Colaboração e <em>open innovation</em>: a importância da governança colaborativa para a constituição de um ecossistema de inovação aberta em um Arranjo Produtivo Local (APL)

Palavras-chave: articulação coletiva, colaboração, governança colaborativa, inovação, open innovation.

Resumo

O presente trabalho analisa a dinâmica da colaboração e da open innovation de um Arranjo Produtivo Local (APL), da Região Noroeste do Rio Grande do Sul, pela perspectiva da governança colaborativa e da formação de um ecossistema de inovação aberta. O presente estudo enquadra-se no paradigma Humanista Social, com abordagem qualitativa, e teve 22 atores entrevistados que ocupam posição estratégica na governança. A presente pesquisa analisou a Governança Colaborativa do APL, sobre a ótica de três dimensões: 1ª dimensão: análise do processo de constituição e amadurecimento do próprio APL; 2ª dimensão: compreensão dos elementos constituidores da inovação aberta; 3ª dimensão: compreensão sobre as interações estabelecidas entre os diversos atores internos e externos ao APL, representados por seus laços fortes e fracos. Conclui-se que, apesar de existir um modelo de governança colaborativa baseado na comunicação “face to face”, compromisso com o processo e visão compartilhada, este não é capaz de fazer com que as empresas compartilhem informação referente à inovação, dificultando a classificação do APL como um ecossistema de inovação. Para estudos futuros, recomenda-se a ampliação da amostra, para que seja possível analisar e comparar a governança colaborativa, entre os diversos arranjos produtivos existentes.

Biografia do Autor

Cátia Raquel Felden Bartz, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ
Doutoranda e mestre em Desenvolvimento Regional pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUÍ). Professora da Faculdade Horizontina (FAHOR), nos Cursos de Ciências Econômicas, Engenharia de Produção e Engenharia Mecânica. 
Jéssica Casali Turcato, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ
Mestranda em Desenvolvimento Regional pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUÍ); bolsista CAPES PPGDES/UNIJUÍ. Bacharel em Administração pela UNIJUÍ. 
Jorge Oneide Sausen, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ
Pós-doutor em Administração pela Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas (EBAPE), Fundação Getúlio Vargas (FGV-RJ). Doutor em Engenharia da Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestre em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Professor do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUÍ).
Daniel Knebel Baggio, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUi
Doutor e mestre em Contabilidade e Finanças pela Universidad de Zaragoza, revalidado pela Universidade de São Paulo (USP), em Controladoria e Contabilidade. Graduado em Administração pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUÍ). Professor do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional da UNIJUÍ e do Programa de Pós-Graduação em Gestão Estratégica de Organizações da Universidade Regional Integrada (URI). Investigador pela Universidade de Zaragoza, integrando o Grupo de Investigación en Economia Financiera (GIECOFIN); pela UNIJUÍ, integrando o Grupo de Pesquisa em Competitividade e Gestão Estratégica para o Desenvolvimento (GPCOM); e pela URI, integrando o Grupo de Pesquisa de Métodos Aplicados à Gestão Organizacional (MAGO). 

Referências

ADNER, R. Match your innovation strategy to your innovation ecosystem. Harvard Business Review, v. 84, n. 4, p. 1-11, 2006.

ADNER, R.; KAPOOR, R. Value creation in innovation ecosystems: how the structure of technological interdependence affects firm performance in new technology generations. Strategic Management Journal, v. 31, n. 3, p. 306-33, 2010.

AGRANOFF, R. Managing collaborative performance: changing the Boundaries of the State? Public Performance & Management Review, v. 29, n. 1, p. 18-45, 2005.

AMORIM, M. A.; MOREIRA, M. V. C.; IPIRANGA, A. S. R. A construção de uma metodologia de atuação nos Arranjos Produtivos Locais (APLs) no estado do Ceará: um enfoque na formação e fortalecimento do capital social e da governança. Interações - Revista Internacional de Desenvolvimento Local, Campo Grande, MS, v. 6, n. 9, p. 25-34, set. 2004.

ANSELL, C. Collaborative governance. In: LEVI-FAUR, D. The Oxford handbook of governance. Oxford, UK: Oxford University Pres, 2012.

ANSELL, C.; GASH, A. Collaborative governance in theory and practice. Journal of Public Administration Research and Theory, v. 18, n. 4, p. 543-71, 2007.

ANSELL, C.; TORFING, J. How does collaborative governance scale? Policy & Politics, v. 43, n. 3, p. 315-29, 2015.

ARANHA, J. A. S. Mecanismos de geração de empreendimentos inovadores: mudanças na organização e na dinâmica dos ambientes e o surgimento de novos atores. Brasília: Anprotec, 2016.

