Representações sociais da hanseníase: um estudo psicossocial com moradores de um antigo hospital-colônia

Palavras-chave: hanseníase, hospital colônia, representações sociais.

Resumo

Esta pesquisa teve como objetivo identificar e analisar as representações sociais da hanseníase entre os moradores de um hospital colônia. Diante dos resultados, percebeu-se que as representações sociais da doença apresentaram ideias antagônicas, pois, ainda que ancoradas, sobretudo em conteúdos relacionados à lepra, elas também evidenciaram elementos embasados no conhecimento científico e que representam a hanseníase como qualquer outra enfermidade curável.

Biografia do Autor

Ádilo Lages Vieira Passos, Universidade Federal do Piauí, Campus de Parnaíba, Departamento de Psicologia, Parnaíba, PI
Bacharel em Psicologia pela Faculdade Integral Diferencial (FACID DEVRY). Mestre em Psicologia (UFPI). Membro do PSIQUED, Núcleo de Pesquisa e Estudos em Desenvolvimento Humano, Psicologia Educacional e Queixa Escolar, vinculado ao CNPQ
Ludgleydson Fernandes de Araújo, Universidade Federal do Piauí, Campus de Parnaíba, Departamento de Psicologia, Parnaíba, PI
Psicólogo, doutor em Psicologia pela Universidad de Granada (Espanha) com período sanduíche na Università di Bologna (Itália), mestre em Psicologia e Saúde pela Universidade de Granada (Espanha), mestre em Psicologia Social e especialista em Gerontologia pela UFPB. Professor orientador do Programa de Pós-Graduação (Stricto Sensu) em Psicologia da Universidade Federal do Piauí (UFPI). Bolsista de Produtividade PQ-2 em pesquisa pelo CNPq.

Referências

ABRIC, Jean Claude. A abordagem estrutural das representações sociais. In: MOREIRA, Antonia Silva Paredes; OLIVEIRA, Denize Cristina de (Org.). Estudos interdisciplinares de representação social. Goiânia: AB, 1998. p. 27-38.

ARAÚJO, Daniella A. L.; BRITO, Karen K. G.; SANTANA, Emanuele M. F.; SOARES, Valéria L.; SOARES, Maria Júlia G. O. Caracterização da qualidade de vida de pessoas com hanseníase em tratamento ambulatorial. Revista de Pesquisa Cuidado é Fundamental (On-line), Rio de Janeiro, v. 8, n. 4, p. 5010-6, out./dez. 2016.

BARRETO, Jubel; GASPARONI, Jéssica M.; POLITANI, André L.; REZENDE, Lorena M. de; EDILON, Tainah S.; FERNANDES, Victor G.; LIMA,Vinícius M. Hanseníase e estigma. Hansenologia Internationalis, Bauru, SP, v. 38, n. 1-2, p. 14-25, 2013.

BLANCO CÓRDOVA, Carlos Alberto; CANGAS GARCIA, Teresa. Lepra: impacto psicossocial. Enfermería Global, Murcia, Espanha, v. 11, n. 25, p. 287-98, jan. 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Sintomas. [s.d.]. Disponível em: http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/hanseniase . Acesso em: 15 dez. 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. O que é hanseníase? [s.d.]. Disponível em: http://saude.gov.br/saude-de-a-z/hanseniase. Acesso em: 14 jan. 2020.

CAMARGO, Brígido Vizeu; JUSTO, Ana Maria. Tutorial para uso do software de análise textual IRAMUTEC. Florianópolis, Laboratório de Psicologia Social da Comunicação e Cognição (LACCOS), Universidade Federal de Santa Catarina, 2016.

CASTRO, Selma Munhoz Sanches de; WATANABE, Helena Akemi Wada. Isolamento compulsório de portadores de hanseníase: memória de idosos. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 16, n. 2, p. 449-87, abr./jun. 2009.

CHAVES, Antonio Marcos; SILVA, Priscila Lima. Representações sociais. In: CAMINO, Leôncio et al. (Org.). Psicologia social: temas e teorias. Brasília: Technopolitik, 2011. p. 299-350.

EIDT, Letícia Maria. Breve história da hanseníase: sua expansão do mundo para as Américas, o Brasil e o Rio Grande do Sul e sua trajetória na saúde pública brasileira. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 13, n. 2, p. 76-88, maio/ago. 2004.

FONSECA, Cláudia. Sexualidade, gênero e afeto nos hospitais-colônias de hanseníase. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 41, p. 29-40, abr. 2013.

FRANCO, Maria Laura Puglisi Barbosa. Representações sociais, ideologia e desenvolvimento da consciência. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 34, n. 121, p. 169-86, jan./abr. 2004.

JODELET, Denise. Representações sociais: um domínio em expansão. In: JODELET, Denise. (Org.). As representações sociais. Rio de Janeiro: EdUerj, 2001. p. 17-44.

LAHLOU, Saadi. Difusão das representações e inteligência coletiva distribuída. In: ALMEIDA, Angela Maria Oliveira.; SANTOS, Maria de Fátima de Souza.; TRINDADE, Zeidi Araújo (Org.). Teoria das representações sociais: 50 anos. Brasília: Scribd, 2014. p. 77-130.

LEITE, Soraia Cristina Coelho; SAMPAIO, Cristina Andrade; CALDEIRA, Antônio Prates. “Como ferrugem em lata velha”: o discurso do estigma de pacientes institucionalizados em decorrência da hanseníase. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 25, n. 1, p. 121-38, mar. 2015.

LINS, Anete Umbelina Ferreira de Almeida. Representações sociais e hanseníase em São Domingos do Capim: um estudo de caso na Amazônia. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 20, n. 1, p. 171-94, 2010.

