Pesca artesanal: reflexões sobre políticas públicas na Colônia de Pescadores Z-33 em Porto Jatobá, Pernambuco

Palavras-chave: Pescadores artesanais, Comunidade pesqueira, Política pesqueira

Resumo

O artigo mapeia políticas públicas na Colônia de Pescadores em Porto Jatobá, Abreu e Lima, Pernambuco (PE), no período de 2010 a 2014. A pesquisa qualitativa conclui que as ações implementadas por essas políticas foram criadas e executadas de forma verticalizada. Isso resultou em baixa eficácia das ações de algumas dessas políticas. Por outro lado, nas ações em que se priorizou o diálogo com a comunidade, constatam-se impactos positivos no cotidiano laboral dos pescadores.

Biografia do Autor

Sarah Rodrigues Guimarães, Universidade Federal Rural de Pernambuco

Mestra pelo Programa de Pós-Graduação em Extensão Rural e Desenvolvimento Local da Universidade Federal Rural de Pernambuco (POSMEX/UFRPE). Graduada em Engenharia de Pesca e licenciada em Ciências Agrícolas pela UFRPE. 

Maria do Rosário de Fátima Andrade Leitão, Universidade Federal Rural de Pernambuco

Doutora em Estudos Ibero-Americanos pela Universidad Complutense de Madrid. Mestre em Desenvolvimento Urbano pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Professora do Programa de Pós-Graduação em Extensão Rural e Desenvolvimento Local (Posmex) da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). 

Referências

AGÊNCIA SENADO. Mudança da Secretaria da Pesca para o Ministério da Indústria causa divergência. Senado Notícias, Brasília, 5 abr. 2017. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2017/04/05/mudanca-da-secretaria-da-pesca-para-o-ministerio-da-industria-causa-divergencia. Acesso em: 26 out. 2017.

AZEVEDO, Natália Tavares; PIERRI, Naína. A política pesqueira no Brasil (2003-2011): a escolha pelo crescimento produtivo e o lugar da pesca artesanal. Desenvolvimento e Meio Ambiente, Curitiba, v. 32, p. 61-80, dez. 2014. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/made/issue/view/1841/showToc. Acesso em: 9 jun. 2018.

BANCO DO NORDESTE (BNB). Agroamigo. Fortaleza, [s.d.]. Disponível em: https://www.bnb.gov.br/agroamigo. Acesso em: 15 nov. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Conexões de saberes: diálogos entre a universidade e as comunidades populares. Brasília-DF: MEC, 2017a. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/conexoes-de-saberes/dialogos-entre-a-universidade. Acesso em 15 nov. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Pronatec. Brasília-DF: MEC, 2017b. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/pronatec. Acesso em: 18 nov. 2017.

BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. Inclusão digital: telecentros. Brasília-DF: MCTIC, 2017c. Disponível em: http://www.mctic.gov.br/mctic/opencms/comunicacao/SETEL/inclusao_digital/telecentros/TELECENTROS.html. Acesso em: 18 nov. 2017.

BRASIL. Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. Secretaria de Aquicultura e Pesca. Quantitativo de pescadores e embarcações pesqueiras de Pernambuco, registrados no Registro Geral da Atividade Pesqueira. Planilha com dados estatísticos obtida mediante protocolação de Ofício junto à Secretaria de Aquicultura e Pesca de Pernambuco (SAP/MDIC). Recife: SAP/MDIC, out. 2017d.

BRASIL. Ministério da Pesca. Semana do peixe: o que é? 2017e. Disponível em: http://semanadopeixe.com.br/o-que-e/. Acesso em: 16 nov. 2017.

BRASIL. Ministério da Cidadania. Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (MDA). Programa de Aquisição de Alimentos (PAA). Brasília-DF, 2012. Disponível em: http://www.mda.gov.br/sitemda/sites/sitemda/files/user_arquivos_64/folder_paa_2012.pdf. Acesso em: 18 nov. 2017.

BRASIL. Ministério da Pesca. Brasil vai investir na pesca industrial de alto-mar. 2011. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/governo/2011/07/brasil-vai-investir-na-pesca-industrial-de-alto-mar. Acesso em: 10 jun. 2018.

BRASIL. Lei n. 11.959, de 29 de junho de 2009. Dispõe sobre a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável da Aquicultura e da Pesca. Brasília-DF, 2009.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Texto constitucional promulgado em 5 de outubro de 1988, com as alterações adotadas pelas Emendas Constitucionais nos 1/1992 a 68/2011, pelo Decreto Legislativo n. 186/2008 e pelas Emendas Constitucionais de Revisão n. 1 a 6/1994, 35. ed. Brasília-DF, 1988.

