A elaboração de um índice de segregação socioespacial como ferramenta de gestão e análise do espaço urbano de Viçosa, MG

Palavras-chave: Segregação Socioespacial, desenvolvimento local, Ferramenta de Gestão, Viçosa-MG

Resumo

O presente trabalho objetivou analisar o espaço urbano da cidade de Viçosa-MG a partir da elaboração de um índice de segregação socioespacial (ISSE). Utilizou-se a pesquisa bibliográfica sobre o conceito de segregação socioespacial para identificar os indicadores que explicam o mesmo e em seguida, realizou-se uma pesquisa documental (dados secundários) sobre os indicadores selecionados possibilitando a elaboração do ISSE. A pesquisa trás a luz a importância da elaboração desse índice, como ferramenta de gestão e análise do espaço urbano, uma vez que revelou de forma objetiva o estado do fenômeno.

Biografia do Autor

Reinaldo Antônio Bastos Filho, Universidade Federal de Viçosa
Bacharel em Administração Pública, Universidade Federal de Ouro Preto. Bacharel em Gestão de Cooperativas, Especialista em Gestão da Produção, Mestre em Administração e Doutorando em Economia Doméstica, todos pela Universidade Federal de Viçosa.
Neide Maria de Almeida Pinto, Universidade Federal de Viçosa
Possui graduação em Economia Doméstica pela Universidade Federal de Viçosa (1991), mestrado em Economia Doméstica pela Universidade Federal de Viçosa (1995) e doutorado em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2002) e fez estágio de doutorado sandwiche junto ao Centre National de la Recherche Scientifique - Observatoire Sociologique du Changement sob orientação do prof. Serge Paugam (2000/2001) em Paris, França. Pós-Doutorado em Sociologia no Centro de Investigação em Ciências Sociais da Universidade do Minho em Portugal (2013). Professora associada, vinculada ao Depto de Economia Doméstica, na Universidade Federal de Viçosa. E, desde nov/2015 atua como coordenadora do Programa de Pós Graduação em Economia Doméstica e como presidente da Comissão de Pesquisa e de Ensino do DED. 
Ana Louise de Carvalho Fiúza, Universidade Federal de Viçosa
Fez Ciências Sociais na Universidade Federal de Juiz de Fora, com conclusão em 1992. Especialização em Ciências da Religião, também, na Universidade Federal de Juiz de Fora, em 1993; Mestrado em Extensão Rural pela Universidade Federal de Viçosa (UFV), concluído em 1997; Doutorado em Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, concluído em 2001; Pós-Doutorado no Centro de Investigações em Ciências Sociais da Universidade do Minho, em Portugal, na linha de pesquisa "População, Família e Saúde", concluído em 2013. Atua desde 2004 como professora do Departamento de Economia Rural da UFV, estando, atualmente na condição de Professora Associada III.
Dimitri Fazito de Almeida Rezende, Universidade Federal de Minas Gerais
Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Minas Gerais (1995), mestrado em Sociologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (2000) e doutorado em Demografia pela Universidade Federal de Minas Gerais (2005). Fez estágio pós-doutoral na University of Florida (EUA) pesquisando a aplicação da Análise de Redes Sociais em Demografia. Tem experiência nas áreas de Sociologia Urbana e População (com ênfase em mobilidade da população), Sociologia Econômica e Organizações e Metodologia. Tem interesse principalmente nos seguintes temas: Análise de Redes Sociais (teoria e métodos); Sociologia Econômica e da Cultura; Sociologia das Migrações (especialmente migrações internacionais e refugiados); Sociologia da Família; Computação Social; Globalização, Desenvolvimento e Fronteiras; Etnicidade e Transnacionalismo. Atualmente é professor adjunto (Dedicação Exclusiva) do Departamento de Sociologia, UFMG; é integrante e atual Coordenador do Grupo Interdisciplinar de Pesquisa em Análise de Redes Sociais (GIARS), FAFICH/UFMG. 

Referências

ALONSO, William. Location and land use. Cambridge, Mass. Harvard University press, 1965.

ANSELIN, Luc. Local indicator of spatial association – LISA. In: Geografical Analysis. p. 91-115, 1995.

BONDUKI, Nabil; ROLNIK, Raquel. "Periferia da Grande São Paulo: reprodução do espaço como expediente de reprodução da força de trabalho". In: MARICATO, E. (org.). A produção capitalista da casa (e da cidade) do Brasil industrial. São Paulo, Alfa-Ômega. p.117-154, 1982.

BONDUKI, Nabil. Origens da habitação social no Brasil. Aquitetura moderna, lei do inquilinato e difusão da casa própria. 3ª Ed - São Paulo, Estação Liberdade: FAPESP, 1998.