AUDY, J. A inovação, o desenvolvimento e o papel da Universidade. Estudos Avançados, São Paulo, v. 31, n. 90, p. 75-87, maio/ago. 2017.

AUDY, J.; PIQUÉ, J. Dos parques científicos e tecnológicos aos ecossistemas de inovação: desenvolvimento social e econômico na sociedade do conhecimento. Brasília: ANPROTEC, 2016.

BALLON, P.; PIERSON J.; DELAERA S. Open innovation platforms for broadband services: Benchmarking European Practices. Proceedings of 16th European Regional Conference, Porto, Portugal, September 4-6, 2005.

BENGTSSON, M.; KOCK, S. “Coopetition” in business networks – to cooperate and compete simultaneously. Industrial Marketing Management, v. 29, p. 411-26, 2000.

BODIN, O. Collaborative environmental governance: achieving collective action in social-ecological systems. Science, v. 357, n. 6352, p. 659-68, 2017.

BOEIRA, L.; BORBA, J. Os fundamentos teóricos do capital social. Ambiente & Sociedade, Campinas, SP, v. 9, n. 1, p. 187-93, jan./jun. 2006.

FISHER, B. B.; ZAYAS, J. M. Towards a taxonomy of firms engaged in international R&D networks: an evaluation of the Spanish participation in Eureka. Journal of Technology Management & Innovation, v. 7, n. 3, p. 121-34, 2012.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Relatórios APLs U.E. [s.d.]. Disponível em: http://www.desenvolvimento.gov.br/inovacaoapls2010.br.ue/default/index/clustersue. Acesso em: 24 nov. 2018.

CASSIOLATO, J. E.; LASTRES, H. M. M.; MACIEL, M. L. Pequena empresa: cooperação e desenvolvimento local. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2003.

CHESBROUGH, H. W. The era of open innovation. Managing Innovation and Change, v. 127, n. 3, p. 34-41, 2006.

CHESBROUGH, H. W.; VANHAVERBEKE, W.; WEST, J. Open innovation researching – a new paradigm. Oxford: Oxford University Press, 2008.

COASE, R. H. The Nature of the Firm. The London School of Economics and Political Science, v. 4, n. 16, p. 386-405, 1937.

DAHLANDER, L.; GANN, D. M. How open is innovation? Research Policy, n. 39, p. 699-709, 2010.

DASÍ, J. F. Gobernanza territorial para el desarrollo sostenible: estado de la cuestión y agenda. BAGE, n. 46, 2008.

DUTILLEUL, B.; BIRRER, F. A. J.; MENSINK, W. Unpacking european living labs: abalysing innovation’s social dimensions. European Journal of Public Policy, v. 4, n. 1, p. 60-85, jul. 2010.

DYER, J.; NOBEOKA, K. Creating and managing a high-performance knowledge-sharing network: the Toyota case. Strategic Management Journal, v. 21, n. 3, p. 345-67, 2000.

EDELENBOS, J. Institutional implications of interactive governance: insights from Dutch practice. Governance, v. 18, n. 1, p. 111-34, 2005.

EMERSON, K.; NABATCHI, T.; BALOGH, S. An integrative framework for collaborative governance. Journal of Public Administration Research and Theory, v. 22, n. 1, p. 1-29, 2012.

FERRÃO, J. Governança e ordenamento do território: reflexões para uma governança territorial eficiente, justa e democrática. Prospectiva e Planejamento, v. 17, p. 129-39, 2010.

FILIPPIM, E.; ROSSETO, A. (Org.). Políticas públicas, federalismo e redes de articulação para o desenvolvimento. Joaçaba, SC: UNOESC, 2008.

GASSMANN, O. Opening up the innovation process: towards an agenda. R&D Management, v. 36, n. 3, p. 223-8, 2006.

GRANOVETTER, M. S. Getting a job: a study of contacts and careers. 2. ed. Chicago: The University of Chicago Press, 1985.

GRANOVETTER, M. S. The strength of weak ties: a network theory revisited. Sociological Theory, v. 1, p. 201-33, 1983.

GRAY B. Collaborating: finding common ground for multi-party problems. San Francisco, CA: Jossey-Bass, 1989.

GUERRA, R. M. A.; TONDOLO, V. A. G.; CAMARGO, M. E. O que (ainda) podemos aprender sobre capacidades dinâmicas. Revista Ibero-Americana de Estratégia, São Paulo, v. 15, n. 1, p. 44-64, jan./mar. 2016.

HABERMAS, J. Teoría de la acción comunicativa. Madri: Tauros, 1987.

