O significado do declínio organizacional: o caso UFN III

Palavras-chave: declínio organizacional, experiência dos trabalhadores, Unidade de Fertilizantes Nitrogenados III.

Resumo

Esta pesquisa buscou descrever as significações das experiências de ex-funcionários da construção da Unidade de Fertilizantes Nitrogenados III em Três Lagoas, MS, a partir do fenômeno de declínio organizacional. A metodologia consistiu de análise documental e entrevistas.  Nos resultados organizaram-se as ideias centrais do conteúdo dos relatos em mapas coletivos que representam o esquema cognitivo do declínio organizacional. As conclusões do estudo evidenciam que o fenômeno ainda é muito pouco explorado, especialmente tendo o indivíduo como unidade de análise.

Biografia do Autor

Eveli Freire Vasconcelos, Universidade Católica Dom Bosco
Possui graduação , mestrado e doutorado em Psicologia pela UCDB . Atua como docente e supervisora de estágio no Curso de Graduação em Psicologia.Tem experiência em Psicologia,Organizações e Trabalho, atuando principalmente em temas da área: gestão de pessoas, comportamento organizacional.
Antonio Virgílio Bittencourt Bastos, UFBA
Graduação em Psicologia pela Universidade Federal da Bahia (1976), mestrado em Educação pela Universidade Federal da Bahia (1982) e doutorado em Psicologia pela Universidade de Brasília (1994), com concentração em Psicologia Organizacional e do Trabalho. Atualmente é professor titular de Psicologia Social das Organizações, no Instituto de Psicologia da Universidade Federal da Bahia. Foi membro do Conselho Federal de Psicologia (1984-1988), sendo presidente em 1986. Atuou como membro da comissão de especialistas em ensino de Psicologia do MEC/SESu (1994-2000). Foi membro do CA de Psicologia do CNPq, da Comissão de Psicologia do INEP e da comissão de área da Psicologia na CAPES. Atualmente é Coordenador da Área de Psicologia da CAPES e membro, no INEP, da Comissão de Psicologia para o ENADE. Pesquisador I-A do CNPq, atuando principalmente em temas da área de Comportamento Organizacional, a exemplo de: comprometimento no trabalho, mudancas organizacionais, significado do trabalhar, cognições organizacionais, mapas cognitivos e redes sociais em contextos organizacionais.

Referências

AXELROD, R. Schema Theory: an information processing model of perception and cognition. American Political Science Review, Reino Unido, v. 67, n. 4, p. 1248-66, 2014.

BASTOS, A. V. B.; JANISSEK, J. Cognição nas organizações de trabalho. In: ZANELLI, J. C.; BORGES-ANDRADE, J. E.; BASTOS, A. V. B. (Org.). Psicologia organizações e trabalho no Brasil. Porto Alegre: Artmed, 2014. p. 203-43.

BASTOS, A. V. B; LOIOLA, E.; QUEIROZ, N. S.; SILVA, T. D. Conceito e perspectivas do estudo das organizações. In: ZANELLI, J. C.; BORGES-ANDRADE, J. E.; BASTOS, A. V. B. (Org.). Psicologia organizações e trabalho no Brasil. Porto Alegre: Artmed, 2014. p. 73-108.

BREAKWELL, G. M. et al. Métodos de pesquisa em Psicologia. Tradução de Felipe Rangel Elizalde. Porto Alegre: Artmed, 2010.

CALDAS, M. P. Demissão, plural e singular: um estudo sobre enxugamentos de pessoal no nível organizacional e sobre perda de emprego no nível individual. Orientador: Fernando C. Prestes Motta. 1998. 374 f. Tese (Doutorado em Administração) – Escola de Administração de Empresas de São Paulo, Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, SP, 1998.

CALDAS, M. P. Demissão, plural e singular: um estudo sobre enxugamentos de pessoal no nível organizacional e sobre perda de emprego no nível individual. Orientador: Fernando C. Prestes Motta. 1998. 374 f. Tese (Doutorado em Administração) – Escola de Administração de Empresas de São Paulo, Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, SP, 1998.

CARVALHO, K. L. Uma proposta para o diagnóstico do declínio organizacional. Orientador: Reinaldo Pacheco da Costa. 2013. 196f. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) – Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, 2013. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/3/3136/tde-07062014-121156/. Acesso em: 23 dez. 2015. DOI: 10.11606/T.3.2013.tde-07062014-121156

D’AVENI, R. A. The Aftermath of Organizational Decline: a longitudinal study of the strategic and managerial characteristics of declining firms. The Academy of Management Journal, Estados Unidos, v. 32, n. 3, p. 577-605, 1989.

EGGERS, J. P.; KAPLAN, S. Cognition and Renewal: comparing CEO and Organizational Effects on Incumbent Adaptation to Technical Change. Organization Science, Estados Unidos, v. 20, n. 2, p. 461-77, 2009. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1287/orsc.1080.0401. Acesso em: 26 fev. 2016.

