Rede empresarial: a estratégia da produção de sementes de soja transgênica em Goiás

  • Luís Cláudio Martins de Moura Universidade Católica de Goiás
  • Joel Bevilaqua Marin Universidade Federal de Santa Maria
Palavras-chave: Rede de empresas. Reestruturação produtiva. Estratégias empresariais.

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar a rede empresarial de produção de semente de soja transgênica no estado de Goiás. A principal rede de produção de semente de soja transgênica adaptada ao cerrado é constituída pela parceria entre Monsanto, Embrapa e Centro Tecnológico para Pesquisas Agropecuárias. Conclui-se que a Monsanto ocupa uma posição hegemônica na rede empresarial.

 

Referências

BRASIL. Lei n. 11.105, de 24 de março de 2005. Regulamenta os incisos II, IV e V do § 1o do art. 225 da Constituição Federal, estabelece normas de segurança e mecanismos de fiscalização de atividades que envolvam organismos geneticamente modificados – OGM e seus derivados, cria o Conselho Nacional de Biossegurança – CNBS, reestrutura a Comissão Técnica Nacional de Biossegurança – CTNBio, dispõe sobre a Política Nacional de Biossegurança – PNB, revoga a Lei no 8.974, de 5 de janeiro de 1995, e a Medida Provisória no 2.191-9, de 23 de agosto de 2001, e os arts. 5o, 6o, 7o, 8o, 9o, 10 e 16 da Lei n. 10.814, de 15 de dezembro de 2003, e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/lei/L11105.htm>. Acesso em: 20 out. 2008.

______. Lei n. 9456, de 25 de abril de 1997. Institui a Lei de Proteção de Cultivares e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil/leis/L9456.htm>. Acesso em: 20 out. 2008.

______. Lei n. 9.279, de 14 de maio de 1996. Regula os direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9279.htm >. Acesso em: 20 out. 2008.

BUAINAIN, A.; CARVALHO, S. Propriedade Intelectual em um Mundo Globalizado. Parcerias Estratégicas, Brasília, n. 9, p. 145-153, out. 2000.

CARVALHO, S. M. Política de propriedade intelectual no Brasil: intervenções nos campos de saúde e de sementes. Brasília: IPEA, 2005. n. 1140.

CASTELLS, M. Sociedade em rede: a era da informação: economia, sociedade e cultura. São Paulo: Paz e Terra, 1999. Vol. 1.

ELIAS, D. Globalização e agricultura. São Paulo: Edusp, 2003.

EMBRAPA. Contratos da Embrapa com a Monsanto. Disponível em: <http/www.embrapa.br>. Acesso em: 30 jun. 2006.

______. Política de negócios tecnológicos. Brasília: Embrapa/SPI, 1998.

GUERRANTE, R. Transgênicos: uma visão estratégica. Rio de Janeiro: Interciência, 2003.

HARVEY, D. A condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. Petropólis: Loyola, 2001.

MAZZALI, L. O processo de reorganização agroindustrial: do complexo à organização em “rede”. São Paulo: Ed. da Unesp, 2000.

MAZZALI, L.; COSTA, V. As formas de organização em rede: configuração e instrumento de análise da dinâmica industrial recente. Revista de Economia Política, São Paulo, v. 17, n. 4, p 121-139, out./dez. 1997.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO (MAPA). Dados das cultivares protegidas: SNPC, 2006. Disponível em: <http://www.agricultura.gov.br>. Acesso em: 15 jun. 2006.

MIRANDA, L. Novas concepções de parcerias na Embrapa. 2005. Disponível em: <http://www.abrasem.com.br/materia_tecnica/2005/0004_nova_concepcao.htm>. Acesso em: 25 out. 2006.

MONSANTO. Notícias, [S.l., s.d.] Disponível em: <http://www.monsanto.com.br>. Acesso em: 26 jun. 2005.

PESSANHA, L.; WILKINSON, J. Transgênicos provocam novo quadro regulatório e novas formas de coordenação do sistema agroalimentar. Cadernos de Ciência e Tecnologia, v. 20, n. 2, p. 263-303, 2003.

______. Transgênicos, recursos genéticos e segurança alimentar: o que está em jogo nos debates? Campinas: Armazém do Ipê (Autores Associados), 2005.

RETEC. Encontro de propriedade intelectual e comercialização de tecnologia. Rio de Janeiro: Rede de tecnologia do Rio de Janeiro/INPI; Brasília: ABIPTI, 2002.

RUBIO, B. Explotados e excluidos: los campesinos latinoamericanos en la fase agroexportadora neoliberal. México: Plaza y Valdés, 2001.

SANTINI, G; PAULILLO, L. F. Mudanças tecnológicas e institucionais na indústria de sementes no Brasil: uma análise aplicada aos mercados de milho híbrido e soja. Agricultura em São Paulo, v. 50, n. 1, p. 25-42, 2003.

SHIVA, V. Biopirataria: a pilhagem da natureza e do conhecimento. Petrópolis: Vozes, 2001.

SILVA, J. G. Tecnologia e agricultura familiar. Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS, 1999.

VEIGA, J. E. O “fordismo” na acepção regulacionista. Revista de Economia Política, São Paulo, v. 17, n. 3, p. 63-70, 1997.

WILKINSON, J.; CASTELLI, P. A transnacionalização da indústria de sementes no Brasil: biotecnologias, patentes e biodiversidade. Rio de Janeiro: ActionAid Brasil, 2000.

ZYLBERSZTAJN, D. Papel dos contratos na coordenação agro-industiral: um olhar além do mercado. Revista de Economia e Sociologia Rural, Rio de Janeiro, v. 43, n. 3, p. 385-420, jul./set. 2005.

ZYLBERSZTAJN, D.; LAZZARINI, S.; MACHADO FILHO, C. Avaliação dos impactos de variedade transgênicas no sistema agroindustrial. Revista de Administração, São Paulo, v. 34, p. 21-31, jul./set. 1999.

Publicado
2015-12-08