. 19, n. 55, p. 9-31, set./dez. 2005b.

QUIJANO, Anibal. El laberinto de América Latina: ¿hay otras salidas? OSAL, Observatorio Social de América Latina. Buenos Aires: Clacso, ano V, n. 13, 2004, p. 15-30.

SANTOS, Theotônio dos. El gobierno de Allende y la lucha por el socialismo en Chile. Cidade do México: IEEE / Unam, 1976. v. 1.

Publicado
2020-09-16