GANZ, L. C. Desafios para o crescimento e o emprego. Estudos Avançados, São Paulo, v. 29, n. 85, p. 21-33, 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010340142015000300003&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 20 out. 2016. DOI: 10.1590/S0103-40142015008500003.

HOWARD, J. A.; RENFROW, D. G. Social Cognition. In: DELAMATER, J. (Ed.). Handbook of Social Psychology. Nova Iorque: Kluwer Academic/Plenum Publishers, p.259-281, 2003.

LABIANCA, G.; GRAY B.; BRASS, D. J. A grounded model of organizational schema change during empowerment. Organization Science, Estados Unidos, v. 11, n. 2, p. 235-57, 2000.

MADEIRA, P. Falência ou recuperação empresarial como resultado do declínio organizacional: uma estrutura conceptual explicativa. GESTIN: Revista de Escola Superior de Gestão, Portugal, v. 2, n. 2, p. 191-206, 2003. Disponível em: http://repositorio.ipcb.pt/bitstream/10400.11/235/1/PauloMadeira191-206Documento%20do%20Microsoft%20Office%20Word.pdf. Acesso em: 23 dez. 2015.

MCKERNAN, S. M. The impact of microcredit programs on self-employment profits: do noncredit program aspects matter? Review of Economics and Statistics, Estados Unidos, v. 84, n. 1, p. 93-115, 2002.

MOHAMMED, S.; KLIMOSKI, R.; RENTSCH, J. R. The Measurement of team mental models: we have no shared schema. Organizational Research Methods, Estados Unidos, v. 3, n. 123, p. 123-65, 2000.

NOBRE, F. S.; TOBIAS, A. M.; WALKER, D. S. Uma visão da empresa baseada em habilidades: contextos estratégicos e contingenciais. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 15, n. 3, p .413-32, 2011. Disponível em: http://www.anpad.org.br/rac. Acesso em: 20 jan. 2016.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO. Agricultura brasileira: perspectivas e desafios – OCDEFAO. OCDE, 2015. Disponível em: https://www.fao.org.br/download/PA20142015CB.pdf. Acesso em:

PROGRAMA DE MOBILIZAÇÃO DA INDÚSTRIA NACIONAL DE PETRÓLEO E GÁS. Unidade de Fertilizantes Nitrogenados III: RIMA – Relatório de Impacto Ambiental. Campo Grande, MS: Petrobrás, [s.d.]. Disponível em: http://www.servicos.ms.gov.br/imasuldownloads/rimas/RIMAUFNIII.pdf. Acesso em: 23 out. 2015.

REGO, A.; CUNHA, M. A essência da liderança. Lisboa: Editora RH, 2003.

RIEG, D. L.; ARAUJO FILHO, T. Mapas cognitivos como ferramenta de estruturação e resolução de problemas: o caso da Pró-Reitoria de Extensão da UFSCar. Gestão e Produção, São Carlos, v. 10, n. 2, p. 145-62, 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-530X2003000200003&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 11 fev. 2016. DOI: 10.1590/S0104-530X2003000200003

RIOS, M. C.; LULA, A. M.; AMARAL, N. A.; BASTOS, A. V. B. Contratos psicológicos e comprometimento: o mapeamento cognitivo dos construtos junto a profissionais de RH. Acta Científica, São Paulo, v. 1, n. 16, p. 9-24, 2009.

ROUSSEAU, D. M. Schema, promise and mutuality: the building blocks of the psychological contract. Journal of occupational and organizational psychology, Inglaterra, v. 74, n. 4, p. 511-41, 2001.

SALLES, L. F. Como as empresas brasileiras da indústria têxtil lidam com o declínio? Um estudo multicaso das ações estratégicas. Orientador: Fernando Antonio Ribeiro Serra, 2015. 99f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Nove de Julho, São Paulo, SP, 2015.

SERRA, F.; FERREIRA, M.; ALMEIDA, M. Organizational decline: a yet largely neglected topic in organizacional studies. Management Research: Journal Of The Iberoamerican Academy Of Management, Reino Unido, v. 11, n. 2, p. 133-56, 2013.

SOUZA, J. J. Teoria implícita de organização inovadora em empresas com padrões diferenciados de adoção de práticas de gestão. Orientador: Antonio Virgílio Bittencourt Bastos. 2007. 274f. Tese (Doutorado em Administração) – Núcleo de Pós-Graduação em Administração, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, 2007.

VASCONCELOS, E. F, COSTA, M. A construção social de conhecimentos, crenças e atitudes nas organizações de trabalho. In: ALMEIDA, L. P. Políticas públicas, cultura e produções sociais. Campo Grande, MS: UCDB, 2016.

VASCONCELOS, E. F. Declínio do projeto organizacional UFN III: explorando o significado da experiência entre os atores. Orientador: Marcio Luis Costa. 2016. 222 f. Tese (Doutorado em Psicologia) – Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, 2016.

WILDMAN, J. L.; SALAS, E.; SCOTT, C. P. R. Measuring Cognition in Teams: A Cross-Domain Review. Human Factors, Estados Unidos, v. 20, n. 10, p.1-31, 2013.

Publicado
2019-11-05