Concepções de desenvolvimento e aprendizagem em crianças com microcefalia: representações de estudantes universitários

Palavras-chave: representações sociais, microcefalia, desenvolvimento, universitários, aprendizagem

Resumo

O presente trabalho objetivou discutir as representações sociais de universitários acerca da microcefalia, do desenvolvimento e da aprendizagem. O trabalho foi realizado com 100 estudantes. Fez-se uso de uma entrevista semiestruturada analisada pelo software IRAMUTEQAs representações perpassam a compreensão da microcefalia enquanto doença que limita o desenvolvimento e a aprendizagem. Percebe-se a necessidade de novos estudos que contribuam para a discussão mais crítica diante dessa problemática.

Biografia do Autor

Edna Brito Amaral, Universidade Federal do Piauí (UFPI)

Mestre em Sociologia pela Universidade Federal do Piauí (UFPI). Especialista em Gestão em Saúde pela Universidade Estadual do Piauí (UESPI). Psicóloga pela UFPI/Parnaíba.

Fauston Negreiros, Universidade Federal do Piauí (UFPI)

Pós-Doutor em Psicologia Escolar e Educacional pela Universidade de São Paulo (USP). Doutor e mestre em Educação pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Graduado em Psicologia pela Universidade Estadual do Piauí (UESPI). Professor associado do  Programa  de  Pós-Graduação  (Stricto  Sensu) em Psicologia da UFPI. Membro da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional (ABRAPEE).

Luisa Nayra Silva Gomes, Universidade Estadual do Piauí (UFPI)

Mestranda em Sociologia pela Universidade Estadual do Piauí (UFPI). Pedagoga pela UFPI.

Ludgleydson Fernandes Araújo, Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Doutor em Psicologia pela Universidad de Granada (Espanha), com período sanduíche na Università di Bologna (Itália). Mestre em Psicologia e Saúde pela Universidade de Granada (Espanha), mestre em Psicologia Social e especialista em Gerontologia pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Psicólogo. Professor do Programa de Pós-Graduação em Sociologia (Stricto Sensu) e do Departamento de Psicologia da Universidade Federal do Piauí (UFPI).

Referências

ANACLETO, J. M. B. Relação ensino-aprendizagem e a impossibilidade da educação. Estilos da Clínica, São Paulo, v. 21, n. 1, p. 133-51, 2016.

BRANCO, N. Actividade Física Adaptada numa unidade de intervenção especializada em multideficiência. Porto: N. Branco, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Diretrizes de estimulação precoce: crianças de zero a 3 anos com atraso no desenvolvimento neuropsicomotor decorrente de microcefalia. Brasília: Ministério da Saúde, 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Diretrizes e Normas Regulamentadoras de Pesquisas Envolvendo Seres Humanos. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf. Acesso em: 20 set. 2016.

CAMARGO JR., K. R. D. Zika, microcefalia, ciência e saúde coletiva. Physis, Rio de Janeiro, v. 26, n. 1, p. 9-10, 2016.

CAMARGO, B. V.; JUSTO, A. M. Tutorial para uso do software de análise textual IRAMUTEQ. Laboratório de Psicologia Social da Comunicação e Cognição (LACCOS) Florianópolis: UFSC, 2013. Disponível em: http://www.iramuteq.org/documentation/fichiers/tutoriel-en-portugais. Acesso em: 20 set. 2016.

CAVALCANTE, A. C. S. Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagem. Teresina: UAB/FUEPI/NEAD, 2012.

COSTA, A. M. A determinação social da microcefalia e o saneamento. Recife: Fundação Oswaldo Cruz, 2016. Disponível em: http://scf.cpqam.fiocruz.br/eventozika/pdfs/Andre_Monteiro_Zika_ABCDE_2016.pdf.Acesso em: 20 set. 2016.

DOISE, W. Atitudes e representações sociais. In: JODELET, D. (Org). As representações sociais. Rio de Janeiro: UERJ, 2001.

DUARTE, E.; GARCIA, L. P. Pesquisa e desenvolvimento para o enfrentamento da epidemia pelo vírus Zika e suas complicações. Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, v. 25, n. 2, p. 231-2. 2016.

GITAHY, R. R. C.; DA SILVA, J. P.; TERÇARIOL, A. A. L. O uso das tecnologias de informação e comunicação aplicadas como tecnologia assistiva na construção do conhecimento dos alunos com deficiência visual que frequentam as salas de recursos multifuncionais. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, São Paulo, v. 11, n. 1, p. 111-130, 2016.

