Design e agricultura familiar: proposta de estrutura para cultivo protegido

  • Danieli Maehler Nejeliski Universidade Federal de Santa Maria
  • Carolina Iuva de Mello Universidade Federal de Santa Maria
Palavras-chave: Design. Agricultura familiar. Cultivo protegido.

Resumo

o: Analisando-se as estruturas para cultivo protegido de hortaliças utilizadas na cidade de Santa Maria e região, constatou-se que a maioria dos produtores utilizam estruturas artesanais, muitas vezes inadequadas às suas necessidades, por falta de instalações industriais adequadas. A partir dessas informações, foi projetada uma nova estrutura para cultivo protegido, demonstrando o promissor papel do design como facilitador do desenvolvimento local.

 

Referências

ANDRIOLO, J. L. Olericultura geral: princípios e técnicas. Santa Maria: Ed. UFSM, 2002.

BACK, N. et al. Projeto integrado de produtos: planejamento, concepção e modelagem. Barueri, SP: Manole, 2008.

BRASIL. Lei n. 1.946, de 28 de junho de 1996. Cria o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar – PRONAF. JusBrasil Legislação. Disponível em: <http://www.jusbrasil.com.br/legislacao/112235/decreto-1946-96>. Acesso em: 9 nov. 2011.

______. Lei n. 11.326, de 24 de julho de 2006. Estabelece as diretrizes para a formulação da Política Nacional da Agricultura Familiar e Empreendimentos Familiares Rurais. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11326.htm>. Acesso em: 9 nov. 2011.

BUARQUE, S. C. Construindo o desenvolvimento local sustentável. Rio de Janeiro: Garamond, 2002.

CERMEÑO, Z. S. Invernadores: instalação e manejo. Tradução de Mário Fernandes Bento Ripado. Lisboa: Litexa, 1990.

EMBRAPA. Manejo do plástico na cobertura do túnel baixo, 2010. Disponível em: <http://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br/FontesHTML/Morango/MesaSerraGaucha/plastica.htm>. Acesso em: 24 ago. 2011.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Censo Agropecuário 2006. Brasília: IBGE, 2006. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/agropecuaria/censoagro/default.shtm>. Acesso em: 9 abr. 2011.

MAGALHÃES, A. O que o desenho industrial pode fazer pelo país? Arcos, 1998. Disponível em: < http://www.esdi.uerj.br/sobrearcos/artigos/documento_aloisio%288a13%29.pdf>. Acesso em: 24 nov. 2011.

MÜLLER, J. S. Construção e manejo de estufas: manual do treinando. Porto Alegre: SENAR/AR-RS, 2003.

PAPANEK, V. Arquitetura e design: ecologia e ética. Tradução Departamento Editorial Edições 70. Lisboa: Edições 70, 1995.

PURQUERIO, L. F. V.; TIVELLI, S. W. Manejo do ambiente em cultivo protegido. Campinas, SP: IAC, 2006. Disponível em: <http://www.iac.sp.gov.br/Tecnologias/MANEJO_Cultivo_Protegido/Manejo_Cultivo_protegido.htm>. Acesso em: 3 abr. 2011.

SCHNEIDER, S. Teoria social, agricultura familiar e pluriatividade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 18, n. 51, fev. 2003. Disponível em: <www.scielo.br/pdf/rbcsoc/v18n51/15988.pdf >. Acesso em: 28 jun. 2011.

SGANZERLA, E. Nova agricultura: a fascinante arte de cultivar com os plásticos. Porto Alegre: Petroquímica Triunfo, 1986.

SOUZA FILHO, H. M. et al. Agricultura familiar e tecnologia no Brasil: características, desafios e obstáculos. [s.l.: s.n], [200-]. Disponível em: <www.sober.org.br/palestra/12/09O442.pdf>. Acesso em: 28 jun. 2011.

Publicado
2015-12-10