Indicadores dos serviços de abastecimento de água e esgotamento doméstico na Rota de Integração Latino-Americana

Palavras-chave: Corredor Bioceânico, desempenho, indicadores do saneamento, SNIS.

Resumo

A análise de desempenho dos provedores públicos e privados de saneamento inseridos na rota de integração Latino-Americana, indica que as empresas privadas superam as públicas em investimentos e produtividade, contudo ambas necessitam de serviços especializados. As correlações existentes entre os indicadores indicam que quanto maior o atendimento do serviço, maior é a tarifa cobrada, e as perdas de água afetam diretamente no faturamento. Apesar dos avanços, ainda há necessidade de melhoria nos serviços.

Biografia do Autor

Arlinda Cantero Dorsa, Universidade Católica Dom Bosco
Doutora em Língua Portuguesa pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Professora na Universidade Católica Dom Bosco (UCDB).
Mariana Antonio de Souza Pereira, Universidade Católica Dom Bosco
Graduada em Engenharia Sanitária e Ambiental pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB).
Fernando Jorge Corrêa Magalhães Filho, Universidade Católica Dom Bosco
Doutor em Saneamento Ambiental e Recursos Hídricos pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Professor na Universidade Católica Dom Bosco (UCDB

Referências

AGARD, L.; ALEXANDER, C.; GREEN, S.; JACKSON, M.; PATEL, S.; ADESIYUN, A. Microbial quality of water supply to an urban community in Trinidad. Journal of Food Protection, p. 1297-303, 2002.

ALEGRE, H.; HIRNER, W.; BAPTISTA, J. M.; PARENA, R. Indicadores de desempenho para serviços de abastecimento de água. Tradução de Patrícia Duarte, Helena Alegre e Jaime Melo Baptista. Lisboa: IWA Publishing, 2004. (Série de Guias Técnicos, 1).

COSTA, S. A. B.; CÔRTES, L. S.; COELHO, T.; FREITAS, M. M. Indicadores em saneamento: avaliação da prestação dos serviços de água e de esgoto em minas gerais. Revista UFMG, Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 334-57, jul./dez. 2013.

FAROOQ, S.; HASHMI, I.; QAZI, I.A; QAISER, S.; RASHEED, S. Monitoring of coliforms and chlorine residual in water distribution network of Rawalpindi, Pakistan. Environ Monit Assess. p. 339-47, 2008.

FONSECA, A; GABRIEL, C. F. Análise da influência da tarifação em seis indicadores operacionais e de qualidade dos serviços de abastecimento de água no Brasil. Engenharia Sanitária e Ambiental, Rio de Janeiro, v. 20, n. 2, p. 219-24, 2015.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Rio de Janeiro, [s.d.].

JORDÃO, E. P. Eficiência Energética em Tratamento de Esgotos. Revista DAE, São Paulo, p. 15-19, 2014.

KIRKPATRICK, C.; PARKER, D.; ZHANG, Y. F. State versus private sector provision of water services in Africa. World Bank Economic Review, v. 20, p. 143-63, 2004.

KOLBL, J.; THEURETZBACHER-FRITZ, H.; NEUNTEUFEL, R.; PERFLER, R.; GANGL, G.; KAINZ, H.; HABERL, R. Experiences with Water Loss Pis in the Austrian Benchmarking Project. Water Loss, p.176-87, 2007.

LAMBERT A. O; MCKENZIE R. D. Practical Experience in using the Infrastructure Leakage Index. Cyprus: Paper to IWA Managing Leakage Conference, 2002.

MAGALHÃES FILHO, F. J. C.; PAULO, P. L. Abastecimento de água, esgotamento doméstico e aspectos de saúde em comunidades Quilombolas no Estado de Mato Grosso do Sul. Interações, Campo Grande, MS, v. 18, n. 2, p. 103-16, 2017.

MONTILHA, A. C. Análise da influência logística na relação comercial entre Brasil e China: estudo de novas rotas para exportação pelo pacífico. Orientador: Sérgio Daroncho. 2006. Dissertação (Graduação em Logística) – Faculdade de Tecnologia da Zona Leste, São Paulo, SP, 2006.

NOZAKI, V. T. Análise do setor de saneamento básico no Brasil. Orientador: Rudinei Toneto Junior. 2007. Dissertação (Mestrado em Economia Aplicada) - Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2007.

OLIVEIRA, A. L. S. Saneamento básico no Brasil: limites e possibilidades de atuação do setor privado. Orientador: Antônio Herique Pinheiro Silveira. 2004. Dissertação (Mestrado em Economia) - Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, 2004.

OLIVEIRA, M. G. A Ferrovia Bioceânica Paranaguá-Antofagasta e a controvérsia entre o modelo primário-exportador e o modelo desenvolvimentista. OIKOS, Rio de Janeiro, v. 10, n. 2, 2011.

PERARD, E. Abastecimento de água: público ou privado? Uma abordagem baseada no custo dos fundos, custos de transação, eficiência e custos políticos. In: CONFERÊNCIA SOBRE O PAPEL DO ESTADO NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. Escola de Políticas Públicas Lee Kuan Yew, Cingapura. 2007. Anais […]. Cingapura, 2007.

PERTEL, M.; AZEVEDO, J. P. S. D.; VOLSCHAN JUNIOR, I. The use of water loss index as an indicator for benchmarking: the case of Brazilian water supply state companies. Engenharia Sanitaria e Ambiental, Rio de Janeiro, v. 21, n. 1, p. 159-68, 2016.

PINHEIRO, F. A. P.; SAVOIA, J. R. F.; DE ANGELO, C. F. Análise Comparativa da Atuação de Prestadores de Serviços de Saneamento Públicos e Privados no Brasil. Brazilian Business Review, v. 13, n. 1, p. 118-40, 2016.

RASERA, D; MENDES, T. G; CETRULO, T; YOSHII, M. P. C; MALHEIROS, T. F; MOREIRA, R. M; MENDIZÁBAL-CORTÉS, A. D; GUIMARÃES, E. F. Indicadores para Regulação do Saneamento em Áreas de Pobreza: Estrutura e Aplicação em Cubatão-SP, Brasil. Revista Ambiente & Sociedade, São Paulo, v. 20, n. 4, 2017.

SCRIPTORE, J. S.; TONETO, R. J. A estrutura de provisão dos serviços de saneamento básico no Brasil: uma análise comparativa do desempenho dos provedores públicos e privados. Revista de Administração Pública, Rio de Janeioro, v. 46, n. 6, p. 1479-504, Rio de Janeiro, 2012.

SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES SOBRE SANEAMENTO (SNIS). Diagnóstico dos serviços de água e esgotos (anos-base 2008 a 2016). Brasília: Ministério das Cidades, 2016.

TONETO, R. J; SAIANI, C .C. Restrições à expansão dos investimentos no saneamento básico brasileiro. Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, v. 37, n. 4, 2006.

TSUTIYA, M. T. Abastecimento de água. 4. ed. São Paulo: Departamento de Engenharia Hidráulica da Escola Politécnica da Universidade, p. 643, 2006.

WATER ENVIRONMENT FEDERATION (WEF). Activated Sludge. Manual of practice: operations and maintenance, n. 9. WEF, 2002.

Publicado
2019-07-30