Conteúdos Jornalísticos nas Redes Sociais: o cenário das transmissões ao vivo no Facebook em Campo Grande, MS

Palavras-chave: Jornalismo, Conteúdos Jornalísticos, Redes Sociais, Transmissão ao vivo, Facebook.

Resumo

Este trabalho analisa o cenário das transmissões ao vivo de conteúdos jornalísticos no Facebook em Campo Grande, MS. Para isso, foram avaliados o CBN Campo Grande, da FM 93,7, e o Jornal da Tarde, da TV O Estado MS-OE10. Como resultados preliminares do processo, ainda recente na imprensa local, o destaque é o uso do potencial de alcance das redes sociais, que esbarra em características do DNA da transmissão ao vivo e não se utiliza de recursos de interatividade na relação com os ouvintes/telespectadores/usuários dos conteúdos.

Biografia do Autor

Oswaldo Ribeiro da Silva, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) Pós-Doutorando (PNPD/CAPES) Universidade Católica Dom Bosco (UCDB) Professor
Graduado em Jornalismo pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS, 1995), Mestre em Ciência da Informação pela Universidade de Brasília (UNB, 2006) e Doutor em Educação (UFMS, 2014) com tese no Campo do Jornalismo pelo Programa de Pós-graduação em Educação (PPGEdu). Atualmente (2017/2018) realiza pós-doutorado pelo Programa Nacional de Pós-Doutorado (PNPD/CAPES) no Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (PPGCom/UFMS). Foi coordenador do curso de Jornalismo da UCDB entre os anos de 2010 e 2016. Entre 2011 e 2016 criou e coordenou o evento 72 Horas de Jornalismo, inédito no país (Prêmio Top 10 do Portal Imprensa, eventos mais admirados do país). Coordenou de 2010 a 2012 o curso de Rádio e TV da mesma instituição. Professor dos cursos de Jornalismo, Publicidade e Propaganda e Rádio e TV. Jornalista/Editor de Telejornais e Radiojornais nas principais emissoras de Campo Grande/MS. Orientador do Projeto de Rádio-documentário Índio Urbano, vencedor do Prêmio Nacional Roquette-Pinto de Produção Radiofônica da Associação Brasileira das Rádios Públicas (ARPUB). Coordenador do projeto de pesquisa: Pesquisa em Jornalismo: Ensino Superior, Tecnologia/Fator Humano na Profissão e Mercado de Trabalho/Emprego, ligado ao PIBIC da UCDB (2015/2017). Membro do Observatório de Cultura Escolar (OCE), vinculado à Linha de Pesquisa Escola, Currículo e Cultura Escolar (2011/2018). Tem como objetos de estudo e pesquisa: Campo do Jornalismo (ensino, formação, radiojornalismo, telejornalismo - audiovisual, tecnologia móvel da informação e comunicação - transmídia). Experiência docente de 16 anos em disciplinas como radiojornalismo, telejornalismo, produção em comunicação, metodologia científica, pesquisa em comunicação, mídia digital, fundamentos do audiovisual, projeto experimental (TCC) e estágio supervisionado.
Marcelo Vicente Cancio Soares, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) Professor/ Supervisor Pós-Doutorado (PNDP/CAPES)
Professor efetivo da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, lotado no Departamento de Comunicação Social/Jornalismo do Centro de Ciências Humanas e Sociais. Mestrado e Doutorado em Ciências da Comunicação pela Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo. Pós-Doutorado em Ciências da Comunicação na Universidade Autônoma de Barcelona. Experiência na área de comunicação, com ênfase em telejornalismo, teorias do jornalismo e comunicação rural, atuando principalmente nos seguintes temas: telejornalismo, vídeo documentário e televisão, jornalismo rural e jornalismo de fronteira.

Referências

BARBEIRO, Heródoto; LIMA, Paulo Rodolfo. Manual de telejornalismo. Rio de Janeiro: Campus, 2002.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Ed. 70, 1977.

JENKINS, Henry. Cultura da convergência. São Paulo: Aleph, 2009.

LEMOS, André. Anjos interativos e a retribalização do mundo: sobre interatividade e interfaces digitais. Lisboa, 1997. Disponível em: http://www.facom.ufba.br/ciberpesquisa/lemos/interac.html. Acesso em: 20 jun. 2017.

LEVY, Pierre. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informação. Rio de Janeiro: Editora 34, 1993.

MACHADO, Arlindo. Televisão levada a sério. São Paulo: SENAC, 2001.

MACHADO, Elias; PALACIOS, Marcos (Org). Modelos do jornalismo digital. Salvador: Editora Calandra, 2003.

MARQUES, Heitor Romero; MANFROI, José; CASTILHO, Maria Augusta de; NOAL, Mirian Lange (Org.) Metodologia da pesquisa e do trabalho científico. Campo Grande: UCDB, 2014.

MULTIGNER, Gilles. Sociedad interactiva o sociedad programada? In: FUNDESCO (Org.). Apuntes de la sociedad interactiva Cuenca. Espanha: UIMP, 1994.

NETO, Otávio. Rádio CBN lança modelo inovador de jornalismo em Campo Grande. JPNews. Três Lagoas. 02 Dez. 2017. Disponível em: https://www.jpnews.com.br/campo-grande/cbn-fm-lanca-modelo-inovador-de-jornalismo-em-campo-grande/104772 / Acesso em: 29 Abr. 2018.

NOGUERA VIVO, José Manuel. Todos, todo: manual de periodismo, participación y tecnología. Barcelona: Oberta UOC Publishing, 2015.

PATERNOSTRO, Vera Íris. O texto na TV: manual de telejornalismo. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

RECUERO, Raquel. Redes sociais na internet. Porto Alegre: Sulina, 2009.

SILVA, Marco. O que é interatividade. [199-]. Disponível em: http://www.senac.br/informativo/BTS/242/boltec242d.htm. Acesso em: 20 jun. 2017.

SQUIRRA, Sebastião. Aprender telejornalismo: produção e técnica. São Paulo: Brasiliense, 1995.

THURLER, Larriza. TV na Internet: reflexões sobre remediação e interatividade. Rio de Janeiro: Intercom, 2005.

WOLTON, Dominique. Elogio do grande público – uma teoria crítica da televisão. São Paulo: Ática, 1996.

YAFUSSO, Fernanda. Jornal O Estado estreia primeira televisão web de Mato Grosso do Sul. O Estado de MS-OE10. Campo Grande, 13 mar. 2018. Disponível em: http://www.oe10.com.br/noticia/17070/jornal_o_estado_ms_estreia_primeira_televisao_web_de_mato_grosso_do_sul.html. Acesso em: 29 abr. 2018.

Publicado
2019-11-05