¬¬¬¬¬______________. Uma cidade aberta e segura, 2010. Disponível em: <http://www.cartacapital.com.br/sociedade/uma-cidade-aberta-e-segura>. Acesso em: 31/03/2017.

BRASIL. SUAS, Sistema único de Assistência Social. Ministério do desenvolvimento social e combate à fome secretaria nacional de assistência social, 2005. Disponivel em: >http://www.assistenciasocial.al.gov.br/sala-de-imprensa/arquivos/NOB-SUAS.pdf< Acesso em: 31/03/2017

CALDEIRA, Teresa Pires do Rio. “Enclaves fortificados: a nova segregação urbana”. Novos Estudos CEBRAP, n. 47, p. 155-176, 1997.

_____________. Cidade de muros: crime, segregação e cidadania em São Paulo. p.400. São Paulo, Editora 34/Edusp, 2000.

CASTELLS, Manuel. A questão urbana. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1983.

COELHO, Dayana Debossan. Da Fazenda ao Bairro: A Construção de uma Nova Viçosa (1970-2000). Monografia, UFV, 2013.

CRUZ, Tancredo Almada. Retrato social de Viçosa V. Viçosa, MG: CENSUS, 2014.

DA SILVA, Ananias Ribeiro, et al. Retrato Social de Viçosa III. Viçosa, MG: CENSUS, 2010.

DO LAGO, Luciana Corrêa. A lógica segregadora na metrópole brasileira: novas teses sobre antigos processos. Planejamento e Território, p. 155, 2002.

GUIMARÃES, Maria Clariça Ribeiro. Os movimentos sociais e a luta pelo direito à cidade no Brasil contemporâneo. Serviço Social e Sociedade, n. 124, 2015.

HUGHES, Pedro Javier Aguerre. Segregação socioespacial e violência na cidade de São Paulo: referências para a formulação de políticas públicas. São Paulo em Perspectiva, v. 18, n. 4, p. 93-102, 2004.

IBGE, 2015. Disponivel em: http://www.amupe.org/ibge-divulga-as-estimativas-populacionais-dos-municipios-em-2015/ Acesso em: 31/03/2017

IBGE-CIDADES, 2015. Disponivel em: >http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=317130&search=minas-gerais|vicosa< Acesso em: 31/03/2017.

MARICATO, Ermínia. Habitação e cidade. Atual Editora. São Paulo. 1997.

_____________. Urbanismo na periferia do mundo globalizado: metrópoles brasileiras. São Paulo em perspectiva, v. 14, n. 4, p. 21-33, 2000.

_____________. Ciclo de Debates, 2013. Disponivel em: >http://www.fpabramo.org.br/ciclosfpa/?page_id=60<. Acesso em: 03/05/2016

LEFEBVRE, Henri. A revolução urbana. Tradução de Sérgio Martins. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2002.

LOJKINE, Jean. O estado capitalista e a questão urbana. São Paulo, Martins Fontes, 1981.

PINCON-CHARLOT, Monique; PRETECEILLE, Edmond; RENDU, Paul. Ségrégation urbaine. Classes sociales et équipements collectifs en Région parisienne, Paris, Ed. Arthropos, 1986.

ORBIS, Observatório Regional Base de Indicadores de Sustentabilidade. Serviço Social da Indústria. Departamento Regional do Estado do Paraná. Construção e Análise de Indicadores. Curitiba: [s.n.], 2010.

SOUZA, N. S., et al. As sociabilidades possíveis em conjuntos habitacionais do Programa Minha Casa, Minha Vida (PMCMV): o caso de Viçosa–MG. 150f. Dissertação (Mestrado em Economia Doméstica), Universidade Federal de Viçosa, 2015.

SPOSITO, Maria Encarnação Beltrão. Segregação socioespacial e centralidade urbana. A cidade contemporânea: segregação espacial. São Paulo: Contexto, p. 61-93, 2016.

VETTER, David; MASSENA, Rosa Maria. Quem se apropria dos benefícios líquidos dos investimentos do Estado em infra-estrutura? Uma teoria de causação circular. In: Solo Urbano: Tópicos sobre o Uso da Terra (L. A. Machado da Silva, org.), Rio de Janeiro: Ed. Zahar, pp. 49-77, 1981.

VILLAÇA, F. Espaço intra-urbano no Brasil. São Paulo: Studio nobel: FAPESP, 2001.

VILLAÇA, Flávio. São Paulo: segregação urbana e desigualdade. Estudos avançados, v. 25, n. 71, p. 37-58, 2011.

Publicado
2019-09-23