CALLOU, Angelo Brás; TAUK, Maria Salett. Extensão pesqueira e gestão do desenvolvimento local. In: CALLOU, Angelo Brás Fernandes; SANTOS, Maria Salett Tauk. Extensão rural - extensão pesqueira: estratégias de comunicação para o desenvolvimento. 2a. ed. Recife: FASA, 2014. p. 483-92.

CÂMARA DOS DEPUTADOS, 2015. Legislação sobre pesca e aquicultura: dispositivos constitucionais, leis e decretos relacionados a pesca e aquicultura. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2015. (Série Legislação, n. 137). Disponível em: http://bd.camara.gov.br/bd/bitstream/handle/bdcamara/24080/legislacao_pesca_aquicultura.pdf?sequence=1. Acesso em: 5 mar. 2017.

CATÁLOGO PGI. Incentivo à aquicultura e à pesca. [S.l.]: [s.d.]. (Séries Históricas, v. 9). Disponível em: https://i3gov.planejamento.gov.br/textos/livro2/2.4_Incentivo_a_aquicultura.pdf. Acesso em: 9 jun. 2018.

CENTRO DE AGRICULTURA ALTERNATIVA DO NORTE DE MINAS (CAA). Produção Agroecológica Integrada e Sustentável - PAIS. Montes Claros: CAA, 2017. Disponível em: https://www.caa.org.br/hotsite/pais/. Acesso em: 16 nov. 2017.

COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO (CONAB). Distribuição de cestas. Brasília-DF, 2017. Disponível em: https://www.conab.gov.br/abastecimento-social/distribuicao-de-cestas/. Acesso em: 17 nov. 2017.

EASTON, D. A Framework for Political Analysis. Englewood Cliffs: Prentice Hall. 1965.

FREY, Klaus. Governança Urbana e Participação Pública. RAC-Eletrônica, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 136-50, jan./abr. 2007.

LASWELL, H. D. Politics: who gets what, when, how. Cleveland: Meridian Books, 1936/1958.

LEITÃO, M. R. F. A. Gênero, trabalho e políticas públicas na pesca artesanal do sertão de Pernambuco. Labrys (Editión Française), v. 20-21, p. 1-20, 2011.

LIMA, C. M.; LEITÃO, M. R. F. A. Transversalidade de gênero e políticas públicas na cadeia produtiva da pesca artesanal nas comunidades de Brasília Teimosa e Itapissuma (PE/Brasil). Vivência: Revista de Antropologia, Rio Grande do Norte, v. 1, p. 123-34, 2014.

LINDBLOM, Charles E. The science of muddling through. Public Administration Review, v. 19, p. 78-88, 1959.

PERNAMBUCO (Estado). Secretaria do Planejamento e Gestão. Chapéu de Palha. Recife: SEPLAG, 2017. Disponível em: http://www.seplag.pe.gov.br/web/cp/chapeu-de-palha-apresentacao. Acesso em: 16 nov. 2017.

SARAVIA, Enrique. O conceito de política pública: introdução à teoria da política pública. In: SARAVIA, Enrique; FERRAREZI, Elisabete (Org.). Brasília: ENAP, 2006. p. 21-42 (Coletânea Políticas Públicas, v. 2).

SIENGE. Minha Casa Minha Vida. SIENGE, 2017. Disponível em: https://www.sienge.com.br/minha-casaminha-vida/. Acesso em: 15 nov. 2017.

SILVA P. L. B.; MELO M. A. B. O processo de implementação de políticas públicas no Brasil: características e determinantes da avaliação de programas e projetos. Caderno NEPP/UNICAMP, Campinas, n. 48, p. 1-16, 2000.

SIMON, Herbert. Comportamento Administrativo. Rio de Janeiro: USAID, 1957.

SINDICATO DOS ARMADORES E DAS INDÚSTRIAS DA PESCA DE ITAJAÍ E REGIÃO. Pescadores terão 120 fábricas de gelo ainda este ano. SINDIPI, Itajaí, 19 nov. 2009. Disponível em: http://www.sindipi.com.br/noticias/ler/1421/pescadores-terao-120-fabricas-de-gelo-ainda-este-ano. Acesso em: 18 nov. 2017.

Publicado
2019-05-27