MONTE, Raquel Santos; PEREIRA, Maria Lúcia Duarte. Hanseníase: representações sociais de pessoas acometidas. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, Fortaleza, v. 16, n. 6, p. 863-71, nov./dez. 2015.

MOSCOVICI, Serge. Representações sociais: investigações em psicologia social. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

MUNIZ, Lucas da S.; AMARAL, Irmara Géssica S.; DIAS, Thiago da S.; RODRIGUES JÚNIOR, Jorge L. The influence of assistive technology on occupational performance and satisfaction of leprosy patients with grade 2 disabilities. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Uberaba, MG, v. 49, n. 5, p. 644-7, set./out. 2016.

OLIVEIRA, Maria Leide W.; MENDES, Carla Maria.; TARDIN, Rachel T.; CUNHA, Mônica D.; ARRUDA, Angela. Social representation of Hansen’s disease thirty years after the term ‘leprosy’ was replaced in Brazil. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 10, (suplemento 1), p. 41-8, 2003.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE - OMS. Estratégia global para hanseníase 2016-2020: aceleração rumo a um mundo sem hanseníase. Genebra: World Health Organization, 2016. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/208824/9789290225201-pt.pdf. Acesso em: 2 jan. 2018.

PALMEIRA, Iací Proença; QUEIROZ, Ana Beatriz Azevedo; FERREIRA, Márcia de Assunção. Marcas em si: vivenciando a dor do (auto) preconceito. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 66, n. 6, p. 893-900, nov./dez. 2013.

PALMEIRA, Iací Proença; QUEIROZ, Ana Beatriz Azevedo; FERREIRA, Márcia de Assunção. Quando o preconceito marca mais que a doença. Tempus, Actas de Saúde Coletiva, Brasília, v. 6, n. 3, p. 187-99, 2012.

QUEIROZ, Tatiane A.; CARVALHO; Francisca P. B. de; SIMPSON, Clélia A.; FERNANDES, Amélia C. L.; FIGUEIRÊDO, Débora L. de A.; KNACKFUSS, Maria Irany. Perfil clínico e epidemiológico de pacientes em reação hansênica. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v. 36, número especial, p. 185-91, 2015.

RIVERO REYES, Eduardo. Lepra: asunto de preocupación de salud mundial. Revista de Ciencias Médicas La Habana, Havana, v. 19, n. 3, p. 421-32, 2013.

SALES, Jaqueline Carvalho e Silva et al. O significado da hanseníase para o agente comunitário de saúde. Revista Interdisciplinar, Teresina, v. 6, n. 1, p. 17-24, jan./mar. 2013.

SANTOS, Allan D.; SANTOS, Márcio B.; BARRETO, Aline S.; CARVALHO, Denis da S.; ALVES, José Antonio B.; ARAÚJO, Karina C. G. M. de. Análise espacial e características epidemiológicas dos casos de hanseníase em área endêmica. Revista de Enfermagem UFPE on-line, Recife, v. 10, (suplemento 5), p. 4188-97, nov. 2016.

SANTOS, Karen da S.; FORTUNA, Cinira M.; SANTANA, Fabiana R.; GONÇALVES, Marlene F. C.; MARCIANO, Franciele M.; MATUMOTO, Silvia. Significado da hanseníase para pessoas que viveram o tratamento no período sulfônico e da poliquimioterapia. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, SP, v. 23, n. 4, p. 620-7, jul./ago. 2015.

SILVEIRA, Iolanda Ruthes; SILVA, Paulo Roberto da. As representações sociais do portador de hanseníase sobre a doença. Saúde Coletiva, São Paulo, v. 12, n. 3, p. 112-7, 2006.

SILVEIRA, Mariana G. B.; COELHO, Adilson R.; RODRIGUES, Suely Maria; SOARES, Marina M.; CAMILLO, Gustavo N. Portador de hanseníase: impacto psicológico do diagnóstico. Psicologia & Sociedade, Belo Horizonte, v. 26, n. 2, p. 517-27, 2014.

SIMPSON, Clélia A.; MIRANDA, Francisco A. N. de; MENESES, Rejane M.; CARVALHO, Icléia H. da S.; CABRAL, Ana Michele de F.; SANTOS, Vivianne R. C. dos. No habitus do antigo hospital colônia − representações sociais da hanseníase. Revista Online de Pesquisa: Cuidado é Fundamental, Rio de Janeiro, v. 5, n. 3, p. 104-13, jul./set. 2013.

SOUZA, Janice Fabiana Maia de; SENA, Teresa Christina da Cruz Bezerra de. O envelhecer institucionalizado de sujeitos sequelados pela Hanseníase da U/E Abrigo João Paulo II. Revista Kairós Gerontologia, São Paulo, v. 17, n. 1, p. 103-23, mar. 2014.

VALA, Jorge. Representações sociais e psicologia social do conhecimento quotidiano. In: VALA, Jorge; MONTEIRO, Maria Benedicta (Org.). Psicologia social. 7. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2006. p. 187-225.

WORLD HEALTH ORGANIZATION - WHO. Global leprosy update, 2014: time for action accountability and inclusion. Weekly Epidemiological Record, Geneva, v. 91, n. 35, p. 405-20, set. 2016. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/249601/1/WER9135.pdf. Acesso em: 20 dez. 2017.

WORLD HEALTH ORGANIZATION - WHO. Global leprosy update, 2014: need for early case detection. Weekly Epidemiological Record, Geneva, v. 90, n. 36, p. 461–76. set. 2015. Disponível em: http://www.who.int/wer/2015/wer9036.pdf?ua=1 . Acesso em: 22 dez. 2017.

ZAMPARONI, Valdemir. Lepra: doença, isolamento e segregação no contexto colonial em Moçambique. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 24, n. 1, p. 13-39, jan./mar. 2017.

Publicado
2020-01-28