LIMA, L. A. D. Formação docente para atuação com estudantes que apresentam necessidades educacionais especiais numa perspectiva inclusiva. 2016. Monografia (Graduação em Pedagogia) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN, 2016.

LINO, J. Estratégias de integração e facilitação da aprendizagem, para alunos com microcefalia nas aulas de Educação Física: estudo de caso de uma turma. 2013. Relatório de Estágio Pedagógico desenvolvido na escola EB 2,3/S da Guia junto da Turma do 10º Ano ano letivo 2012/2013. Relatório Final (Mestrado em Ciências do Desporto e Educação Física) – Universidade de Coimbra, Coimbra, Portugal, 2013.

LÖWY, I. Zika and Microcephaly: can we learn from history? Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 26, n. 1, p. 11-21, 2016.

LUCCHESE, G.; KANDUC, D. Zika virus and autoimmunity: from microcephaly to Guillain-Barre syndrome, and beyond. Autoimmunity reviews, August, v. 5, n. 8, p. 801-08, 2016. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/27019049. Acesso em: 20 set. 2016.

MESTRINER, R. G. Uma realidade revisitada em tempos de Zika vírus e microcefalia: estamos preparados para comunicar um diagnóstico de deficiência? Ciência & Saúde, Porto Alegre, v. 8, n. 3, p. 98, 2016.

MINAYO, M. C. S. (Org.). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 29. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

MOURA, E. A.; MATA, M. S.; PAULINO, P. R. V.; FREITAS, A. P.; ALBERTO, C., JÚNIOR, M.; MÁRMORA, C. H. C. Os Planos Genéticos do Desenvolvimento Humano: A Contribuição de Vigotski. Revista Ciências Humanas, Taubaté, SP, v. 9, n. 1, p. 106-14, 2016.

MOREIRA, A. S. S.; OLIVEIRA, P. A. B. Infecção pelo zika vírus e malformações do sistema nervoso central. In: JORNADA CIENTÍFICA DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DO UNIFESO, 27., 2016, Teresópolis. Anais [...]. Teresópolis: UNIFESO, 2016.

MOSCOVICI, S. La psychanalyse: son image et son public. Paris: PUF, 1976. [Conforme impressão de 1961].

REIS, R. P. Aumento dos casos de microcefalia no Brasil. Revista Médica de Minas Gerais, Belo Horizonte. v. 25, n. 6, p. S88-S91, 2015.

SÁ, L. M. S. M. P. Intervenção precoce e microcefalia: estratégias de intervenção eficazes. 2013. Dissertação (Mestrado em Ciências da Educação na Especialidade de

Educação Especial no Domínio Cognitivo-Motor) – Escola Superior de Educação João de Deus, Lisboa, Portugal, 2013.

SANTOS, D. D. O processo de alfabetização nas séries iniciais do ensino fundamental: metodologias de ensino na alfabetização da criança nas séries iniciais. Monografia (Curso de Pedagogia do Centro de Educação, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte). Nova Cruz, Rio Grande do Norte. 2016. Disponível em: http://editorarealize.com.br/revistas/fiped/trabalhos/5d814cf713d2e0dfc41684bf675e24e7_2048.pdf. Acesso em: 20 set. 2016.

VALA, J. Representações sociais e psicologia social do conhecimento quotidiano. In: VALA, J.; MONTEIRO, M. B. Psicologia Social. 2. ed. Lisboa: Fundação Ca., 2004. p. 457-502.

VENTURA, C. V.; MAIA, M.; BRAVO-FILHO, V.; GÓIS, L. A.; BELFORTE JR., R. Zika virus in Brazil and macular atrophy in a child with microcephaly. The Lancet, v. 387, n. 10.015, p. 228. 2016.

VYGOTSKY, L. S. O desenvolvimento dos conceitos científicos na infância. Pensamento e linguagem, 2011, p. 93-5. [Versão para eBook eBooksBrasil.com. Disponível em: www.jahr.org].

VYGOTSKY, L. S. Obras completas: fundamentos da defectologia. Tomo V. Tradução de Maria del Carmen Ponce Fernández. Ciudad de La Habana: Editorial Pueblo y Educación, 1989.

Publicado
2021-06-02
Como Citar
Amaral, E. B., Negreiros, F., Gomes, L. N. S., & Araújo, L. F. (2021). Concepções de desenvolvimento e aprendizagem em crianças com microcefalia: representações de estudantes universitários. Interações (Campo Grande), 22(1), 165-176. https://doi.org/10.20435/inter.v22i1.1995