Os tensionamentos entre o global e o local: as ações de responsabilidade socioambiental da Aracruz Celulose e Papel

  • João Vicente R. B. Costa Lima Universidade Federal de Alagoas , Maceió, AL,
  • François Gavard Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS
Palavras-chave: responsabilidade socioambiental, desenvolvimento, racionalidade empresarial.

Resumo

O presente artigo analisa as ações de responsabilidade socioambiental da Aracruz Celulose e Papel,refl etindo (I) se, genericamente, ocorre uma rearticulação do campo econômico com base em novos valoressocioambientais que redimensionariam as instituições do Estado, da Sociedade e do Mercado e (II) se, maisespecifi camente, são produzidos efeitos mais sustentáveis no nível de interação entre o cidadão-consumidor e omercado. Ao fundo, discutem-se as (in)congruências entre o global e o local.

Referências

ARACRUZ Celulose. Relatório anual de sustentabilidade 2006, 2007, 2008. São Paulo. Disponível em: <http://www.aracruzcelulose.com.br>. Acesso em: 8 set. 2009.

BECK, Ülrich. Risk Society: towards a new modernity. Londres: Sage, 1991.

BRÜSEKE, Franz. Desestruturação e desenvolvimento. In: FERREIRA, Leira da Costa; VIOLA, Eduardo (Orgs.). Incertezas de sustentabilidade na globalização. Campinas: UNICAMP, 1996. p. 103-132.

CARROLL, A. A three-dimensional conceptual model of corporate performance. Academy of Management Review, Mississipi, v. 4, p. 497-505, 1979.

CHANG, Ha-Joon. The east asian development experience: the miracle, the crisis and the future. London: Anthem Press, 2006.

CHEIBUB, Zairo; LOCKE, Richard. Valores ou interesses? Reflexões sobre a responsabilidade social das empresas. In: KIRSCHNER, Ana Maria; GOMES, Eduardo R.; CAPPELLIN, Paola (Orgs.). Empresa, empresários e globalização. Rio de Janeiro: Relume Dumará/FAPERJ, 2002.

DEMAJOROVIC, Jacques. Sociedade de risco e responsabilidade socioambiental: perspectivas para a educação corporativa. São Paulo: Senac, 2003.

DONAIRE, Dennis. Considerações sobre a variável ambiental na empresa. Revista de administração de empresas, São Paulo, v. 34, n. 2, p. 68-77, 1994.

EPSTEIN, E. The corporate social policy process: beyond business ethics, corporate social responsability and corporate social responsiveness. California Management Review, v. 29, n. 3, p. 99-114, 1987.

EVANS, P.; RUESCHMEYER, D.; SKOCPOL, T. Bringing the state back in. Cambridge: Cambridge University Press, 1985.

FERREIRA, Leila da Costa. Ambiente & Sociedade, Campinas, SP, Ano III, n. 6/7, 1o sem. 2000/2o sem. 2000.

FREEMAN, R. Strategic Management: a stakeholder approach. Boston: Pitman, 1984.

FRIEDMAN, M. The social responsability of business is to increase its profits. New York Times Magazine, v. 17, n. 6, p. 595-612, 1970.

MOL, A. P. J. Modernizacion ecológica: transformaciones industriales y reforma ambiental. In: REDCLIFT, Michael; WOODGATE, G. (Org.), Sociologia del medio ambiente: una perspectiva internacional. Madrid: Mcgraw-Hill/Interamericana de Espana, 2002. p. 143-156.

NEDER, Ricardo T. O problema da regulação pública ambiental no Brasil: três casos. In: FERREIRA, Leira da Costa; VIOLA, Eduardo (Orgs.), Incertezas de sustentabilidade na globalização. Campinas, SP: UNICAMP, 1996. p. 217-240.

TACHIZAWA, Takeshy. Gestão ambiental e responsabilidade social corporativa. Estratégias de negócios na realidade brasileira. São Paulo: Atlas, 2007.

VIOLA, Eduardo. Ambiente & Sociedade, Campinas, SP, Ano II, n. 3, 2o sem. 1998.

Publicado
2015-12-09