HUIZINGH, E. K. R. E. Open innovation: state of the art and future perspectives. Technovation, v. 31, n. 1, p. 2-9, 2010.

IANSISTI, M.; LEVIEN, R. Strategy as ecology. Harvard Business Review, v. 82, n. 3, p. 1-11, 2004.

IKENAMI, R. K. A abordagem “ecossistema” em teoria organizacional: fundamentos e contribuições. 2016. 153 p. Dissertação (Mestrado em Ciências) – Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

INNES, J. E.; BOOHER, D. E. Consensus building and complex adaptive systems: a framework for evaluating collaborative planning. Journal of the American Planning Association, v. 65, n. 4, p. 412-23, 1999.

JENSEN, M.; MECKLING, W. Theory of the firm: managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of Financial Economics, v. 3, n. 4, p. 305-60, 1976.

KAUFMAN, D. A força dos “laços fracos” de Mark Granovetter no ambiente do ciberespaço. Galáxia, São Paulo, n. 23, p. 207-18, jun. 2012.

KOOIMAN, J. (Ed.). Modern governance: new government-society interactions. [S.l.]: Sage, 1993.

LANE, P. J.; KOKA, B. R.; PATHAK, S. The reification of absorptive capacity: a critical review and rejuvenation of the construct. Academy of Management Review, v. 31, n. 4, p. 833-63, 2006.

LIMA, L. Os efeitos dos laços fracos sobre os laços fortes: uma relação entre associativismo e indicadores de capital social. Revista Três Pontos, Belo Horizonte, v. 2, n. 2, p. 47-54, 2016.

LUBIK, S.; GARNSEY, E.; MINSHALL, T.; PLATTS, K. Value creation from the innovation environment: partnership strategies in university spin-outs. R&D Management, v. 43, n. 2, p. 136-50, 2013.

LUNDVALL, B. National systems of innovation: towards a theory of innovation and interactive learning. London: Pinter, 1992. p. 1-19.

MALMBERG, A.; MASKELL, P. The elusive concept of localization economies: towards a knowledge-based theory of spatial clustering. Environment and Planning, v. 34, n. 3, p. 429-50, 2001.

MAZZUCO, E.; TEIXEIRA, C. Living labs: intermediários da inovação. Revista Eletrônica do Alto do Vale do Itajai, Ibirama, SC, v. 6, n. 9, p. 87-97, jul. 2017.

MOORE, J. The death of competition: leadership and strategy in the age of business ecosystems. Nova York: Harper Business, 1993.

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Criação do conhecimento na empresa: como as empresas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

OSTROM, E. Governing the commons: the evolution of institutions for collective action. New York: Cambridge University Press, 1990.

PETTIGREW, A.; FERLIE, E.; McKEE, L. Shaping strategic change: the case of the NHS in the 1980s. Public Money & Management, v. 12, n. 3, p. 27-31, jul. 1992.

POWELL, W. Learning from collaboration. knowledge and networks in the biotechnology and pharmaceutical industries. California Management Review, v. 40, n. 3, 1998.

PUGA, F. P. Alternativas de apoio a MPMEs localizadas em arranjos produtivos locais Rio de Janeiro: BNDES, 2003. (Texto para discussão n. 99).

RUSSEL, M. G. et al. Transforming innovation ecosystems through shared vision and network orchestration. In: TRIPLE HELIX INTERNATIONAL CONFERENCE, 9., 2011, Stanford. Anais […]. Stanford: Stanford University, H-STAR Institute Center for Innovation and Communication, 2011. p. 1-21.

SILVA, S.; BIGNETTI, L. P. A inovação social e a dinâmica de inovação aberta na Rede Brasileira de Living Labs. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 36., 2012, Rio de Janeiro. Anais [...]. Rio de Janeiro, 2012.

SUZIGAN, W.; GARCIA, R.; FURTADO, J. Estruturas de governança em arranjos ou sistemas locais de produção. Gestão e Produção, São Carlos, SP, v. 14, n. 2, p. 425-39, maio/ago. 2007.

TENÓRIO, F. G. Gestão social e gestão estratégica: experiências em desenvolvimento territorial. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2013.

TIDD, J.; BESSANT, J.; PAVITT, K. Gestão da inovação. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2015.

VANGEN, S.; HUXHAM, C. Enacting leadership for collaborative advantage: dilemmas of ideology and pragmatism in the activities of partnership managers. British Journal of Management, v. 14, n. 1, p. 61-76, 2003.

WILLIAMSON, O. E. The economic institutions of capitalism. New York: Free Press, 1996.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. São Paulo: Bookman, 2001.

Publicado
2020-01-28